Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Armas biológicas

Por

James Madsen

, MD, MPH, Uniformed Services University of the Health Sciences

Última modificação do conteúdo mai 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

Guerra biológica (GB) é o uso de agentes microbiológicos para propósitos hostis. Tal uso é contrário às leis internacionais e, na realidade, raramente foi aplicado durante as guerras oficiais na história moderna, apesar das extensas preparações e da estocagem de agentes biológicos ocorridas no século XX pela maioria das grandes potências (incluindo o desenvolvimento de cepas resistentes a múltiplas fármacos). A área de maior preocupação é o uso de agentes GB por grupos terroristas. Acredita-se que os agentes biológicos são as melhores armas nesses casos. Esses agentes são entregues clandestinamente e possuem efeitos retardados, permitindo que o usuário permaneça incógnito.

O Centers for Disease Control and Prevention (CDC) dos EUA criou uma lista prioritária de toxinas e agentes biológicos (ver tabela Toxinas e agentes biológicos de alta prioridade do CDC). A prioridade mais alta é a Categoria A.

O uso deliberado de agentes de GB para causar mortes em massa provavelmente implicaria na disseminação de aerossóis para promover a doença por inalação e, portanto, o antraz inalável e a peste pneumônica são as 2 doenças mais prováveis de ocorrer nestas circunstâncias.

Tabela
icon

Toxinas e agentes biológicos de alta prioridade do CDC*

Categoria

Agente

A: prioridade mais alta

Bacillus anthracis, causando antraz

Toxina botulínica do Clostridium botulinum, causando botulismo

Yersinia pestis, causando peste

Francisella tularensis, causando tularemia

Vírus da varíola, causando varíola (varíola clássica)

Vírus de febre hemorrágica viral (FHV)

B: 2ª prioridade mais alta

Brucella spp causando brucelose

Toxina épsilon de Clostridium perfringens que causa intoxicação alimentar

Salmonella que causa intoxicação alimentar, Escherichia coli0157:H7 e Shigella, que causam shigelose

Burkholderia mallei, causando mormo

Burkholderia pseudomallei, causando melioidosis

Chlamydia psittaci, causando psitacose

Coxiella burnetii, causando febre Q

Toxina ricínica do Ricinus communis

Enterotoxina estafilocócica B que causa intoxicação alimentar por estafilococos

Rickettsia prowazekii, causando febre tifoide

Alphaviruses causando encefalites virais (p. ex., encefalites equinas venezuelanas, orientais e ocidentais)

Vibrio cholerae, Cryptosporidium parvum e outros agentes que causam doenças transmitidas pela água (p. ex., cólera, criptosporídiose)

C: 3ª prioridade mais alta

Vírus Nipah, hantavírus, coronavírus da SARS e vírus da influenza capazes de causar uma pandemia de gripe

Outros agentes associados a doenças infecciosas emergentes

CDC = US Centers for Disease Control and Prevention; SARS = síndrome respiratória aguda grave (do inglês Severe Acute Respiratory Syndrome).

*Uma lista alfabética das doenças e dos agentes de bioterrorismo pode ser encontrada em Centers for Disease Control and Prevention: Emergency Preparedness and Response.

Reconhecimento

Pode ser difícil diferenciar o uso de um agente de guerra biológica (GB) de um surto natural de doença. As pistas para uma origem deliberada em vez de natural de uma epidemia da doença são:

  • Casos de doenças normalmente não vistos na área geográfica

  • Distribuição incomum dos casos entre segmentos da população

  • Taxas de ataque ignificativamente diferentes entre aqueles dentro e fora de edificações

  • Surtos separados em áreas geograficamente não contíguas

  • Vários surtos simultâneos ou em série de diferentes doenças na mesma população

  • Vias incomuns de exposição (p. ex., inalação)

  • Doença zoonótica que ocorre em seres humanos, em vez de animais

  • Doença zoonótica que ocorre pela primeira vez em seres humanos e ena seguir em seu vetor típico

  • Doença zoonótica que surge em uma área com baixa prevalência do vetor típico da doença

  • Gravidade incomum da doença

  • Cepas incomuns dos agentes infecciosos

  • Falha da resposta à terapia convencional

A investigação epidemiológica dos casos e a cooperação com as autoridades são cruciais, assim como a comunicação do risco para o público em geral.

Apresentação clínica, diagnóstico e tratamento dos pacientes com doenças causadas por agentes de GB de alto risco são discutidos em outras partes deste Manual: antrax, peste, varíola, tularemia e febres hemorrágicas virais. O tratamento das epidemias decorrentes de agentes de guerra biológica não difere daquele dos surtos naturais, exceto que os médicos devem estar atentos aos padrões incomuns de resistência a antibióticos.

Pode ser necessário proceder ao isolamento (dos pacientes) e à quarentena (dos contatos). A maioria da doenças transmissíveis deliberadamente disseminadas são a varíola (para a qual são necessárias precauções ambientais) e a peste pneumônica (exigindo precauções de gotículas).

Resposta

Por causa dos períodos de incubação relativamente longos da doenças causadas por agentes de GB, a maioria das vidas será salva ou perdida no ambiente hospitalar. São necessários suprimentos adequados de vacinas, antibióticos e antivirais para os pacientes hospitalizados e para seus contatos e sistemas para distribuição dessas contramedidas médicas para os membros do público geralmente com alto risco de exposição são cruciais.

As opiniões expressas neste artigo são as do autor e não refletem a política oficial do Departamento das Forças Armadas, Departamento de Defesa ou o Governo dos EUA.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Alteração unilateral no teste de Thompson
Vídeo
Alteração unilateral no teste de Thompson
Modelos 3D
Visualizar tudo
Tecido conjuntivo musculoesquelético
Modelo 3D
Tecido conjuntivo musculoesquelético

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS