Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

honeypot link

Princípios de terapia dermatológica tópica

Por

Jonette E. Keri

, MD, PhD, University of Miami, Miller School of Medicine

Última modificação do conteúdo jun 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

Tratamentos dermatológicos tópicos são agrupados de acordo com suas funções terapêuticas e incluem

Para certos tratamentos tópicos, a terapia bem sucedida também pode depender do

  • Veículo com o qual um agente é formulado

  • Tipo de curativo usado

Veículos

As terapias tópicas podem ser realizadas por meio de vários veículos, incluindo

  • Pós

  • Líquidos

  • Combinação de líquido e óleo.

O veículo influencia a eficácia terapêutica e pode até causar efeitos adversos (p. ex., dermatite de contato ou irritativa). Em geral, preparações aquosas e à base de álcool são secantes devido à evaporação do líquido e usadas em condições inflamatórias agudas. Pós também são secantes. As preparações à base de óleo são emolientes e preferidas em casos de inflamações crônicas. A escolha do veículo depende do local de aplicação, efeitos estéticos e conveniência.

Pós

Pós inertes podem ser misturados com agentes ativos (p. ex., antifúngicos) para liberar a droga terapêutica. São prescritos para lesões em áreas úmidas ou intertriginosas.

Líquidos

Os veículos líquidos abrangem

  • Banhos e compressas

  • Espumas

  • Soluções

  • Loções

  • Géis

Os banhos e compressas são utilizados quando o tratamento precisa ser aplicado em grandes áreas, como em extensa dermatite de contato ou dermatite atópica.

Espumas são preparações emolientes em aerossol ou à base de álcool. Elas tendem a ser rapidamente absorvidas e podem ser ótimas para áreas do corpo com pelos.

Soluções são ingredientes dissolvidos em solvente, geralmente álcool etílico, propilenoglicol, polietilenoglicol ou água. As soluções são convenientemente usadas em aplicações (principalmente nas doenças do couro cabeludo, como psoríase ou seborreia), mas tendem a ser secantes. Duas soluções comuns são as de Burow e Domeboro®.

As loções são emulsões à base de água. São facilmente aplicadas em regiões pilosas. Elas resfriam e secam lesões inflamatórias agudas e exsudativas, como na dermatite de contato, tinha do pé e tinha crural.

Os géis são ingredientes em suspensão em um solvente espessado por polímeros. Géis costumam ser mais eficazes para liberação controlada de agentes tópicos. Eles geralmente são usados para acne, rosácea e psoríase do couro cabeludo.

Combinação de veículos

As combinações incluem

  • Cremes

  • Pomadas

A combinação de veículos geralmente contém óleo e água, mas pode também conter propileno ou polietilenoglicol.

Os cremes são emulsões semissólidas de óleo e água. Eles são usados para hidratar e resfriar e quando há exsudação. Eles desaparecem ao serem friccionados na pele.

As pomadas são constituídas por óleos (p. ex., vaselina), com pouca ou nenhuma água. Pomadas são ótimos lubrificantes e aumentam a penetração dos fármacos devido à sua natureza oclusiva; uma dada concentração do fármaco é tipicamente mais potente em uma pomada. São indicadas em lesões liquenificadas e naquelas com crostas espessas ou muito escamosas, como psoríase e líquen simples crônico. As pomadas são menos irritantes do que os cremes em erosões ou úlceras. Elas geralmente são mais bem aplicadas após o banho ou depois de umedecer a pele com água.

Curativos

Os curativos protegem lesões abertas, facilitam a cura, incrementam a absorção do fármaco e protegem as roupas do paciente.

Curativos não oclusivos

Os curativos não oclusivos mais comuns são com gaze. Deixam penetrar uma boa quantidade de ar na ferida, o que às vezes é preferível na cicatrização, e permitem secagem da lesão.

Curativos úmido a seco são curativos não oclusivos umidificados com soluções, geralmente salinas, que são utilizados para auxiliar a limpeza e o desbridamento das lesões espessadas ou crostosas. Os curativos são aplicados úmidos e removidos depois de a solução evaporar (curativos úmido a seco) com materiais da pele aderindo ao curativo.

Curativos oclusivos

Os curativos oclusivos aumentam a absorção e a eficácia da terapia tópica. Os mais comuns são os filmes transparentes, como o polietileno (plástico caseiro para embrulhar), ou os curativos flexíveis, transparentes e semipermeáveis. Curativos hidrocoloides extraem o líquido da pele e formam um gel, podendo ser aplicados cobertos por uma gaze nos pacientes com úlceras cutâneas. A gelatina de óxido de zinco (bota de pasta de Unna) é um curativo oclusivo eficaz para pacientes com dermatite de estase e úlceras. Fita plástica impregnada com o corticoide flurandrenolida pode ser usada em lesões isoladas ou recalcitrantes. Curativos hidrocoloides extraem o líquido da pele e formam um gel, podendo ser aplicados cobertos por uma gaze nos pacientes com úlceras cutâneas.

Os curativos oclusivos aplicados sobre corticoides tópicos para aumentar a absorção são, às vezes, utilizados no tratamento da psoríase, dermatite atópica, lesões cutâneas resultantes de lúpus eritematoso sistêmico, dermatite crônica das mãos, entre outras doenças. Absorção sistêmica dos corticoides tópicos pode ocorrer e causar supressão adrenal. Os efeitos adversos locais dos corticoides tópicos incluem

  • Desenvolvimento de miliária

  • Atrofia da pele

  • Estrias

  • Infecções fúngicas ou bacterianas

  • Erupção acneiforme

Utilizam-se outros curativos oclusivos para proteger e auxiliar a cicatrização de ferimentos abertos, como queimaduras; às vezes usam-se curativos especiais de silicone para queloides.

Agentes tópicos

As principais categorias dos agentes tópicos são

  • Limpeza

  • Umectantes

  • Secantes

  • Anti-inflamatórios

  • Antimicrobianos

  • Queratolítico

  • Adstringentes

  • Antipruriginosos

Agentes de limpeza

Os principais agentes de limpeza são sabões, detergentes e solventes. Os sabões são os mais populares, mas também são usados detergentes sintéticos. Xampus de lactente normalmente são bem tolerados ao redor dos olhos e para limpeza de ferimentos e abrasões; são úteis para remover crostas e escamas em casos de psoríase, eczema e outras formas de dermatite. Contudo, lesões agudamente irritadas ou exsudativas são limpas de maneira mais eficaz com água ou soro fisiológico.

Água é o principal solvente para limpeza. Os solventes orgânicos (p. ex., acetona, produtos da vaselina, propilenoglicol) são muito secantes, podem ser irritantes e causar dermatite de contato irritativa ou, menos comum, alérgica. A remoção de cosméticos secos e alcatrão endurecido da pele requer pomada à base de vaselina ou um produto comercial de limpeza sem água.

Agentes umectantes

Os umidificantes (emolientes) restauram a água e o óleo da pele e ajudam a manter a hidratação da pele. Eles contêm glicerina, óleo mineral ou vaselina e estão disponíveis como loções, cremes, pomadas e óleos de banho. Os umectantes mais potentes contêm ureia a 2%, ácido láctico de 5 a 12% e ácido glicólico a 10% (concentrações mais altas do ácido glicólico são usadas como queratolíticos, p. ex., na ictiose). São mais eficazes quando aplicados com a pele já umedecida (após o banho). Cremes refrigerantes são emulsões de venda livre de óleos (p. ex., cera de abelha) e água.

Agentes secantes

A excessiva umidade em áreas intertriginosas (entre os artelhos; no sulco interglúteo, axilas, virilhas e dobras inframamárias) pode causar irritação e maceração. Os pós secam a pele macerada e reduzem a fricção, absorvendo a umidade. Contudo, alguns pós tendem a formar grumos e podem ser irritantes ao se umedecerem. O amido de milho (Maisena®) e o talco são muito usados. Embora o talco seja mais eficaz, pode causar granulomas se inalado e não é mais utilizado em talcos para lactentes. O amido de milho pode ocasionar crescimento de fungos. As soluções de cloreto de alumínio representam outro tipo de agentes secantes (frequentemente úteis em casos de hiperidrose). Pós superabsorventes (pós extremamente absorventes) são às vezes necessários para secar áreas muito úmidas (p. ex., para tratar intertrigo).

Agentes anti-inflamatórios

Os agentes tópicos anti-inflamatórios são corticoides ou não corticoides.

Os corticoides são o esteio do tratamento da maioria das dermatoses não infecciosas inflamatórias. As loções são úteis em áreas intertriginosas e na face. Os géis são úteis no couro cabeludo e em dermatite de contato. Os cremes são usados na face e em áreas intertriginosas e no tratamento das dermatoses inflamatórias. As pomadas são úteis em áreas secas descamativas e quando se requer maior potência. Fita impregnada com corticosteroide é útil para proteger uma área contra escoriações. Ela também aumenta a absorção do corticoide e, portanto, sua potência.

A amplitude de potência dos corticoides tópicos varia de leve (classe VII) a superpotente (classe I — Potência relativa dos corticoides tópicos selecionados). As diferenças intrínsecas quanto à potência são atribuíveis à fluoração ou cloração (halogenação) do composto.

Tabela
icon

Potência relativa dos corticoides tópicos selecionados

Classe*

Fármaco

I

Dipropionato de betametasona a 0,05% — pomada

Propionato de clobetasol a 0,05% em creme, pomada ou espuma

Diacetato de diflorasona a 0,05% — pomada

Propionato de halobetasol a 0,05% — creme ou pomada

II

Ancinonida a 0,1% — pomada

Dipropionato de betametasona a 0,05% — creme

Dipropionato de betametasona a 0,05% — pomada

Desoximetasona a 0,25% — creme, 0,05% — gel, 0,25% — pomada

Diacetato de diflorasona a 0,05% — pomada

Fluocinonida a 0,05% — creme, gel, pomada ou solução

Halcinonida a 0,1% — creme.

Furoato de mometasona a 0,1% — pomada

III

Ancinonida a 0,1% — creme ou loção

Dipropionato de betametasona a 0,05% — creme

Dipropionato de betametasona a 0,05% — loção

Valerato de betametasona a 0,1% — pomada

Desoximetasona a 0,05% — creme

Diacetato de diflorasona a 0,05% — creme

Fluocinonida a 0,05% — creme

Propionato de fluticasona a 0,005% — pomada

Halcinonida a 0,1% — pomada ou solução

Triancinolona acetonida a 0,1% — pomada

IV

Fluocinolona acetonida a 0,025% — pomada

Fluorandrenolida a 0,05% — pomada

Furoato de mometasona a 0,1% — creme ou loção

Triancinolona acetonida a 0,1% — creme ou pomada

V

Valerato de betametasona a 0,1% — creme

Desonida a 0,05% — pomada

Fluocinolona acetonida a 0,025% — creme

Fluorandrenolida a 0,05% — creme

Propionato de fluticasona a 0,05% — creme

Butirato de hidrocortisona a 0,1% — creme, pomada ou solução

Propionato de clobetasol a 0,2% — creme ou pomada

Triancinolona acetonida a 0,1% — loção ou a 0,025% — pomada

VI

Dipropionato de alclometasona a 0,05% — creme ou pomada

Valerato de betametasona a 0,1% — loção

Desonida a 0,05% — creme

Pivalato de flumetasona a 0,03% — creme

Fluocinolona acetonida a 0,01% — creme ou solução

Triancinolona acetonida a 0,1% — creme

Triancinolona acetonida a 0,025% — creme ou loção

VII

Hidrocortisona a 1% ou 2,5% — creme; 1% ou 2,5% — loção; 1% ou 2,5% — pomada

Acetato de hidrocortisona (1% ou 2,5% — creme; 1% ou 2,5% — loção; 1% ou 2,5% — pomada) e cloridrato de pramoxina a 1%

*A classe I é a mais potente e a classe VII, a menos potente. A potência depende de diversos fatores, como as características e concentrações dos fármacos e a base em que é veiculada.

Em geral, são aplicados 2 a 3 vezes ao dia, mas os de alta potência devem ser aplicados somente uma vez ao dia ou até com menos frequência. A maioria das dermatoses é tratada com formulações de média a alta potência; formulações leves são mais indicadas em inflamações moderadas e para uso na face ou em áreas intertriginosas, nas quais a absorção sistêmica e efeitos adversos locais são mais prováveis. Todos os agentes podem causar atrofia cutânea local, estrias e erupções acneiformes quando usados por > 1 mês. Esse efeito é particularmente problemático na pele fina da face, axilas e região genital. Os corticoides também promovem o crescimento de fungos. A dermatite de contato causada pelos conservantes e/ou aditivos também é comum com o uso prolongado. Pode ocorrer dermatite de contato causada pelo próprio corticoide. A dermatite perioral surge com formulações de média e de alta potência quando utilizadas na face, mas não é comum com as formulações leves. As formulações de alta potência podem causar supressão da suprarrenal em crianças, em áreas extensas da pele ou por período prolongado. As contraindicações relativas incluem condições em que infecções latentes tenham um papel subjacente e nas doenças acneiformes.

Os agentes não corticoides anti-inflamatórios compreendem as preparações com alcatrão. O alcatrão vem na forma de coaltar e é indicado em casos de psoríase. Os efeitos adversos são: irritação, foliculite, tingimento de roupas e móveis e fotossensibilização. As contraindicações são as infecções cutâneas. Diversos fitoterápicos são com frequência usados em produtos comerciais, apesar de sua eficácia não estar bem estabelecida. Entre os mais populares encontramos a camomila e a calêndula.

Antimicrobianos

Os antimicrobianos tópicos abrangem

  • Antibióticos

  • Antifúngicos

  • Inseticidas

  • Agentes antissépticos inespecíficos

Os antibióticos tópicos têm poucas indicações. Clindamicina e eritromicina tópicas são utilizadas como tratamento principal ou coadjuvante para acne vulgar em pacientes que não desejam ou toleram antibióticos orais. Metronidazol tópico e, ocasionalmente, sulfacetamida, clindamicina ou eritromicina tópicos são usados para rosácea. A mupirocina tem uma excelente cobertura para Gram-positivos (principalmente, Staphylococcus aureus e Streptococcus) e pode ser usada no tratamento do impetigo quando os tecidos profundos não estão afetados. Retapamulina e ozenoxacina são antibióticos tópicos mais recentes usados no tratamento do impetigo.

Antibióticos tópicos de venda livre como bacitracina e polimixina foram substituídos por petrolato tópico para cuidado pós-operatório após biópsia de pele e para prevenir infecções em pequenas queimaduras, esfoladuras e escoriações. Petrolato tópico é tão eficaz quanto os antibióticos tópicos e não causa dermatite de contato, que esses antibióticos, especialmente neomicina tópica, podem causar. Além disso, o uso de antibióticos tópicos e a limpeza com sabões antissépticos em ferimentos em fase de cicatrização podem de fato retardar a cicatrização.

Os antifúngicos são indicados no tratamento da candidíase, em uma grande variedade de dermatofitoses e outras infecções fúngicas ( Opções para tratamento das infecções fúngicas superficiais*).

Inseticidas (p. ex., permetrina, malation) são utilizados para o tratamento de piolhos e escabiose ( Opções de tratamento para piolhos) e ( Opções de tratamento para escabiose).

Agentes antissépticos inespecíficos incluem as soluções iodadas (p. ex., povidona-iodo, clioquinol), violeta de genciana, preparações com prata (p. ex., nitrato de prata, sulfadiazina de prata) e zinco piritiona. O iodo é indicado como preparado pré-cirúrgico da pele. Usa-se violeta de genciana quando há necessidade de um antisséptico/antimicrobiano químico, fisicamente estável e barato. As preparações com prata são eficazes no tratamento de queimaduras e úlceras, tendo forte atividade antimicrobiana; diversos curativos para feridas são impregnados com prata. O piritionato de zinco é antifúngico e um componente comum de xampus para o tratamento da descamação por psoríase ou dermatite seborreica. As feridas em cicatrização devem, em geral, ser tratadas com prata e não com outros antissépticos tópicos, pois estes são irritativos e tendem a destruir o frágil tecido de granulação.

Queratolíticos

Suavizam e facilitam a esfoliação das células epidérmicas. São exemplos: ácido salicílico de 3 a 6% e ureia. O ácido salicílico é indicado em casos de psoríase, dermatite seborreica, acne e verrugas. Os efeitos adversos são queimação e, se grandes áreas são tratadas, toxicidade sistêmica. Raramente deve ser usado em recém-nascidos e crianças. A ureia é indicada nas ceratodermias plantares e ictiose. Os efeitos adversos são irritação e queimação intratáveis. Não deve ser aplicada em grandes superfícies cutâneas.

Adstringentes

Adstringentes são agentes secantes que precipitam proteínas e enrugam e contraem a pele. Os adstringentes mais comumente utilizados são acetato de alumínio (solução de Burow) e sulfato de alumínio associado a acetato de cálcio (solução de Domeboro®). Em geral são aplicados em curativos e compressas, por serem adstringentes são indicados em eczema, lesões exsudativas da pele e úlceras com pressão muito alta. A água de hamamélis também é um adstringente popular de venda livre.

Antipruriginosos

Doxepina é um anti-histamínico tópico eficaz para o prurido na dermatite atópica, líquen simples crônico e eczema numular. Benzocaína tópica e difenidramina (presente em algumas loções comerciais de venda livre) são sensibilizantes e não recomendadas. Outros antipruriginosos são: cânfora de 0,5 a 3%, mentol de 0,1 a 0,2%, cloridrato de pramoxina e uma mistura eutética de anestésicos locais (EMLA), que contém partes iguais de lidocaína e prilocaína em um veículo de óleo em água. Os antipruriginosos tópicos são preferíveis aos sistêmicos (como os anti-histamínicos orais) em pequenas áreas da pele afetadas e o prurido não é intratável. Loção de calamina é calmante, mas não especificamente antipruriginosa.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família

Também de interesse

Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS ANDROID iOS
PRINCIPAIS