Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

A internação

Por

Oren Traub

, MD, PhD, Pacific Medical Centers

Última revisão/alteração completa mar 2018| Última modificação do conteúdo mar 2018
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

Os hospitais proporcionam muitos recursos e conhecimento especializado que possibilitam que os médicos diagnostiquem e tratem rapidamente uma ampla variedade de doenças.

No entanto, um hospital pode ser um lugar confuso e assustador. Geralmente, o cuidado ocorre rapidamente e sem explicação. Saber o que esperar pode ajudar os pacientes a lidar e a participar ativamente no seu cuidado durante a internação. Entender mais sobre o que os hospitais fazem e por que eles fazem pode ajudar o paciente a se sentir menos intimidado pela experiência no hospital, mais no controle e mais confiante sobre sua saúde quando recebe alta.

O paciente é internado em um hospital quando tem um problema sério ou que represente risco à vida (como um ataque cardíaco). O paciente também pode ser internado por distúrbios menos sérios que não podem ser adequadamente tratados em outro lugar (como em casa ou em um centro de cirurgia ambulatorial). Um médico – o clínico geral, um especialista ou um médico do setor de emergência – determina se o paciente tem um problema médico sério o suficiente para justificar a internação.

O principal objetivo da hospitalização é

  • Restaurar ou melhorar a saúde para que o paciente possa retornar para casa.

Assim, as internações têm a intenção de ser relativamente curtas e de permitir que o paciente receba alta para casa ou para outra instituição de cuidados médicos em que o tratamento poderá ser concluído.

Para muitos pacientes, a internação começa com uma visita ao setor de emergência. É importante saber quando e como ir a um setor de emergência. Quando o paciente vai para o setor de emergência, ele deve levar suas informações médicas.

As crianças podem precisar que um dos pais ou outro cuidador fique no hospital durante a maior parte do tempo.

Registro

A primeira etapa para a internação é o registro. Algumas vezes, o registro pode ser feito antes de se chegar ao hospital. O registro envolve o preenchimento de formulários que fornecem o seguinte:

  • Informações básicas (como nome e endereço)

  • Informações do seguro de saúde

  • Números de telefone de familiares ou de amigos para contatar, no caso de emergência

  • Consentimento para ser tratado

  • Consentimento para liberar informações para empresas de seguro

  • Acordo para pagar os encargos

O paciente recebe uma pulseira de identificação para ser usada no pulso. O paciente deve verificar e se certificar de que as informações na pulseira de identificação estão corretas e deverá usá-la o tempo todo. Dessa maneira, quando testes ou procedimentos são realizados, os membros da equipe podem se certificar de que estão com a pessoa certa.

O que levar para o hospital

Não importa se as pessoas foram internadas pelo setor de emergência ou pelo seu médico; elas devem levar suas informações médicas.

As coisas mais importantes que as pessoas devem levar são

  • Uma lista de todos os medicamentos que estão tomando e das doses dos medicamentos (a lista deve incluir medicamentos de venda livre, medicamentos sob receita e suplementos alimentares, como vitaminas, minerais e ervas medicinais)

  • Uma lista de suas alergias a medicamentos

  • Todas as informações por escrito de seu médico

Se as pessoas não possuírem essas informações ou se estiverem muito doentes para se comunicar, familiares ou amigos devem fornecê-las, se possível, e devem trazer todos os frascos de medicamentos que encontrarem em casa.

As pessoas também devem levar uma cópia de seu resumo médico mais recente e de registros de internações recentes. No entanto, muitas pessoas não possuem esses registros. Nesses casos, a equipe do hospital normalmente obtém as informações do clínico geral, do departamento de registros do hospital, ou dos dois.

Os hospitais recomendam que a pessoa traga suas instruções prévias e quaisquer outros documentos legais que indicam quem tem o poder de tomar decisões em nome dela (procuração vitalícia sobre os cuidados médicos).

Todas essas informações deverão ser fornecidas para o enfermeiro responsável por colocar o paciente em um quarto do hospital.

Objetos pessoais

O paciente deverá levar o seguinte:

  • Produtos de higiene pessoal, incluindo aparelho de barbear caso seja utilizado em casa

  • Um robe

  • Roupa para dormir

  • Chinelos

  • Óculos, aparelhos auditivos e dentaduras (se esses aparelhos forem usados em casa)

  • Um aparelho de CPAP (pressão positiva contínua nas vias aéreas) para ajudar na respiração (caso utilizem um em casa)

  • Alguns itens pessoais, como fotografias de entes queridos, para que o paciente se sinta mais confortável

  • Telefone celular e carregador do telefone celular

Se uma criança estiver sendo hospitalizada, os pais deverão levar para o hospital objetos de conforto, como um cobertor favorito ou um bichinho de pelúcia.

Uma vez que é comum a perda de itens no hospital (particularmente quando ocorre a troca de quartos), todos os itens pessoais devem ser identificados à mão ou com uma etiqueta. Itens de valor (como aliança de casamento ou outras joias, cartões de crédito ou grandes somas de dinheiro) deverão ser deixados em casa.

Medicamentos sob receita atuais

Muitas pessoas trazem seus próprios medicamentos para o hospital para que possam utilizar seu próprio estoque. No entanto, como os membros da equipe do hospital precisam documentar todos os medicamentos que os pacientes estão utilizando, em vez de tomar seus próprios medicamentos os pacientes recebem os mesmos medicamentos ou medicamentos similares do estoque do hospital.

Portanto, em geral, medicamentos sob receita devem ser deixados em casa. As exceções são medicamentos caros, incomuns ou difíceis de serem obtidos que são administrados em casa. Esses medicamentos devem ser levados porque o hospital pode não ser capaz de fornecer medicamentos equivalentes imediatamente. Esses medicamentos incluem medicamentos quimioterápicos raros e medicamentos experimentais. Nesses casos, o medicamento é entregue ao farmacêutico do hospital, que o inspeciona e verifica antes da administração. Durante a internação da pessoa, o medicamento é mantido em uma área de armazenamento de medicamentos, e a equipe de enfermagem administra o medicamento à pessoa.

Você sabia que...

  • As pessoas não devem levar seus próprios medicamentos para o hospital, a menos que o medicamento seja caro, incomum, experimental ou difícil de ser obtido.

Após a internação

Depois da internação, o paciente poderá ser levado para exames de sangue ou radiografias ou poderá ir diretamente para um quarto do hospital.

Os quartos dos hospitais podem ser privados (uma cama) ou compartilhados (mais de uma cama). Mesmo em um quarto particular, a privacidade é limitada, e o banheiro normalmente é compartilhado. Os membros da equipe frequentemente entram e saem do quarto e, embora normalmente batam, podem entrar antes que o paciente possa responder.

Vários testes, como exames de sangue ou de urina, podem ser feitos para procurar problemas. Os membros da equipe podem fazer perguntas para determinar se o paciente tem probabilidade de desenvolver problemas no hospital ou de precisar de ajuda extra depois da alta do hospital. Pode-se perguntar ao paciente sobre os hábitos alimentares, humor, vacinas e medicamentos tomados. Pode-se perguntar ao paciente uma série padrão de perguntas para avaliar a função mental (chamadas teste do estado mental).

Cateteres intravenosos (IV)

Um cateter IV é inserido em praticamente todas as pessoas internadas. Um cateter IV é um tubo flexível inserido em uma veia, normalmente uma veia na dobra do braço. Os cateteres IV podem ser utilizados para administrar líquidos, medicamentos e, se necessário, nutrientes às pessoas.

Se as pessoas permanecerem no hospital por mais de alguns dias, o cateter IV pode precisar ser movido para um local diferente do braço para evitar irritação da veia.

Preferências de reanimação

Pergunta-se a todas as pessoas internadas quais são suas preferências de reanimação, mesmo quando estiverem no hospital por problemas menores e forem saudáveis no demais. Portanto, as pessoas não devem presumir que essa pergunta significa que elas estão gravemente enfermas.

As medidas de reanimação incluem as seguintes:

A decisão sobre as medidas de reanimação é bastante pessoal e depende de muitos fatores, incluindo a saúde da pessoa, a expectativa de vida, objetivos, valores, crenças religiosas e filosóficas e pensamentos de familiares. Idealmente, as pessoas devem decidir por conta própria após discutir os problemas com seus familiares, médicos e outras pessoas. Elas não devem permitir que outras pessoas tomem essa decisão em seu lugar.

As pessoas podem decidir não serem reanimadas, caso sejam idosas e acreditem terem vivido suficientemente ou caso apresentem um distúrbio sério com uma curta expectativa de vida ou um distúrbio que comprometa sua qualidade de vida. Os médicos podem sugerir que as pessoas sejam contra medidas de reanimação caso apresentem um distúrbio terminal ou um distúrbio que faça com que o retorno a uma qualidade de vida aceitável seja improvável após a reanimação. Caso a pessoa seja contra a reanimação, o médico registra no prontuário uma Ordem de Não Reanimar ou Ordem de Não Ressuscitar (ONR).

A decisão contra medidas de reanimação não significa que não haverá tratamento. Por exemplo, as pessoas que possuem uma ordem de não reanimar ou ONR ainda são tratadas quanto a todos os distúrbios que apresentam até que seu coração pare ou até que parem de respirar.

Você sabia que...

  • Uma decisão contra medidas de reanimação não significa que não haverá tratamento.

Se as pessoas indicarem que não sabem como responder, os médicos presumem que elas desejam todas as medidas de reanimação.

As pessoas podem mudar sua decisão sobre as medidas de reanimação em qualquer momento, bastando informar seu médico. Elas não precisam explicar o motivo.

Idealmente, as medidas de reanimação restaurariam as funções normais do corpo, e a assistência com respiração e outros suportes não seria mais necessária. No entanto, em contraste com o que costuma ser exibido em programas de TV e filmes, esses esforços têm graus variados de sucesso, dependendo da idade e do quadro clínico geral da pessoa. Esses esforços tendem a ter mais sucesso em pessoas jovens e mais saudáveis e têm muito menos sucesso em idosos e em pessoas com um distúrbio sério. No entanto, não existe um modo certeiro de prever quem terá sucesso após a reanimação e quem não terá.

Além disso, a reanimação pode causar problemas. Por exemplo, fraturas de costela podem resultar de compressões do tórax e, se o cérebro não obtiver oxigênio suficiente por muito tempo enquanto as pessoas são reanimadas, elas podem sofrer lesões cerebrais.

Se o paciente indicar que não deseja ser reanimado (uma ONR), um bracelete de plástico é colocado em seu pulso e mantido durante a internação para indicar sua preferência. Além disso, o médico preenche um formulário chamado Conduta médica referente ao tratamento de prolongamento da vida para indicar que esse paciente não deseja ser reanimado. As pessoas recebem esse formulário para seus registros. Portanto, as pessoas que apresentam uma doença séria podem deixar esse formulário em um lugar evidente de sua casa (por exemplo, na geladeira), caso sejam encontradas inconscientes em casa pelos médicos. Programas formais de conduta médica referentes ao tratamento de prolongamento da vida e programas similares não existem em todos os estados ou na comunidade, mas seu desenvolvimento está aumentando rapidamente.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Raios X
Vídeo
Raios X
A tecnologia de raios X utiliza raios de alta energia que podem atravessar certos tecidos...
Exame de tomografia computadorizada (TC)
Vídeo
Exame de tomografia computadorizada (TC)
Um exame de TC é utilizado para detectar lesão em ossos e tecidos moles. Durante o procedimento...

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS