Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Exantema em recém-nascidos e crianças pequenas

Por

Deborah M. Consolini

, MD, Sidney Kimmel Medical College of Thomas Jefferson University

Última modificação do conteúdo jul 2018
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

Exantema é uma reclamação comum, especialmente durante a infância. A maioria dos exantemas não é grave.

Etiologia

Exantemas podem ser causados por infecções (virais, fúngicas ou bacterianas), contato com irritantes, atopia, hipersensibilidade a fármacos, outras reações alérgicas, condições inflamatórias ou vasculites ( Algumas causas de exantema em lactentes e crianças).

Exemplos de exantema em crianças

As causas mais comuns de exantema em crianças pequenas são

Inúmeras infecções virais podem causar exantema. Algumas (p. ex., catapora, eritema infeccioso, sarampo) têm uma aparência e manifestação clínica bastante típicas; outras são inespecíficas. Reações medicamentosas cutâneas geralmente são exantemas maculopapulares autolimitados, mas algumas vezes ocorrem reações mais graves.

As causas incomuns, mas graves, do exantema incluem

Tabela
icon

Algumas causas de exantema em lactentes e crianças

Causa

Achados sugestivos

Abordagem diagnóstica

Infecções

Infecções por Candida

Exantema vermelho-sangue com lesões satélites adjacentes na área da fralda, incluindo pregas cutâneas

Frequentemente, placas brancas macias na língua ou mucosa oral

Algumas vezes, história de uso recente de antibióticos

Avaliação clínica

Às vezes, raspados de lesões para obter amostras umedecidas com KOH

Pontos vermelhos na face, couro cabeludo, tronco e membros proximais que progridem ao longo de 10–12 h para pequenas saliências, vesículas, e então pústulas umbilicadas que formam crostas

Bolhas com prurido intenso, que também podem ocorrer nas palmas das mãos, plantas dos pés, couro cabeludo e mucosas, bem como na área da fralda

Avaliação clínica

Eritema confluente nas bochechas (aparência de bochecha esbofeteada)

Às vezes, febre, mal-estar

Avaliação clínica

Impetigo não bolhoso: ulceração pruriginosa indolor avermelhada perto do nariz ou da boca, que rapidamente vaza pus ou líquido e forma crosta cor de mel

Impetigo bolhoso ocorre principalmente em crianças < 2 anos de idade

Bolhas indolores cheias de líquido— principalmente nos membros superiores, membros inferiores e tronco, circundadas por pele pruriginosa e vermelha—que, depois de romper, formam crostas amareladas ou prateadas

Avaliação clínica

Exantema migratório; uma lesão eritematosa maior (até cerca de 5–7 cm) às vezes com área central clara ou raramente púrpura (2%)

Muitas vezes, fadiga, cefaleia, dores articulares ou no corpo

Normalmente em uma área endêmica com risco de exposição a carrapatos, com ou sem uma picada de carrapato conhecida

Avaliação clínica

Algumas vezes, testes sorológicos

Exantema maculopapular começando na face e se espalhando para o tronco e membros

Muitas vezes, manchas de Koplik (manchas brancas na mucosa bucal)

Febre, tosse, coriza, congestão conjuntival

Avaliação clínica

Testes sorológicos (por motivos de saúde pública)

Exantema petequial, às vezes com púrpura fulminante

Febre, letargia, irritabilidade

Em crianças mais velhas, sinais meníngeos

Taquicardia, às vezes hipotensão

Coloração de Gram e hemocultura e LCS

Aglomerados de pápulas umbilicadas vermelho vivo

Sem prurido nem desconforto

Avaliação clínica

Exantema maculopapular que aparece de maneira súbita depois de 4 ou 5 dias de febre alta, normalmente à medida que a febre desaparece

Avaliação clínica

Às vezes, exantema pruriginoso que começa na face e se espalha para baixo, com aparência de manchas rosa ou vermelho-claro (que podem se fundir formando manchas de coloração uniforme), que geralmente desaparece na face à medida que se espalha

Dura até 3 dias

Frequentemente, linfadenopatia (occipital, retroauricular e cervical posterior), febre baixa

Avaliação clínica

Testes sorológicos (por motivos de saúde pública)

Febre, às vezes, faringite.

Exantema generalizado, tênue, avermelhada, esbranquiçada e de textura áspera que normalmente aparece 12–72 h após a febre e começa no tórax, nas axilas e na virilha

Área pálida característica ao redor da boca (palidez perioral) e acentuação nas pregas cutâneas (linhas de Pastia), língua com aspecto de morango

Muitas vezes, seguida por descamação extensa das palmas das mãos e plantas dos pés, pontas dos dígitos e artelhos, e virilha

Avaliação clínica

Algumas vezes, ensaio estreptocócico ou cultura da garganta

Áreas disseminadas de eritema doloroso que desenvolvem grandes bolhas flácidas, que se rompem facilmente, deixando grandes áreas de descamação

Extensão lateral das bolhas com pressão suave (sinal positivo de Nikolsky)

Poupa as mucosas

Geralmente em crianças < 5 anos

Avaliação clínica

Às vezes, confirmado por biópsia e/ou culturas

Lesões escamosas ovais com uma borda ligeiramente elevada e área central clara

Prurido leve

Avaliação clínica

Às vezes, raspados de lesões para obter amostras umedecidas com KOH

Infecção viral (sistêmica)

Exantema maculopapular

Frequentemente, pródromo respiratório viral

Avaliação clínica

Reações de hipersensibilidade

Manchas escamosas vermelhas crônicas ou recorrentes, muitas vezes nas pregas flexoras

Às vezes, história familiar

Avaliação clínica

Eritema intensamente pruriginoso, algumas vezes com vesículas

Nenhuma manifestação sistêmica

Avaliação clínica

Exantema maculopapular difuso

História atual ou recente (em 1 semana) de uso de fármacos

Avaliação clínica

Pródromo de febre, mal-estar, tosse, faringite e conjuntivite

Úlceras dolorosas na mucosa, quase sempre na boca e nos lábios, mas, às vezes, nas regiões genitais e anais

Áreas disseminadas de eritema doloroso que desenvolvem grandes bolhas flácidas que se rompem facilmente, deixando grandes áreas de descamação; possivelmente afeta as plantas dos pés, mas geralmente poupa o couro cabeludo

Extensão lateral das bolhas com pressão suave (sinal positivo de Nikolsky)

Às vezes uso de um fármaco causador (p. ex., sulfonamidas, penicilinas, anticonvulsivantes)

Avaliação clínica

Às vezes, biópsia

Lesões salientes bem circunscritas, avermelhadas e pruriginosas

Com ou sem história de exposição a alergênios conhecidos ou potenciais

Avaliação clínica

Vasculites

Vasculite associada à imunoglobulina A (anteriormente chamada púrpura de Henoch-Schönlein)

Púrpura palpável que aparece em grupos ao longo de dias ou semanas, normalmente em áreas dependentes (p. ex., pernas, região glútea)

Muitas vezes, artrite, dor abdominal

Às vezes, hematúria, fezes heme-positivas e/ou intussuscepção

Geralmente em crianças < 10 anos

Avaliação clínica

Algumas vezes, biópsia da pele

Exantema maculopapular, eritematoso e difuso que pode variar quanto à aparência (p. ex., urticária, do tipo alvo, purpúrica), mas nunca bolhosa ou vesicular; pode envolver as palmas das mãos e/ou plantas dos pés

Febre (muitas vezes > 39 °C) durante > 5 dias

Lábios vermelhos rachados, língua com aspecto de morango, conjuntivite, linfadenopatia cervical

Edema nas mãos e nos pés pode ocorrer.

Descamação tardia dos dígitos e artelhos, estendendo-se às palmas das mãos e plantas dos pés

Critérios clínicos

Testes para excluir outras doenças

Outros

Escamação vermelha e amarela no couro cabeludo (crosta láctea) e, às vezes, nas pregas cutâneas

Avaliação clínica

Dermatite de fralda (sem infecção por Candida)

Exantema vermelho brilhante na área da fralda, poupa as pregas

Avaliação clínica

Exantema petequial, palidez

Normalmente, durante ou depois de colite infecciosa que se manifesta com dores abdominais, vômitos e diarreia com sangue

Oligúria ou anúria

Hipertensão

Hemograma com contagem de plaquetas e esfregaço periférico para verificar se há evidências de anemia microangiopática e trombocitopenia

Testes de função renal

Exame de fezes (teste para a toxina Shiga ou cultura específica para E. coli O157: H7)

Pequenos cistos perolados na face de um recém-nascido

Avaliação clínica

Manchas rosa-avermelhadas dispostas simetricamente e que começam nos membros, então evoluindo para a clássica lesão do tipo alvo com um anel rosa-vermelho em torno de um centro pálido

Algumas vezes, lesões orais, prurido

Avaliação clínica

Miliária (brotoeja)

Pequenas saliências vermelhas ou, ocasionalmente, pequenas bolhas

Mais comum em crianças muito pequenas, mas pode ocorrer em qualquer idade, especialmente durante climas quentes e úmidos

Avaliação clínica

Eritema tóxico

Manchas vermelhas achatadas (geralmente com uma saliência branca semelhante a uma espinha no meio), que aparecem em até metade de todos os lactentes

Raramente aparece depois de 5 dias de idade e costuma desaparecer depois de 7–14 dias

Avaliação clínica

Acne neonatal

Saliências vermelhas, às vezes com pontos brancos no centro da face de um recém-nascido

Normalmente ocorre entre 2 e 4 semanas após o nascimento, mas pode aparecer até 4 meses após o nascimento e pode durar de 12–18 meses

Avaliação clínica

Às vezes, pródromo de ITRS

Tipicamente, começa com uma única mancha vermelha, pruriginosa e em forma de moeda de 2 a 10 cm no tronco ou nas regiões proximais dos membros

7–14 dias após a mancha em forma de moeda surgir, aparência de grandes manchas cor de rosa ou vermelha, escamosa, exantema ovais no tronco, às vezes, em uma distribuição característica do tipo árvore de Natal

Avaliação clínica

*Essa causa atualmente é rara por causa da vacinação, mas deve ser considerada em crianças não vacinadas.

KOH = hidróxido de potássio.

Avaliação

História

A história da doença atual deve avaliar a evolução da doença no tempo, especialmente a relação entre exantema e outros sintomas.

A revisão dos sistemas focaliza os sintomas das doenças causadoras, incluindo sintomas gastrointestinais (sugerindo vasculite associada à imunoglobulina [anteriormente chamada de Henoch-Schönlein] ou síndrome hemolítica-urêmica), sintomas articulares (sugerindo vasculite associada à imunoglobulina A ou doença de Lyme), cefaleia ou sintomas neurológicos (sugerindo meningite ou doença de Lyme).

A história clínica deve observar todos os fármacos recém-utilizados, especialmente antibióticos e anticonvulsivantes. Observa-se a história familiar de poliúria.

Exame físico

Tem início com revisão dos sinais vitais, particularmente para verificar febre. A observação inicial avalia no lactente ou na criança sinais de letargia, irritabilidade ou aflição. Um exame físico completo é feito, com especial atenção às características das lesões cutâneas, incluindo a presença de bolhas, vesículas, petéquias, púrpura ou urticária e envolvimento das mucosas. Avaliam-se nas crianças sinais meníngeos (rigidez na nuca, sinais de Kernig e Brudzinski), embora esses sinais muitas vezes não estejam presentes em crianças < 2 anos.

Sinais de alerta

Os achados a seguir são particularmente preocupantes:

  • Bolhas ou descamação da pele

  • Diarreia e/ou dor abdominal

  • Febre e inconsolabilidade ou extrema irritabilidade

  • Inflamação da mucosa

  • Petéquia e/ou púrpura

  • Urticaria com desconforto respiratório

Interpretação dos achados

Não é provável que crianças com aparência saudável sem sintomas ou sinais tenham uma doença perigosa. O aparecimento do exantema tipicamente limita o diagnóstico diferencial. Os sinais e sintomas associados ajudam a identificar pacientes com doença grave e muitas vezes sugerem o diagnóstico ( Algumas causas de exantema em lactentes e crianças).

Bolhas e/ou formação de crostas sugerem síndrome da pele escaldada estafilocócica ou síndrome de Stevens-Johnson e são consideradas emergências dermatológicas. Inflamação conjuntival pode ocorrer na doença de Kawasaki, sarampo, síndrome da pele escaldada estafilocócica e síndrome de Stevens-Johnson. Em qualquer criança com febre e petéquias ou púrpura, deve-se avaliar cuidadosamente a possibilidade de meningococemia. Diarreia pálida com sangue e petéquias deve fazer com que se suspeite de síndrome hemolítico-urêmica. Febre por > 5 dias com evidências de inflamação da mucosa e exantema exige uma avaliação mais detalhada e imediata para doença de Kawasaki.

Exames

Para a maioria das crianças, a história e exame físico geralmente são suficientes para o diagnóstico. O teste é direcionado a causas potencialmente fatais; inclui coloração de Gram e culturas do sangue e LCS a procura de meningococemia; hemograma completo, testes de função renal e exames de fezes para síndrome hemolítico-urêmica).

Tratamento

Tratamento do exantema é direcionado à causa (p. ex., creme antifúngico para infecção por cândida).

Para dermatite de fralda, o objetivo é manter a área da fralda limpa e seca, principalmente trocando as fraldas com mais frequência e lavando cuidadosamente a área com água e sabão neutro. Às vezes, uma pomada de barreira contendo óxido de zinco ou vitaminas A e D pode ajudar.

Prurido em lactentes e crianças pode ser diminuído por anti-histamínicos orais:

  • Difenidramina: para lactentes > 6 meses, 1,25 mg/kg, a cada 6 h (dose máxima de 50 mg a cada 6 h)

  • Hidroxizina: para lactentes > 6 meses, 0,5 mg/kg, a cada 6 h (dose máximo para crianças < 6 anos, 12,5 mg, a cada 6 h; para aquelas ≥ 6 anos, 25 mg, a cada 6 h)

  • Cetirizina: para lactentes de 6 a 23 meses, 2,5 mg, uma vez ao dia; para aqueles com 2 a 5 anos, 2,5 a 5 mg, uma vez ao dia; para aqueles > 6 anos, 5 a 10 mg, uma vez ao dia

  • Loratadina: para crianças de 2 a 5 anos, 5 mg, uma vez ao dia; para aquelas > 6 anos, 10 mg, uma vez ao dia

Pontos-chave

  • A maioria dos exantemas em crianças é benigna.

  • Para a maioria dos exantemas em lactentes e crianças, história e exame físico são suficientes para o diagnóstico.

  • Crianças com exantema decorrente de doença grave geralmente têm manifestações sistêmicas da doença.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Visão geral do vírus da imunodeficiência humana (HIV)
Vídeo
Visão geral do vírus da imunodeficiência humana (HIV)
Modelos 3D
Visualizar tudo
Fibrose cística: transporte defeituoso de cloreto
Modelo 3D
Fibrose cística: transporte defeituoso de cloreto

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS