Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Hipotireoidismo em bebês e crianças

Por

Andrew Calabria

, MD, Perelman School of Medicine at The University of Pennsylvania

Última revisão/alteração completa fev 2019| Última modificação do conteúdo fev 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

O hipotireoidismo é uma redução na produção do hormônio da tireoide.

  • O hipotireoidismo em crianças normalmente ocorre quando há um problema estrutural com a glândula tireoide ou se a glândula tireoide estiver inflamada.

  • Os sintomas dependem da idade da criança, mas incluem atraso no crescimento e no desenvolvimento.

  • O diagnóstico se baseia em exames preventivos, exames de sangue e exames por imagem no recém-nascido.

  • O tratamento inclui a administração de terapia de reposição do hormônio da tireoide.

(Consulte também Hipotireoidismo em adultos.)

A glândula tireoide é uma glândula endócrina localizada no pescoço. As glândulas endócrinas secretam hormônios na corrente sanguínea. Os hormônios são mensageiros químicos que afetam a atividade de outra parte do corpo.

Localizando a tireoide

Localizando a tireoide

A glândula tireoide secreta o hormônio da tireoide. O hormônio da tireoide controla a velocidade do metabolismo do organismo, incluindo a rapidez com que o coração bate e como o organismo regula a temperatura. Se a glândula tireoide não produzir uma quantidade suficiente de hormônio da tireoide, ocorre uma redução na velocidade dessas funções.

Existem dois tipos de hipotireoidismo em bebês e crianças:

  • Hipotireoidismo congênito: Presente no nascimento

  • Hipotireoidismo adquirido: Desenvolve-se depois do nascimento

Hipotireoidismo congênito

O hipotireoidismo congênito ocorre quando a glândula tireoide não se desenvolve nem funciona normalmente antes do nascimento (consulte Hipotireoidismo no recém-nascido). Este tipo de hipotireoidismo ocorre em aproximadamente um em cada 2.000 a 3.000 nascimentos. A maioria dos casos ocorre espontaneamente, mas aproximadamente 10 a 20% são hereditários.

A maioria (aproximadamente 85%) dos casos de hipotireoidismo congênito ocorre porque a glândula tireoide está ausente, subdesenvolvida ou se desenvolveu no local errado. Com menos frequência, a glândula se desenvolveu normalmente, mas não produz o hormônio da tireoide corretamente.

Em casos raros, o hipotireoidismo congênito ocorre se a mãe não consumiu uma quantidade suficiente de iodo durante a gravidez (deficiência de iodo). A deficiência de iodo é rara nos Estados Unidos, mas é mais comum em certos países em desenvolvimento. Outra causa rara é o hipotireoidismo central. O hipotireoidismo central é causado por problemas estruturais que ocorrem durante o desenvolvimento da hipófise.

Algumas vezes, medicamentos que são usados para distúrbios da tireoide ou substâncias em alimentos cruzam a placenta e temporariamente causam o hipotireoidismo congênito. Em casos raros, ocorre uma formação anormal da hipófise e ela não consegue estimular a glândula tireoide a produzir o hormônio da tireoide (consulte Considerações gerais sobre a hipófise).

Hipotireoidismo adquirido

O hipotireoidismo adquirido ocorre depois do nascimento. Ele ocorre em uma época mais tardia na infância e adolescência.

Este tipo de hipotireoidismo é normalmente causado pela tireoidite de Hashimoto. Na tireoidite de Hashimoto, o sistema imunológico do organismo ataca as células da glândula tireoide, causando uma inflamação crônica e uma redução na produção do hormônio da tireoide.

Outras causas menos comuns de hipotireoidismo adquirido incluem radioterapia da cabeça e pescoço para certos tipos de câncer e o uso de certos medicamentos (por exemplo, lítio ou amiodarona). Hipotireoidismo também ocorre como resultado do tratamento para hipertireoidismo ou para câncer da tireoide.

Sintomas

Os sintomas do hipotireoidismo variam dependendo da idade da criança.

Bebês e crianças pequenas

Se a deficiência de iodo ocorrer bem no início da gestação, os bebês podem ter uma insuficiência grave do crescimento, características faciais anormais, deficiência intelectual e rigidez muscular, com músculos que são difíceis de serem movidos e controlados (chamada de espasticidade).

A maioria dos outros bebês que tem hipotireoidismo inicialmente apresenta nenhum ou poucos sintomas, porque alguns hormônios da tireoide da mãe cruzam a placenta. Assim que os bebês param de receber o hormônio da tireoide da mãe, os sintomas começam a se desenvolver lentamente e a doença é detectada apenas quando eles são submetidos a exames preventivos do recém-nascido.

Contudo, se o hipotireoidismo permanecer sem tratamento, ocorre uma redução da velocidade de desenvolvimento do cérebro e os bebês podem ter baixo tônus muscular, perda auditiva, uma língua grande, alimentação ruim e choro rouco. O atraso do tratamento de hipotireoidismo grave pode dar origem à deficiência intelectual e à baixa estatura.

Crianças mais velhas e adolescentes

Alguns sintomas em crianças mais velhas e adolescentes são similares aos sintomas do hipotireoidismo em adultos (como ganho de peso; fadiga; constipação; cabelo áspero e seco e pele áspera, seca e espessa). Os sintomas que aparecem apenas em crianças incluem uma redução do crescimento, um atraso no desenvolvimento do esqueleto e puberdade tardia.

Diagnóstico

  • Exames preventivos no recém-nascido

  • Exames de sangue

  • Algumas vezes, exames de imagem

Uma vez que os bebês com hipotireoidismo no nascimento frequentemente não apresentam achados anômalos, os médicos realizam exames preventivos de rotina em todos os recém-nascidos. Se o resultado do exame preventivo for positivo, são realizados exames para determinar as concentrações de hormônio da tireoide no sangue (exames de função da tireoide) para confirmar o diagnóstico de hipotireoidismo. Caso confirmado, os recém-nascidos precisam ser tratados rapidamente para prevenir atrasos no desenvolvimento.

Assim que o hipotireoidismo congênito é diagnosticado, os médicos podem realizar exames por imagem, como exames de imagem de medicina nuclear ou ultrassonografia, para determinar o tamanho e a localização da glândula tireoide.

Exames de função da tireoide são também realizados em crianças mais velhas e adolescentes que os médicos suspeitam terem hipotireoidismo. Uma ultrassonografia também pode ser feita se houver bócio presente.

O médico realiza exames de ressonância magnética (RM) do cérebro e da hipófise na criança que tem hipotireoidismo central para descartar a possibilidade de problemas cerebrais.

Prognóstico

A maioria dos bebês que são tratados tem um controle normal do movimento e desenvolvimento intelectual.

Tratamento

  • Reposição do hormônio da tireoide

Crianças com hipotireoidismo congênito normalmente recebem o hormônio da tireoide sintético levotiroxina. A maioria das crianças precisa tomar reposição do hormônio da tireoide por toda a vida. A reposição do hormônio da tireoide é administrada a crianças na apresentação em comprimidos, que podem ser esmagados e dados em forma de pasta para os bebês. Ela não deve ser dada simultaneamente com fórmula láctica à base de soja nem com suplementos de ferro ou cálcio, porque estas substâncias podem reduzir a quantidade de hormônio da tireoide de reposição que é absorvida.

Os médicos continuam a monitorar as crianças mediante exames de sangue realizados em intervalos regulares, dependendo da idade. As crianças são monitoradas com mais frequência durante os primeiros anos de vida.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Administração de insulina
Vídeo
Administração de insulina
O diabetes é um quadro clínico que se desenvolve devido a concentrações elevadas de glicose...
Modelos 3D
Visualizar tudo
Fibrose cística: Espessamento do muco
Modelo 3D
Fibrose cística: Espessamento do muco

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS