honeypot link

Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Alopecia

(Queda de cabelo; calvície)

Por

Wendy S. Levinbook

, MD, Hartford Dermatology Associates

Última modificação do conteúdo set 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

Alopecia é definida como perda de pelos do corpo. Geralmente as alopecias são um problema por motivos cosméticos e psicológicos, mas pode ser também um sinal importante de doença sistêmica.

(Ver também Alopecia areata.)

Fisiopatologia

Ciclo do crescimento

Os pelos crescem em ciclos. Cada ciclo consiste em fases:

  • Anágeno: fase de crescimento longa (2 a 6 anos)

  • Catágeno: fase apoptótica transicional breve (3 semanas)

  • Telógeno: fase de descanso curta (de 2 a 3 meses)

Ao final da fase estacionária, o cabelo cai (exógena). Normalmente, cerca de 50 a 100 fios de cabelo alcançam o final da fase estacionária a cada dia e caem. Quando um novo cabelo começa a crescer no folículo, o ciclo recomeça.

Distúrbios do ciclo de crescimento incluem

  • Eflúvio anágeno—interrupção da fase de crescimento causa perda anormal dos cabelos anágenos.

  • Eflúvio telógeno—significativamente mais de 100 fios de cabelo/dia entrando na fase estacionária

Classificação

A alopecia pode ser classificada em focal ou difusa e pela presença de cicatrizes anormais.

A alopecia cicatricial é resultante da destruição ativa dos folículos pilosos. Estes são irremediavelmente lesados e substituídos por tecido fibrótico. Diversas doenças dos cabelos mostram um quadro bifásico em que, no início, ocorre alopecia não cicatricial e, no decorrer da doença, alopecia cicatricial e queda permanente de cabelos. As alopecias cicatriciais são subdivididas ainda em duas formas primárias: quando o alvo da inflamação é o próprio folículo e, na forma secundária quando o folículo é destruído como resultado de uma inflamação inespecífica ( Algumas causas de alopecia).

A alopecia não cicatricialresulta de um processo que reduz ou torna lento o crescimento dos pelos sem dano irreparável ao folículo piloso. Doenças que afetam principalmente a haste do cabelo (tricodistrofias) também são consideradas alopecias não cicatriciais.

Tabela
icon

Algumas causas de alopecia

Doença de alopecia

Causas ou descrições

Alopécia difusa não cicatricial

Eflúvio anágeno (causado por agentes que rompem ou alteram o ciclo anágeno)

Agentes quimioterápicos

Intoxicações (p. ex., tálio, arsênico e outros metais)

Radiação (também causa alopecia focal cicatricial)

Alopecia androgenética (padrão masculino ou feminino de queda de cabelos)

Androgênios (p. ex., di-hidrotestosterona)

Familiar

Hiperandrogenismo patológico (virilização em mulheres — Hirsutismo e hipertricose)

Doenças congênitas

Atriquia congênita com pápulas

Displasia ectodérmica

Anomalias primárias da haste do cabelo

Fácil rompimento do cabelo (tricorrexe nodosa)

Doenças genéticas

Síndrome da perda dos cabelos anágenos

Excessivo uso de secadores de cabelo (cabelos com bolhas)

Eflúvio telógeno (aumento do número de cabelos que entram na fase estacionária)

Fármacos (p. ex., agentes quimioterápicos antimitóticos, anticoagulantes, retinoides, anticoncepcionais, inibidores da enzima conversora da angiotensina (ECA), beta-bloqueadores, lítio, fármacos antitireoidianos, anticonvulsivantes, excesso de vitamina A)

Distúrbios endócrinos (p. ex., hiper e hipotireoidismo)

Deficiências nutricionais (p. ex., zinco, biotina ou, possivelmente, deficiência de ferro)

Estresse fisiológico ou psicológico (p. ex., cirurgia, doença sistêmica ou doença febril, gestação)

Queda de cabelo difusa (forma menos comum de alopecia areata)

Alopecia total (queda completa do cabelo)

Alopecia universal (perda total de cabelo no couro cabeludo e corpo)

Alopecia focal não cicatricial

Queda de cabelo irregular (forma mais comum de alopecia areata)

Ofíase (queda de cabelo em padrão de banda ao longo da periferia do couro cabeludo temporal e occipital)

Sisaifo (perda de cabelo central, poupando os fios de cabelo na margem do couro cabeludo)

Outros

Alopecia devido a puxar, torcer ou pentear inverso do cabelo (tricotilomania)

Alopecia lipedematosa

Alopecia pós-operatória (induzida por pressão)

Anomalias primárias da haste do cabelo

Sífilis secundária

Lúpus eritematoso sistêmico (normalmente provoca lesões discoides cicatriciais, mas também causa alopecia difusa não cicatricial)

Alopecia temporal triangular

Microsporum audouinii

Microsporum canis

Trichophyton schoenleinii

Trichophyton tonsurans

Alopécia por tração

Tração devido a trançar, enrolar, rabo de cavalo (ocorre principalmente nas regiões frontal e temporal)

Queda de cabelo cicatricial (focal ou difusa)

Acne queloidiana da nuca

Foliculite na região occipital que resulta em alopecia cicatricial

Alopecia cicatricial centrífuga central

Alopecia cicatricial progressiva na coroa ou vértice do couro cabeludo

A causa mais comum de alopecia em pacientes negros, tipicamente ocorrendo em mulheres de ascendência africana

Lúpus cutâneo crônico

Lesões de lúpus discoide do couro cabeludo

Celulite dissecante do couro cabeludo

Nódulos inflamatórios lodosos que coalescem com a formação de trato sinusal

Parte da tétrade da oclusão folicular†

Líquen plano capilar (líquen plano do couro cabeludo)‡

Tipicamente, eritema perifolicular e hiperqueratose folicular

Alopecias cicatriciais secundárias

Queimaduras

Morfeia (escleroderma localizado)

Esclerose sistêmica progressiva (escleroderma)

Radioterapia (também causa alopecia difusa não cicatricial)

Quérion superinfectado (por causa de sífilis primária ou tinha grave da cabeça)

Trauma

*Tínea da cabeça pode causar cicatrizes se o folículo estiver suficientemente danificado.

† A tétrade de oclusão folicular (também chamada acne inversa) consiste em acne conglobata, hidradenite supurativa, celulite dissecante do couro cabeludo e sinusite pilonidal—doenças que têm em comum a hiperqueratinização folicular.

‡ Alopecia fibrosante frontal é uma variante localizada do líquen plano pilar.

Etiologia

As alopecias compreendem um grande grupo de alterações com múltiplas e variadas etiologias ( Algumas causas de alopecia).

A causa mais comum da alopecia é

  • Alopecia androgenética (padrão masculino ou feminino de queda de cabelos)

A alopecia androgenética é uma doença hereditária dependente de androgênios, na qual a di-hidrotestosterona tem o principal papel. Essa forma de alopecia pode, com o tempo, afetar até 80% dos homens brancos com 70 anos (padrão masculino de queda de cabelo) e cerca de metade de todas as mulheres (padrão feminino de queda de cabelo).

Outras causas comuns da queda de cabelos são

As causas traumáticas incluem tricotilomania, alopecia de tração, alopecia cicatricial centrífuga central, queimaduras, radioterapia e queda de cabelo induzida por pressão (p. ex., pós-operatória).

As causas menos comuns são

  • Anomalias primárias da haste do cabelo

  • Doenças autoimunes

  • Intoxicação por metais pesados

  • Condições dermatológicas raras (p. ex., celulite dissecante do couro cabeludo, que mais frequentemente afeta homens negros jovens)

Avaliação

História

A história da doença atual deve abranger o início e a duração da queda de cabelos, se houve aumento da queda e se é generalizada ou localizada. Sintomas associados, como prurido e descamação, podem ser observados. Os pacientes devem ser arguidos quanto às práticas dos cuidados dos cabelos, como uso de secadores, tranças, enrolar cabelos e se rotineiramente tracionam ou puxam os cabelos.

A revisão dos sistemas deve incluir a exposição a estímulos nocivos (p. ex., fármacos, toxinas, radiação) e fatores de estresse (p. ex., cirurgias, doença crônica, febre, estresse psicológico). Deve-se procurar os sintomas das possíveis causas [p. ex., fadiga e intolerância ao frio (hipotireoidismo) e, em mulheres, hirsutismo, engrossamento da voz e aumento da libido (virilização)]. Outras características que podem ser observadas são perda ponderal acentuada, dietas (incluindo várias dietas restritivas) e comportamento obsessivo-compulsivo. Na mulher é importante a história hormonal/ginecológica/obstétrica.

A história clínica deve compreender endocrinopatias e doenças dermatológicas. Uso atual e recente de fármacos deve ser considerado para agentes ofensivos ( Algumas causas de alopecia). Uma história familiar de queda de cabelo deve ser registrado.

Exame físico

No exame do couro cabeludo, é preciso observar a distribuição da alopecia, presença e características de qualquer lesão da pele e se há cicatriz. Deve-se mensurar parte da extensão. Observar anormalidades da haste dos pelos.

Um exame completo da pele deve ser realizado para verificar queda de pelos em outras regiões (p. ex., sobrancelhas, cílios, braços e pernas), exantema que possa estar associadas a certos tipos de alopecia (p. ex., lesões por lúpus discoide, sinais de sífilis secundária ou outras infecções bacterianas ou fúngicas) e sinais de virilização em mulheres (p. ex., hirsutismo, acne, engrossamento da voz, aumento do clitóris). Sinais de doenças sistêmicas potenciais devem ser pesquisados, assim como efetuado o exame da tireoide.

Sinais de alerta

Os achados a seguir são particularmente preocupantes:

  • Virilização em mulheres

  • Sinais de doença sistêmica ou numerosos achados inespecíficos, indicando possivelmente um envenenamento

Interpretação dos achados

A perda de cabelos que começa nas têmporas e/ou coroa pode chegar a um quadro difuso com fios finos ou até a perda quase completa dos cabelos é típica da alopecia masculina. O adelgaçamento dos fios de cabelos nas regiões frontal, parietal e coroa é típica do quadro feminino de alopecia ( Alopecia do couro cabeludo e corpo do tipo masculino e feminino (alopecia androgenética)). Na alopecia androgenética, a largura da parte central é maior na coroa do couro cabeludo do que no couro cabeludo occipital.

Alopecia do couro cabeludo e corpo do tipo masculino e feminino (alopecia androgenética)

Alopecia do couro cabeludo e corpo do tipo masculino e feminino (alopecia androgenética)

A queda de cabelos que ocorre 2 a 4 semanas apos quimioterapia ou radioterapia (eflúvio anágeno) pode ser tipicamente atribuída a outras causas. A perda de cabelos que ocorre 3 a 4 meses após um fator de estresse (gestação, doença febril importante, cirurgia, mudança de fármacos ou alterações psicológicas) sugere o diagnóstico de eflúvio telógeno.

Outros achados ajudam a sugerir diagnósticos alternativos ( Interpretação dos achados físicos na alopecia).

Tabela
icon

Interpretação dos achados físicos na alopecia

Achados

Possíveis causas

Cabelos assimétricos, bizarros, quadro de alopecia irregular

Pequenas placas alopécicas, circulares, cabelos quebradiços em ponto de exclamação na periferia das placas

Queda de cabelo irregular, que parece comido por traça

Prurido, eritema e descamação

Lúpus cutâneo crônico, líquen planopilar

Tinha da cabeça (particularmente se houver adenopatia concomitante)

Pústulas

Processos infecciosos dermatológicos cicatriciais (p. ex., celulite dissecante do couro cabeludo, acne queloidiana da nuca)

Alopecia do couro cabeludo e corpo

Alopecia universal

Cabelos rebeldes ou lanuginosos

Anormalidade primária da haste capilar

Virilização ( Hirsutismo e hipertricose)

Doença ou tumor suprarrenal

Uso de esteroides anabolizantes (às vezes subrreptício)

Manifestações da perda de cabelo

Além da queda dos cabelo, geralmente não ocorrem outros sintomas do couro cabeludo (p. ex., prurido, queimação, formigamento) e, se presentes, não são específicos a nenhuma causa.

Os sinais de alopecia diferentes dos descritos anteriormente não são diagnosticados e necessitam de exame do pelo ou biópsia do couro cabeludo para um diagnóstico definitivo.

Exames

A avaliação das doenças causais (p. ex., endocrinopatias, autoimunes, tóxicas) deve ser realizada, se houver suspeita clínica.

Normalmente, tanto a alopecia masculina como a feminina não requer exames. Se a alopecia ocorrer em homens jovens sem história familiar, o médico deve interrogar o paciente a respeito do uso de esteroides anabolizantes ou outras drogas, inclusive as ilícitas. Além das questões quanto à prescrição de fármacos e o uso de drogas ilícitas, em mulheres com alopecia significativa e evidências de virilização os níveis de testosterona e sulfato de desidroepiandrosterona (DHEAS) devem ser medidos ( Hirsutismo e hipertricose : Exames).

O teste de tração auxilia na avaliação da queda difusa de cabelos. Exerce-se uma suave tração em um tufo de cabelos (cerca de 40 fios) em pelo menos 3 áreas do couro cabeludo e, a seguir, conta-se a quantidade de fios retirados, examinando-os ao microscópio. Normalmente, < 3 fios na fase telógena são retirados por vez. Se mais de 4 a 6 fios saírem em cada puxada, o teste é positivo e é sugestivo de eflúvio telógeno.

O teste de arrancamento é feito pela retirada súbita sequencial de cerca de 50 fios de cabelo ("pela raiz"). As raízes destes fios são examinadas ao microscópio para determinar a fase de crescimento e assim auxiliar no diagnóstico determinando se a alteração é telógena ou anágena ou ainda se há doença sistêmica oculta. Os fios de cabelos anágenos têm bainhas unidas às suas raízes; os telógenos têm finos bulbos, sem bainhas em suas raízes. Normalmente, 85 a 90% dos fios de cabelo estão na fase anágena; cerca de 10 a 15%, na telógena, e < 1%, na catágena. No eflúvio telógeno, há aumento da porcentagem dos fios de cabelo telógenos ao exame microscópico (tipicamente > 20%), ao passo que o eflúvio anágeno mostra diminuição de telógenos e aumento do número de fios de cabelos rotos. As anormalidades primárias da haste dos cabelos são óbvias ao exame microscópico.

A biópsia do couro cabeludo é indicada quando a alopecia persiste e não há certeza diagnóstica. A biópsia pode distinguir as formas cicatriciais das não cicatriciais. O material deve ser colhido de uma área com inflamação ativa, de preferência da borda da lesão da placa alopécica. Culturas fúngicas e bacterianas podem ser úteis.

A contagem diária de fios de cabelos é realizada pelo paciente para quantificar sua perda, se o teste do puxão for negativo. Os fios que caem pela manhã ao serem penteados ou durante a lavagem são coletados em um saco plástico diariamente por 14 dias. O número de fios em cada saco é contado. A contagem de fios de cabelos > 100/dia é anormal, exceto após a lavagem com xampu, quando a contagem que atinge mais de 250 fios pode ser normal. O paciente pode trazer os fios de cabelos para exame microscópico.

Tratamento

  • Fármacos (incluindo moduladores hormonais)

  • Fototerapia a laser

  • Cirurgia

Alopecia androgenética

O minoxidil (a 2% para mulheres, a 2% ou 5% para os homens) prolonga a fase de crescimento anágena e engrossa gradualmente os folículos miniaturizados (pelos velos) em pelos terminais maduros. O minoxidil tópico 1 mL 2 vezes ao dia, aplicado ao couro cabeludo é mais eficaz na alopecia da coroa em homens e mulheres. Entretanto, geralmente só em 30 a 40% dos pacientes observa-se crescimento significativo dos cabelos, e o minoxidil geralmente não é tão eficaz ou indicado para outras causas de queda de cabelo, exceto possivelmente, a alopecia areata. O crescimento dos cabelos deve ser esperado por 8 a 12 meses. O tratamento é contínuo, cessando as aplicações a queda retorna. O efeito adverso mais comum é uma discreta irritação no couro cabeludo, dermatite de contato alérgica e aumento dos pelos faciais.

Finasterida inibe a enzima 5-alfa-redutase, bloqueando a conversão da testosterona em di-hidrotestosterona, e é útil na perda de cabelo do tipo masculino. A finasterida, 1 mg VO uma vez ao dia, pode cessar a queda de cabelos e estimular seu crescimento. A eficácia é evidenciável após 6 a 8 meses de tratamento. Efeitos adversos incluem diminuição da libido; disfunção erétil e ejaculatória que pode persistir mesmo após a cessação do tratamento ( Disfunção erétil); reações de hipersensibilidade; ginecomastia; e miopatia. Pode haver diminuição do antígeno prostático específico (PSA) em homens idosos, devendo-se considerar quando esse teste é usado para detectar câncer de próstata. Na prática, o fármaco é usado continuamente até serem obtidos resultados positivos. Entretanto, se o tratamento for suspenso haverá queda dos cabelos novamente aos níveis anteriores. A droga não é indicada para mulheres e contraindicada em gestantes pela constatação de seus efeitos teratogênicos em animais.

Dutasterida, um fármaco usado para tratar hiperplasia benigna da próstata, é um inibidor mais forte da 5-alfa-redutase do que a finasterida e, às vezes, é usado para tratar alopecia androgenética.

Moduladores hormonais, como anticoncepcionais orais ou espironolactona, podem ser úteis na alopecia feminina.

Fototerapia com laser de baixa intensidadel é um tratamento alternativo ou adicional para alopecia androgenética que demonstrou promover o crescimento do cabelo. Dispositivos de venda livre estão disponíveis.

Acredita-se que plasma autólogo rico em plaquetas injetado no couro cabeludo contenha fatores de crescimento que promovem o crescimento e a manutenção dos folículos capilares (1).

São opções cirúrgicas o transplante de folículos, retalhos de couro cabeludo e redução da alopecia. Poucos procedimentos foram submetidos à avaliação científica, mas pacientes preocupados com sua alopecia podem considerá-los (2).

Queda de cabelos por outras causas

Doenças subjacentes são tratadas.

O tratamento da alopecia areata é feito com corticoide tópico ou intralesional ou, nos casos graves, corticoide sistêmico, minoxidil tópico, antralina tópica, imunoterapia tópica (difenilciclocipropenona ou ácido dibutiléster esquárico) ou metotrexato.

O tratamento da alopecia por tração é a eliminação da tração física ou estresse ao couro cabeludo.

O tratamento da tinha da cabeça consiste em antifúngicos orais.

Tricotilomania é difícil de tratar, mas modificações comportamentais, clomipramina ou um inibidor seletivo de recaptação da serotonina (ISRS—p. ex., fluoxetina, paroxetina, fluvoxetina, sertralina, citalopram) podem ser benéficos.

A alopecia cicatricial como vista na alopecia cicatricial centrífuga central ou na celulite dissecante do couro cabeludo e é mais bem tratada com tetraciclina oral junto com um corticoide tópico potente. Pode-se tratar a acne queloidiana da nuca, grave ou crônica, de forma semelhante ou com triancinolona intralesional; se leve, retinoides tópicos, antibióticos tópicos e/ou peróxido de benzoíla tópico podem ser suficientes.

O líquen planopilar e lesões por lúpus cutâneo crônicas podem ser tratados com fármacos como antimaláricos orais, corticoides orais ou tópicos, retinoides orais ou tópicos, tacrolimo tópico ou imunossupressores orais.

A perda de cabelos por quimioterapia (eflúvio anágeno) é temporária, e indica-se o uso de peruca; quando os cabelos crescem novamente, podem ser de cor e textura diferentes dos anteriores. O eflúvio telógeno geralmente é também temporário, cessando ao se eliminar o agente causal.

Referências sobre o tratamento

  • 1. Hesseler MJ, Shyam N: Platelet-rich plasma and its utilities in alopecia: A systematic review. Dermatol Surg Epub ahead of print, June 2019. doi: 10.1097/DSS.0000000000001965.

  • 2. Adil A, Godwin M: The effectiveness of treatments for androgenetic alopecia: A systematic review and meta-analysis. J Am Acad Dermatol 77(1):136–141.e5, 2017. doi: 10.1016/j.jaad.2017.02.054.

Pontos-chave

  • Alopécia androgenética (tipos masculino e feminino) é o tipo mais comum de queda de cabelos.

  • A virilização concomitante na mulher ou queda de cabelos cicatriciais devem ser bem avaliadas para uma doença subjacente.

  • Para um diagnóstico definitivo, pode ser necessária a biópsia ou o exame microscópico do cabelo.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS