Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Icterícia em adultos

Por

Danielle Tholey

, MD, Thomas Jefferson University Hospital

Última revisão/alteração completa jan 2020| Última modificação do conteúdo jan 2020
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

Na icterícia, a pele e a parte branca dos olhos ficam amareladas. Ela ocorre quando há excesso de bilirrubina (um pigmento amarelo) no sangue - uma condição denominada hiperbilirrubinemia.

A bilirrubina é formada quando a hemoglobina (a parte dos glóbulos vermelhos que transporta oxigênio) é decomposta como parte do processo normal de reciclagem de glóbulos vermelhos velhos ou danificados. A bilirrubina é transportada pela corrente sanguínea até o fígado, onde se liga à bile (o suco digestivo produzido pelo fígado). A bilirrubina é, em seguida, transportada pelos canais biliares até o trato digestivo, de modo que ela possa ser eliminada do corpo. A maior parte da bilirrubina é eliminada nas fezes, mas uma pequena parte é eliminada na urina. Se a bilirrubina não puder passar pelo fígado e canais biliares suficientemente rápido, ela se acumula no sangue e é depositada na pele. O resultado é a icterícia.

Muitas pessoas com icterícia também apresentam urina escura e fezes claras. Essas alterações ocorrem quando uma obstrução ou outro problema evita que a bilirrubina seja eliminada nas fezes, provocando uma maior eliminação na urina.

Se os níveis de bilirrubina estiverem altos, pode haver acúmulo das substâncias formadas com a degradação da bile, causando coceira em todo o corpo. Contudo, a icterícia propriamente dita provoca poucos sintomas em adultos. No entanto, em recém-nascidos com icterícia, os altos níveis de bilirrubina (hiperbilirrubinemia) podem provocar uma forma de lesão cerebral denominada querníctero.

Além disso, muitos distúrbios que provocam icterícia, particularmente doenças hepáticas graves, provocam outros sintomas ou problemas sérios. Em pessoas com uma doença hepática, esses sintomas podem incluir náuseas, vômitos, dor abdominal e vasos sanguíneos em forma de aranha visíveis na pele (angiomas de aranha). Os homens apresentam mamas aumentadas, testículos encolhidos e crescimento de pelo pubiano igual aos das mulheres.

Problemas sérios causados por doença hepática podem incluir

  • Ascite: acúmulo de líquido no abdômen

  • Encefalopatia hepática: deterioração do funcionamento do cérebro devido a problemas na função hepática, permitindo que substâncias tóxicas se acumulem no sangue, alcancem o cérebro e provoquem alterações na função mental (como confusão e sonolência)

  • Hipertensão portal: aumento da pressão arterial nas veias que levam o sangue ao fígado, que podem levar à hemorragia no esôfago e, às vezes, no estômago.

Se as pessoas consomem grandes quantidades de alimentos ricos em betacaroteno (como cenouras, abóbora e alguns tipos de melão), a pele pode se tornar levemente amarelada, mas o mesmo não acontece com os olhos. Essa situação não é icterícia, nem está relacionada com uma doença hepática.

Você sabia que...

  • Comer cenoura em excesso pode fazer com que a pele fique amarela, mas esse efeito não é icterícia.

O que causa Icterícia em adultos?

A icterícia em adultos tem muitas causas. A maioria delas envolve distúrbios e substâncias que

  • Danificam o fígado

  • Interferem no fluxo da bile

  • Desencadeiam a destruição de glóbulos vermelhos (hemólise), portanto produzindo uma quantidade de bilirrubina maior do que a capacidade de processamento do fígado

Visão do fígado e da vesícula biliar

A veia porta recebe o sangue proveniente de todo o intestino, do baço, do pâncreas e da vesícula biliar e transporta-o para o fígado. Depois de entrar no fígado, a veia porta divide-se em ramo direito e ramo esquerdo e em pequenos canais que percorrem o fígado. Quando o sangue sai do fígado, volta para a circulação geral pela veia hepática.

Visão do fígado e da vesícula biliar

As causas mais comuns de icterícia são

Hepatite

Hepatite é uma inflamação do fígado geralmente causada por um vírus, mas que pode ser causada por uma doença autoimune ou pelo uso de certos medicamentos ou drogas. A hepatite provoca danos ao fígado, tornando-o menos capaz de transportar a bilirrubina para os dutos biliares. A hepatite pode ser aguda (de curta duração) ou crônica (que persiste no mínimo seis meses). A hepatite viral aguda é uma causa comum de icterícia, especialmente a icterícia que ocorre em pessoas jovens e que sempre foram saudáveis. Quando a hepatite é provocada por uma doença autoimune ou um medicamento, ela não é contagiosa para outras pessoas.

Doença hepática alcoólica

Beber grande quantidade de álcool por um período de tempo prolongado lesiona o fígado. A quantidade de álcool e o tempo necessário para causar lesões variam, mas normalmente elas ocorrem em pessoas que bebem muito por, no mínimo, oito a dez anos. Outros medicamentos, toxinas e alguns produtos herbais também podem causar lesão no fígado (consulte a tabela Algumas causas e características da icterícia).

Obstrução do duto biliar

Se os dutos biliares estiverem obstruídos, a bilirrubina pode se acumular no sangue. A maior parte das obstruções é causada por cálculos biliares, mas algumas são causadas por câncer (como câncer pancreático ou nos dutos biliares) ou distúrbios raros no fígado (como colangite biliar primária ou colangite esclerosante primária).

Outras causas de icterícia

As causas menos comuns de icterícia incluem os distúrbios hereditários que interferem no processamento da bilirrubina pelo corpo. Elas incluem a síndrome de Gilbert e outros distúrbios menos comuns, como a síndrome de Dubin-Johnson. Na síndrome de Gilbert, os níveis de bilirrubina aumentam ligeiramente, mas geralmente não o suficiente para provocar icterícia. Essa doença é detectada com maior frequência nos adultos jovens durante exames de triagem de rotina. A síndrome de Gilbert não apresenta outros sintomas nem causa qualquer problema.

Doenças que causam a degradação excessiva dos glóbulos vermelhos (hemólise) frequentemente causam icterícia (consulte Anemia hemolítica autoimune e Doença hemolítica do recém-nascido).

Como a icterícia é diagnosticada?

A icterícia é óbvia, mas a identificação da sua causa requer um exame clínico, exames de sangue e, às vezes, outros exames.

Sinais de alerta

Em pessoas com icterícia, os sintomas a seguir podem ser motivo para preocupação:

  • Dor abdominal e sensibilidade intensas

  • Alterações no funcionamento mental, como sonolência, agitação ou confusão

  • Sangue nas fezes ou fezes negras

  • Sangue no vômito

  • Febre

  • Facilidade em formar hematomas ou apresentar sangramentos, às vezes resultando em eritema roxo avermelhado formado por pequenos pontos ou manchas grandes e irregulares (que indicam sangramento na pele)

Quando consultar um médico

Quando há qualquer sinal de advertência, deve-se procurar um médico o mais rapidamente possível. Quem não apresenta sinais de advertência deve procurar um médico em poucos dias.

O que o médico faz

Primeiro, o médico faz perguntas sobre os sintomas e o histórico médico. Em seguida, o médico faz um exame físico. O que eles identificam no histórico e exame físico frequentemente sugere uma causa e os exames que podem ser necessários (consulte a tabela Algumas causas e características da icterícia).

Os médicos perguntam quando começou a icterícia e há quanto tempo ela está presente. Eles também perguntam quando a urina começou a ficar escura (o que geralmente ocorre antes do desenvolvimento da icterícia). As pessoas são questionadas sobre outros sintomas, como coceira, cansaço, alterações nas fezes e dor abdominal. Os médicos estão especialmente interessados nos sintomas que sugerem uma causa grave. Por exemplo, a perda de apetite repentina, náuseas, vômitos, dor no abdômen e febre sugerem hepatite, especialmente em pessoas jovens e pessoas com fatores de risco para hepatite. Febre e dor intensa e constante na parte superior direita do abdômen sugere colangite aguda (infecção dos dutos biliares), geralmente nas pessoas com obstrução no duto biliar. A colangite aguda é considerada uma emergência médica.

Os médicos perguntam se as pessoas já tiveram distúrbios hepáticos, se fizeram cirurgia envolvendo os dutos biliares e se usam alguma substância capaz de causar icterícia (p. ex, os medicamentos prescritos amoxicilina/clavulanato, clorpromazina, azatioprina e contraceptivos orais, álcool, medicamentos de venda livre, ervas medicinais e outros produtos fitoterápicos, como chás). Saber se os familiares também estão com icterícia ou outros distúrbios hepáticos pode ajudar os médicos na identificação de distúrbios hepáticos hereditários.

Como a hepatite é uma causa comum, os médicos perguntam especialmente sobre condições que aumentam o risco de hepatite, como

  • Trabalhar em creche

  • Residir ou trabalhar em uma instituição com residentes permanentes, como instituições de saúde mental, de cuidados de longo prazo ou prisão

  • Residir ou viajar para uma área em que a hepatite é endêmica

  • Praticar sexo anal

  • Comer mariscos crus

  • Injetar drogas ilícitas ou recreativas

  • Fazer hemodiálise

  • Compartilhar lâminas de barbear ou escovas de dente

  • Fazer tatuagem ou piercing corporal

  • Trabalhar em uma instituição de cuidados com a saúde sem vacinação contra hepatite

  • Ter feito transfusão de sangue antes de 1992

  • Fazer sexo com um portador de hepatite

  • Ter nascido entre 1945 e 1965

Durante o exame físico, os médicos procuram sinais de distúrbios graves (como febre, pressão arterial muito baixa e frequência cardíaca rápida) e sinais de comprometimento grave da função hepática (como formação fácil de hematomas, um eritema com pequenos pontos ou manchas irregulares ou alterações no funcionamento mental). Eles cuidadosamente palpam o abdômen para verificar nódulos, sensibilidade, inchaço e outras anormalidades, como um fígado ou baço aumentado.

Tabela
icon

Algumas causas e características da icterícia

Causa

Características comuns*

Exames†

Doenças hepáticas e da vesícula biliar

Icterícia de evolução lenta

Histórico de consumo de álcool excessivo

Em homens, desenvolvimento de características femininas, incluindo perda de tecido muscular, pele macia, mamas aumentadas, testículos encolhidos e crescimento de pelo pubiano em padrão feminino

Às vezes, inchaço do abdômen devido ao acúmulo de líquido (ascite)

Exame médico

Exames de sangue

Às vezes, biópsia de fígado

Obstrução de um duto biliar por um cálculo biliar ou, menos frequentemente, por um tumor de pâncreas ou de duto biliar

Urina escura e fezes com odor desagradável, de cor clara, moles, volumosas e, geralmente, com aparência oleosa

Geralmente, dor na parte superior direita ou na parte intermediária do abdômen

Se a causa for um tumor, há perda de peso e, às vezes, dor abdominal crônica

Diagnóstico por imagem como

  • Ultrassonografia (feita normalmente por sonda ultrassonográfica no abdômen)

  • Ultrassonografia endoscópica (feita com uma sonda inserida por um tubo de visualização flexível dentro do intestino delgado)

  • Colangiografia por TC (TC dos dutos biliares realizada após a injeção de um agente de contraste radiopaco na veia)

  • PCRM (RM dos dutos biliares e pancreáticos, usando técnicas especializadas)

  • CPRE (radiografias dos dutos biliares e pancreáticos feitas após a injeção de um agente de contraste radiopaco dentro desses dutos, por meio de um tubo de visualização flexível inserido pela boca até o intestino delgado)

Biópsia, se os resultados de diagnóstico por imagem sugerirem câncer

Coceira intensa

Em seguida, icterícia e urina escura

Geralmente aparece no final da gestação

Exames de sangue

Geralmente ultrassonografia

Sintomas que ocorrem antes do aparecimento da icterícia:

  • Náuseas ou vômitos

  • Perda de apetite

  • Fadiga

  • Dor constante na parte superior direita do abdômen

  • Febre

  • Às vezes, dor nas articulações

Frequentemente presente em pessoas com fatores de risco, como uso recreativo de drogas ou prática de sexo anal

Exames de sangue para os vírus da hepatite

Às vezes, biópsia de fígado se a hepatite for crônica

Colangite biliar primária (uma doença autoimune provocando destruição dos pequenos dutos biliares no fígado)

Sintomas que frequentemente ocorrem antes do aparecimento da icterícia:

  • Fadiga

  • Coceira

  • Boca e olhos secos

Às vezes, desconforto na parte superior direita do abdômen, escurecimento da pele e pequenos depósitos de gorduras na pele (xantomas) ou nas pálpebras (xantelasmas)

Exames de sangue para verificar se há anticorpos na maioria das pessoas com esse distúrbio

Ultrassonografia e frequentemente RM do abdômen

Colangite esclerosante primária (cicatrização e destruição de pequenos e grandes dutos biliares)

Sintomas que ocorrem antes do aparecimento da icterícia:

  • Agravamento do cansaço

  • Coceira

Dor na parte superior direita do abdômen

Às vezes fezes com odor desagradável, de cor clara, moles, volumosas e, geralmente, com aparência oleosa

Frequentemente em pessoas com doença inflamatória do intestino

RM do abdômen

Outras doenças

Ruptura dos glóbulos vermelhos (hemólise), que pode ser causada por

  • Medicamentos

  • Toxinas (incluindo alguns venenos de cobra)

  • Distúrbios hereditários dos glóbulos vermelhos

  • Deficiências enzimáticas (como deficiência de G6PD)

  • Infecções (como malária)

Sintomas de anemia (palidez, fraqueza e cansaço)

Às vezes, o uso de um medicamento que cause hemólise ou a presença de um distúrbio dos glóbulos vermelhos em um familiar

Exames de sangue

Doença de Wilson (que provoca acúmulo de cobre no fígado)

Tremores, dificuldade em falar e deglutir, movimentos involuntários, perda de coordenação e alterações de personalidade

Anéis dourados ou dourado-esverdeados na córnea (anéis de Kayser-Fleischer)

Exame dos olhos com lâmpada de fenda para verificar os anéis de Kayser-Fleischer

Exames de sangue para medir os níveis de cobre e proteínas de cobre

Exames de urina para medir o nível de cobre eliminado na urina

Se o diagnóstico ainda não for claro, biópsia do fígado

Complicações cirúrgicas como

  • Cicatrização dos dutos biliares devido à cirurgia nos próprios dutos ou nas estruturas adjacentes

  • A diminuição do fluxo sanguíneo para o fígado, devido à perda de sangue ou outras complicações de cirurgia de grande porte

Ocorre logo após a cirurgia, especialmente uma cirurgia de grande porte

Exame médico

Às vezes, outros testes, dependendo das causas prováveis

Medicamentos e toxinas

Determinadas ervas medicinais, como carvalhinha, kava, extratos de chá verde ou pirrolizidina

Isoniazida

Ferro, quando ingerido em grandes quantidades

Toxina de cogumelo (da Amanita phalloides)

Uso de substância que possa provocar icterícia

Exame médico

* As características incluem sintomas e resultados do exame médico. As características mencionadas são típicas, mas nem sempre estão presentes.

† Os médicos normalmente medem os níveis de bilirrubina no sangue e fazem exames de sangue para determinar o funcionamento do fígado e se está danificado (testes de função hepática) e para avaliar a capacidade de coagulação do sangue.

TC = tomografia computadorizada; CPRE = colangiopancreatografia retrógrada endoscópica; G6PD = glicose-6-fosfato desidrogenase; CPRM = colangiopancreatografia por ressonância magnética; RM = ressonância magnética.

Exames

Os exames incluem:

Os testes de função hepática (também chamados testes de enzimas hepáticas) medem os níveis sanguíneos de enzimas e de outras substâncias produzidas pelo fígado. Estes testes ajudam os médicos a determinar se a causa é o funcionamento inadequado do fígado ou um duto biliar bloqueado. Se um duto biliar estiver bloqueado, exames de diagnóstico por imagem, como a ultrassonografia, são geralmente necessários.

Outros exames de sangue são feitos com base nos distúrbios que os médicos suspeitam e nos resultados do exame e dos testes iniciais. Eles podem incluir

  • Testes para avaliar a capacidade de coagulação do sangue (tempo de protrombina e tempo de tromboplastina parcial)

  • Testes para avaliar os vírus da hepatite ou anticorpos anormais (devido às doenças autoimunes)

  • Um hemograma completo

  • Culturas de sangue para verificar a infecção na corrente sanguínea

  • Exame de uma amostra de sangue sob o microscópio para verificar a destruição excessiva de glóbulos vermelhos

Se o diagnóstico por imagem for necessário, a ultrassonografia do abdômen é frequentemente feita primeiro. Ela geralmente pode detectar bloqueios nos dutos biliares. Como alternativa, também se utilizam a tomografia computadorizada (TC) e ressonância magnética (RM).

Se a ultrassonografia mostrar um bloqueio no duto biliar, outros testes podem ser necessários para determinar a causa. Normalmente, é usada a colangiopancreatografia por ressonância magnética (CPRM) ou colangiopancreatografia retrógrada endoscópica (CPRE). A CPRM é a RM dos dutos biliares e pancreáticos, feita com técnicas especializadas que fazem com que o líquido nos dutos pareça brilhante e os tecidos adjacentes pareçam escuros. Portanto, a CPRM fornece melhores imagens dos dutos que a RM convencional. Para CPRE, um tubo de visualização flexível (endoscópico) é inserido pela boca até o intestino delgado e um contraste radiopaco é injetado pelo tubo nos dutos biliares e pancreáticos. Em seguida, são realizadas radiografias. Quando disponível, a CPRM é geralmente preferível, pois ela tem a mesma precisão e maior segurança. Mas a CPRE pode ser usada, pois permite aos médicos coletar uma amostra de biópsia, remover um cálculo biliar ou fazer outros procedimentos.

Ocasionalmente, uma biópsia de fígado é necessária. Ela pode ser feita, quando houver suspeita de determinadas causas (como a hepatite viral, uso de um medicamento ou exposição a uma toxina) ou quando o diagnóstico não estiver claro após os médicos receberem os resultados de outros testes.

A laparoscopia pode ser realizada quando outros testes não tiverem identificado porque o fluxo de bile está bloqueado. Por esse procedimento, os médicos fazem uma pequena incisão logo abaixo do umbigo e inserem um tubo de visualização (laparoscópio) para examinar diretamente o fígado e a vesícula biliar. Raramente, uma incisão maior é necessária (um procedimento denominado laparotomia).

Como a icterícia é tratada?

  • Tratamento da causa

  • Para coceira, colestiramina

  • Para um duto biliar obstruído, um procedimento para desobstrui-lo (como colangiopancreatografia retrógrada endoscópica [CPRE])

O distúrbio subjacente e qualquer problema que ele causa são tratados, conforme a necessidade. Se a icterícia foi causada por uma hepatite viral aguda, ela pode desaparecer gradualmente, sem tratamento, à medida que a condição do fígado melhora. Entretanto, a hepatite pode se tornar crônica, mesmo se a icterícia desaparecer. A icterícia propriamente dita não requer tratamento em adultos (ao contrário de recém-nascidos – consulte Hiperbilirrubinemia).

Geralmente, a coceira desaparece gradualmente à medida que a condição do fígado melhora. Se a coceira for incômoda, pode ser útil tomar a colestiramina por via oral. Entretanto, a colestiramina é ineficaz quando o duto biliar está completamente obstruído.

Se a causa for um duto biliar obstruído, um procedimento pode ser feito para abrir o duto biliar. Esse procedimento pode ser feito geralmente durante a CPRE, usando os instrumentos inseridos no endoscópio.

Como é a icterícia em pessoas idosas?

Em idosos, o distúrbio que provoca icterícia pode não provocar os mesmos sintomas que causa nas pessoas jovens, ou os sintomas podem ser mais leves ou difíceis de reconhecer. Por exemplo, se pessoas idosas tiverem hepatite viral aguda, elas frequentemente sentem muito menos dor abdominal do que pessoas mais jovens. Quando pessoas mais idosas apresentam confusão mental, os médicos podem diagnosticar demência incorretamente e não perceber que a causa é encefalopatia hepática. Ou seja, os médicos podem não perceber que a função cerebral está se deteriorando porque o fígado não é capaz de remover substâncias tóxicas do sangue (função normal do fígado) e, portanto, as substâncias tóxicas podem chegar ao cérebro.

Em pessoas idosas, a icterícia geralmente é causada por um bloqueio nos dutos biliares e, mais provavelmente, o bloqueio é câncer. Os médicos suspeitam que a obstrução seja câncer quando as pessoas idosas perdem peso, têm somente uma coceira leve, não têm dor abdominal e têm um nódulo no abdômen.

Perguntas frequentes para icterícia em adultos

O que é icterícia?

Icterícia é uma cor amarelada da pele e dos olhos, causada pelo excesso de bilirrubina no sangue.

O que causa icterícia em adultos?

A icterícia é causada pelo excesso de bilirrubina, formada quando a hemoglobina (a parte dos glóbulos vermelhos que transporta oxigênio) é decomposta como parte do processo normal de reciclagem de glóbulos vermelhos velhos ou danificados. Normalmente, a bilirrubina é processada pelo fígado e excretada no trato digestivo. A bilirrubina pode se acumular no sangue e causar icterícia na presença de certos tipos de lesão hepática (particularmente pelo consumo exagerado de bebidas alcoólicas ou por uma hepatite viral), dutos biliares bloqueados ou algo que cause a decomposição dos glóbulos vermelhos do sangue mais rapidamente do que o normal (hemólise).

Como se resolve a icterícia em adultos?

Os médicos precisam tratar o que estiver causando a icterícia. Não existe um tratamento específico para fazer a icterícia desaparecer.

Como se trata a icterícia em adultos?

Além de tratar a causa da icterícia, os médicos podem administrar um medicamento, colestiramina, para ajudar a controlar a coceira causada pela icterícia.

A luz solar ajuda a resolver a icterícia em adultos?

Não, embora a luz solar ajude em certos tipos de icterícia no recém-nascido, a luz solar não ajuda na icterícia em adultos.

Quais medicamentos podem causar icterícia em adultos?

Muitos medicamentos podem causar icterícia em adultos, incluindo paracetamol, amiodarona, isoniazida, anti-inflamatórios não esteroides (AINEs), esteroides anabolizantes e uma série de antibióticos.

Quais são os sintomas da icterícia em adultos?

A icterícia deixa a pele e parte branca dos olhos amarelas. Quanto maior o nível de bilirrubina, mais amarela estará a pele. Em geral, a icterícia grave também causa coceira.

Qual o nível de bilirrubina necessário para causar icterícia em adultos?

Em uma boa luz, a icterícia pode estar levemente visível em pessoas cujos níveis de bilirrubina estejam entre 2 e 3 mg/dl (34 a 51 micromol/l). Um nível de bilirrubina de 20 mg/dl (342 micromol/l) pode deixar a pele intensamente amarela, como um limão siciliano.

Pontos-chave

  • Se as lesões no fígado forem graves, a icterícia pode provocar problemas graves, tais como a deterioração da função cerebral e uma tendência a sangramentos ou à formação de hematomas.

  • A hepatite viral aguda é uma causa comum de icterícia, especialmente em jovens e pessoas que nunca apresentaram problemas de saúde.

  • Essas pessoas devem consultar um médico imediatamente se apresentarem icterícia, de modo que ele possa verificar as causas graves.

  • A colestiramina pode ajudar a aliviar a coceira.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Considerações gerais sobre a cirrose
Vídeo
Considerações gerais sobre a cirrose
Modelos 3D
Visualizar tudo
Dentro do fígado
Modelo 3D
Dentro do fígado

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS