Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

honeypot link

Defeitos de um único gene

Por

David N. Finegold

, MD, University of Pittsburgh

Última modificação do conteúdo set 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

As doenças genéticas determinadas por um único gene (doenças mendelianas) são as de análise mais fácil e as mais completamente compreendidas. Se a expressão de um traço requer apenas uma cópia do gene (um alelo), este traço é considerado dominante. Se a expressão de um traço requer 2 cópias de um gene (2 alelos), este traço é considerado recessivo. Uma exceção são as doenças ligadas ao X. Como os homens geralmente não têm alelos pareados para contrabalançar a maioria dos alelos no cromossomo X, o alelo do cromossomo X se expressa em homens mesmo se o traço for recessivo. Também existem outras exceções, como as doenças mitocondriais. Os genes mitocondriais tipicamente só são herdados do óvulo materno. As proteínas ativas na estrutura e função mitocondrial se originam de genes mitocondriais e também de genes nucleares.

Muitas doenças específicas de gene único foram descritas ( Exemplos de doenças genéticas com herança mendeliana).

Tabela
icon

Exemplos de doenças genéticas com herança mendeliana

Gene

Dominante

Recessivo

Não ligada ao X

Ligada ao X

Daltonismo vermelho-verde

(Ver também Visão geral da genética.)

Autossômico dominante

Apenas um alelo anormal do gene é necessário para expressar um traço autossômico dominante, por exemplo, heterozigotos e homozigotos para o gene anormal são afetados. Um heredograma típico de um traço autossômico dominante é mostrado na figura Herança autossômica dominante.

Em geral, aplicam-se as seguintes regras:

  • Um indivíduo afetado tem um dos pais afetado.

  • Um pai heterozigoto afetado e um pai não afetado têm, em média, um número igual de filhos afetados e não afetados; isto é, o risco de ocorrência para cada filho de um indivíduo afetado é de 50%.

  • Uma criança não afetada de um pai afetado não transmite o traço a seus descendentes.

  • Homens e mulheres são igualmente afetados.

Herança autossômica dominante

Herança autossômica dominante

Autossômico recessivo

Duas cópias de um alelo anormal são necessárias para expressar um traço autossômico recessivo. Um heredograma típico é mostrado na figura Herança autossômica recessiva.

Em geral, aplicam-se as seguintes regras de herança:

  • Se pais normais tiverem um filho afetado, ambos os pais são heterozigotos. Em média um quarto de seus filhos será afetado, metade é heterozigota e um quarto é normal. Consequentemente, entre os filhos, a chance de não desenvolver a doença (o que é de ser normal ou portador) é de três quartos e entre os filhos não afetados, a chance de ser um portador é de dois terços.

  • Todos os filhos de um indivíduo afetado e de um indivíduo genotipicamente normal são fenotipicamente heterozigotos normais.

  • Na média, metade dos filhos de um indivíduo afetado e de um heterozigoto é afetada e a outra metade é heterozigota.

  • Todos os filhos de 2 indivíduos afetados são afetados

  • Homens e mulheres são igualmente afetados.

  • Heterozigotos são fenotipicamente normais, mas são portadores do traço.

Herança autossômica recessiva

Herança autossômica recessiva

Os parentes apresentam maior probabili- dade de serem portadores do mesmo alelo mutante e, assim, o casamento entre parentes próximos (consanguinidade) aumenta a probabilidade de se ter um filho afetado. Em uniões entre pai e filho, ou entre irmão e irmã (incestos), o risco de se ter um filho anormal é elevado porque grande parte do seu material genético é o mesmo. Em certas populações, a porcentagem de heterozigotos (portadores) é elevada em razão de um efeito fundador (um grupo iniciado com poucos membros, sendo um deles um portador), ou em virtude de os portadores apre- sentarem alguma vantagem seletiva (p. ex., os heterozigotos para anemia falciforme são protegidos contra malária).

Se o traço for causado por um defeito de uma proteína específica (p. ex., uma enzima), os heterozigotos geralmente apresentam quantidades reduzidas dessa proteína. Se a mutação for conhecida, as técnicas de genética molecular podem identificar indivíduos heterozigotos fenotipicamente normais (p. ex., na maioria das vezes, indivíduos com fibrose cística).

Dominante ligado ao X

Traços dominantes ligados ao X são transportados no cromossomo X. A maioria é rara. Em geral, os homens são mais gravemente afetados; algumas doenças dominantes ligadas ao X costumam ser fatais nos homens. Mulheres que possuem apenas um alelo anormal são afetadas, mas em menor intensidade. Um heredograma típico é mostrado na figura Herança dominante ligada ao X.

Herança dominante ligada ao X

Herança dominante ligada ao X

Em geral, aplicam-se as seguintes regras de herança:

  • Homens afetados transmitem o traço a todas as suas filhas, mas não a seus filhos.

  • As mulheres heterozigotas afetadas transmitem o traço à metade de seus filhos, independente do sexo.

  • Mulheres afetadas homozigotas transmitem o traço a todos os seus filhos.

  • Por conta das mulheres serem possivelmente heterozigotas ou homozigotas, mais mulheres apresentam traços do que os homens. A diferença entre os sexos é ainda maior se a doença for letal para homens.

A herança ligada ao X dominante pode ser de difícil diferenciação da herança autossômica dominante, quando se estuda apenas os padrões de herança. São necessários grandes heredogramas, com atenção particular aos filhos dos homens afetados, pois a transmissão homem-a-homem exclui a ligação ao X (homens transmitem apenas o cromossomo Y aos seus filhos).

Recessivo ligado ao X

Os traços recessivos ligados ao X estão no cromossomo X. Assim quase todos os indivíduos afetados são homens, devido a maioria das mulheres ter uma cópia normal do gene envolvido (serem heterozigotas). Um heredograma típico é mostrado na figura Herança recessiva ligada ao X.

Herança recessiva ligada ao X

Herança recessiva ligada ao X

Em geral, aplicam-se as seguintes regras de herança:

  • Quase todos os indivíduos afetados são homens.

  • Mulheres heterozigotas são, em geral, fenotipicamente normais, mas como portadoras podem transmitir o traço a metade de seus filhos.

  • Metade dos filhos de uma mulher portadora são afetados e metade das filhas são portadoras.

  • Um homem afetado nunca transmite o traço a seus filhos.

  • Todas as filhas de homens afetados são portadoras.

  • Nenhuma filha de mulher portadora apresenta o traço, mas metade é portadora.

Ocasionalmente, mulheres que são heterozigotas para mutações ligadas ao X apresentam alguma expressão, mas raramente são afetadas de modo tão grave como os homens.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS