honeypot link

Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Febre de origem indeterminada (FOI)

Por

Larry M. Bush

, MD, FACP, Charles E. Schmidt College of Medicine, Florida Atlantic University

Última modificação do conteúdo out 2018
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

Febre de origem desconhecida é a temperatura corporal 38,3° C retalmente e que não é decorrente de doença transitória e autolimitada, de doença rapidamente fatal, ou de doenças com claros sinais ou sintomas localizados ou alterações nos exames comuns, tais como radiografia de tórax, exame de urina ou de sangue.

A febre de origem desconhecida é classificada, atualmente, em 4 categorias diferentes:

  • Febre de origem desconhecida clássica: febre por > 3 semanas, sem se descobrir a causa após 3 dias de avaliação no hospital ou ≥ 3 consultas ambulatoriais

  • Febre de origem desconhecida associada a cuidados de saúde: febre em pacientes hospitalizados recebendo atendimento intensivo e sem presença de infecção, ou infecção incubada na internação, se o diagnóstico permanecer incerto após 3 dias de avaliação apropriada.

  • Febre de origem obscura com imunodeficiência: febre em pacientes com neutropenia e outras imunodeficiências se o diagnóstico permanecer incerto depois de 3 dias de avaliação adequada, incluindo culturas negativas após 48 h.

  • Febre de origem desconhecida relacionada com HIV: febre por > 3 semanas em pacientes ambulatoriais com infecção por HIV confirmada ou > 3 dias em pacientes internados com infecção por HIV confirmada se o diagnóstico permanecer incerto após avaliação adequada

Etiologia

As causas da febre de origem desconhecida geralmente são divididas em 4 categorias ( Algumas causas de febre de origem desconhecida):

  • Infecções (25 a 50%)

  • Doenças do tecido conjuntivo (10 a 20%)

  • Neoplasmas (5 a 35%)

  • Diversas (15 a 25%)

As infecções são as causas mais comuns de febre de origem desconhecida. Nos pacientes infectados pelo HIV devem-se procurar infecções oportunistas (p. ex., tuberculose, infecção por micobactéria atípica, fungos disseminados, ou citomegalovírus).

Doenças comuns do tecido conjuntivo associadas incluem lúpus eritematoso sistêmico, artrite reumatoide (AR), arterite temporal, vasculite e AR juvenil de adultos (doença de Still de adultos).

As causas neoplásicas mais comuns incluem linfoma, leucemia, carcinoma de células renais, carcinoma hepatocelular e metástases. No entanto, a incidência de causas neoplásicas de febre de origem desconhecida diminuíram, provavelmente porque elas são detectadas por ultrassonografia e TC, que agora são amplamente utilizadas durante a avaliação inicial.

As causas diversas importantes incluem reação farmacológica, trombose venosa profunda, embolia pulmonar recorrente, sarcoidose, doença intestinal inflamatória e febre factícia.

Não há identificação da causa de febre de origem desconhecida em cerca de 10% dos adultos.

Tabela
icon

Algumas causas de febre de origem desconhecida

Causa

Achados sugestivos

Abordagem diagnóstica*

Infeccioso

Desconforto abdominal ou pélvico, normalmente sensibilidade

Algumas vezes história de cirurgia, trauma, diverticulose, peritonite ou procedimento ginecológico

TC ou RM

História de ter sido arranhado ou lambido por gato

Adenopatia regional, síndrome oculoglandular de Parinaud, cefaleia

Cultura (às vezes, de aspirados de linfonodos), títulos de anticorpos, PCR

História de transfusão de sangue proveniente de doador CMV-positivo

Síndrome tipo mononucleose (fadiga, hepatite leve, esplenomegalia, adenopatia), coriorretinite

Anticorpos CMV IgM

Possivelmente PCR

Faringite, adenopatia, sensibilidade no hipocôndrio direito, esplenomegalia, fadiga

Geralmente ocorre em adolescentes e jovens adultos

Em idosos, possivelmente não há achados típicos

Exames sorológicos

História de comportamento de alto risco (p. ex., sexo sem proteção, compartilhar agulhas)

Perda ponderal, sudorese noturna, fadiga, adenopatia, infecções oportunistas

Imunoensaio de combinação de 4ª geração

Ás vezes teste do RNA do HIV (para infecção grave pelo HIV)

Muitas vezes, história de fatores de risco (p. ex., doença cardíaca de base, prótese valvar cardíaca, doença periodontal, cateter IV uso de drogas injetáveis)

Em geral, sopro cardíaco, às vezes manifestações extracardíacas (p. ex., hemorragias, petéquias, manchas de Roth, nódulos de Osler, lesões de Janeway, dor ou derrame articular, esplenomegalia)

Hemoculturas seriadas, ecocardiografia

Visitar ou morar em área endêmica

Exantema do eritema migratório, cefaleia, fadiga, paralisia de Bell, meningite, radiculopatia, bloqueio cardíaco, dor e edema articular

Exames sorológicos

Dor localizada, edema e eritema

Radiografias

Às vezes RM (o teste mais preciso), cintilografia com índio-111, cintilografia óssea

Congestão prolongada, cefaleia, dor na face

TC dos seios nasais

Tuberculose (pulmonar e disseminada)

História de exposição de alto risco

Tosse, perda ponderal, fadiga

Uso de imunossupressores

História de infecção pelo HIV

Radiografia de tórax, PPD, teste de liberação de interferon-gama

BAAR no escarro, teste de amplificação do ácido nucleico (NAAT), cultura de secreções corporais (p. ex., aspirados gástricos, escarro, líquor)

Infecções incomuns (p. ex., brucelose, malária, febre Q, toxoplasmose, triquinose, febre tifoide)

História de viagem a áreas endêmicas

Exposição ou ingestão de certos produtos animais

Sorologia para causas individuais

Gota espessa para malária

Tecido conjuntivo

Doença de Still de adultos

Exantema rosa-salmão evanescente, artralgia, artrite, mialgia, adenopatia cervical, faringite, tosse, dor no tórax

ANA, FR, concentração de ferritina sérica, radiografia das articulações comprometidas

Cefaleia unilateral, distúrbios da visão

Frequentemente, sintomas de polimialgia reumática, algumas vezes claudicação mandibular

Artéria temporal sensível quando apalpada

VHS, biópsia da artéria temporal

Febre, perda ponderal, mialgia, artralgia, púrpura, hematúria, dor abdominal, dor nos testículos, angina, livedo reticular, ocorrência de hipertensão

Biópsia dos tecidos comprometidos ou angiografia

História de rigidez matinal nos ombros, quadris e pescoço

Mal-estar, fadiga, anorexia

Possivelmente, sinovite, bursite, edema com cacifo nos membros

Creatinina quinase, ANA, FR, VHS

Possivelmente, RM dos membros

Às vezes, história recente de infecção com Chlamydia, Salmonella, Yersinia, Campylobacter ou Shigella

Oligoartrite assimétrica, uretrite, conjuntivite, ulcerações genitais

ANA, FR, sorologia para agentes etiológicos

Poliartrite periférica simétrica, rigidez matinal prolongada, nódulos reumatoides subcutâneos em locais de pressão (superfície extensora da ulna, sacro, nuca, aquileu)

ANA, FR, anticorpos contra peptídios citrulinados cíclicos (anti-CCP), radiografias (para identificar erosões ósseas)

Fadiga, artralgia, dor pleurítica, exantema malar, edema articular doloroso, discreto edema periférico, síndrome de Raynaud, serosite, nefrite, alopecia

Critérios clínicos, ANA, anticorpos de cadeia dupla do DNA

Neoplásica

Dor abdominal, alteração dos hábitos intestinais, hematoquesia, fraqueza, náuseas, vômitos, perda ponderal, fadiga

Colonoscopia, biópsia

História de doença hepática crônica, dor abdominal, perda ponderal, saciedade precoce, massa palpável no hipocôndrio direito

Ultrassonografia e TC abdominal, biópsia hepática

Às vezes, história de doença mielodisplásica

Fadiga, perda ponderal, sangramento, palidez, petéquias, equimoses, anorexia, esplenomegalia, dor óssea

Hemograma completo, biopsia de medula óssea

Adenopatia indolor, perda ponderal, mal-estar, sudorese noturna, esplenomegalia, hepatomegalia

Biópsia de linfonodos

Câncer metastático

Os sintomas dependem do local da metástase (p. ex., tosse e falta de ar no caso de metástase pulmonar, cefaleia e tontura na metástase cerebral)

Muitas vezes, assintomática, descoberta durante avaliação médica de rotina

Biópsia de massa ou nódulo suspeito, testes de imagem adequados para a área em questão

Frequentemente, assintomáticos, alterações detectadas acidentalmente no hemograma completo

Testes baseados no transtorno suspeito

Perda ponderal, sudorese noturna, dor lombar, hematúria, massa lombar palpável, hipertensão

Cálcio sérico (para verificar hipercalcemia), exame de urina, TC dos rins

Miscelânea

História de uso prolongado de bebidas alcoólicas

Às vezes, ascite, icterícia, fígado diminuído ou aumentado, ginecomastia, contratura de Dupuytren, atrofia testicular

TP/TTP, fosfatase alcalina, aminotransferases, albumina, bilirrubina

Algumas vezes, ultrassonografia e TC abdominal

Dor, edema, algumas vezes eritema crural

Ultrassonografia

Algumas vezes, dosagem de dímero d

Febre medicamentosa

Febre coincidente com administração de fármacos (normalmente, 7–10 dias)

Às vezes, exantema

Suspensão do fármaco

Apresentação atípica e dramática, detalhes vagos e incoerentes, conhecimento de descrições teóricas, mentira compulsiva ou habitual (pseudologia fantástica)

Diagnóstico por exclusão

Dor abdominal, diarreia (às vezes sanguinolenta), perda ponderal, guaiacol de fezes positivo

Pode haver fístulas, ulcerações perianais e orais, artralgias

Endoscopia GI superior com enterografia por TC até o intestino delgado (doença de Crohn)

Colonoscopia (colite ulcerativa ou colite de Crohn)

*Pacientes com febre de origem desconhecida podem não apresentar achados típicos, mas estes achados devem ser procurados.

ANA = anticorpos antinucleares; ANCA = anticorpo citoplasmático antineutrófilos; CMV = citomegalovírus; EBV = vírus de Epstein-Barr; ELISA = ensaio de imunoabsorção enzimática; FR = fator reumatoide.

Avaliação

Nos casos intrigantes, como febre de origem desconhecida, presumir que todas as informações foram obtidas ou obtidas de maneira adequada pelos médicos anteriores costuma ser um erro. Os médicos devem estar cientes do que os pacientes relataram anteriormente (para solucionar discrepâncias), mas não devem simplesmente copiar os detalhes da história antes registrada (p. ex., história social e familiar). Erros iniciais de omissão têm sido perpetrados por muitos médicos em muitos dias de internação hospitalar, causando a realização de exames desnecessários. Mesmo quando a avaliação inicial tiver sido completa, muitas vezes os pacientes se lembram de outros detalhes quando questionados novamente.

Pelo contrário, os médicos não devem ignorar os resultados dos testes anteriores e não devem repeti-los sem considerar qual a probabilidade de os resultados serem diferentes (p. ex., porque o estado geral do paciente mudou, porque uma doença se desenvolve lentamente).

História

A anamnese tem como objetivo descobrir sintomas focais e fatos que sugiram a causa (p. ex., viagens, ocupação, história familiar, exposição a animais vetores de doenças, alimentação).

História da doença atual deve abranger a duração e o padrão da febre (intermitente, constante). Geralmente, os padrões de febre têm pouca ou nenhuma relevância no diagnóstico de febre de origem desconhecida, embora uma febre que apareça a cada 48 horas (terçã) ou a cada 72 horas (quartã) possa sugerir malária em pacientes com fatores de risco. Dor focal muitas vezes indica o local (embora não a causa) do transtorno subjacente. Os médicos devem perguntar de forma generalizada, depois especificamente, sobre incômodos em alguma parte do corpo.

A revisão dos sistemas deve incluir sintomas não específicos, tais como perda ponderal, anorexia, fadiga, sudorese noturna e cefaleias. Além disso, devem ser procurados sintomas de doenças do tecido conectivo (p. ex., mialgia, artralgia, exantema) e distúrbios GI (diarreia, esteatorreia, desconforto abdominal).

A história clínica deve incluir transtornos conhecidos que provocam febre, como câncer, tuberculose, doenças do tecido conectivo, cirrose alcoólica, doença intestinal inflamatória, febre reumática e hipertireoidismo. Os médicos devem perceber transtornos ou fatores predisponentes à infecção, como os comprometimentos imunitáros (p. ex., decorrentes de doenças como infecção pelo HIV câncer, diabetes, ou uso de imunossupressores), transtornos cardíacos estruturais, alterações do trato urinário, cirurgias e colocação de dispositivos (intravenosos, marca-passos, próteses articulares).

A história farmacológica deve incluir questões sobre fármacos específicos conhecidos por causarem câncer.

A história social deve incluir questões sobre fatores de risco de infecções, como uso de drogas injetáveis, práticas sexuais de risco (p. ex., sexo sem proteção, múltiplos parceiros), contatos infectados (p. ex., com tuberculose), viagens e possível exposição a animais ou insetos vetores. Os fatores de risco de câncer, incluindo tabagismo, alcoolismo e exposição ocupacional a químicos, também devem ser identificados.

A história familiar deve incluir questões sobre hereditariedade (p. ex., febre familiar do Mediterrâneo).

Os registros médicos devem ser verificados quanto aos resultados de exames anteriores, particularmente aqueles que efetivamente excluam certos transtornos.

Exame físico

A aparência geral, particularmente quanto a caquexia, icterícia e palidez, é observada.

A pele é completamente examinada para eritema focal (sugerindo um local de infecção) e exantema (p. ex., exantema malar do lúpus eritematoso sistêmico); a inspeção deve incluir o períneo e os pés, particularmente nos diabéticos, que são propensos a infecções nestas áreas. Os médicos também devem verificar os achados cutâneos de endocardite, incluindo nódulos subcutâneos eritematosos dolorosos nas digitais (nódulos de Osler), máculas hemorrágicas indolores palmoplantares (lesões de Janeway), petéquias e hemorragias subungueais.

O corpo todo (particularmente ao longo da coluna, ossos, articulações, abdome e tireoide) é examinado buscando-se áreas de sensibilidade, edema, ou organomegalia; o toque retal e o exame pélvico estão incluídos. Os dentes são propensos a sensibilidade (sugerindo abscesso apical). Durante a palpação, percebe-se adenopatia sistêmica ou regional; p. ex., a adenopatia regional é característica da doença da arranhadura do gato, contrariamente à adenopatia difusa do linfoma.

A ausculta do coração procura identificar sopros (sugerindo endocardite bacteriana) e atritos (sugerindo pericardite decorrente de doença infecciosa ou reumatológica).

Algumas vezes, as principais alterações físicas em pacientes com febre de origem desconhecida são, ou parecem ser, tão sutis que podem ser necessários repetidos exames físicos para sugerir as causas (p. ex., detectar nova adenopatia, sopro cardíaco, exantema ou nódulos e pulsações fracas da artéria temporal).

Sinais de alerta

Os achados a seguir são particularmente preocupantes:

  • Imunocomprometimento

  • Sopro cardíaco

  • Presença de dispositivos (p. ex., intravenosos, marca-passos, próteses articulares)

  • Viagem recente para áreas endêmicas

Interpretação dos achados

Após exame e história completas, os seguintes cenários são típicos:

  • Localização de sinais e sintomas que não estavam presentes, não foram detectados durante exames anteriores. Esses achados são interpretados e investigados conforme indicado ( Algumas causas de febre de origem desconhecida).

  • Mais comumente, a avaliação detecta somente achados inespecíficos que ocorrem por várias causas diferentes de febre de origem desconhecida, mas identificam fatores de risco que podem ajudar a direcionar o exame (p. ex., viagem a área endêmica, exposição a animais vetores). Às vezes, os fatores de risco são menos específicos, mas podem sugerir um tipo de doença; p. ex., perda ponderal sem anorexia é mais compatível com infecção do que com câncer, que normalmente provoca anorexia. As possíveis causas devem ser investigadas a fundo.

  • No cenário mais difícil, os pacientes têm somente achados inespecíficos e nenhum ou múltiplos fatores de risco, tornando essencial ao exame uma abordagem lógica, sequencial. Exame inicial é utilizado para diminuir as possibilidades diagnósticas e direcionar os exames subsequentes.

Exames

Os resultados de exames anteriores, particularmente culturas, são revistos. As culturas de alguns microrganismos podem necessitar de um longo período para tornarem-se positivas.

Tanto quanto possível, as informações clínicas são utilizadas para direcionar os exames solicitados ( Algumas causas de febre de origem desconhecida). Por exemplo, idosos institucionalizados, com cefaleia, não seriam testados para infecções por carrapato ou malária, mas estes transtornos devem ser considerados para viajantes mais jovens que percorreram uma área endêmica. Os idosos necessitam de avaliação de arterite temporal, que os pacientes mais jovens não necessitam.

Além dos exames específicos, geralmente os seguintes testes devem ser feitos:

  • Hemograma completo com diferencial

  • VHS

  • Testes da função hepática

  • Hemoculturas seriadas (de preferência antes da terapia antimicrobiana)

  • Anti-HIV carga viral por reação em cadeia de polimerase (PCR)

  • Teste de pele tuberculínico ou ensaio de liberação de interferon gama

Mesmo se forem feitos mais cedo, esses testes podem sugerir alguma tendência útil.

A exame de urina e cultura da urina e a radiografia do tórax, geralmente já feitas, são repetidas somente se os achados indicarem que devam ser.

São realizadas culturas de qualquer secreção ou material disponível de áreas com alterações identificadas durante a avaliação (p. ex., para bactérias, micobactérias, fungos, ou vírus, conforme indicado). Os testes específicos de microrganismos, como PCR e títulos sorológicos (agudos e convalescentes), são principalmente úteis quando direcionados por suspeita clínica e não feitos em uma abordagem sem direcionamento.

As sorologias, como anticorpos antinucleares (ANA) e o fator reumatoide (FR), são feitas para rastrear as doenças reumatológicas.

Os exames de imagem são direcionados pelos sinais e sintomas. Normalmente, as áreas de desconforto devem ser examinadas por imagem, p. ex., no caso dos pacientes com dor lombar, ressonância magnética (RM) da coluna (para verificar se há infecção ou tumor); nos pacientes com dor abdominal, TC do abdome. Porém, a TC do tórax, de abdome e de pelve deve ser considerada para verificar adenopatias e abscessos ocultos, mesmo quando os pacientes não apresentam sinais e sintomas localizados.

Se as hemoculturas forem positivas ou se houver sopros cardíacos ou sinais periféricos sugestivos de endocardite, deve-se realizar ecocardiografia.

Em geral, a TC é útil para delinear anormalidades no abdome e no tórax.

A RM é mais sensível que a TC na detecção da maioria das causas de febre de origem desconhecida que envolvem o sistema nervoso central, devendo ser realizada quando se considera o sistema nervoso central.

Imagens de Doppler venoso podem auxiliar a identificar as causas de trombose venosa profunda.

Exames com radioisótopos, especialmente com granulócitos marcados com índio-111, auxiliam a localizar muitos processos infecciosos ou inflamatórios. Essa técnica tem caído em desuso, pois acredita-se que contribua muito pouco para o diagnóstico, mas alguns trabalhos sugerem que ofereça melhor rendimento de diagnóstico do que a TC.

A tomografia com emissão de pósitrons (PET, positron emission tomography) também pode ajudar na detecção do foco da febre.

Biópsia pode ser necessária se anormalidades forem suspeitas em tecido acessível para biópsia (p. ex., fígado, medula óssea, pele, pleura, linfonodos, intestino, músculo). Fragmentos obtidos na biópsia devem ser avaliados por exame histopatológico e cultivados para bactérias, fungos, vírus e micobactérias, ou enviados para um exame diagnóstico molecular (PCR, polymerase chain reaction [reação em cadeia da polimerase]). A biópsia de músculo ou da pele com exantema pode diagnosticar vasculite. Biópsia bilateral de artéria temporal pode diagnosticar arterite temporal no paciente idoso com elevação de VHS.

Tratamento

O tratamento da FOD concentra-se na doença que causa a febre. Os antipiréticos devem ser usados judiciosamente, considerando a duração da febre.

Fundamentos de geriatria: febre de origem desconhecida

As causas de febre de origem desconhecida nos idosos são, geralmente, semelhantes às da população geral, mas as doenças do tecido conectivo são identificadas com mais frequência. As causas mais comuns são

Pontos-chave

  • A febre de origem desconhecida clássica é definida por temperatura corporal 38,0° C, por via retal, durante > 3 semanas, sem causa identificada após 3 dias de avaliação no hospital ou 3 consultas consecutivas.

  • As causas identificadas podem ser classificadas como infecciosas, doenças do tecido conjuntivo, neoplásicas ou diversas.

  • A avaliação deve ser baseada na síntese do exame físico e da anamnese, considerando-se particularmente os fatores de risco e a probabilidade das causas com base nas circunstâncias individuais.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS