Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

honeypot link

Cronograma de vacinação na infância

Por

Michael J. Smith

, MD, MSCE, Duke University School of Medicine

Última revisão/alteração completa nov 2021| Última modificação do conteúdo fev 2022
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
Recursos do assunto

Os pais devem tentar vacinar seus filhos de acordo com o cronograma. Um atraso significativo na vacinação coloca crianças em risco de terem doenças graves que poderiam ter sido evitadas pelas vacinas.

Se as crianças não tomar uma dose de vacina, os pais devem conversar com seu médico para atualizar o cronograma. Deixar de tomar uma dose não significa que a criança precisa reiniciar a série de injeções desde o começo.

A vacinação não precisa ser adiada se a criança tiver uma febre leve causada por uma infecção leve, como um resfriado comum.

Algumas vacinas são recomendadas apenas em circunstâncias especiais como, por exemplo, somente quando as crianças têm um maior risco de contrair a doença prevenida pela vacina.

Mais de uma vacina pode ser aplicada durante uma consulta com o médico, mas diversas vacinas são com frequência combinadas em uma única injeção. Por exemplo, existe uma vacina que combina as vacinas contra a coqueluche, a difteria, o tétano, a poliomielite e Haemophilus influenzae tipo b em uma única injeção. A vacina combinada simplesmente reduz o número de injeções necessárias sem reduzir a segurança ou a efetividade das vacinas.

Vacinações de rotina para bebês, crianças e adolescentes

Seguir o cronograma de vacinação recomendado é importante porque ajuda a proteger bebês, crianças e adolescentes contra infecções que podem ser prevenidas. O cronograma abaixo é baseado nas recomendações da Academia Americana de Pediatria (American Academy of Pediatrics, AAP) e dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC; consulte também o cronograma do CDC para bebês e crianças [do nascimento até os seis anos de idade] e o cronograma do CDC para crianças mais velhas [sete a 18 anos de idade]). O cronograma abaixo indica quais vacinas são necessárias, em quais idades e quantas doses (indicadas pelos números nos símbolos).

Há uma faixa de idades aceitáveis para muitas vacinas. O médico da criança pode fornecer recomendações específicas que podem variar dependendo da condição de saúde da criança e de outras circunstâncias. Vacinas combinadas são usadas com frequência, de maneira que as crianças recebam menos injeções. Nas crianças não vacinadas de acordo com o cronograma, vacinação de compensação é recomendada e os pais devem contatar um médico ou clínica de saúde para descobrir como fazê-lo. Os pais devem relatar qualquer efeito colateral após a vacinação ao médico da criança.

Para obter mais informações sobre esse e outros cronogramas de vacinação, os pais devem conversar com um médico ou visitar a página de Vacinas e Imunizações do site dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças.

Vacinações de rotina para bebês, crianças e adolescentes

[a] Vacina contra a hepatite B Vacina contra hepatite B A vacina contra hepatite B ajuda a proteger contra a hepatite B e suas complicações (hepatite crônica, cirrose e câncer hepático). Em geral, a hepatite B é mais séria do que a... leia mais : Esta vacina é administrada à maioria dos recém-nascidos antes de receberem alta hospitalar. A primeira dose é normalmente administrada ao nascimento, a segunda dose entre 1 e 2 meses de idade e a terceira dose entre 6 e 18 meses de idade. Os bebês que não recebem uma dose ao nascimento devem começar a série assim que possível.

[b] Vacina contra o rotavírus Vacina contra rotavírus A vacina contra o rotavírus é uma vacina de vírus vivos que ajuda a proteger contra a gastroenterite causada por rotavírus, a qual causa vômito, diarreia e, se os sintomas persistirem, desidratação... leia mais : Dependendo da vacina usada, são necessárias duas ou três doses da vacina. Com uma vacina, a primeira dose é administrada aos 2 meses e a segunda dose aos 4 meses de idade. Com a outra vacina, a primeira dose é administrada aos 2 meses, a segunda dose aos 4 meses e a terceira dose aos 6 meses de idade.

[c] Vacina contra Haemophilus influenzae tipo b (Hib) Vacina contra Haemophilus influenzae tipo b A vacina contra o Haemophilus influenzae tipo b (Hib) ajuda a proteger contra infecções bacterianas decorrentes do Hib, como a pneumonia e a meningite. Essas infecções podem... leia mais : Dependendo da vacina usada, são necessárias três ou quatro doses da vacina contra o Hib. Com uma vacina, a primeira dose é administrada aos 2 meses, a segunda dose aos 4 meses e a terceira dose aos 12 a 15 meses de idade. Com a outra vacina, a primeira dose é administrada aos 2 meses, a segunda dose aos 4 meses, a terceira dose aos 6 meses e a quarta dose é administrada aos 12 a 15 meses de idade.

[d] Vacina contra o vírus da poliomielite Vacina contra a pólio A vacina contra a pólio protege contra a poliomielite, uma infecção viral muito contagiosa que afeta a medula espinhal e o cérebro. A poliomielite pode causar fraqueza muscular, paralisia e... leia mais : São administradas quatro doses da vacina. A primeira dose é administrada aos 2 meses, a segunda dose aos 4 meses, a terceira dose aos 6 a 18 meses e a quarta dose é administrada aos 4 a 6 anos de idade.

[e] Vacina contra difteria, tétano e coqueluche acelular (DTaP) Vacina contra difteria, tétano e coqueluche A vacina para difteria, tétano e coqueluche é uma vacina de combinação que protege contra essas três doenças: A difteria geralmente causa inflamação da garganta e das membranas mucosas da boca... leia mais : Antes dos 7 anos de idade, as crianças recebem o preparado DTaP. São administradas cinco doses da vacina DTaP. A primeira dose é administrada aos 2 meses, a segunda dose aos 4 meses, a terceira dose aos 6 meses, a quarta dose aos 15 a 18 meses e a quinta dose aos 4 a 6 anos de idade.

A DTaP é seguida por uma dose de reforço contra tétano, difteria e coqueluche (Tdap) Administração A vacina contra tétano e difteria (Td) protege contra as toxinas produzidas pelas bactérias do tétano e da difteria, não contra as bactérias propriamente ditas. Também há uma vacina combinada... leia mais administrada aos onze a doze anos de idade (mostrada como o número seis no esquema acima). Essa dose é seguida por um reforço de tétano-difteria ou Tdap a cada 10 anos.

[f] Vacina pneumocócica Vacinação pneumocócica As vacinas pneumocócicas ajudam a proteger contra infecções bacterianas causadas por Streptococcus pneumoniae (pneumococos). As infecções pneumocócicas incluem infecç... leia mais : São administradas quatro doses da vacina. A primeira dose é administrada aos 2 meses, a segunda dose aos 4 meses, a terceira dose aos 6 meses e a quarta dose é administrada aos 12 a 15 meses de idade.

[g] Vacina meningocócica Vacina meningocócica A vacina meningocócica protege contra infecções causadas pela bactéria Neisseria meningitidis (meningococo). As infecções meningocócicas podem causar meningite (uma infecção... leia mais : São administradas duas doses da vacina. A primeira dose é administrada na idade de 11 a 12 anos de idade e a segunda dose aos 16 anos de idade (não mostrado no cronograma acima).

[h] Vacina contra a influenza (gripe) Vacina contra influenza A vacina contra o vírus da gripe ajuda a proteger contra a gripe. Dois tipos de vírus da gripe, o tipo A e o tipo B, causam epidemias de gripe nos Estados Unidos regularmente. Há muitas cepas... leia mais : A vacina contra a influenza deve ser administrada anualmente a todas as crianças, a partir dos 6 meses de idade. Existem dois tipos de vacina disponíveis. São necessárias uma ou duas doses, dependendo da idade e de outros fatores. A maioria das crianças precisa apenas de uma dose. As crianças entre os 6 meses e os 8 anos de idade que tenham recebido menos de duas doses ou cujo histórico de vacinação contra a gripe seja desconhecido devem receber duas doses com, pelo menos, 4 semanas de intervalo.

[k] Vacina contra hepatite A Vacina contra hepatite A A vacina contra hepatite A ajuda a proteger contra a hepatite A. Geralmente, a hepatite A é menos séria do que a hepatite B. A hepatite A muitas vezes não causa sintomas, embora possa causar... leia mais : São necessárias duas doses da vacina para obter uma proteção duradoura. A primeira dose é administrada entre os doze e 23 meses de idade e a segunda é administrada seis meses após a primeira. Todas as crianças não vacinadas com mais de 24 meses devem receber duas doses da vacina contra a hepatite A.

[l] Vacina contra o papilomavírus humano (HPV) Vacina contra o papilomavírus humano (HPV) A vacina contra o papilomavírus humano (HPV) ajuda a proteger contra a infecção pelas cepas de HPV que têm mais probabilidade de causar: Câncer cervical, câncer vaginal e câncer... leia mais : A vacinação de rotina é recomendada entre os 11 e 12 anos de idade (pode começar aos 9 anos de idade) e para pessoas não vacinadas anteriormente ou não vacinadas adequadamente até os 26 anos de idade (não mostrado no cronograma acima). A vacina contra o papilomavírus humano é administrada a meninas e meninos em 2 ou 3 doses. O número de doses depende da idade da criança ao receber a primeira dose. Aquelas que recebem a primeira dose entre 9 e 14 anos de idade recebem 2 doses, com intervalo mínimo de 5 meses. Aquelas que recebem a primeira dose a partir dos 15 anos de idade recebem 3 doses. A segunda dose é administrada pelo menos um mês após a primeira dose e a terceira dose é administrada pelo menos 5 meses após a primeira dose.

Vacinação contra a COVID-19 em crianças

Além das imunizações observadas no calendário de vacinação, as crianças nos Estados Unidos em certas faixas etárias agora são elegíveis para a vacinação contra a COVID-19 Vacina contra a COVID-19 As vacinas contra a doença por coronavírus de 2019 (COVID-19) conferem proteção contra a COVID-19. COVID-19 é a doença causada por uma infecção pelo vírus SARS-CoV-2. Atualmente, há várias vacinas... leia mais . A vacina BNT162b2 contra a COVID-19 (mRNA) produzida pela Pfizer‑BioNTech (nome comercial Comirnaty) possui autorização de uso emergencial (AUE) para crianças de 5 a 15 anos de idade e está totalmente aprovada para uso em pessoas a partir de 16 anos de idade. Esta vacina é administrada como uma série primária de duas injeções com três semanas de intervalo (a dose para crianças de 5 a 11 anos é menor do que para crianças a partir de 12 anos de idade). Também está autorizada sob AUE uma dose primária adicional, administrada pelo menos 28 dias após a segunda dose, para pessoas a partir de 5 anos de idade que tenham certos distúrbios que afetam moderada ou gravemente o sistema imunológico. Pessoas imunocomprometidas a partir de 12 anos de idade também devem receber uma dose de reforço pelo menos três meses depois. (Consulte as Orientações para a vacinação contra a COVID-19 para pessoas que estão moderada ou gravemente imunocomprometidas.)

Uma dose de reforço é recomendada para todos os receptores da vacina BNT162b2 a partir de 12 anos de idade que concluíram sua série inicial de duas doses há, pelo menos, cinco meses. Ao contrário das pessoas a partir de 18 anos que podem escolher qualquer vacina disponível contra a COVID-19 como dose de reforço, apenas a dose de reforço BNT162b2 é atualmente aprovada para adolescentes entre 12 e 17 anos de idade.

A vacina contra a COVID-19 pode ser aplicada no mesmo dia das imunizações de rotina.

Crianças que apresentaram uma reação alérgica após uma dose anterior de uma vacina contra a COVID-19 ou que são alérgicas a qualquer ingrediente de uma vacina contra a COVID-19 não devem tomar as vacinas contra a COVID-19.

A vacina mRNA-1273 contra a COVID-19 (mRNA) produzida pela Moderna também está sendo estudada para uso em crianças menores de 18 anos de idade, mas atualmente não tem aprovação nem AUE.

Vacinação contra a malária em crianças

Em 6 de outubro de 2021, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendou o uso generalizado da vacina contra a malária RTS,S/AS01 (RTS,S) em crianças na África Subsaariana e em outras regiões com transmissão moderada a alta da malária Malária A malária é uma infecção dos glóbulos vermelhos do sangue causada por uma das cinco espécies de Plasmodium, um protozoário. A malária causa febre... leia mais por Plasmodium falciparum. (Consulte OMS recomenda vacina inovadora contra a malária para crianças em risco.)

Mais informações

Seguem alguns recursos em inglês que podem ser úteis. Vale ressaltar que O MANUAL não é responsável pelo conteúdo desses recursos.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
PRINCIPAIS