Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Perda de memória

Por

Michael C. Levin

, MD, College of Medicine, University of Saskatchewan

Última modificação do conteúdo jan 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

A perda de memória é uma queixa comum no contexto do tratamento primário. É particularmente comum em idosos, mas também pode ser relatada por pessoas mais jovens. Às vezes, membros da família, em vez de o paciente, relatam a perda de memória (normalmente em uma pessoa idosa, muitas vezes uma com demência).

Médicos e pacientes frequentemente se preocupam com fato de que a perda de memória possa indicar demência iminente. Essa preocupação baseia-se no conhecimento comum de que o primeiro sinal da demência é tipicamente a perda de memória. No entanto, a maior parte da perda de memória não representa o aparecimento da demência.

As queixas mais comuns e mais precoces da perda de memória geralmente envolvem

  • Dificuldade de lembrar nomes e o local das chaves do carro ou outros itens comumente usados

À medida que a perda de memória se torna mais grave, as pessoas podem não se lembrar de pagar contas ou manter compromissos. Pessoas com perda de memória grave podem ter lapsos perigosos, como se esquecer de desligar o fogão, trancar a casa ao sair ou prestar atenção a um bebé ou criança que eles supostamente devem tomar cuidado. Outros sintomas (p. ex., depressão, confusão, alterações de personalidade, dificuldade com as atividades da vida diária) podem estar presentes dependendo da causa da perda de memória.

Etiologia

As causas mais comuns da perda de memória (ver tabela Características das causas comuns da perda de memória) são

  • Comprometimento da memória associado à idade (mais comum)

  • Comprometimento cognitivo leve

  • Demência

  • Depressão

Comprometimento da memória associado à idade refere-se ao agravamento da perda de memória que ocorre com o envelhecimento. Em pessoas com essa condição, leva mais tempo para formar novas memórias (p. ex., nome de um novo vizinho, nova senha de computador) e para aprender novas informações e tarefas complexas (p. ex., procedimentos de trabalho, programas de computador). Perda de memória associada à idade leva ao esquecimento ocasional (p. ex., perder as chaves do carro) ou constrangimento. Mas a cognição não é prejudicada. Dado tempo suficiente para pensar e responder a perguntas, os pacientes com essa condição geralmente pode fazer isso indicando memória e funções cognitivas intactas.

Pacientes com comprometimento cognitivo leve têm perda de memória real, em vez de recuperação da memória às vezes lenta a partir do armazenamento de memória relativamente preservado nos controles pareados por idade. Comprometimento cognitivo leve tende primeiro a afetar a memória de curto prazo (também chamada episódica). Os pacientes têm dificuldade de lembrar conversas recentes, a localização de itens comumente usados e compromissos. Mas a memória para eventos remotos tipicamente permanece intacta, assim como a atenção (também chamada memória funcional— os pacientes pode repetir listas de itens e fazer cálculos simples). A definição de comprometimento cognitivo leve está mudando; comprometimento cognitivo leve agora é às vezes definido como comprometimento na memória e/ou outras funções cognitivas que não é grave o suficiente para afetar as funções diárias. Até 50% dos pacientes com comprometimento cognitivo leve desenvolvem demência em 3 anos.

Pacientes com demência têm perda de memória, além de evidências de disfunção cognitiva e comportamental. Por exemplo, eles podem ter dificuldade de encontrar palavras e/ou nomear objetos (afasia), fazer atividades motoras anteriormente aprendidas (apraxia) ou planejar e organizar tarefas diárias, como refeições, compras e pagamento de contas (comprometimento da função executiva). A personalidade deles pode mudar; por exemplo, eles podem se tornar estranhamente irritáveis, ser ansiosos, agitados e/ou inflexíveis.

Depressão é comum em pacientes com demência. Mas a própria depressão pode causar perda de memória que simula demência (pseudodemência). Esses pacientes geralmente têm outras características da depressão.

Delirium é um estado de confusão aguda, que pode ser causado por infecção grave, fármacos (efeito adverso) ou abstinência de fármacos. Pacientes com delirium têm memória prejudicada, mas isso geralmente ocorre por causa das alterações globais oscilantes e graves no status mental (principalmente em termos da atenção) e disfunção cognitiva, não da perda de memória.

Tabela
icon

Características das causas comuns da perda de memória

Causa

Achados sugestivos

Abordagem diagnóstica

Comprometimento da memória associado à idade

Esquecimento ocasional (p. ex., de nomes ou localização das chaves do carro), mas nenhum outro comprometimento da memória

Função cognitiva normal

Avaliação clínica

Comprometimento cognitivo leve

Memória prejudicada

Função diária não afetada

Outros aspectos da cognição intacta

Avaliação clínica

Algumas vezes, testes neuropsiquiátricos

Memória prejudicada

Função diária afetada (p. ex., encontrar seus endereços no bairro, fazer tarefas habituais no trabalho)

Comprometimento de pelo menos 1 outro aspecto da cognição:

  • Raciocínio e manuseio de tarefas complexas prejudicados (função executiva) e julgamento ruim (p. ex., ser incapaz de gerenciar a conta bancária, tomar decisões financeiras ruins)

  • Afasia (disfunção de idioma), causando dificuldade de encontrar palavras e/ou nomear objetos

  • Disfunção visual-espacial (p. ex., incapacidade de reconhecer faces ou objetos comuns)

  • Alterações comportamentais e da personalidade (p. ex., suspeita, ansiedade, agitação)

Avaliação clínica

Algumas vezes, testes neuropsiquiátricos

Para identificar as causas: RM ou TC, punção lombar, exames de sangue

Perda de memória muitas vezes correlacionada com a gravidade da perturbação do humor

Às vezes, perturbação do sono, perda de apetite, desaceleração psicomotora

Frequentemente presente em pacientes com demência, transtorno cognitivo leve ou comprometimento da memória associado à idade

Avaliação clínica

Uso de drogas (p. ex., drogas anticolinérgicas, antidepressivos, opioides, psicoativos ou sedativos)

Uso do fármaco causador

Frequentemente início recente da terapia com fármacos, aumento na dose do fármaco ou desaceleração da eliminação do fármaco (p. ex., causada por diminuição da função renal ou hepática)

Normalmente, ensaio da interrupção ou alteração do fármaco causador suspeito

As causas menos comuns da perda de memória que pode ser revertida com o tratamento são:

Outros distúrbios são apenas parcialmente reversíveis. Incluem

Avaliação

A principal prioridade ao avaliar a perda de memória é

  • Para identificar delirium, que exige tratamento rápido

A avaliação então focaliza a distinção de alguns casos de comprometimento cognitivo leve e demência precoce do maior número com perda de memória associada à idade ou esquecimento simplesmente normal.

A avaliação total para demência normalmente requer mais tempo que 20 a 30 minutos que é comumente atribuído a uma consulta.

História

A história deve, quando possível, ser tomada separadamente do paciente e familiares. Pacientes cognitivamente comprometidos podem não ser capazes de fornecer uma história detalhada e precisa, e os membros da família podem não se sentir à vontade para dar uma história franca com o paciente ouvindo.

A história da doença atual deve incluir uma descrição dos tipos específicos da perda de memória (p. ex., esquecer palavras ou nomes, perder-se) e seu início, gravidade e progressão. O médico deve determinar a quantidade de sintomas que afetam as funções diárias no trabalho e em casa. Resultados associados importantes envolvem alterações no uso da linguagem, alimentação, sono e humor.

A revisão dos sistemas deve identificar sintomas neurológicos que podem sugerir um tipo específico de demência, como a seguir:

A história clínica deve incluir transtornos conhecidos, prescrição completa e história de uso de fármacos sem prescrição.

Histórias familiares e sociais devem incluir os níveis basais do paciente em termos de inteligência, instrução, emprego e funcionamento social. Abuso de substâncias anterior e atual é observado. História familiar de demência ou comprometimento cognitivo leve precoce é pesquisado.

Exame físico

Além de um exame geral, um exame neurológico completo é feito, com testes detalhados do estado mental.

Os testes do estado mental avaliam o seguinte pedindo ao paciente para fazer determinadas tarefas:

  • Orientação (dar seu nome, a data e sua localização)

  • Atenção e concentração (p. ex., repetir uma lista de palavras, fazer cálculos simples, soletrar a palavra "mundo" de trás para frente)

  • Memória de curto prazo (p. ex., repetir uma lista de 3 ou 4 itens após 5, 10 e 30 minutos)

  • Memória de longo prazo (p. ex., responder perguntas sobre o passado distante)

  • Linguagem (p. ex., nomear objetos comuns)

  • Práxis e função executiva (p. ex., seguir um comando em múltiplos estágios)

  • Práxis de construção (p. ex., copiar um design ou desenhar um relógio)

Várias escalas podem ser utilizadas para testar esses componentes. A maneira mais comum de testar esses componentes é com o exame do estado minimental, que requer cerca de 7 minutos para administrar.

Sinais de alerta

Os achados a seguir são particularmente preocupantes:

  • Comprometimento das funções diárias

  • Perda de atenção ou nível alterado de consciência

  • Sintomas da depressão (p. ex., perda de apetite, desaceleração psicomotora, ideação suicida)

Interpretação dos achados

A presença da perda real de memória e comprometimento das funções diárias e de outras funções cognitivas ajudam a diferenciar alterações da perda de memória relacionadas à idade, comprometimento cognitivo leve e demência.

Perturbação do humor está presente em pacientes com depressão, mas também é comum em pacientes com demência ou comprometimento cognitivo leve. Assim, pode ser difícil diferenciar depressão de demência até que a perda de memória se torne mais grave ou a menos que outros deficits neurológicos (p. ex., afasia, agnosia, apraxia) sejam evidentes.

Desatenção ajuda a diferenciar delirium de demência precoce. Na maioria dos pacientes com delirium, a perda de memória não é o sintoma de apresentação. No entanto, delirium deve ser excluído antes de o diagnóstico de demência ser feito.

Uma pista particularmente útil é a maneira como o paciente veio à atenção médica. Se o paciente inicia a avaliação médica por causa de preocupações em tornar-se esquecido, perda de memória associada à idade é a causa provável. Se um familiar procura atendimento médico para um paciente que está menos preocupado com a perda de memória do que a família está, há uma probabilidade muito maior de demência do que quando o paciente procura atendimento.

Exames

O diagnóstico é primariamente clínico. Mas qualquer exame do estado mental breve é afetado pelo nível de inteligência e escolaridade do paciente e tem precisão limitada. Por exemplo, pacientes com níveis elevados de escolaridade podem ter classificação falsamente alto, e aqueles com níveis baixos pode ter classificação falsamente baixo.

Se o diagnóstico não está claro, testes neuropsicológicos formais mais precisos podem ser feitos; os resultados têm maior precisão diagnóstica.

Se um fármaco é a causa suspeita, ele pode ser interrompido ou substituído como um teste diagnóstico.

O tratamento de pacientes aparentemente deprimidos pode facilitar a diferenciação entre depressão e comprometimento cognitivo leve.

Se os pacientes têm anormalidades neurológicas (p. ex., fraqueza, marcha alterada, movimentos involuntários), RM ou TC é necessária.

Para a maioria dos pacientes, medição dos níveis séricos de vitamina B12 e testes das funções tiroidianas são necessários para excluir deficiência de vitamina B12 e doenças da tireoide, que são causas reversíveis da memória prejudicada.

Se os pacientes têm delirium ou demência, testes adicionais devem ser realizados para determinar a causa.

Tratamento

Pacientes com comprometimento da memória associado à idade devem ser tranquilizados. Algumas medidas saudáveis geralmente são recomendadas para ajudar a manter a função e possivelmente diminuir o risco de demência.

Pacientes com depressão são tratados com fármacos e/ou psicoterapia.

Pacientes com perda de memória e sinais de depressão devem ser tratados com antidepressivos não anticolinérgicos, de preferência ISRSs. A perda de memória tende a desaparecer à medida que a depressão desaparece.

Delirium é tratado corrigindo a condição subjacente.

Raramente, a demência é reversível com um tratamento específico (p. ex., suplementação de vitamina B12, reposição hormonal tiroidiana, derivação para hidrocefalia de pressão normal).

O tratamento de outros pacientes com perda de memória é de suporte.

Medidas gerais

Os seguintes podem ser recomendados para pacientes preocupados com a perda de memória:

  • Exercício regular

  • Consumo de uma dieta saudável com muitas frutas e legumes

  • Sono suficiente

  • Não fumar

  • Usar álcool apenas moderadamente

  • Participação em atividades sociais e intelectualmente estimulantes

  • Exame físico periódico

  • Monitoramento do estresse

  • Prevenção de lesões na cabeça

Essas medidas, com o controle da pressão arterial, níveis de colesterol e níveis de glicose no plasma, também tendem a reduzir o risco de doenças cardiovasculares. Algumas evidências sugerem que essas medidas podem reduzir o risco de demência, mas esse efeito não foi comprovado.

Alguns especialistas recomendam

  • Aprender coisas novas (p. ex., um novo idioma, um novo instrumento musical)

  • Fazer exercícios mentais (p. ex., memorizar listas; fazer palavras cruzadas; jogar xadrez, bridge ou outros jogos que usam estratégia)

  • Ler

  • Utilizar o computador

  • Fazer artesanato (p. ex., tricô, costura)

Essas atividades podem ajudar a manter ou melhorar a função cognitiva, possivelmente porque elas fortalecem as conexões neuronais e promovem novas conexões.

Segurança do paciente

Terapeutas ocupacionais e fisioterapeutas podem avaliar a casa dos pacientes comprometidos quanto à segurança com o objetivo de prevenir quedas e outros acidentes. Medidas de proteção (p. ex., esconder facas, desligar o fogão, retirar o carro, esconder as chaves do carro) podem ser necessárias. Alguns estados americanos requerem que médicos notifiquem o departamento de trânsito sobre pacientes com demência. Podem ser instalados sistemas de monitoramento de sinal para pacientes que se perdem no caminho ou podem ser registrados em um programa de retorno seguro (Safe return nos EUA). Informações estão disponíveis na Alzheimer's Association (Safe Return program).

Essencialmente, podem ser indicados assistência (p. ex., auxiliar em serviços domésticos, serviço de assistência domiciliar home care]) ou mudança de ambiente (residências adaptadas sem escadas, moradias assistidas, instituições de cuidados especializados de enfermagem).

Medidas ambientais

Medidas ambientais podem ajudar os pacientes com demência.

Pacientes com demência normalmente funcionam melhor em um ambiente familiar, com reforço frequente da orientação (incluindo grandes calendários e relógios), ambiente alegre e claro e rotina regular. O ambiente deve conter estímulos sensoriais (p. ex., rádio, televisão, luzes noturnas).

Em instituições, os membros da equipe médica podem utilizar crachás grandes e se apresentar repetidas vezes. Alterações de ambiente, rotinas ou pessoas devem ser explicadas de forma precisa e simples aos pacientes, omitindo-se procedimentos não essenciais.

Visitas frequentes dos membros da equipe médica e familiares encorajam a manutenção da socialização dos pacientes. Atividades podem ajudar; elas devem ser agradáveis e proporcionar algum estímulo, mas sem envolver muitas escolhas ou desafios. Exercícios para melhorar o equilíbrio e manter o tônus cardiovascular também podem ajudar a reduzir a agitação, melhorar o sono e gerenciar o comportamento. Terapia ocupacional e a musicoterapia ajudam a manter o controle motor fino e proporcionam estimulação não verbal. A terapia em grupo (p. ex., terapia de reminiscência, atividades de socialização) pode ajudar a manter a prática da conversação e do relacionamento interpessoal.

Fármacos

A eliminação ou limitação do uso de fármacos com atividade no sistema nervoso central muitas vezes melhora a função. Sedativos e drogas anticolinérgicas, que tendem a agravar a demência, devem ser evitados.

Os inibidores da colinesterase donepezila, rivastigmina e galantamina são modestamente eficazes na melhora da função cognitiva em pacientes com doença de Alzheimer ou demência de corpos de Lewy leve a moderada e podem ser úteis em outras modalidades de demência. A eficácia diminui ao longo do tempo.

Memantina, um antagonista de NMDA (N-metila-daspartato), pode ser usada na demência moderada a grave.

Donepezila pode proporcionar melhoria temporária da memória para pacientes com comprometimento cognitivo leve, mas o benefício parece ser modesto. Nenhuma outro fármaco é recomendada para melhorar a cognição ou memória em pacientes com comprometimento cognitivo leve.

Tabela
icon

Fármacos utilizados para tratar doença de Alzheimer e às vezes outras formas de demência

Nome do fármaco

Dose inicial

Dose máxima

Comentários

Donepezila

5 mg, uma vez ao dia

23 mg, uma vez ao dia

Geralmente bem tolerada, mas pode causar náuseas ou diarreia

Galantamina

4 mg bid

Liberação prolongada: 8 mg, uma vez ao dia pela manhã

12 mg bid

Liberação prolongada: 24 mg, uma vez ao dia pela manhã

Modula os receptores nicotínicos e parece estimular a liberação de acetilcolina e aumentar o seu efeito

Memantina

5 mg bid

10 mg bid

Rivastigmina

Líquido ou cápsula: 1,5 mg bid

Adesivo: 4,6 mg/24 h

Líquido ou cápsula: 6 mg bid

Adesivo: 13,3 mg/24 h

Disponível em solução líquida e como adesivo

Fundamentos geriátricos

Comprometimento cognitivo leve é comum com o envelhecimento. A prevalência é 14 a 18% após os 70 anos de idade.

Demência é uma das causas mais comuns de internação, morbidade e mortalidade entre os idosos. O próprio envelhecimento é responsável pela maior parte do risco de demência. A prevalência da demência é

  • Aproximadamente 1% entre 60 a 64 anos de idade

  • 30 a 50% a > 85 anos de idade

  • 60 a 80% entre idosos em clínicas de repouso.

Pontos-chave

  • Perda de memória e demência são comuns em idosos e são fontes comuns de preocupação para eles.

  • Comprometimento da memória associado à idade é comum, causando desaceleração, mas não deterioração, da memória e cognição.

  • O diagnóstico baseia-se principalmente em critérios clínicos, sobretudo humor, atenção, presença de perda de memória real e efeito sobre a capacidade funcional diária.

  • Se os pacientes têm anomalias neurológicas (p. ex., fraqueza, marcha alterada, movimentos involuntários), fazer RM ou TC.

  • A história completa do uso de fármacos é crucial porque fármacos sedativos e anticolinérgicas podem causar perda de memória que pode ser revertida interrompendo o fármaco.

  • Perda de memória autorrelatada geralmente não é devido à demência.

  • Delirium deve ser excluído antes do diagnóstico de demência.

Informações adicionais

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Como fazer o exame dos nervos cranianos
Vídeo
Como fazer o exame dos nervos cranianos
Modelos 3D
Visualizar tudo
Impulso neural
Modelo 3D
Impulso neural

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS