Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

honeypot link

Osteosclerose

Por

Frank Pessler

, MD, PhD, Hannover, Germany

Última modificação do conteúdo fev 2017
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

Osteosclerose é um tipo de osteopetrose que envolve o endurecimento anormal do osso, que envolve o aumento da densidade óssea esquelética, com pouca alteração da modelagem; em alguns tipos, o aprisionamento ósseo na cavidade medular causa citopenias.

Osteopetrose com manifestações tardias (doença de Albers-Schönberg)

Esse tipo é autossômico dominante, benigno e tardio (tarda), com manifestações na infância, adolescência e em adultos jovens. O gene CLCN7 codificador do canal de cloro é aparentemente importante na função osteoclástica. É relativamente comum e tem ampla distribuição geográfica e étnica. As pessoas afetadas podem ser assintomáticas; em geral, são fortes e saudáveis. Entretanto, podem ocorrer paralisia facial e surdez decorrente da compressão do nervo craniano. Supercrescimentos ósseos podem estreitar a cavidade medular e causar citopenias que vão desde anemias até pancitopenias. Pode ocorrer hematopoiese extramedular, resultando em hepatoesplenomegalia; o consequente hiperesplenismo pode piorar a anemia.

Ao nascimento, a imagem radiográfica é geralmente normal. Entretanto, a esclerose óssea tem início na infância e o diagnóstico baseia-se tipicamente nas radiografias solicitadas por outros motivos. O comprometimento ósseo é disseminado e irregular, como manchas. A calvária é densa, e os seios podem ficar obliterados. A esclerose da placa terminal da vértebra produz o aspecto característico de listas horizontais.

Alguns pacientes necessitam de transfusões ou esplenectomia para tratamento da anemia.

Osteopetrose com manifestações precoces

Forma autossômica recessiva, maligna e congênita, com manifestação no lactente. É rara, frequentemente letal e deve-se a uma mutação do gene associado ao osteoclasto TCIRG1. O supercrescimento ósseo oblitera progressivamente a cavidade medular, causando pancitopenia grave. Os sintomas iniciais incluem dificuldade para ganhar peso, contusões espontâneas, sangramento anormal e anemia. Posteriormente, podem ocorrer paralisia dos 2o, 3o e 7o nervos cranianos e hepatoesplenomegalia. Insuficiência medular óssea (anemia, infecção grave ou hemorragia) geralmente causa morte no primeiro ano de vida.

Suspeita-se do diagnóstico de osteopetrose com manifestações precoces pela presença de supercrescimentos ósseos no contexto de anemia, sangramento anormal e baixo crescimento. Normalmente, raios-x simples são feitos, juntamente com hemograma e testes de coagulação. O aspecto marcante à radiografia é o aumento da densidade óssea. Ainda, faixas transversais na região metafisária e estrias longitudinais axiais. À medida que a doença progride, a porção terminal dos ossos longos, particularmente proximal do úmero e distal do fêmur, adquire a forma de frascos. Nas vértebras, na pelve e nos ossos tubulares, formam-se os característicos endo-ossos (osso dentro de osso). O crânio e a coluna tornam-se espessados.

O transplante de medula óssea, com enxerto de irmão com HLA idêntico, proporciona excelentes resultados. Entretanto, o prognóstico é reservado com enxertos HLA não idênticos. Em alguns casos, prednisona, calcitriol e interferon-gama são eficazes.

Osteopetrose com acidose tubular renal

Esse tipo de osteopetrose é recessivo autossômico. O defeito genético envolve mutações do gene da anidrase carbônica II. Ele causa fraqueza, estatura abaixo do esperado e retardo do desenvolvimento.

À radiografia, os ossos têm aspecto denso e são vistas calcificações cerebrais; a acidose tubular renal (ATR) está presente, e hemácias e atividade da anidrase carbônica estão diminuídas.

O transplante de medula óssea cura a osteopetrose, mas não tem efeito sobre a ATR. O tratamento de manutenção consiste na suplementação com bicarbonato e eletrólitos para corrigir as perdas renais.

Picnodisostose

Doença autossômica recessiva por mutações do gene que codifica a catepsina K, uma protease derivada do osteoclasto, importante na degradação da matriz óssea extracelular. A baixa estatura torna-se evidente precocemente na infância e a altura final é 150 cm. Outras manifestações incluem crânio aumentado, mãos e pés curtos e largos, falanges terminais escleróticas curtas, unhas distróficas e retenção dos dentes decíduos. Esclera azulada (decorrente de deficiência nos tecidos conjuntivos, o que torna visíveis os vasos subjacentes) é geralmente reconhecida durante a infância. As pessoas afetadas são parecidas entre si; têm um rosto pequeno, queixo recuado e dentes tortos e cariados. O crânio incha e as fontanelas anteriores permanecem patentes. Fraturas patológicas representam uma complicação.

Suspeita-se do diagnóstico de picnodisostose pela presença de esclera azulada, baixa estatura e achados ósseos característicos. Normalmente, radiografias simples são feitas. Esclerose óssea aparece nas radiografias durante a infância, mas nem estrias ósseas nem ossos internos são vistos (osso dentro do osso). Os ossos faciais e os seios paranasais são hipoplásticos e o ângulo mandibular é obtuso. As falanges distais são rudimentares, as clavículas podem ser delicadas e as porções laterais hipodesenvolvidas.

A cirurgia plástica é usada para correção das deformidades faciais e mandibulares.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS ANDROID iOS
PRINCIPAIS