Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Trauma uretral

Por

Noel A. Armenakas

, MD, Weill Cornell Medical School

Última modificação do conteúdo ago 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

Em geral, o trauma uretral é observado em homens. A maioria das lesões uretrais é por trauma fechado. Trauma uretral penetrante é menos comum, resultando principalmente de ferimentos por arma de fogo ou, alternativamente, da inserção de objetos na uretra durante o ato sexual ou em decorrência de doença psiquiátrica.

Traumas uretrais são classificados como traumas por contusão, rupturas parciais ou totais, podendo ser anteriores ou posteriores. Trauma posterior é, em geral, causado por fratura pélvica. Com frequência, os danos na uretra anterior são consequência de dano perineal decorrente de queda, golpes no períneo ou acidente de trânsito. Lesões iatrogênicas ocorrem durante a instrumentação transuretral (p. ex., inserção ou remoção de cateteres, cistoscopia).

Complicações incluem infecção, incontinência, disfunção erétil, estreitamento ou estenose (“estenose” é o estreitamento da uretra posterior, enquanto “estreitamento” refere-se exclusivamente à uretra anterior).

Sinais e sintomas

Os sintomas incluem dor ao urinar ou incapacidade de urinar. A presença de sangue no meato uretral é o sinal mais importante de dano. Outros sinais incluem equimose perineal, escrotal, peniana e labial, edema, ou ambos. Localização anômala da próstata pelo toque retal (a assim chamada posição elevada da próstata) é um indicador impreciso de lesão uretral. Sangue no exame digital, retal ou vaginal requer avaliação detalhada.

Diagnóstico

  • Uretrografia retrógrada

Quaisquer pacientes do sexo masculino com sinais e sintomas sugestivos de lesão uretral devem passar por uretrografia retrógrada. Esse procedimento sempre deve preceder o cateterismo. Cateterização uretral em pacientes do sexo masculino com lesão uretral significativa não detectada pode potencializar a ruptura uretral (p. ex., transformar uma ruptura parcial em uma ruptura completa). As pacientes exigem cistoscopia imediata e exame vaginal completo

Dicas e conselhos

  • Se houver suspeita de lesão uretral em homens, só inserir a sonda uretral depois da uretrografia.

Tratamento

  • Geralmente, cateterização uretral (para contusões) ou cistostomia suprapúbica

  • Às vezes, realinhamento endoscópico ou correção cirúrgica (para algumas lesões)

  • Cirurgia definitiva tardia

Pode-se tratar contusões de modo seguro com sonda transuretral de demora durante cerca de 7 dias. Rupturas parciais são mais bem tratadas com drenagem vesicular por cistostomia suprapúbica. Em casos específicos de rupturas parciais posteriores, pode-se tentar realizar o realinhamento uretral primário (endoscópico ou aberto); se bem-sucedido, essa abordagem pode limitar a estenose uretral subsequente.

A opção mais simples e mais segura para a maior parte dos pacientes com ruptura completa é drenagem vesical por cistostomia suprapúbica. Cirurgia definitiva é postergada por cerca de 8 a 12 semanas, até que o tecido cicatricial da uretra tenha se estabilizado e o paciente esteja recuperado de outras lesões associadas.

O reparo aberto das lesões uretrais limita-se àquelas associadas a fraturas penianas, lesões penetrantes e todas as lesões em mulheres.

Pontos-chave

  • A maioria da lesões uretrais posteriores está associada a fraturas pélvicas. Lesões anteriores costumam ocorrer por um mecanismo fechado; lesões uretrais com fraturas penianas ou por trauma penetrante ocorrem com menos frequência.

  • Considerar lesões uretrais particularmente em pacientes com fratura pélvica ou lesões por queda e que têm sangue no meato uretral ou dificuldade de micção.

  • Nos homens, fazer uretrografia retrógrada antes de cateterismo uretral.

  • Nas mulheres, realizar cistoscopia e exame ginecológico detalhado.

  • Tratar as contusões com cateterismo uretral e a maioria das rupturas completas inicialmente com uma cistostomia suprapúbica; considerar realinhamento primário nos casos específicos.

  • Postergar a reconstrução cirúrgica, exceto em lesões específicas (fraturas penianas, lesões penetrantes e lesões uretrais em mulheres).

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Alteração unilateral no teste de Thompson
Vídeo
Alteração unilateral no teste de Thompson
Modelos 3D
Visualizar tudo
Tecido conjuntivo musculoesquelético
Modelo 3D
Tecido conjuntivo musculoesquelético

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS