Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Intoxicação por hidrocarbonetos

Por

Gerald F. O’Malley

, DO, Grand Strand Regional Medical Center;


Rika O’Malley

, MD, Albert Einstein Medical Center

Última modificação do conteúdo fev 2018
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

A intoxicação pode ser por ingestão ou inalação. A ingestão, mais comum em crianças com < 5 anos, pode resultar em pneumonite aspirativa. A inalação, mais comum em adolescentes, pode resultar em fibrilação ventricular, geralmente sem sintomas de alerta. O diagnóstico de pneumonite é clínico, por radiografias e oximetria. O esvaziamento gástrico é contraindicado devido ao risco de aspiração. O tratamento é de suporte.

A ingestão de hidrocarbonetos, como destilados de petróleo (p. ex., gasolina, querosene, óleo mineral, óleo de lamparina, tíner para pinturas), resulta em mínimos efeitos sistêmicos, mas pode causar grave pneumonite aspirativa. O potencial tóxico depende principalmente da viscosidade medida em segundos Saybolt universal (SSU). Hidrocarbonetos líquidos com baixa viscosidade (SSU < 60), como gasolina e óleo mineral, podem se espalhar rapidamente sobre a superfície de grandes áreas e são mais propensos a causar pneumonite aspirativa que os hidrocarbonetos com SSU > 60, como o alcatrão. Se ingeridos em grandes quantidades, os hidrocarbonetos podem ser absorvidos sistemicamente e causar toxicidade a sistema nervoso central e fígado, sendo mais provável com hidrocarbonetos halogenados (p. ex., tetracloreto de carbono, tricloroetileno).

É comum entre adolescentes a inalação recreacional de hidrocarbonetos halogenados (p. ex., colas, tintas, solventes, gasolina, vaporizadores de limpeza e fluorocarbonetos usados como refrigerantes e propelentes em aerossóis — Solventes voláteis), por meio de sopros em sacos ou aniagem. Pode causar euforia e alteração do estado mental, além de sensibilizar o coração às catecolaminas endógenas. Às vezes, arritmias ventriculares fatais ocorrem sem palpitação premonitórias ou qualquer outro aviso, frequentemente quando os pacientes estão sobressaltados ou sendo perseguidos.

A ingestão crônica de tolueno pode causar intoxicação do sistema nervoso central a longo prazo, caracterizada por destruição periventricular, occipital e talâmica.

Sinais e sintomas

Após a ingestão, mesmo de pequena quantidade de hidrocarboneto líquido, os pacientes inicialmente têm tosse, engasgo e vômitos. Crianças menores podem ter cianose, detenção de fôlego e tosse persistentemente. Crianças maiores e adultos podem relatar sensação de queimação no estômago.

A pneumonite aspirativa produz hipóxia e dificuldade respiratória. Sinais e sintomas de pneumonite desenvolvem-se poucas horas antes do infiltrado ser visível a radiografia. Uma substanciosa absorção sistêmica, particularmente de hidrocarboneto halogenado, pode causar letargia, coma e convulsões. A pneumonite não fatal resolve-se em cerca de 1 semana; a ingestão de óleo de lamparina ou mineral geralmente leva 5 a 6 semanas para regredir.

Em geral, as arritmias ocorrem antes da apresentação e distintamente não recorrem, a não ser que os pacientes tenham excessiva agitação.

Diagnóstico

  • Radiografia e oximetria feitos cerca de 6 h após a ingestão

Se os pacientes estiverem muito entorpecidos para relatar a história, deve-se suspeitar exposição a hidrocarbonetos pelo odor de seu hálito ou de suas roupas ou se for encontrado frasco em seus arredores. Resíduos de tinta nas mãos ou ao redor da boca sugerem que o paciente tenha cheirado tinta recentemente.

O diagnóstico de pneumonite aspirativa é feito por sinais e sintomas, assim como por radiografia e oximetria, que é realizada cerca de 6 h após a ingestão, ou antes, se os sintomas forem graves. Havendo insuficiência respiratória, mede-se GSA.

A toxicidade para o sistema nervoso central é diagnosticada por exame neurológico e RM.

Tratamento

  • Cuidados de suporte

  • Evitar o esvaziamento gástrico

Qualquer roupa contaminada deve ser removida e a pele, lavada. (Atenção: esvaziamento gástrico, que aumenta o risco de aspiração, é contraindicado.) Carvão ativado não é recomendado. Os pacientes que não tiverem pneumonite aspirativa ou outros sintomas após 4 a 6 h são dispensados. Aqueles com sintomas são admitidos e tratados com medidas de suporte; antibióticos e corticoides não são indicados.

Dicas e conselhos

  • Evitar o esvaziamento gástrico se houver suspeita de ingestão de hidrocarbonetos (às vezes suspeitar com base no odor da respiração ou do vestuário).

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Alteração unilateral no teste de Thompson
Vídeo
Alteração unilateral no teste de Thompson
Modelos 3D
Visualizar tudo
Tecido conjuntivo musculoesquelético
Modelo 3D
Tecido conjuntivo musculoesquelético

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS