honeypot link

Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Visão geral da conjuntivite

Por

Melvin I. Roat

, MD, FACS, Sidney Kimmel Medical College at Thomas Jefferson University

Última modificação do conteúdo abr 2018
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

A inflamação da conjuntiva é tipicamente decorrente de infecção, alergia ou irritação. Sintomas são hiperemia conjuntival e edema ocular e, dependendo da etiologia, prurido e desconforto. O diagnóstico é clínico; às vezes, culturas são indicadas. O tratamento depende da etiologia e pode incluir antibióticos tópicos, anti-histamínicos, estabilizantes de mastócitos e corticoides.

A conjuntivite infecciosa é mais comumente conjuntivite viral ou conjuntivite bacteriana e é contagiosa. Raramente patógenos mistos ou não identificáveis estão presentes. Várias substâncias alergênicas podem causar conjuntivite alérgica. A irritação da conjuntiva por causa não alérgica pode ser decorrente de corpos estranhos, fumaça, vento, vapores químicos, outros tipos de poluição, exposição excessiva a raios ultravioletas, lâmpadas ultravioletas e reflexos da neve.

A conjuntivite é tipicamente aguda, mas tanto condições alérgicas quanto infecciosas podem se tornar crônicas. Condições adicionais que favorecem a conjuntivite crônica incluem ectrópio, entrópio, blefarite e dacriocistite crônica.

Sinais e sintomas

Qualquer fonte de inflamação pode provocar dilatação vascular da conjuntiva e lacrimejamento ou secreção conjuntival difusa. Secreção pode provocar a formação de crosta nos olhos durante a noite. Secreção excessiva pode atrapalhar a visão, mas a acuidade visual não deve ser afetada.

Prurido intenso e lacrimejamento predominam nas conjuntivites alérgicas. Quemose e hiperplasia papilar também sugerem conjuntivite alérgica. Irritação ou sensação de corpo estranho, fotofobia ou secreção purulenta sugerem conjuntivite viral; secreção purulenta sugere conjuntivite bacteriana. Dor ocular intensa sugere esclerite.

Diagnóstico

  • Avaliação clínica

  • Algumas vezes cultura

Geralmente, o diagnóstico da conjuntivite é feito pela história e exame ( Características de diferenciação na conjuntivite aguda), geralmente incluindo biomicroscopia com coloração da córnea com fluoresceína e, se houver suspeita de glaucoma, aferição da pressão intraocular. Para prevenir a transmissão da infecção para outros pacientes e pessoal, antissepsia meticulosa dos equipamentos que tocam os olhos é particularmente importante depois do exame dos pacientes que podem ter conjuntivite.

Outras doenças podem causar olho vermelho. Profunda dor no olho afetado quando uma luz é apontada no olho não afetado (fotofobia verdadeira) não ocorre na conjuntivite simples e sugere um distúrbio da córnea ou úvea anterior. Hiperemia conjuntival periférica (às vezes descrita como injeção ciliar) é causada por vasos dilatados, finos, retos e profundos que irradiam 1 a 3 mm do limbo, sem hiperemia significativa da conjuntiva bulbar e tarsal. Injeção ciliar ocorre com uveíte, glaucoma agudo e alguns tipos de queratite ( Doenças da córnea), mas não com conjuntivite não complicada.

Dicas e conselhos

  • Suspeitar outra causa de olhos vermelhos (p. ex., uveíte, glaucoma, ceratite) se os pacientes têm fotofobia real, perda de visão ou rubor ciliar e não têm secreção ou lacrimejamento.

A causa da conjuntivite é sugerida por observações clínicas. No entanto, as culturas são indicadas para pacientes com sintomas graves, imunossupressão, um olho vulnerável (p. ex., depois de um transplante de córnea, em exoftalmia por doença de Graves) ou resposta ruim à terapia inicial.

A diferenciação clínica entre conjuntivite viral e bacteriana infecciosa não é muito precisa. Mas se a história e o exame sugerem fortemente conjuntivite viral, a não prescrição de antibióticos é inicialmente apropriada. Os antibióticos podem ser prescritos mais tarde se o quadro clínico mudar ou se os sintomas persistirem.

Tabela
icon

Características de diferenciação na conjuntivite aguda

Etiologia

Secreção/tipo de célula

Edema palpebral

Envolvimento nodular

Prurido

Leucócitos purulentos/polimorfonucleares

Moderada

Em geral, nenhum

Nenhuma

Células claras/mononucleares

Mínimo

Muitas vezes presente

Nenhum

Claro, viscoso, mucoide/eosinófilos

Moderada a grave

Nenhum

Leve a intensa

Tratamento

  • Prevenção da propagação

  • Tratamento dos sintomas

A maioria das conjuntivites são altamente contagiosas e se espalham por gotículas, fômites e contaminação da mão para o olho. Para evitar a transmissão da infecção, os médicos devem

  • Usar desinfetante para as mãos ou lavar as mãos adequadamente (esfregar as mãos com água e sabão durante pelo menos 20 segundos, enxaguar bem e fechar a torneira usando uma toalha de papel)

  • Desinfetar o equipamento após examinar os pacientes

Os pacientes devem:

  • Usar desinfetante para as mãos e/ou lavar bem as mãos após tocar nos olhos ou nas secreções nasais

  • Evitar tocar no olho não infectado depois de ter tocado no olho infectado

  • Evitar compartilhar toalhas ou travesseiros

  • Evitar nadar em piscinas

Os olhos devem ser mantidos livres de secreções e não devem ser tapados. Crianças pequenas com conjuntivite devem ser mantidas em casa para evitar a propagação da infecção. Compressas frias aplicadas nos olhos podem ajudar a aliviar a queimação local e coceira. Os antimicrobianos são utilizados para certas infecções.

Pontos-chave

  • A conjuntivite tipicamente resulta de infecção, alergia ou irritação.

  • A conjuntivite infecciosa é, em geral, altamente contagiosa.

  • Os resultados típicos são rubor (sem rubor ciliar) e secreção, sem dor ou perda de visão significativa.

  • O diagnóstico costuma ser clínico.

  • O tratamento integra medidas para prevenir a propagação e tratar a causa (algumas vezes com antimicrobianos).

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS