Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Carcinoma de células de Merkel

(Carcinoma de pele neuroendócrino; carcinoma de pequenas células da pele primário; carcinoma trabecular; apudoma da pele; câncer de pele anaplásico)

Por

Gregory L. Wells

, MD, Ada West Dermatology, St. Luke’s Boise Medical Center, and St. Alphonsus Regional Medical Center

Última modificação do conteúdo mar 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente

O carcinoma de células de Merkel é um câncer de pele raro e agressivo que tende a afetar pessoas brancas mais velhas.

A média de idade no momento do diagnóstico é cerca de 75. O carcinoma de células de Merkel também afeta pacientes mais jovens que estão imunodeprimidos. Outros fatores de risco incluem exposição cumulativa à luz ultravioleta, exposição ao poliomavírus de células de Merkel e ter outro câncer (p. ex., mieloma múltiplo, leucemia linfocítica crônica, melanoma). A disseminação linfática é comum.

Sinais e sintomas

As lesões cutâneas geralmente são firmes, brilhantes, cor de carne ou vermelho-azulada e nodulares. Seus achados clínicos mais característicos são o crescimento rápido e a ausência de dor e sensibilidade. Embora o carcinoma de células de Merkel possa afetar qualquer parte da pele, ele é mais comum em áreas expostas ao sol (p. ex., face, membros superiores).

Diagnóstico

  • Biópsia

O diagnóstico do carcinoma de células de Merkel é por biópsia.

A maioria dos pacientes tem doença metastática na apresentação, e o prognóstico é reservado.

Tratamento

  • Determinado por estadiamento

Determina-se o tratamento do carcinoma de células de Merkel pelo estádio do câncer e normalmente inclui excisão local ampla, muitas vezes seguida de radioterapia, dissecção de linfonodos ou ambos.

Quimioterapia pode ser indicada para câncer metastático ou recorrente.

Prevenção

Como o carcinoma de células de Merkel parece estar relacionado com exposição a raios UV, algumas medidas são recomendáveis para limitar a exposição.

  • Evitar o sol: procurar a sombra, diminuir as atividades fora de casa das 10 h às 16 h (quando os raios solares são mais intensos) e evitar banhos de sol e câmaras de ultravioleta.

  • Usar roupas protetoras: camisas de manga longa, calças compridas e chapéus de aba larga.

  • Uso de fotoprotetores: pelo menos com FPS 30 com proteção UVA/UBV de amplo espectro, usado diretamente (reaplicados a cada 2 horas e depois de nadar ou suar); não deve ser usado para exposição solar prolongada.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS