Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Considerações gerais sobre pneumonia

Por

Sanjay Sethi

, MD, University at Buffalo SUNY

Última revisão/alteração completa abr 2019| Última modificação do conteúdo abr 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

A pneumonia é uma infecção dos pequenos sacos de ar (alvéolos) do pulmão e tecidos circundantes.

  • A pneumonia é uma das causas mais comuns de morte no mundo.

  • Frequentemente, a pneumonia é a doença terminal que causa a morte em pessoas que sofrem de outras doenças crônicas graves.

  • Alguns tipos de pneumonia podem ser evitados através da imunização.

Nos Estados Unidos, cerca de dois a três milhões de pessoas desenvolvem pneumonia a cada ano, das quais 60.000 morrem. Nos Estados Unidos, a pneumonia, juntamente com a influenza, é a oitava principal causa de morte, sendo a principal causa infecciosa de morte. A pneumonia é a causa mais comum de morte entre as infecções que se desenvolvem em pessoas hospitalizadas e é a causa geral mais comum de morte em países em desenvolvimento. A pneumonia também é uma das causas mais comuns de infecções graves em crianças e bebês, com uma incidência anual de 34 a 40 casos por 1.000 crianças na Europa e América do Norte.

Causas

Pneumonia é causada por diferentes micro-organismos, incluindo bactérias, vírus, micobactérias, fungos e parasitas. Pneumonias bacterianas e virais são muito mais comuns do que as pneumonias causadas por micobactérias, fungos ou parasitas. Os organismos específicos variam de acordo com a idade, saúde, local de moradia da pessoa, além de outros fatores. Pode haver o envolvimento de mais de um micro-organismo. Por exemplo, gripe (uma infecção viral) é frequentemente complicada por uma pneumonia bacteriana.

As vias aéreas e pequenos sacos de ar dos pulmões são constantemente expostos a micro-organismos. O nariz e a garganta são cheios de bactérias e, às vezes, vírus, e as pessoas inalam pequenas quantidades desses organismos, regularmente, do ar ou de aspirado do trato digestivo, boca ou garganta. Normalmente os pulmões lidam prontamente com esses organismos através dos seus mecanismos de defesa, que incluem

  • O reflexo de tosse, que ajuda a expelir muco e substâncias estranhas

  • As células revestindo as vias pulmonares, que previnem a invasão de micro-organismos nos pulmões e empurram o muco e substâncias estranhas de modo que possam ser expelidos pela tosse

  • As proteínas produzidas pelas células pulmonares que atacam micro-organismos

  • Os glóbulos brancos dentro dos pulmões, que são parte do sistema imunológico normal e também atacam micro-organismos

A pneumonia se desenvolve quando

  • Os mecanismos de defesa não estão funcionando corretamente.

  • Uma grande quantidade de bactérias é inalada sobrecarregando as defesas normais.

  • Ocorre a entrada de um organismo particularmente infeccioso.

Geralmente, a pneumonia começa após a aspiração de micro-organismos das vias aéreas superiores para os pulmões; mas, por vezes, a infecção é causada por micro-organismos inalados do ar, carregados até os pulmões pela corrente sanguínea, ou invadem os pulmões diretamente de um sítio infeccioso próximo.

Categorias de pneumonia

A localização das pessoas quando elas desenvolvem pneumonia é importante porque diferentes organismos tendem a estar presentes em diferentes lugares. Em geral, organismos em alguns lugares, como hospitais, são mais perigosos e mais resistentes a antibióticos comparados a organismos presentes em outros lugares. Além disso, é mais provável que pessoas em determinados lugares tenham distúrbios que as tornem mais propensas a desenvolver pneumonia. Algumas categorias de pneumonia incluem

Pneumonia associada a assistência médica, que é uma infecção adquirida em uma unidade de saúde que não um hospital, como em um asilo ou centro de diálise, não é mais considerada uma categoria de pneumonia a parte.

Outras categorias de pneumonia incluem

  • Pneumonia aspirativa,que ocorre quando volumes ou partículas maiores (por exemplo, saliva, comida ou vômito) são aspirados e não são removidos dos pulmões. A pneumonia aspirativa pode ocorrer em pessoas com dificuldade para engolir, como pessoas com histórico de AVC e em pessoas com nível diminuído de consciência devido ao uso de medicamentos sedativos, álcool ou por outros motivos.

  • Pneumonia obstrutiva, que ocorre quando uma obstrução das vias aéreas nos pulmões (como um tumor) faz com que bactérias se acumulem por trás da obstrução

"Walking" pneumonia é um termo em inglês, não médico, usado para descrever casos leves de pneumonia adquirida na comunidade que não requerem repouso no leito ou hospitalização. Algumas pessoas podem até sentir-se bem o suficiente para trabalhar e participar de outras atividades diárias.

Fatores de risco para pneumonia

A pneumonia pode ser subsequente a uma cirurgia, particularmente cirurgia abdominal, ou após uma lesão (trauma), particularmente uma lesão torácica, porque a dor desses quadros clínicos impede que as pessoas respirem profundamente ou tussam. Se as pessoas não respirarem profundamente nem tossirem, é mais provável que os micro-organismos permaneçam nos pulmões e causem infecção. Outras pessoas que não respiram profundamente nem tossem incluem pessoas debilitadas, acamadas, paralisadas ou inconscientes. Essas pessoas também correm o risco de desenvolver uma pneumonia.

Outra característica fundamental é o fato de a pneumonia ocorrer em uma pessoa saudável ou alguém com um sistema imunológico comprometido. Uma pessoa com o sistema imunológico comprometido é muito mais propensa a contrair pneumonia, incluindo pneumonia causada por bactérias e vírus incomuns e até mesmo por fungos e parasitas. Além disso, uma pessoa com o sistema imunológico comprometido pode não responder tão bem ao tratamento como pessoas cujo sistema imune é saudável. As pessoas com um sistema imunológico comprometido incluem aquelas que

  • Usam certos medicamentos (como corticosteroides ou quimioterápicos)

  • Têm certas doenças, como a síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS) ou vários tipos de câncer

  • Possuem um sistema imunológico subdesenvolvido, como no caso de bebês e crianças pequenas

  • Possuem um sistema imunológico comprometido por uma doença grave

Outros quadros clínicos que predispõem as pessoas a ter uma pneumonia incluem alcoolismo, tabagismo, diabetes, insuficiência cardíaca, idade mais avançada (por exemplo, mais de 65 anos) e doença pulmonar obstrutiva crônica porque estes distúrbios podem enfraquecer os mecanismos de defesa dos pulmões ou o sistema imunológico.

Sintomas

O sintoma mais comum de pneumonia é

  • Tosse com expectoração (muco espesso ou com coloração alterada)

Outros sintomas comuns de pneumonia incluem

  • Dor torácica

  • Calafrios

  • Febre

  • Falta de ar

No entanto, esses sintomas podem variar em função da extensão da doença e do micro-organismo causador.

Às vezes, as pessoas com pneumonia apresentam sintomas digestivos, como náusea, diarreia e perda de apetite (anorexia).

Os sintomas variam ainda mais em bebês e idosos. Pode não ocorrer febre. Pode não ocorrer dor torácica ou as pessoas podem não conseguir comunicar que estão com dor torácica. Algumas vezes, o único sintoma é a respiração rápida ou uma recusa súbita de comer. Algumas vezes, confusão súbita pode ser o único sinal de pneumonia em uma pessoa idosa.

Complicações da pneumonia

As complicações comuns incluem

Uma pneumonia grave pode impedir que o oxigênio chegue até a corrente sanguínea, causando falta de ar. Baixos níveis de oxigênio podem trazer risco à vida.

O micro-organismo responsável pela pneumonia pode entrar na corrente sanguínea, ou a resposta do corpo à infecção pode ser exagerada, resultando na diminuição da pressão arterial que pode trazer risco à vida, um quadro clínico denominado sepse.

Algumas pneumonias podem causar um abscesso pulmonar ou empiema. Um abscesso é uma bolsa de pus dentro do tecido. Um abscesso pulmonar se forma quando uma pequena área do pulmão morre e um acúmulo de pus se forma no lugar. Um empiema é uma coleção de pus no espaço entre o pulmão e a parede torácica.

Uma infecção devastadora ou inflamação excessiva em resposta à infecção pode causar lesão grave dos pulmões, o que pode se manifestar como uma SARA. A SARA causa falta de ar, geralmente com uma respiração rápida e superficial. Pessoas com SARA normalmente precisam de apoio respiratório com um ventilador mecânico por um período de tempo estendido.

Diagnóstico

  • Exame médico

  • Em geral, uma radiografia do tórax; mas, às vezes, uma tomografia computadorizada (TC) do tórax

  • Algumas vezes exames para identificar o micro-organismo causando a pneumonia

Um médico verifica a presença de pneumonia auscultando o tórax com um estetoscópio. A pneumonia geralmente produz sons característicos. Esses sons anormais são causados pelo estreitamento ou fechamento das vias aéreas ou pelo preenchimento de partes dos pulmões, normalmente cheias de ar, com células e líquido inflamatórios; um processo chamado consolidação. Na maioria dos casos, o diagnóstico de pneumonia é confirmado com uma radiografia torácica; mas, às vezes, é feita uma TC do tórax. Em casos leves, os médicos podem decidir tratar com base nos sintomas e nos resultados dos exames.

Em pessoas que estão doentes ao ponto de exigirem hospitalização, os médicos geralmente testam amostras de escarro, sangue e urina em uma tentativa de identificar o organismo causador da pneumonia. Em pessoas muito doentes, pessoas com um problema conhecido do sistema imunológico ou quando estiverem procurando por organismos incomuns, os médicos poderão colher amostras de escarro administrando um tratamento com vapor que faz com que a pessoa tussa profundamente (induzindo a produção de escarro) ou inserindo um broncoscópio (pequeno tubo flexível com uma câmera) nas vias aéreas. Amostras de escarro obtidas através da indução da tosse e, especialmente aquelas obtidas com um broncoscópio, são menos propensas a conter saliva e têm mais chances de permitir que os médicos identifiquem o organismo causador da pneumonia do que as amostras de escarro expectoradas.

É particularmente importante que os médicos identifiquem o organismo causador da pneumonia quando as pessoas estão gravemente doentes, não têm um sistema imunológico normal ou não estão respondendo bem ao tratamento. No entanto, apesar desses testes, o organismo preciso não pode ser identificado de forma conclusiva na maioria das pessoas que têm pneumonia.

Prevenção

A maneira mais eficaz de prevenir a pneumonia é parar de fumar.

Exercícios de respiração profunda e terapia para remover muco e secreções dos pulmões ajudam a prevenir uma pneumonia em pessoas com alto risco, como as que se submeteram a uma cirurgia abdominal ou torácica e aquelas que estão debilitadas.

As vacinas podem ajudar na prevenção contra pneumonia. Algumas vezes quando uma pessoa não vacinada entra em contato com uma pessoa com um vírus que pode causar pneumonia (como influenza), os médicos receitarão certos medicamentos antivirais para tentar prevenir a infecção e a pneumonia.

Vacinas para prevenir a pneumonia

Existem vacinas disponíveis que oferecem proteção parcial contra a pneumonia causada pelo(a)

Vacina pneumocócica

Por vezes a vacina pneumocócica consegue evitar a pneumonia pneumocócica, que é causada pela bactéria Streptococcus pneumoniae (pneumococo). O organismo que causa a pneumonia pneumocócica também pode causar muitas outras infecções pneumocócicas (como infecções no sangue e meningite). A vacina contra pneumonia pneumocócica também protege as pessoas de muitas dessas infecções pneumocócicas graves.

Estão disponíveis duas formulações da vacina pneumocócica:

  • A vacina conjugada (PCV13) protege contra 13 tipos de pneumococos, mas induz um nível mais elevado de anticorpos.

  • A vacina polissacarídica (PPSV23) protege contra 23 tipos de pneumococos.

Estas formulações são administradas em grupos diferentes de pessoas. A vacina conjugada é administrada rotineiramente a todas as crianças a partir de 2 meses de idade, e está sendo cada vez mais aplicada em pessoas de outras faixas etárias. A vacina de polissacarídeo é rotineiramente recomendada para todas as pessoas a partir de 65 anos.

Vacina contra Haemophilus influenzae tipo b

A vacina para Haemophilus influenzae tipo b pode prevenir a pneumonia causada pela cepa Haemophilus influenzae tipo b. Essa vacina é recomendada para todas as crianças para prevenir a pneumonia, bem como outras infecções causadas por esse organismo. A vacina é administrada em três ou quatro doses — aos 2 meses, 4 meses e, algumas vezes, aos 6 e/ou 12 meses de idade.

Vacina contra influenza

A vacina contra influenza consegue, em geral, prevenir a pneumonia causada pelo vírus influenza. Mais importante, como a influenza enfraquece o sistema imunológico e torna os pulmões vulneráveis a uma pneumonia bacteriana, a prevenção da influenza com a vacinação também pode ajudar na prevenção contra pneumonias bacterianas. A vacinação anual de rotina contra influenza é recomendada para todas as pessoas a partir de seis meses de idade, a menos que sejam alérgicas à vacina. A vacinação é especialmente importante para profissionais da área de saúde, idosos e pessoas com quadros clínicos crônicos como a doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), diabetes, doença cardíaca e doença renal.

A vacinação nos EUA deve ser feita anualmente durante o outono (setembro a novembro), de modo que os níveis de anticorpos estarão mais altos durante o pico da influenza, nos meses de novembro a março. Uma vacina diferente é apresentada todos os anos com base em previsões de quais cepas são mais propensas a causar influenza.

A capacidade de prevenção de pneumonia causada pelo vírus da influenza das vacinas depende do quão bem as cepas utilizadas na vacina correspondem à cepa epidêmica ocorrendo em um determinado ano. Mesmo que o nível de proteção varie de ano para ano, as pessoas ainda se beneficiam em receber uma vacina anual contra influenza.

Vacina contra varicela

A vacina contra varicela pode prevenir a pneumonia causada pelo vírus da catapora (vírus da varicela). A pneumonia causada por esse vírus é muito rara. A vacina contra varicela é parte do esquema de vacinação para todas as crianças. Uma dose é administrada entre os 12 e 15 meses de idade e a outra entre 4 e 6 anos de idade.

Tratamento

  • Antibióticos e, por vezes, medicamentos antivirais, antifúngicos ou antiparasitários

  • Tratamentos de apoio à respiração

As pessoas com pneumonia também precisam eliminar secreções e podem se beneficiar de exercícios de respiração profunda. As pessoas com pneumonia que estão com falta de ar ou têm baixos níveis de oxigênio no sangue recebem oxigênio suplementar, geralmente através de um pequeno tubo plástico nas narinas (cânula nasal). Apesar de o repouso ser uma parte importante do tratamento, o repouso absoluto pode ser nocivo e as pessoas são incentivadas a se movimentar frequentemente e sair da cama para uma cadeira.

Geralmente, são iniciados antibióticos sempre que há suspeita de pneumonia bacteriana, mesmo antes do organismo ser identificado. O uso imediato de antibióticos reduz a gravidade da pneumonia e a possibilidade de desenvolvimento de complicações, algumas das quais podendo levar à morte.

Antibióticos

Ao escolher um antibiótico, os médicos levam em conta qual organismo tem mais chances de ser a causa. Vários fatores podem dar dicas referentes ao organismo causador da pneumonia:

  • Tipo de pneumonia (pneumonia adquirida na comunidade, pneumonia adquirida no hospital, pneumonia obstrutiva, pneumonia aspirativa)

  • A idade da pessoa

  • Se o sistema imunológico da pessoa está funcionando corretamente ou não ou se as pessoas têm outras doenças pulmonares

  • Gravidade da pneumonia

  • O uso de antibióticos administrados pela veia nos últimos 90 dias

  • Informações sobre quais organismos são comuns na região e quais antibióticos são capazes de matá-los

  • Quaisquer informações disponíveis de testes diagnósticos, como a identificação de bactérias específicas em culturas de escarro

Em geral, um médico escolhe um antibiótico com maior cobertura, significando que o antibiótico é eficaz contra uma ampla gama de micro-organismos, até mesmo micro-organismos resistentes a alguns antibióticos, nas seguintes circunstâncias:

  • Quando a pneumonia é grave

  • Se o sistema imunológico da pessoa não está funcionando corretamente

  • Se a pessoa tiver uma pneumonia adquirida no hospital, ou outros fatores de risco para o desenvolvimento de pneumonia causada por um micro-organismo resistente a alguns antibióticos (por exemplo, morando em uma casa de repouso e incapaz de realizar atividades da vida diária e tratamento recente com antibióticos)

Os médicos podem dar um antibiótico diferente posteriormente, depois de o organismo ser identificado e da sua suscetibilidade a vários antibióticos ser determinada.

É importante ter em mente que um antibiótico com maior cobertura também mata as bactérias normais que vivem no intestino e pode resultar em diarreia grave com risco à vida, um quadro clínico denominado colite induzida por Clostridium difficile ou colite associada a antibióticos. Portanto, um antibiótico com maior cobertura só é usado nas circunstâncias descritas acima. Comparativamente, no caso de pessoas com pneumonia menos grave e para aquelas com uma boa saúde geral, a opção é feita por um antibiótico com menor cobertura, geralmente apropriado para os micro-organismos mais comuns que causam pneumonia. Apesar de esses antibióticos também poderem causar diarreia, esta é menos frequente. Esses antibióticos são geralmente bem-sucedidos, e essa abordagem diminui o risco de colite induzida pelo Clostridium difficile, que é muito mais comum com um antibiótico de mais amplo espectro.

Medicamentos antivirais e antifúngicos

Os antibióticos não são úteis para pneumonias virais. Contudo, os medicamentos antivirais específicos são por vezes administrados em caso de suspeita de certas infecções virais, como influenza ou varicela. No caso de influenza, medicamentos antivirais específicos (como oseltamivir ou zanamivir) podem diminuir a duração e gravidade da doença se as pessoas começarem a tomar o medicamento dentro de 48 horas do início dos sintomas. Contudo, depois de a pessoa desenvolver uma pneumonia por influenza, os médicos não têm certeza se os medicamentos antivirais irão ajudar; ainda assim, eles costumam administrar esses medicamentos. O desenvolvimento de uma pneumonia bacteriana após uma infecção viral é frequente. Neste caso, os médicos administram antibióticos às pessoas afetadas.

Em casos raros, um fungo ou parasita é a causa da pneumonia, sendo administrado um medicamento antifúngico ou antiparasitário.

Cuidados domiciliares em comparação aos hospitalares

Frequentemente, as pessoas com pneumonia, mas que não estão muito doentes, podem tomar antibióticos por via oral e permanecer em casa. Pessoas idosas, bebês e as que têm falta de ar, que estão muito doentes ou que têm doença cardíaca ou pulmonar preexistente geralmente são hospitalizadas e recebem antibióticos, antivirais ou antifúngicos por via intravenosa de início. Esses antibióticos geralmente são trocados por antibióticos orais depois de alguns dias. As pessoas que precisam ser hospitalizadas podem também precisar de oxigênio suplementar e líquidos intravenosos. Pessoas muito doentes podem precisar de sedativos e de serem colocadas, temporariamente, conectadas a uma máquina de respiração (ventilador mecânico) que empurra o ar para dentro e para fora dos pulmões através de um tubo inserido na garganta.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Pneumotórax
Vídeo
Pneumotórax
Durante a respiração normal, os pulmões se expandem e se contraem dentro da cavidade torácica...
Modelos 3D
Visualizar tudo
Dentro dos pulmões
Modelo 3D
Dentro dos pulmões

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS