Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

honeypot link

Dor crônica

Por

James C. Watson

, MD, Mayo Clinic College of Medicine and Science

Avaliado clinicamente jun 2022
VISUALIZAR A VERSÃO PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE
Fatos rápidos

A dor crônica é uma dor que dura e se repete por meses ou anos.

Em geral, a dor é considerada crônica se um dos itens a seguir ocorrer:

  • Durar mais de três meses

  • Durar mais de um mês após resolução da lesão ou problema que originalmente causou a dor

  • Ocorrer e desaparecer novamente por meses ou anos

  • Estiver associada a uma doença crônica (como câncer, artrite, diabetes ou fibromialgia) ou uma ferida que não cicatriza.

A dor crônica às vezes ocorre quando os nervos se tornam mais sensíveis à dor. Por exemplo, a causa original da dor pode estimular as fibras nervosas repetidamente além das células que detectam, enviam e recebem sinais de dor. Estimulação repetida pode alterar a estrutura das fibras e células nervosas (chamado remodelação) ou fazer com que as mesmas fiquem mais ativas. Por conseguinte, pode ocorrer dor com uma estimulação que normalmente não seria dolorida, ou o estímulo doloroso pode parecer mais forte. Este efeito é chamado sensibilização.

Além disso, áreas do tecido muscular e conjuntivo podem tornar-se muito sensíveis ao toque. Estas áreas são chamadas pontos-gatilho uma vez que ao tocá-las, frequentemente há o desencadeamento de dores inexplicadas que irradiam para outras áreas do corpo.

Você sabia que...

  • Às vezes, a dor crônica ocorre quando a causa original da dor estimula os nervos repetidamente, e essa estimulação pode alterar o sistema nervoso fisicamente de modo a piorar a dor e fazê-la durar mais tempo.

Ansiedade, depressão e outros fatores psicológicos podem ajudar a explicar por que a dor sentida por algumas pessoas é mais desagradável do que para outras e por que a dor limita mais as suas atividades. Por exemplo, indivíduos com dor crônica sabem que ela ocorrerá novamente e podem ter medo e se preocupar, por prever a dor. O medo e a ansiedade podem reduzir a produção de substâncias que reduzem a sensibilidade dos neurônios à dor. Essas alterações da sensibilidade à dor correspondem em parte à dor que persiste após a resolução da causa e à dor que se sente de forma mais intensa do que esperado.

Às vezes, o que originalmente causou a dor é óbvio — por exemplo, quando as pessoas tiveram uma lesão que resultou em dor crônica nas costas. Ou a causa pode ser desconhecida — por exemplo, quando as pessoas têm cefaleia crônica.

Sintomas de dor crônica

A dor crônica pode ocorrer em diferentes partes do corpo em pessoas diferentes. Por exemplo, pode ocorrer nas costas de uma pessoa e nas pontas dos dedos em outra. Além disso, a sensação de dor pode ser diferente. Por exemplo, a dor pode parecer ser latejante, lancinante, em ardência ou como agulhadas. Ela pode ser constante ou pode ir e vir, e a intensidade da dor pode variar.

Pessoas com dor crônica frequentemente sentem-se cansadas, apresentam problemas para dormir, perdem o apetite e/ou o gosto pela comida e perdem peso. Sua libido pode diminuir. Esses problemas desenvolvem-se gradualmente. A dor constante pode impedir que as pessoas façam o que elas geralmente gostam de fazer. Elas também podem tornar-se deprimidas e ansiosas. Elas podem interromper suas atividades, evitar se socializar e ficar preocupadas com a saúde física.

Diagnóstico de dor crônica

  • Avaliação médica

  • Às vezes, uma avaliação da saúde mental

Os médicos avaliam minuciosamente o indivíduo para identificar a causa da dor e seu efeito na vida diária. Se nenhuma causa for identificada, os médicos, então, se concentram no alívio da dor e ajudam o indivíduo a sentir-se melhor.

Tratamento de dor crônica

  • Medicamentos para alívio da dor

  • Métodos físicos (tais como fisioterapia)

  • Psicoterapia e terapia comportamental

Se uma causa de dor crônica for identificada, ela será tratada.

O tratamento de dor crônica pode incluir:

Se os tratamentos não forem eficazes, os médicos podem encaminhar a pessoa a uma clínica especializada em dores.

Medicamentos

Na maioria das pessoas que tomam analgésicos para dores crônicas, a intensidade de dor varia ao longo do dia. A intensidade varia com base em vários fatores, como:

  • As características dos nervos afetados (por exemplo, com que rapidez podem enviar sinais e onde os nervos estão localizados)

  • Atividades que possam causar dor (tais como movimentar-se ou tocar a área afetada)

  • Estresse

  • Dose ou cronograma de analgésicos

Dependendo da gravidade da dor, os seguintes tipos de medicamentos podem ser utilizados para tratar a dor crônica:

Às vezes, combinações de medicamentos são mais eficazes em aliviar a dor do que um único medicamento.

Em geral, a dor crônica é inicialmente tratada com paracetamol ou com medicamentos anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) Medicamentos anti-inflamatórios não esteroides Analgésicos são os principais medicamentos usados para tratar a dor. O médico escolhe o analgésico em função do tipo e da duração da dor, ponderando os possíveis riscos e benefícios. A maioria... leia mais , como ibuprofeno ou naproxeno. Os AINEs não só aliviam a dor como também podem reduzir a inflamação que muitas vezes acompanha e agrava a dor. No entanto, se tomados em doses elevadas ou por um longo tempo, os AINEs podem ter efeitos colaterais sérios, incluindo irritação do revestimento do estômago, aumento da tendência para sangrar, problemas renais e aumento no risco de distúrbios cardíacos e dos vasos sanguíneos (cardiovasculares).

Analgésicos adjuvantes são comumente usados para tratar a dor crônica. Acredita-se que esses medicamentos funcionem alterando a forma como os nervos processam a dor (em vez de interromper diretamente a sensação de dor).

Os analgésicos adjuvantes mais comumente utilizados para as dores são

Opioides Analgésicos opioides Analgésicos são os principais medicamentos usados para tratar a dor. O médico escolhe o analgésico em função do tipo e da duração da dor, ponderando os possíveis riscos e benefícios. A maioria... leia mais são usados somente se outros medicamentos e tratamentos (como fisioterapia) não forem eficazes. O uso de opioides é limitado porque eles podem ter efeitos colaterais, como transtorno de abuso de opioides Transtornos por uso de substâncias De modo geral, os transtornos por uso de substâncias envolvem padrões de comportamento em que as pessoas continuam a usar a substância apesar dos problemas causados pelo seu uso. As substâncias... leia mais (vício), respiração lenta (depressão respiratória) e morte devido a overdose. Opioides são mais frequentemente usados para tratar a dor moderada a intensa causada por câncer ou a outros distúrbios que encurtam a expectativa de vida (doenças terminais). Os opioides também são usados como parte dos cuidados paliativos Cuidados paliativos Os cuidados paliativos são um conceito e um programa de tratamento especificamente planejados para reduzir o sofrimento para pessoas em estado terminal e seus familiares. Nos Estados Unidos... leia mais para pessoas no final da vida.

Antes de prescrever opioides para qualquer tipo de dor crônica, os médicos consideram o seguinte:

  • Qual é a abordagem habitual de tratamento

  • Se há outros tratamentos que poderiam ser usados

  • Se a pessoa tem alto risco de efeitos colaterais com um opioide

  • Se a pessoa corre risco de mau uso ou abuso de um opioide ou se é provável que ela use o medicamento para outros fins (por exemplo, para vendê-lo)

Os médicos podem encaminhar o indivíduo para um especialista em dor ou a um psiquiatra especializado em abuso de substâncias se o risco de apresentar um problema for elevado. Por exemplo, os indivíduos que apresentam uma dependência geralmente necessitam de um encaminhamento.

Quando os opioides são receitados para dor crônica, os médicos explicam a natureza do distúrbio da pessoa (se conhecido) e os riscos e benefícios de outros possíveis tratamentos, incluindo medicamentos não opioides e nenhum tratamento. Os médicos perguntam à pessoa sobre seus objetivos e expectativas. Eles geralmente dão à pessoa informações por escrito que descrevem os riscos de tomar opioides. Depois que as pessoas discutem essas informações com seu médico e as entendem, é solicitado que assinem um termo de consentimento livre e esclarecido Consentimento livre e esclarecido Antes de realizar um teste invasivo ou fornecer tratamento médico, os médicos devem obter a permissão de um paciente competente de forma que seja esclarecida e voluntária. O processo é conhecido... leia mais .

Quando os médicos receitam um opioide para dor crônica, eles explicam os riscos e efeitos colaterais dos opioides. As pessoas são aconselhadas a

  • Não ingerir bebidas alcoólicas ou tomar medicamentos ansiolíticos ou soníferos quando estiverem tomando o opioide

  • Tomar a dose recomendada no horário recomendado e não alterar a dose

  • Armazenar o opioide em um local seguro

  • Não compartilhar o opioide com ninguém

  • Entrar em contato com o médico se o medicamento as tornar sonolentas ou se apresentarem quaisquer outros efeitos colaterais (como confusão, constipação ou náuseas)

  • Eliminar os comprimidos não utilizados, conforme indicado

  • Manter naloxona (um antídoto dos opioides) à mão e aprender e ensinar aos familiares como administrá-la se ocorrer uma superdosagem de opioide

Se um opioide for receitado, os médicos têm práticas habituais para garantir a segurança da pessoa. Os médicos normalmente pedem que as pessoas recebam prescrições de opioides apenas de um médico e que retirem o medicamento sempre na mesma farmácia. Eles consultam a pessoa frequentemente para consultas de acompanhamento e monitoram o uso do medicamento para garantir que ele seja seguro e eficaz. Por exemplo, os médicos podem examinar periodicamente a urina da pessoa para determinar se o medicamento está sendo tomado corretamente. Eles também solicitam ao indivíduo que assine um acordo que especifica as condições necessárias para o uso de opioides, incluindo qualquer monitoramento que possa ser necessário.

No caso de pessoas com dor devido a câncer ou outro distúrbio terminal, as preocupações sobre os efeitos colaterais não devem limitar o uso de opioides porque os efeitos colaterais podem ser geralmente prevenidos ou tratados, e a dependência não é muito uma preocupação.

Fisioterapia ou terapia ocupacional

Fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais utilizam diversas técnicas na tentativa de aliviar a dor crônica e ajudar as pessoas a se sentirem melhor. Se pontos-gatilho estiverem presentes, os profissionais podem utilizar um spray para esfriar a área e, em seguida, alongar o músculo. Esse método (chamado vaporizar e alongar) pode ajudar a diminuir a dor. Utilizar uma órtese (um dispositivo que dá suporte a articulações, ligamentos, tendões, músculos e ossos danificados) ajuda algumas pessoas.

Algumas vezes, a realização de exercícios ou o aumento dos níveis de atividade ajudam. Por exemplo, caminhar regularmente pode ajudar a aliviar dores na região lombar de forma mais eficaz ao invés de ficar em repouso na cama.

Medicina complementar e integrativa

Aconselhamento e técnicas comportamentais

Várias técnicas Técnicas de relaxamento O relaxamento, um tipo de medicina de interação mente-corpo, inclui práticas especificamente concebidas para aliviar a tensão e o estresse. A técnica específica pode ter como objetivo: Controlar... leia mais (como treinos de relaxamento, técnicas de distração, hipnose e biofeedback Biofeedback O biofeedback, um tipo de medicina de interação mente-corpo, é um método usado para fazer com que os processos biológicos inconscientes sejam controlados de maneira consciente. No biofeedback... leia mais ) podem algumas vezes ajudar a controlar a dor. Técnicas de distração podem envolver formação de imagens. Por exemplo, as pessoas podem ser instruídas a imaginar uma cena calma e confortante, tal como relaxar em uma praia ou deitar em uma rede.

Aconselhamento ou psicoterapia pode ajudar as pessoas a sentirem-se melhor, mesmo que não reduza a dor. Os médicos podem recomendar meios específicos para o aumento gradual das atividades físicas e sociais. As pessoas são aconselhadas a não deixar a dor atrapalhar sua determinação a sentirem-se melhor. Quando esta abordagem é utilizada, muitas pessoas relatam uma diminuição na dor. Os médicos aclamam o progresso, encorajam as pessoas a continuarem melhorando e a continuarem a tratar a dor, conforme necessário.

Os médicos também podem falar com os familiares ou colegas de trabalho e desencorajá-los a fazer coisas que mantenham o indivíduo focado na dor. Por exemplo, eles não devem ficar perguntando sobre a saúde do indivíduo ou insistir que não realize tarefas.

Bloqueio nervoso

Um bloqueio nervoso é frequentemente utilizado para tratar a dor causada pela lesão a algum determinado nervo extenso. Para este procedimento, uma via nervosa que transmite sinais de dor é interrompida por um dos seguintes procedimentos:

  • Injetar anestésico local na área ao redor dos nervos para evitar que enviem sinais de dor (os médicos comumente utilizam ultrassonografia para ajudá-los a localizar os nervos a serem tratados)

  • Injetar na área ao redor de um conjunto próximo de neurônios, chamado gânglio, para ajudar a regular a transmissão dos sinais de dor

  • Injetar substâncias cáusticas (como fenol) no nervo para destruí-lo

  • Congelar o nervo (crioterapia)

  • Queimar o nervo com uma sonda de radiofrequência

Os bloqueios nervosos são frequentemente usados para tratar a dor lombar causada pela pressão (compressão de) nervos espinhais (que conectam a medula espinhal a outras partes do corpo). O bloqueio de nervos pode também ser utilizado para tratar dores intensas de cânceres terminais e dores neuropáticas persistentes e intensas quando os medicamentos não conseguem aliviar a dor.

Programas de reabilitação da dor

Os médicos podem recomendar um programa de reabilitação da dor para pessoas com dor crônica. Esses programas são gerenciados por uma equipe interdisciplinar que inclui psicólogos, fisioterapeutas, médicos, enfermeiros e, às vezes, terapeutas ocupacionais e profissionais de medicina integrativa. Os programas incluem educação, terapia cognitivo-comportamental, fisioterapia, simplificação do regime farmacológico e, às vezes, redução gradual do uso de um analgésico. Eles se concentram em:

  • Restaurar as funções

  • Melhorar a qualidade de vida

  • Ajudar as pessoas a controlar sua própria vida, apesar da dor crônica

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: VISUALIZAR A VERSÃO PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE
VISUALIZAR A VERSÃO PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE
quiz link

Test your knowledge

Take a Quiz! 
ANDROID iOS
ANDROID iOS
ANDROID iOS
PRINCIPAIS