Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Fraturas do maxilar e da parte média da face

Por

Sam P. Most

, MD, Stanford University School of Medicine

Última revisão/alteração completa abr 2018| Última modificação do conteúdo abr 2018
Clique aqui para a versão para profissionais
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

As lesões da face ocorrem frequentemente em combinação. Por exemplo, o olho e o nariz ou a boca e a bochecha podem ser danificados como resultado da mesma lesão.

  • Uma fratura do maxilar inferior causa geralmente dor e inchaço, altera a forma como os dentes se encaixam entre si e impede que a pessoa abra a boca totalmente.

  • As fraturas da parte média da face podem causar inchaço, visão dupla, dormência facial, afundamento do globo ocular, alteração do modo como os dentes se encaixam entre si e/ou incapacidade de abrir a boca totalmente.

  • Os médicos geralmente conseguem detectar fraturas da face e do maxilar durante um exame, mas é habitual tirar radiografias ou realizar uma tomografia computadorizada.

  • Uma fratura do maxilar inferior é tratada por repouso do maxilar, cirurgia ou fecho do maxilar com ligações até os ossos sararem.

  • Uma fratura da parte média da face pode ser tratada cirurgicamente, mas é habitual realizar uma intervenção cirúrgica se a fratura causar problemas além de dor e inchaço, como deformidade facial.

O termo fratura do maxilar refere-se frequentemente a uma fratura do maxilar inferior (mandíbula). As fraturas do maxilar superior (parte do osso chamada maxilar) são por vezes chamadas fraturas do maxilar, mas são geralmente consideradas fraturas faciais.

A mandíbula é mais frequentemente fraturada como resultado de um trauma por impacto, tal como sofrer um soco ou golpe com um taco de beisebol ou outro objeto.

As fraturas do maxilar podem ocorrer quando a parte frontal da face é esmagada contra um objeto fixo, tal como acontece em uma queda de altura ou um acidente com veículos a motor. Algumas fraturas são causadas por pancadas com um objeto, tal como uma arma, ou com o punho. Algumas fraturas do maxilar apenas fraturam o alvéolo de um dente.

Fraturas da parte média da face

Muitas das fraturas da face, geralmente fraturas que resultam de um grau de força substancial (como um acidente com veículos a motor), enquadram-se em uma das seguintes categorias (classificação de LeFort):

  • I. A fratura estende-se através da mandíbula (maxilar) superior.

  • II. A fratura estende-se da parte inferior de uma das bochechas, até e ao longo da ponte nasal e, depois, até à parte inferior da outra bochecha.

  • III. A fratura estende-se ao longo da ponte nasal e dos ossos à volta dos olhos.

Fraturas da parte média da face

Sintomas

Uma mandíbula fraturada geralmente causa dor e inchaço do maxilar e a pessoa sente frequentemente que os dentes não se encaixam entre si de modo normal. Muitas vezes, não se consegue abrir muito a boca, pois pode deslocar-se para um lado quando se fecha ou abre.

As fraturas do maxilar frequentemente causam inchaço e deformação da face. O inchaço raramente se torna suficientemente grave para bloquear a via respiratória e interferir com a respiração. No entanto, qualquer lesão que seja suficientemente contundente para fraturar o maxilar também pode lesionar a coluna no pescoço ( Lesões da medula espinhal e das vértebras) ou provocar uma lesão cerebral.

Os restantes sintomas dependem da localização da fratura.

As fraturas dos ossos do assoalho da órbita ocular podem causar visão dupla (visto que os músculos do olho se fixam perto da fratura), dormência na pele por baixo do olho (devido a lesões dos nervos) ou um afundamento do globo ocular.

As fraturas do osso da bochecha (arco zigomático) podem causar incapacidade de abrir totalmente o maxilar, uma alteração do modo como os dentes se encaixam entre si e uma irregularidade no osso da bochecha que pode ser sentida ao passar um dedo sobre ela.

Outras fraturas do maxilar que se estendem para baixo até a mandíbula podem causar incapacidade de abrir totalmente a mandíbula e uma alteração do modo com os dentes se encaixam entre si.

As fraturas que se estendem através de um dente ou seu alvéolo criam uma abertura na boca que pode permitir que as bactérias na boca infectem a mandíbula ou o maxilar.

Diagnóstico

  • Radiografias e/ou tomografia computadorizada

  • Exame do olho

Um exame médico consegue geralmente determinar se o maxilar está fraturado. Normalmente, são tirados raios-X para diagnosticar fraturas da mandíbula ou apenas um alvéolo do dente. É realizada uma tomografia computadorizada (TC) para diagnosticar fraturas do maxilar. São frequentemente tirados raios-X do pescoço para excluir a possibilidade de dano espinhal. Se a pessoa apresenta sintomas de lesão cerebral, é realizada uma TC ao cérebro. Se a pessoa tem problemas de visão ou uma lesão perto do olho, é realizado um exame ao olho.

Tratamento

  • Tratamento de fraturas específicas, o que pode incluir cirurgia

Se uma pessoa suspeitar que seu maxilar está fraturado, ela deve se deslocar ao pronto-socorro imediatamente.

Se o inchaço ou sangramento começarem a bloquear as passagens respiratórias, poderá ser necessário introduzir um tubo (tubo endotraqueal) para ajudar a pessoa a respirar.

Tratamento de fraturas da mandíbula

O tratamento das fraturas da mandíbula envolve repouso do maxilar, de modo a que o osso possa sarar. As fraturas leves podem apenas implicar que a pessoa não mastigue, pelo que os médicos receitam uma dieta líquida ou com alimentos moles. As fraturas mais graves (tais como fraturas em mais de um local ou fraturas em que as extremidades do osso são separadas, chamadas fraturas deslocadas) requerem uma reparação do maxilar.

Os médicos podem parafusar placas metálicas no osso em cada lado da fratura ou podem ligar o maxilar superior e o maxilar inferior da pessoa durante várias semanas. Se o maxilar ficar fechado pelas ligações, o paciente pode alimentar-se somente com líquidos, com a ajuda de um canudo. Visto que apenas parte da superfície do dente pode ser escovada enquanto o maxilar está fechado com as ligações, os médicos receitam uma solução oral que deve ser usada duas vezes por dia. Após várias semanas fechado com as ligações, o maxilar precisa geralmente ser fortalecido com exercícios.

Nas crianças, algumas fraturas da mandíbula perto do ouvido não são imobilizadas. Em vez disso, uma restrição ligeira do movimento do maxilar com um dispositivo durante 5 a 10 dias é suficiente.

Tratamento de fraturas do maxilar

As fraturas do maxilar são tratadas com cirurgia se causarem problemas como sintomas de visão, alteração do modo como os dentes se encaixam entre si, limitação da abertura do maxilar, afundamento do globo ocular, dormência facial ou uma alteração inaceitável da aparência. Frequentemente, os médicos esperam alguns dias após a ocorrência da lesão (quando o inchaço desaparece) para decidir se é necessário realizar uma cirurgia. A cirurgia envolve tipicamente fixação com parafusos e placas. Após a cirurgia, poderá ser necessário imobilizar os maxilares, mas frequentemente apenas durante alguns dias, após os quais as pessoas deverão apenas ingerir alimentos moles durante várias semanas.

Tratamento de fraturas do alvéolo do dente

Qualquer fratura de um alvéolo do dente é tratada com antibióticos.

Você sabia que...

  • As pessoas com seus maxilares fechados por ligações devem trazer sempre cortadores de fios consigo. Caso a pessoa vomite, ela deve cortar os arames que fecham o maxilar para evitar a aspiração do vômito.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Terapia de células-tronco alogênicas
Vídeo
Terapia de células-tronco alogênicas
Células-tronco são células ímpares localizadas na medula óssea ou no sangue periférico capazes...
Modelos 3D
Visualizar tudo
Abrasão corneana
Modelo 3D
Abrasão corneana

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS