Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Alimentação por sonda

(Nutrição por sonda enteral)

Por

David R. Thomas

, MD, St. Louis University School of Medicine

Última revisão/alteração completa mar 2018| Última modificação do conteúdo abr 2018
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

A alimentação por sonda pode ser usada para alimentar pessoas cujo aparelho digestivo está funcionando normalmente, mas que não conseguem comer o suficiente para satisfazer suas necessidades nutricionais. Essas pessoas incluem aquelas com:

  • Falta de apetite por um longo tempo

  • Desnutrição energético-proteica grave (uma grave deficiência de proteínas e calorias)

  • Coma ou estado de alerta muito reduzido

  • Insuficiência hepática

  • Uma lesão na cabeça ou no pescoço ou outro transtorno que torna a pessoa incapaz de comer com a boca

  • Uma enfermidade grave (como queimaduras) que aumente as necessidades nutricionais

Se a pessoa estiver em estado de saúde grave ou desnutrida, ela pode ser alimentada através de uma sonda antes da cirurgia.

Em comparação com a alimentação intravenosa, a alimentação por sonda apresenta as seguintes vantagens:

  • Ela preserva melhor a estrutura e a função do aparelho digestivo.

  • O custo é mais baixo.

  • Provavelmente, causa menos complicações, especialmente infecções.

Procedimento

O local de inserção da sonda de alimentação normalmente depende do tempo necessário para a alimentação por sonda:

  • Por menos de 4 a 6 semanas: Uma fina sonda de plástico é introduzida pelo nariz, descendo a garganta, até alcançar o estômago (chamada de sonda nasogástrica) ou o intestino delgado (sonda nasoduodenal). Se o nariz estiver lesionado, a sonda poderá ser inserida através da boca.

  • Por mais de 4 a 6 semanas: A sonda pode ser inserida diretamente no estômago ou no intestino delgado através de uma pequena incisão na parede abdominal.

Inserindo uma sonda de alimentação pelo nariz

A sonda nasogástrica e a sonda nasoduodenal geralmente podem ser inseridas enquanto a pessoa está acordada. A sonda é lubrificada e inserida no nariz e passa pela garganta. A sonda pode causar engasgos quando entra pela garganta, por isso, a pessoa é instruída a engolir ou é dado água através de um canudo para ajudar na deglutição. Engolir pode diminuir ou evitar engasgos e ajudar a sonda a passar pela garganta. Assim que a sonda passa pela garganta e entra no esôfago, ela pode ser facilmente deslizada para o estômago ou para o intestino delgado. Os médicos, às vezes, fazem exames, como uma radiografia do abdômen, para garantir que a sonda foi colocada corretamente.

Inserir uma sonda de alimentação diretamente no estômago ou intestino

Quando uma sonda de alimentação tem de ser inserida diretamente no estômago ou no intestino delgado, uma sonda de gastrostomia endoscópica percutânea (GEP) é frequentemente utilizada.

Antes de uma sonda GEP ser inserida, as pessoas recebem um sedativo e, às vezes, um analgésico, normalmente por via intravenosa. Além disso, um spray anestésico pode ser pulverizado sobre a parte de trás da garganta para suprimir a vontade de tossir ou vomitar. Em seguida, os médicos inserem um endoscópio através da boca em direção ao estômago ou intestino delgado. O endoscópio tem uma câmera na ponta, permitindo que os médicos vejam o interior do estômago e determinem onde inserir a sonda GEP. Os médicos, em seguida, fazer uma pequena incisão no abdômen e inserir a sonda GEP. As pessoas devem jejuar antes do procedimento, e a alimentação e a ingestão de líquidos são limitadas após a conclusão do exame até que o reflexo de vômito retorne.

Se uma sonda GEP não puder ser inserida, um procedimento cirúrgico poderá ser utilizado para ajudar os médicos a inserir a sonda de alimentação diretamente no estômago ou no intestino delgado. Esse procedimento pode ser realizado em uma das seguintes maneiras:

  • Usando-se uma sonda de visualização (laparoscópio), que necessita apenas de uma pequena incisão logo abaixo do umbigo

  • Realizando uma incisão relativamente grande no abdômen, porque os médicos precisam visualizar a área através da incisão para que possam colocar a sonda no lugar correto

Após a inserção de uma sonda de alimentação

Pessoas com sondas de alimentação devem permanecer sentadas ou com a cabeceira da cama elevada durante a alimentação e por 1 a 2 horas depois. Essa posição reduz o risco de se inalar os alimentos, e permite que a gravidade ajude a mover os alimentos ao longo do trato digestivo.

Normalmente, uma quantidade relativamente grande de alimento (chamado bolus) é administrada várias vezes ao dia. No entanto, se essa alimentação causar náusea, pequenas quantidades de alimentos serão fornecidas continuamente.

Fórmulas

Estão disponíveis diversas fórmulas diferentes para alimentação por sonda. Normalmente, é usada uma fórmula que proporciona uma dieta completa e equilibrada. Algumas fórmulas são concebidas para tratar uma deficiência específica, e podem conter um único nutriente, como proteínas, gorduras ou carboidratos.

Além disso, fórmulas especializadas estão disponíveis para pessoas com necessidades específicas. Elas incluem as seguintes:

  • Fórmulas concentradas com menos líquidos para pessoas cuja ingestão de líquidos está restrita

  • Fórmulas enriquecidas com fibras para pessoas que estão constipadas

  • Fórmulas sem lactose para pessoas que são intolerantes à lactose

Complicações

As complicações da alimentação por sonda são comuns e podem ser graves.

Tabela
icon

Problemas Possíveis com a Alimentação por Sonda

Problema

Possíveis Efeitos

Comentários

Relacionados à sonda

Presença da sonda no nariz ou boca

Desconforto

Danos ao nariz, garganta ou esôfago

Uma sonda no nariz ou boca, especialmente se for grande, pode irritar os tecidos, causando dor e, às vezes, sangramento. Nesses casos, normalmente a sonda é removida, e a alimentação é continuada usando-se um tipo diferente de sonda de alimentação enteral.

Os seios podem ficar bloqueados, tornando as infecções mais prováveis.

Posicionamento incorreto da sonda que foi inserida pelo nariz ou boca

Danos à área afetada

Tosse e engasgos

Em casos raros, uma sonda no nariz ou boca pode descer pelas vias aéreas em vez do esôfago. Como resultado, os alimentos podem entrar nos pulmões. Quando a sonda é colocada nas vias aéreas, pessoas que estão conscientes tossem e vomitam.

Substituição incorreta da sonda inserida diretamente no estômago ou intestino

Quando uma sonda estiver fora do lugar, ela deverá ser removida e inserida novamente. Se originalmente a sonda havia sido introduzida diretamente no estômago ou no intestino, será mais difícil reinserir a sonda, e ela poderá ser inserida do lado de fora do trato digestivo. Em seguida, o alimento poderá entrar no espaço ao redor dos órgãos abdominais (cavidade abdominal). Como resultado, a membrana que reveste o espaço pode tornar-se infectada, uma infecção grave chamada peritonite.

Bloqueio de uma sonda

Nutrição inadequada

Fórmulas grossas ou pílulas podem bloquear uma sonda. Às vezes, os médicos podem dissolver o bloqueio, adicionando certas enzimas ou substâncias formuladas para desintegrar os alimentos.

Expulsão acidental de uma sonda

Nutrição inadequada

As sondas, muitas vezes, saem acidentalmente. Uma sonda deverá ser substituída se ainda for necessária para fornecer alimentação.

Relacionados à fórmula

Intolerância à fórmula

Diarreia, problemas digestivos, náuseas e vômitos

A fórmula provoca sintomas digestivos intoleráveis em até 20% das pessoas alimentadas através de sonda e em 50% daquelas com uma doença grave. Esses sintomas são mais comuns quando a alimentação é administrada em grandes quantidades (chamada bolus) várias vezes ao dia, em vez de ser administrada continuamente por longos períodos de tempo.

Diarreia

Fezes moles e frequentes

Muitas fórmulas utilizadas na alimentação por sonda contêm sorbitol, que pode causar ou agravar a diarreia. Quando ocorre diarreia, muitos dos nutrientes passam através do trato digestivo sem serem absorvidos.

Desequilíbrio dos nutrientes

Níveis anormais de eletrólitos

Níveis anormalmente elevados de glicose no sangue (hiperglicemia)

Líquido demais no corpo (sobrecarga de volume)

Os médicos medem o peso regularmente (para verificar se há muita água) e os níveis sanguíneos de eletrólitos, glicose e outras substâncias. Em seguida, eles ajustam a fórmula conforme necessário.

Outros

Fluxo invertido do conteúdo do estômago para o esôfago (refluxo)

Excesso de secreções na boca e na garganta

Inalação (aspiração) da fórmula para os pulmões, o que provoca tosse e asfixia e aumenta o risco de infecção

Se as pessoas tiverem qualquer um desses problemas, eles podem inalar a fórmula para os pulmões, mesmo que a sonda seja colocada corretamente e a cabeceira da cama seja elevada.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Considerações gerais sobre vitaminas e minerais
Vídeo
Considerações gerais sobre vitaminas e minerais
O corpo humano precisa de várias vitaminas e minerais para se desenvolver. Muitos desses nutrientes...

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS