Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Transtornos por uso de substâncias

Por

Coreen B. Domingo

, DrPH, Baylor College of Medicine;


Xuefeng Zhang

, Baylor College of Medicine

Última revisão/alteração completa fev 2019| Última modificação do conteúdo fev 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais

De modo geral, os transtornos por uso de substâncias envolvem padrões de comportamento em que as pessoas continuam a usar a substância apesar dos problemas causados pelo seu uso.

As substâncias envolvidas tendem a fazer parte das dez classes de drogas que normalmente causam transtornos por uso de substâncias:

Todas essas substâncias ativam diretamente o sistema de recompensa do cérebro e causam sensações de prazer. Essa ativação pode ser tão forte que as pessoas sentem um desejo intenso pela substância. Elas podem negligenciar atividades normais para adquirir e usar a droga.

Um transtorno por uso de substâncias pode surgir independentemente de uma droga ser ou não permitida por lei, ser socialmente aceitável ou ser aceita para uso médico (com ou sem receita). Informações sobre drogas específicas e seus efeitos estão descritas em outras seções do Manual.

Os termos “vício”, “abuso” e “dependência” têm sido tradicionalmente usados para designar pessoas com transtornos por uso de substâncias. Contudo, a definição desses termos é demasiadamente ampla e variável para poder ser suficientemente útil, além de eles serem frequentemente usados com uma conotação pejorativa. Assim, os médicos atualmente preferem usar o termo mais abrangente e menos negativo “transtorno por uso de substâncias”.

Uso recreativo e ilícito de substâncias

O uso de drogas ilícitas, embora seja problemático do ponto de vista legal, nem sempre envolve um transtorno por uso de substâncias. Por outro lado, as substâncias permitidas por lei, como bebidas alcoólicas e medicamentos com receita (além da maconha em um número cada vez maior de estados nos Estados Unidos), podem estar envolvidas em um transtorno por uso de substâncias. Os problemas causados pelo uso de medicamentos com receita e drogas ilícitas abrangem todos os grupos socioeconômicos.

O uso recreativo de drogas existe, de uma forma ou outra, há séculos. As pessoas têm usado drogas por diversos motivos, incluindo

  • Para alterar ou melhorar o humor

  • Como parte de cerimônias religiosas

  • Para alcançar sabedoria espiritual

  • Para melhorar o desempenho

É possível que as pessoas que consomem drogas de maneira recreativa o façam ocasionalmente em doses relativamente baixas, frequentemente sem causar prejuízo a si mesmas. Ou seja, o usuário não manifesta sintomas de abstinência de droga e a droga não o prejudica fisicamente (pelo menos não no curto prazo). As drogas normalmente consideradas recreativas incluem o ópio, o álcool, a nicotina, a maconha, a cafeína, cogumelos alucinógenos ( Intoxicação por cogumelos (cogumelo chapéu de sol)) e a cocaína. Muitas drogas recreativas são consideradas “naturais” porque elas estão próximas à planta de origem. Elas contêm uma mistura de ingredientes psicoativos de baixa concentração em vez dos compostos psicoativos isolados.

As drogas recreativas são normalmente consumidas oralmente ou inaladas.

Causas

As pessoas geralmente passam de uma fase de experimentação para o uso ocasional, depois para o uso frequente, chegando algumas vezes ao transtorno por uso de substâncias. Esta progressão é complexa e apenas parcialmente compreendida. O processo depende das interações entre a droga, o usuário e o contexto.

Medicamento

As drogas nas dez classes variam de acordo com a probabilidade de elas causarem ou não um transtorno por uso de substâncias. Essa probabilidade é chamada de potencial de abuso. O efeito toxicomaníaco depende de uma combinação de fatores, incluindo

  • Como a droga é usada

  • Em que grau as vias de recompensa do cérebro são estimuladas pela droga

  • Qual a velocidade de ação da droga

  • A capacidade da droga de induzir tolerância e/ou sintomas de abstinência

Além disso, existe uma probabilidade maior de as pessoas usarem substâncias cuja venda é aceita por lei e/ou são facilmente encontradas, como álcool e tabaco. Conforme as pessoas continuam a usar a substância, elas frequentemente veem menos risco em usá-la e podem aumentar o uso e/ou experimentar com outras substâncias. A percepção do risco pela pessoa também pode ser influenciada pelas consequências sociais e legais do uso.

É comum serem receitados opioides durante o tratamento de doenças ou após procedimentos médicos ou odontológicos. Se a pessoa não tomar toda a quantidade receitada do medicamento, ele às vezes pode acabar caindo nas mãos de alguém que deseja usá-lo de maneira recreativa. Uma vez que o uso destas drogas para finalidades não médicas se tornou um problema tão grande, muitos profissionais de saúde lidam com isso ao

  • Receitar uma quantidade menor de medicamentos opioides

  • Incentivar as pessoas a armazenar ou descartar o medicamento que sobrou

  • Ampliar os programas de coleta de resíduos de medicamentos domiciliares

Usuário

Os fatores nos usuários que podem predispô-los a apresentarem transtorno por uso de substâncias incluem

  • Características físicas

  • Características pessoais

  • Circunstâncias e transtornos

As características físicas provavelmente incluem fatores genéticos, embora apenas algumas diferenças bioquímicas e/ou metabólicas entre as pessoas que apresentam e as que não apresentam um transtorno por uso de substâncias tenham sido encontradas pelos pesquisadores.

As pessoas cuja capacidade de autocontrole (impulsividade) é baixa ou apresentam altos níveis de comportamento arriscado e que buscam por novidades podem ter um risco maior de apresentar um transtorno por uso de substâncias. Contudo, existe pouquíssima evidência científica que respalde o conceito de personalidade viciante que foi descrito por alguns cientistas comportamentais.

Diversas circunstâncias e transtornos coexistentes parecem aumentar o risco de desenvolver um transtorno por uso de substâncias. Por exemplo,

  • É possível que pessoas que estão tristes ou sofrendo estresse emocional ou alienação social encontrem alívio temporário com o uso de drogas, o que pode dar origem a um aumento do uso e, por vezes, um transtorno por uso de substâncias.

  • As pessoas com outros transtornos mentais não relacionados, como ansiedade ou depressão, têm um risco maior de apresentar um transtorno por uso de substâncias (os médicos usam o termo “diagnóstico duplo” quando se referem a pessoas que têm tanto um transtorno mental como um transtorno por uso de substâncias).

  • As pessoas com dor crônica frequentemente precisam de opioides para o alívio da dor. Algumas dessas pessoas posteriormente apresentam um transtorno por uso de substâncias.

Contudo, para muitos desses pacientes, os medicamentos não opioides e outros tratamentos não proporcionam o alívio adequado da dor e do sofrimento.

Contexto

Fatores culturais e sociais são muito importantes para iniciar e manter o uso da substância (ou voltar a usá-la). Presenciar familiares (p. ex., pais, irmãos mais velhos) e colegas usando as substâncias aumenta o risco de a pessoa começar a usá-las. Os colegas exercem uma influência particularmente acentuada entre os adolescentes ( Uso e abuso de substâncias em adolescentes). As pessoas que estão tentando parar de usar uma substância têm muito mais dificuldade em fazê-lo se estiverem ao redor de pessoas que também usam aquela substância.

Os médicos podem inadvertidamente contribuir para o uso nocivo de medicamentos psicoativos ao receitá-los excessivamente para aliviar o estresse. Muitos fatores sociais, incluindo a comunicação em massa, contribuem para a expectativa dos pacientes de que é necessário usar drogas para aliviar todas as formas de perturbação.

Diagnóstico

  • Avaliação de um médico

  • Às vezes, o relato da própria pessoa

Às vezes, o transtorno por uso de substâncias é diagnosticado quando as pessoas vão a um profissional de saúde porque querem ajuda para parar de consumir a droga. Outras pessoas tentam esconder que estão usando drogas e o médico pode suspeitar que existe um problema de uso de droga quando percebem alterações no comportamento da pessoa. Às vezes, o médico descobre sinais de uso de substâncias durante um exame físico. Por exemplo, ele descobre marcas reveladoras na pele causadas por injetar repetidamente drogas por via intravenosa. As marcas de rastros na pele são linhas de pontos pequenos e escuros (punções de agulha), cercados por uma área de pele escurecida ou descolorida. A injeção de drogas sob a pele pode causar cicatrizes circulares ou úlceras na pele. A pessoa pode tentar justificar outros motivos para as marcas, como doações de sangue frequentes, mordidas de insetos ou outras lesões.

Os profissionais de saúde também usam outros métodos (como questionários) para identificar um transtorno por uso de substâncias. Exames de urina e, às vezes, exames de sangue podem ser feitos para detectar a presença de drogas.

Critérios para diagnóstico

Os critérios para diagnosticar um transtorno por uso de substâncias estão divididos em quatro categorias:

  • A pessoa não consegue controlar o uso da substância.

  • A capacidade da pessoa de cumprir com suas obrigações sociais é prejudicada pelo uso da substância.

  • A pessoa usa a substância em situações fisicamente perigosas.

  • A pessoa mostra sinais físicos de uso e/ou dependência.

Incapacidade de controlar o uso

  • A pessoa toma uma quantidade maior da substância ou por um período maior que o inicialmente planejado.

  • A pessoa deseja parar ou diminuir o uso da substância.

  • A pessoa passa muito tempo tentando adquirir, usando ou se recuperando dos efeitos da substância.

  • A pessoa sente desejo pela substância.

Comprometimento social

  • A pessoa não cumpre suas principais funções no trabalho, escola ou em casa.

  • A pessoa continua a usar a substância apesar de ela causar (ou piorar) os problemas sociais ou interpessoais.

  • A pessoa desiste ou diminui atividades sociais, ocupacionais ou recreativas importantes devido ao uso de substâncias.

Uso arriscado

  • A pessoa usa a substância em situações fisicamente perigosas (p. ex., dirigindo ou em circunstâncias sociais perigosas).

  • A pessoa continua a usar a substância apesar de saber que ela está piorando um problema médico ou psicológico.

Sintomas físicos*

  • Tolerância: A pessoa precisa usar uma quantidade cada vez maior da substância para sentir o efeito desejado.

  • Abstinência: Efeitos físicos desagradáveis que ocorrem quando a substância é interrompida ou quando outra substância é usada para combatê-la.

*Algumas drogas, principalmente os opioides, sedativos/hipnóticos e estimulantes, podem causar sintomas de tolerância e/ou abstinência mesmo quando tomados conforme receitado para uma finalidade médica legítima e por períodos relativamente curtos (menos de uma semana, no caso de opioides). Os sintomas de abstinência que surgem depois do uso médico adequado não justificam um diagnóstico de transtorno por uso de substâncias. Por exemplo, se uma pessoa com dor grave devido a câncer avançado se tornar dependente (psicológica e fisicamente) de opioides, como a morfina, seus sintomas de abstinência não são considerados evidência de um transtorno por uso de substâncias.

Considera-se que uma pessoa tem um transtorno por uso de substâncias se ela atender a dois ou mais dos critérios a seguir dentro de um período de 12 meses. A gravidade do transtorno por uso de substâncias é determinada pelo número de critérios atendidos:

  • Leve: 2 a 3 critérios

  • Moderado: 4 a 5 critérios

  • Grave: ≥ 6 critérios

Tratamento

  • Varia dependendo da substância e das circunstâncias

O tratamento específico depende da droga sendo usada, mas normalmente envolve psicoterapia e, às vezes, envolve o uso de outras drogas. O suporte da família e grupos de suporte ajudam as pessoas a não desistirem de parar de consumir a droga.

Uma campanha para redução de danos foi iniciada, uma vez que o compartilhamento de agulhas é uma causa comum da infecção por HIV. Seu objetivo é reduzir o dano do uso de drogas em usuários que não conseguem parar. Assim, os usuários recebem agulhas e seringas limpas, para que não reutilizem as agulhas alheias. Essa estratégia ajuda a reduzir a disseminação (e o custo para a sociedade) da infecção por HIV e da hepatite.

Mais informações

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS