Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Transtorno da compulsão alimentar periódica

Por

Evelyn Attia

, MD, Columbia University Medical Center, New York State Psychiatric Institute;


B. Timothy Walsh

, MD, College of Physicians and Surgeons, Columbia University

Última revisão/alteração completa jul 2018| Última modificação do conteúdo jul 2018
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
Recursos do assunto

O transtorno da compulsão alimentar periódica é um transtorno alimentar caracterizado pelo consumo repetido de quantidades excepcionalmente grandes de alimentos (comer compulsivamente) acompanhado de um sentimento de perda de controle durante o episódio de compulsão alimentar. Os episódios de alimentação compulsiva não são seguidos por tentativas de compensar a ingestão excessiva de alimentos, por exemplo, livrando o corpo do excesso de alimento consumido (purgação).

  • O transtorno da compulsão alimentar periódica é mais comum em pessoas com sobrepeso ou obesas.

  • A pessoa come grandes quantidades rapidamente, não purga e seu comportamento lhe causa muita angústia.

  • O médico faz o diagnóstico com base no modo pelo qual a pessoa descreve seu comportamento.

  • O tratamento visa ajudar a pessoa a controlar a compulsão alimentar e inclui terapia cognitivo-comportamental, inibidores seletivos de recaptação da serotonina (um tipo de antidepressivo) e medicamentos estimulantes.

  • Programas de perda de peso, alguns medicamentos para redução de peso e medicamentos estimulantes podem ajudar a controlar o peso.

Via de regra, aproximadamente 3,5% das mulheres e 2% dos homens têm transtorno da compulsão alimentar periódica. Mas o transtorno se torna mais comum com o aumento do peso corporal. Em alguns programas de redução de peso, 30% das pessoas obesas ou mais têm o transtorno.

A maioria das pessoas com o transtorno da compulsão alimentar periódica é obesa e o transtorno contribui para o consumo excessivo de calorias. Ao contrário, a maioria das pessoas com bulimia nervosa tem um peso normal e as pessoas com anorexia nervosa são magras. As pessoas com transtorno da compulsão alimentar tendem a ser mais velhas que as que sofrem de anorexia ou bulimia e quase a metade é do sexo masculino.

Você sabia que…

  • Quase a metade das pessoas com transtorno da compulsão alimentar periódica é do sexo masculino.

Sintomas

Durante um episódio de compulsão alimentar, a pessoa ingere uma quantidade de alimentos muito maior que a maioria das pessoas consumiria em um período semelhante e em circunstâncias semelhantes. Durante e após os episódios de compulsão alimentar, a pessoa sente como se tivesse perdido o controle. A pessoa com o transtorno da compulsão alimentar periódica não compensa a ingestão excessiva de alimentos ao praticar purgação (ao autoinduzir o vômito ou ao utilizar incorretamente laxantes, diuréticos ou enemas), exercícios em excesso ou jejum. A compulsão alimentar ocorre em episódios, ao contrário da superalimentação constante.

É possível que a pessoa com transtorno da compulsão alimentar periódica também:

  • Coma bem mais rápido que o normal

  • Coma até se sentir desconfortável

  • Coma grandes quantidades de alimentos, mesmo estando sem fome

  • Coma sozinha para não ficar constrangida

  • Sinta-se desgostosa, deprimida ou culpada após um episódio de alimentação excessiva

O transtorno da compulsão alimentar periódica causa angústia à pessoa que o tem, sobretudo se ela estiver tentando perder peso. Essas pessoas estão mais propensas a ter depressão ou ansiedade em comparação àquelas que não apresentam o transtorno. Além disso, as pessoas obesas com transtorno da compulsão alimentar periódica são mais propensas a ter preocupação com a forma física, com o peso ou ambos, que as pessoas obesas que não comem compulsivamente.

Diagnóstico

  • Avaliação de um médico

O médico diagnostica o transtorno da compulsão alimentar periódica quando

  • A pessoa relata ter tido um episódio de compulsão alimentar uma vez por semana há, no mínimo, três meses.

  • Os episódios de compulsão alimentar são acompanhados da sensação de perda de controle sobre a alimentação.

  • A pessoa apresenta os sintomas e comportamento característicos.

Tratamento

  • Psicoterapia

  • Determinados antidepressivos e medicamentos estimulantes

  • Possivelmente medicamentos para redução de peso e supressores do apetite

  • Possivelmente, grupos de autoajuda e programas de redução de peso convencionais

Os seguintes tratamentos podem ajudar:

  • A terapia cognitivo-comportamental pode ajudar a controlar os episódios de compulsão alimentar em longo prazo, mas tem pouco efeito sobre o peso corporal.

  • A psicoterapia interpessoal é tão eficaz quanto a terapia cognitivo-comportamental, mas também tem pouco efeito sobre o peso corporal.

  • Medicamentos estimulantes (por exemplo, os utilizados para tratar TDAH) e inibidores seletivos de recaptação da serotonina (um tipo de antidepressivo), tais como a fluoxetina, podem ajudar a pessoa a parar de ter episódios de compulsão alimentar por um curto período e podem resultar em perda de peso.

  • Medicamentos para redução do peso (como o orlistate) ou supressores do apetite (como o topiramato) podem ajudar com a perda de peso.

  • Grupos de autoajuda que seguem os princípios dos Alcoólicos Anônimos (por exemplo, os Hiperfágicos Anônimos e os Dependentes de Comida Anônimos) podem ser facilmente encontrados, mas a sua eficácia é desconhecida.

  • Programas comportamentais de redução de peso convencionais podem ajudar a pessoa a perder peso e a parar de ter episódios de compulsão alimentar por um curto período, mas geralmente a pessoa tende a voltar a comer compulsivamente.

  • É possível que seja realizada cirurgia para tratar a obesidade grave, mas os efeitos sobre a hiperfagia são desconhecidos.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS