Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

honeypot link

Ginseng

Por

Laura Shane-McWhorter

, PharmD, University of Utah College of Pharmacy

Última modificação do conteúdo out 2018
Clique aqui para acessar Educação para o paciente

Ginseng é uma família de plantas. Os suplementos alimentares derivam do ginseng americano (Panax quinquefolius) ou asiático (Panax ginseng). O ginseng da Sibéria (Eleutherococcus senticosus) é de um gênero diferente e não contém os ingredientes que se acredita serem ativos nas 2 formas utilizadas de suplementos.

O ginseng pode ser administrado como raiz seca ou fresca, extratos, soluções, cápsulas, comprimidos, bebidas, refrescos e chás ou utilizado como cosmético. Os ingredientes ativos no ginseng americano são panaxosídeos (glicosídios saponinas). Os ingredientes ativos no ginseng asiático são ginsenosídeos (glicosídios triterpenoides).

Vários produtos à base de ginseng contêm pouco ou nenhum ingrediente ativo detectável. Em pouquíssimos casos, alguns produtos de ginseng da Ásia são misturados propositalmente com raiz de mandrágora, que tem sido utilizada para induzir vômitos ou com os fármacos fenilbutazona ou aminopirina. Esses fármacos foram tirados do mercado nos EUA devido aos efeitos adversos significativos.

Alegações

Alega-se que o ginseng aumente o desempenho físico (incluindo sexual) e mental e apresente efeitos adaptogênicos (para aumentar a energia e resistência aos efeitos lesivos do estresse e do envelhecimento). Outras alegações incluem redução da glicemia, aumentos de HDL, de hemoglobina e de concentrações de proteínas, estimulação do sistema imunitário, efeito anticâncer, cardiotônico, endócrino, no sistema nervoso central e estrogênico. Outra alegação é a dos possíveis efeitos benéficos sobre a função imunitária.

Evidências

Estudos do ginseng foram limitados, por exemplo, pelo pequeno número e tamanho. Esses estudos demonstraram

  • Reforço da função imunitária(1)

  • Efeitos anticarcinógenos (2)

  • Diminuição dos níveis de glicose sanguínea (3)

  • Melhora da função cognitiva (4-5)

Uma revisão sistemática de 5 estudos (747 participantes) não encontrou evidências de que o ginseng tenha reduzido a incidência ou a gravidade dos resfriados, mas diminuiu a sua duração(6).

Uma revisão Cochrane de 2010 de 9 ensaios randomizados, duplos-cegos, controlados por placebo avaliou a eficácia e os efeitos adversos da suplementação alimentar com ginseng tomada para melhorar a função cognitiva em indivíduos saudáveis (8 ensaios) e naqueles com perda de memória associada com a idade (1 ensaio) (5). A análise não encontrou efeitos adversos graves na suplementação de ginseng, mas não houve nenhuma evidência convincente de melhora da função cognitiva entre os participantes saudáveis ou as pessoas com diagnóstico de demência.

Estudos maiores são necessários para avaliar a eficácia do ginseng. Além disso, é necessária uma avaliação adicional das substâncias encontradas nos suplementos para determinar os componentes responsáveis pelos efeitos benéficos observados. Não há evidências embasando outras alegações de saúde para o ginseng.

Efeitos adversos

Pode ocorrer nervosismo e excitabilidade, mas se reduzem após os primeiros dias. A capacidade de concentração pode diminuir e a glicemia pode se tornar anormalmente baixa (causando hipoglicemia). Em razão de o ginseng possuir um efeito semelhante ao estrógeno, gestantes e amamentando não devem utilizá-lo, assim como as crianças. Ocasionalmente, há relatos de efeitos colaterais mais graves, como crises de asma, aumento da pressão arterial, palpitação e, em mulheres na pós-menopausa, sangramento uterino. Para muitos indivíduos, o gosto do ginseng é desagradável.

Interações medicamentosas

O ginseng pode interagir com anti-hiperglicemiantes, ácido acetilsalicílico, outros AINEs, corticoides, digoxina, estrogênios, inibidores da monoaminoxidase (IMAO) e varfarina.

Referências sobre ginseng

  • Assinewe VA, Amason JT, Aubry A, et al: Extractable polysaccharides of Panax quinquefolius L. (North American ginseng) root stimulate TNF-alpha production by alveolar macrophages. Phytomedicine 9(5):398-404, 2002.

  • Yun TK, Zheng S, Choi SY, et al: Non-organ-specific preventive effect of long-term administration of Korean red ginseng extract on incidence of human cancers. J Med Food 13(3):489-494, 2010. doi: 10.1089/jmf.2009.1275.

  • Shishtar E, Sievenpiper JL, Djedovic V, et al: The effect of ginseng (the genus panax) on glycemic control: a systematic review and meta-analysis of randomized controlled clinical trials. PLoS One 9(9):e107391, 2014. doi: 10.1371/journal.pone.0107391.

  • Kim J, Chung SY, Park S, et al: Enhancing effect of HT008-1 on cognitive function and quality of life in cognitively declined healthy adults: a randomized, double-blind, placebo-controlled, trial. Pharmacol Biochem Behav 90(4):517-524, 2008.

  • Geng J, Dong J, Ni H, et al: Ginseng for cognition. Cochrane Database Syst Rev (12): CD007769, 2010. doi: 10.1002/14651858.CD007769.pub2.

  • Seida JK, Durec T, Kuhle S: North American (Panax quinquefolius) and Asian ginseng (Panax ginseng) preparations for prevention of the common cold in healthy adults: a systematic review. Evid Based Complement Alternat Med 2011:282151, 2011. doi: 10.1093/ecam/nep068. 

Informações adicionais

  • NIH National Center for Complementary and Integrative Health: Ginseng

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS