Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

honeypot link

Deslizamento epifisário da cabeça do fêmur (DECF)

Por

Frank Pessler

, MD, PhD, Hannover, Germany

Última modificação do conteúdo fev 2017
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

Deslizamento epifisário da cabeça do fêmur consiste na movimentação do colo do fêmur sobre a epífise femoral, para cima e para a frente.

Deslizamento epifisário da cabeça do fêmur (DECF) geralmente ocorre no início da adolescência, afetando preferencialmente os meninos. A obesidade é um fator de risco significativo. Fatores genéticos também contribuem. Ele é bilateral em um quinto dos pacientes, e o DECF unilateral torna-se bilateral em dois terços deles. A etiologia exata é desconhecida, mas provavelmente está relacionada com enfraquecimento da fise (placa de crescimento), o que pode ser provocado por trauma, alterações hormonais ou inflamação ou aumento de sobrecarga pela obesidade.

Sinais e sintomas

O início é geralmente insidioso, e os sintomas do deslizamento epifisário da cabeça do fêmur estão associados ao estágio do deslizamento. O primeiro sintoma do DECF pode ser rigidez do quadril, que desaparece com o repouso, seguido de claudicação e dor no quadril que se irradia para a parte anteromedial inferior da coxa e do joelho. Mais de 15% dos pacientes apresentam dores no joelho e na coxa, e o verdadeiro problema do quadril é ignorado até que o deslizamento piore. No exame precoce do quadril, pode não ser detectada dor nem limitação de movimentos.

Em estágios mais avançados, pode-se perceber dor à movimentação com limitação da flexão, abdução e rotação medial, dor no joelho sem anormalidades específicas do joelho; e claudicação ou marcha de Trendelenburg. A perna afetada apresenta rotação externa. Se o suprimento sanguíneo da região estiver comprometido, podem ocorrer necrose avascular e colapso epifisário.

Diagnóstico

  • Radiografias simples

  • Às vezes, ressonância magnética ou ultrassonografia

O diagnóstico de DECF precoce é vital, uma vez que o tratamento do deslizamento avançado é difícil. Devem ser feitas radiografias dos dois lados dos quadris em posições anteroposterior e lateral. As radiografias mostram alargamento da linha epifisária ou deslocamento aparente posterior e inferior da cabeça do fêmur. Especialmente se as radiografias forem normais, a ultrassonografia e a RNM também são úteis.

Tratamento

  • Correção cirúrgica

DECF é geralmente progressivo e requer cirurgia tão logo o diagnóstico seja confirmado. Os pacientes não devem suportar objetos pesados do lado afetado até que o DECF seja descartado ou tratado. O tratamento cirúrgico consiste na fixação de pinos através da fise.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS ANDROID iOS
PRINCIPAIS