Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Trauma da orelha externa

Por

Sam P. Most

, MD, Stanford University School of Medicine

Última modificação do conteúdo abr 2018
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

Trauma da orelha externa pode resultar em hematoma, laceração, avulsão ou fratura.

Hematoma subpericondrial (orelha em couve-flor)

O pericôndrio provê o suprimento sanguíneo para a cartilagem auricular. O trauma fechado do pavilhão auricular pode causar um hematoma subpericondrial; o acúmulo de grandes quantidades de sangue entre o pericôndrio e a cartilagem pode interromper o suprimento sanguíneo para a cartilagem, de forma que esta se torna uma massa roxo-avermelhada e sem forma. Pode então ocorrer necrose avascular da cartilagem. A destruição resultante dá à orelha um aspecto de couve-flor, característica de boxeadores e lutadores.

O tratamento consiste na imediata evacuação do coágulo por meio de incisão e prevenção do reacúmulo do hematoma com suturas soltas sobre rolos de gazes dentárias ou com a inserção de um dreno de Penrose associado a curativo de pressão. Como essas lesões são propensas a infecções e formação de abscessos, administra-se antibiótico oral efetivo contra estafilococos (p. ex., cefalexina 500 mg tid) por 5 dias.

Dicas e conselhos

  • Deixar de drenar um hematoma subpericondral pode levar à deformidade permanente da orelha externa.

Lacerações

Nas lacerações do pavilhão auricular as margens da pele são suturadas sempre que possível. Se a cartilagem for penetrada e, se houver pele suficiente, ela deve ser corrigida. A cartilagem danificada, reparada ou não, é fixada externamente com algodão impregnado com benzoína, e um curativo protetor é aplicado. Antibióticos orais são administrados para o hematoma.

As lesões por mordidas humanas têm alto risco de infecção, incluindo infecção da cartilagem, que é uma complicação potencialmente grave. O tratamento é feito por desbridamento meticuloso do tecido desvitalizado com profilaxia antibiótica (p. ex., amoxicilina/clavulanato 500 a 875 mg VO bid por 3 dias) e, possivelmente, antivirais ( Mordidas de humanos e mamíferos : Antimicrobianos). As lesões ocorridas há < 12 h podem ser fechadas, mas as lesões mais antigas devem ser deixadas para cicatrizar secundariamente, com as deformidades estéticas corrigidas mais tarde.

Avulsões

Avulsões parciais ou completas são reparadas por um otorrinolaringologista ou cirurgião plástico.

Traumas secundários a fraturas mandibulares

Choques e fortes traumas à mandíbula podem ser transmitidos à parede anterior do canal auditivo (parede posterior da fossa glenoide). Os fragmentos soltos de fratura da parede anterior podem causar estenose do canal e devem ser reduzidos ou removidos cirurgicamente sob anestesia superficial.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Alteração unilateral no teste de Thompson
Vídeo
Alteração unilateral no teste de Thompson
Modelos 3D
Visualizar tudo
Tecido conjuntivo musculoesquelético
Modelo 3D
Tecido conjuntivo musculoesquelético

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS