Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Fraturas do osso temporal

Por

Sam P. Most

, MD, Stanford University School of Medicine

Última modificação do conteúdo abr 2018
Clique aqui para acessar Educação para o paciente

As fraturas do osso temporal podem ocorrer após trauma fechado agudo na cabeça e, algumas vezes, envolvem estruturas da orelha, causando perda auditiva, vertigem, distúrbios do equilíbrio ou paralisia facial.

Fraturas do osso temporal são sugeridas por

  • Sinal de Battle (equimose retroauricular)

  • Otorragia

O sangramento pode vir da orelha média (hemotímpano), através da ruptura da membrana timpânica, ou de uma linha de fratura no canal auditivo ( Perfuração traumática da membrana timpânica). Um hemotímpano faz com que a membrana timpânica tenha aparência azul-escura. A otorreia de líquor indica comunicação entre orelha média e espaço subaracnoide.

As fraturas do osso temporal foram classificadas através de orientação com respeito ao eixo longo da parte petrosa do osso temporal. As fraturas longitudinais constituem 70 a 90% das fraturas do osso temporal, e fraturas transversas constituem 10 a 30%. Algumas fraturas podem ter características dos dois tipos.

Fraturas longitudinais podem se estender através da orelha média e romper a membrana timpânica; elas causam paralisia facial em 20% dos casos e podem provocar perda auditiva (geralmente condutiva).

As fraturas transversas cruzam o canal falopiano e a cápsula ótica, e quase sempre causam paralisia facial em cerca de 40% dos pacientes, resultando, às vezes, em perda auditiva (geralmente sensorineural) e disfunção vestibular (p. ex., vertigem, distúrbios do equilíbrio).

Raramente, perda auditiva sensorineural flutuante e disfunção vestibular ocorrem com fratura do osso temporal e podem ser decorrentes de fístula perilinfática. Paralisia facial completa e imediata pode indicar nervo facial esmagado ou cortado, enquanto o estabelecimento tardio da paralisia facial completa geralmente indica edema no nervo intacto.

Diagnóstico

  • TC

  • Avaliação da função do nervo auditivo e facial

Se houver suspeita de fratura do osso temporal, é recomendada TC da cabeça, com especial atenção a este osso. Testes de Weber e de Rinne com diapasão, realizados durante exame físico, podem diferenciar entre perda auditiva condutiva e perda sensorineural. No entanto, audiometria é necessária para todos os pacientes com fratura do osso temporal. Se houver paralisia facial, o teste elétrico do nervo facial é garantido.

Tratamento

  • Manejo da lesão do nervo facial, perda auditiva, disfunção vestibular e drenagem do líquor

O tratamento baseia-se em controlar a lesão do nervo facial, a perda auditiva, a disfunção vestibular e o extravasamento do líquor. Se a paralisia do nervo facial ocorrer com perda de resposta elétrica, a exploração cirúrgica pode estar garantida. O aparecimento tardio ou incompleto da paralisia facial quase sempre se resolve com tratamento conservador, incluindo uso de corticoides, que são gradualmente diminuídos.

A perda auditiva condutiva requer reconstrução da cadeia ossicular várias semanas ou meses após a lesão. Pode-se esperar bons resultados. Quando ocorre, a perda auditiva senssorineural é tipicamente permanente e não há tratamentos clínicos ou cirúrgicos disponíveis para melhorar a audição. Entretanto, em raros casos de flutuação da perda auditiva sensorineural, timpanotomia exploratória à procura da fístula de perilinfa pode ser indicada.

Quando a disfunção vestibular resultar de fístula de perilinfa, o reparo pode reduzir a gravidade e frequência dos episódios de vertigem. Quando a disfunção resultar de lesão do nervo vestibular ou labirinto vestibular, algumas intervenções podem melhorar o resultado. Os sintomas podem diminuir quando se usa benzodiazepínicos. Uma melhora mais duradoura pode ocorrer com reabilitação vestibular.

Pacientes que têm fraturas do osso temporal e otorreia de líquor devem ser hospitalizados em razão do risco de meningite. O derrame normalmente para de forma espontânea dentro de poucos dias, embora dreno lombar ou fechamento cirúrgico do defeito seja ocasionalmente necessário. O canal auditivo não é irrigado ou manipulado. Antibióticos profiláticos são usados em algumas instituições.

Pontos-chave

  • A fratura do osso temporal pode causar otorragia, hemotímpano, perda de audição, disfunção vestibular e/ou paralisia do nervo facial.

  • Fazer TC com a atenção voltada ao osso temporal, encaminhar os pacientes para audiometria e, se houver suspeita de paralisia do nervo facial, realizar testes eletrofisiológicos do nervo facial.

  • Tratamento direcionado para controlar lesão do nervo facial, perda auditiva, disfunção vestibular e extravasamento do líquor.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Alteração unilateral no teste de Thompson
Vídeo
Alteração unilateral no teste de Thompson
Modelos 3D
Visualizar tudo
Tecido conjuntivo musculoesquelético
Modelo 3D
Tecido conjuntivo musculoesquelético

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS