Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Trauma da bexiga

Por

Noel A. Armenakas

, MD, Weill Cornell Medical School

Última modificação do conteúdo ago 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente

Lesões externas da bexiga podem ser causadas por traumas por perfuração ou dano abrupto no abdome inferior, pelve ou períneo. O trauma fechado é o mecanismo mais comum, geralmente por desaceleração repentina, como acontece com uma colisão de veículo motor em alta velocidade, queda ou golpe externo no abdome inferior. A fratura pélvica é a lesão associada mais comum, ocorre em mais de 95% de rupturas da bexiga causadas por trauma fechado. Outras lesões concomitantes incluem fraturas de osso longo, lesões no sistema nervoso central e no tórax. As lesões penetrantes, mais frequentemente ferimentos por armas de fogo, são responsáveis por < 10% das lesões de bexiga.

Além disso, a bexiga também é o órgão mais lesado durante cirurgia pélvica. Essas lesões podem ocorrer durante cirurgia transuretral, procedimentos ginecológicos (mais frequentemente histerectomia abdominal, cesária, excisão de massa pélvica) ou ressecção do cólon. Fatores predisponentes incluem cicatriz de cirurgia anterior ou radioterapia, inflamação e alta carga tumoral.

As lesões de bexiga podem ser classificadas como contusões ou rupturas, com base na extensão da lesão vista na radiografia. Rupturas podem ser extraperitoneais, intraperitoneais ou ambas; a maioria é extraperitoneal.

Complicações das lesões vesicais são uroascite (urina livre na cavidade peritoneal) por ruptura intraperitoneal, infecção (inclusive sepse), hematúria persistente, incontinência, instabilidade e fístulas vesiculares. A mortalidade por ruptura da bexiga decorrente de trauma externo é cerca de 20%; isso se deve a lesões do órgão associado, e não à lesão da bexiga.

Sinais e sintomas

Os sintomas são representados por dor suprapúbica e incapacidade de esvaziar a bexiga; os sinais podem incluir hematúria, flacidez suprapúbica, distensão, choque hipovolêmico (devido a hemorragia) e, no caso de ruptura intraperitoneal, sinais peritoneais. Rupturas vesicais abruptas quase sempre ocorrem junto com fratura pélvica e hematúria macroscópica.

Lesões vesicais ocorridas durante uma cirurgia costumam ser identificadas durante o ato cirúrgico. Os achados são extravasamento de urina, aumento súbito do sangramento, visualização do cateter vesical na lesão e, durante a laparoscopia, enchimento do saco coletor de urina com ar.

Diagnóstico

  • Cistografia retrógrada com radiografias simples ou TC

Pelo fato de os sinais e sintomas serem frequentemente inespecíficos ou tênues, o diagnóstico requer alto nível de suspeita. Suspeita-se do diagnóstico com base na anamnese, exame físico, achados radiográficos e presença de hematúria (predominantemente macroscópica). A confirmação é feita por cistografia retrógrada com 350 mL de contraste diluído para encher diretamente a bexiga. Pode-se utilizar radiografias simples ou TC, mas a TC proporciona a vantagem adicional de avaliar danos intra-abdominais concomitantes e fraturas pélvicas. Deve-se obter imagem da drenagem somente ao usar radiografia simples. Se houver suspeita de ruptura uretral em um homem, deve-se fazer uma uretrografia antes da inserção do cateter uretral.

Deve-se fazer toque retal em todos os pacientes com trauma fechado ou penetrante da lesão para avaliar a existência de sangramento, que é altamente sugestivo de lesão intestinal concomitante. Além disso, pacientes do sexo feminino devem passar por exame pélvico completo para avaliar se há envolvimento vaginal.

Tratamento

  • Drenagem com cateter

  • Às vezes, correção cirúrgica

Contusões da bexiga só requerem drenagem com cateter até que a hematúria macroscópica desapareça. A maioria das rupturas extraperitoneais só exige drenagem por cateter se a urina estiver fluindo livremente e o colo vesical tiver sido poupado. Se houver comprometimento do colo vesical, a exploração e a correção cirúrgicas são necessárias para diminuir a probabilidade de incontinência urinária. Da mesma forma, indica-se o tratamento cirúrgico nos casos de hematúria macroscópica persistente, retenção de coágulos ou ambos. Todos os traumas perfurantes e as rupturas intraperitoneais decorrentes de trauma fechado requerem exploração cirúrgica. Identificar e corrigir a maioria das lesões vesicais durante a cirurgia.

Pontos-chave

  • A maioria das lesões vesicais de trauma externo é causada por trauma fechado e é acompanhada de fratura pélvica e hematúria macroscópica.

  • Considerar o diagnóstico quando há mecanismo compatível de lesão e dor e sensibilidade suprapúbicas, incapacidade de urinar, hematúria, distensão vesical e/ou choque ou sinais peritoneais inexplicáveis.

  • Confirmar o diagnóstico por meio de cistografia retrógrada.

  • As contusões e a maioria das rupturas extraperitoneais podem ser controladas apenas com drenagem por cateter. Rupturas intraperitoneais devem ser exploradas cirurgicamente.

  • A maioria das lesões na bexiga durante uma cirurgia é identificada e corrigida durante o ato cirúrgico.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Alteração unilateral no teste de Thompson
Vídeo
Alteração unilateral no teste de Thompson
Modelos 3D
Visualizar tudo
Tecido conjuntivo musculoesquelético
Modelo 3D
Tecido conjuntivo musculoesquelético

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS