Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Lesões por raios

Por

Daniel P. Runde

, MD, MME, University of Iowa Hospitals and Clinics

Última modificação do conteúdo abr 2018
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

Tais danos compreendem parada cardíaca, perda de consciência e deficiências neurológicas temporárias ou permanentes, sendo raras queimaduras graves e lesões dos tecidos internos. O diagnóstico é clínico; a avaliação é feita por ECG e monitoramento cardíaco. O tratamento é de suporte.

Embora as lesões e as mortes provocadas por raios tenham diminuído significativamente ao longo dos últimos 50 anos, a queda de raios ainda causa cerca de 30 mortes e algumas centenas de feridos anualmente nos EUA. Raios tendem a atingir objetos altos ou isolados, incluindo árvores, torres, coberturas, mastros, arquibancadas e cercas. Uma pessoa pode ser o objeto mais alto em um campo aberto. Objetos de metal e água não atraem os raios, mas transmitem a eletricidade facilmente quando atingidos. Podem golpear uma vítima diretamente ou sua corrente pode ser transferida para a vítima através do solo ou de um objeto próximo. Observaram-se quedas de raios a mais de 10 quilômetros resultantes de uma tempestade, mesmo em áreas com céu limpo, criando um potencial de risco inesperado. (1, 2). Também podem passar de fora para dentro de casa, por equipamentos elétricos ou linhas telefônicas. A força de um raio pode atirar a vítima a diversos metros.

Como a lesão por raio é diferente da lesão de energia elétrica gerada, o conhecimento dos efeitos da exposição à corrente residencial ou alta voltagem não podem ser generalizados para as lesões por raio. Por exemplo, o dano por raio não é determinado pela voltagem ou amperagem. Apesar da corrente elétrica conter grande quantidade de energia, esta flui por um período extremamente curto (1/10.000 a 1/1.000 s). Portanto, raramente causa graves feridas cutâneas e rabdomiólise ou lesão tissular interna grave, diferentemente do dano de alta voltagem e alta corrente elétrica de fontes feitas pelo homem. Ocasionalmente, os pacientes têm hemorragia intracraniana resultante de lesão secundária ou, raramente, do próprio raio.

O raio pode afetar o coração, mas afeta primeiramente o sistema nervoso, danificando o cérebro, sistema nervoso autônomo e nervos periféricos.

Dicas e conselhos

  • Ao contrário da alta tensão e da lesão elétrica por alta corrente de geradores, relâmpagos raramente, ou nunca, causam ferimentos graves na pele e raramente causam rabdomiólise ou lesões graves nos tecidos internos.

Referências gerais

  • Holle RL, López RE, Howard KW, et al: Safety in the presence of lightning. Semin Neurol 15(4):375-380, 1995.

  • Davis C, Engeln A, Johnson EL: Wilderness Medical Society practice guidelines for the prevention and treatment of lightning injuries: 2014 Update Wilderness Environ Med 25(4 Suppl):S86-S95, 2014. doi: 10.1016/j.wem.2014.08.011.

Sinais e sintomas

A carga elétrica pode afetar o coração, causando assistolia ou outras arritmias, ou o cérebro, causando perda da consciência, confusão aguda ou amnésia.

Ceraunoparalisia consiste em paralisia, manchas, frio e falta de pulsação dos membros inferiores e às vezes superiores, além de deficiências sensoriais; a causa é, provavelmente, a lesão do sistema nervoso simpático. A ceraunoparalisia é comum e, em geral, resolve-se em várias horas, apesar de algum grau de paresia permanente resultar ocasionalmente. Outras manifestações decorrentes de lesões por raios podem incluir

  • Queimaduras cutâneas menores em padrão ramificado, pontilhado e em plumas.

  • Perfuração da membrana timpânica

  • Catarata (em dias)

Problemas neurológicos compreendem confusão, deficiências cognitivas e neuropatia periférica. Problemas neuropsicológicos (p. ex., distúrbios do sono, deficit de atenção, problemas de memória) podem ocorrer.

A parada cardiorrespiratória no momento do raio é a maior causa de morte. Deficiências cognitivas, síndrome da dor e lesão do sistema nervoso simpático são as sequelas de longa duração mais comuns.

Diagnóstico

  • Reconhecimento de complicações cardíacas e cerebrais

Danos por raios podem ser testemunhados ou não. Lesões não testemunhadas devem ser suspeitadas quando pessoas encontradas ao ar livre durante ou após tempestades têm amnésia ou estão inconscientes. Deve-se avaliar a ocorrência de traumatismos em todos os pacientes atingidos por raios.

ECG é feito quando a lesão é grave. Enzimas cardíacas são mensuradas em pacientes com:

  • Dor torácica

  • ECG anormal

  • Estado mental alterado

Pacientes com deterioramento inicial ou tardio do estado mental ou deficiência cerebral focal necessitam de TC ou RM.

Tratamento

  • Cuidados de suporte

A reanimação é iniciada para parada cardíaca ou respiratória, ou ambas. Se houver um desfibrilador automático externo disponível, deve-se usá-lo para parada cardíaca. Pacientes com parada cardíaca depois de serem atingidos por um raio, diferentemente dos pacientes com parada cardíaca por outros tipos de trauma costumam ter excelente prognóstico se reanimados. Assim, ao contrário de eventos com muitas mortes no caso de acidentes típicos, nos quais os pacientes com parada cardíaca têm baixa prioridade na triagem, esses pacientes têm alta prioridade quando ocorrem acidentes causados por raios.

Fornece-se tratamento de suporte. Em geral, líquidos limitam-se a minimizar o potencial edema cerebral. Muitos pacientes que foram atingidas por raio podem ser liberadas, a menos que haja suspeita de efeitos cardíacos ou lesões cerebrais.

Prevenção

Muitas lesões por raios podem ser prevenidas seguindo as normas de segurança. As pessoas devem consultar a previsão do tempo e ter um plano de escape que envolva evacuação para uma área segura (de preferência um prédio grande e habitado). É preciso prestar atenção no tempo enquanto estiver em local aberto para que seja possível implementar o plano de escape caso uma tempestade aconteça. Quando trovões são ouvidos, as pessoas já estão em perigo e devem procurar abrigo (p. ex., em um prédio ou em um veículo de metal totalmente fechado). Estruturas pequenas e abertas, como gazebos, não são seguros. As pessoas não devem sair até 30 minutos após o último raio ou trovão.

Quando estiverem dentro de casa durante uma tempestade elétrica, deve-se evitar trabalhar em encanamentos ou aparelhos elétricos, ficar longe de janelas e portas e não usar telefone com fio, console de vídeo game ou computador. Telefones celulares e outros dispositivos portáteis, bem como notebooks, são seguros quando utilizados apenas à base de sua bateria, pois não atraem raios.

Pontos-chave

  • Lesões por raio tendem a causar arritmias e disfunção cerebral, ao contrário das lesões elétricas a partir de geradores, que tendem a causar queimaduras cutâneas e lesões nos tecidos internos.

  • Suspeitar de lesão por raio se os pacientes são encontrados inconscientes ou com amnésia em áreas externas após uma tempestade.

  • Ao avaliar os pacientes, considerar lesões traumáticas, arritmias e lesões cerebrais e cardíacas.

  • O tratamento dos pacientes é de suporte.

  • Muitas lesões por raios podem ser prevenidas seguindo as normas de segurança.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Alteração unilateral no teste de Thompson
Vídeo
Alteração unilateral no teste de Thompson
Modelos 3D
Visualizar tudo
Tecido conjuntivo musculoesquelético
Modelo 3D
Tecido conjuntivo musculoesquelético

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS