Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Infecção do trato urinário na gestação

Por

Lara A. Friel

, MD, PhD,

  • University of Texas Health Medical School at Houston, McGovern Medical School

Última modificação do conteúdo abr 2020
Clique aqui para acessar Educação para o paciente

A infecção do trato urinário (ITU) é comum durante a gestação, aparentemente em decorrência de estase urinária, que resulta de dilatação ureteral de causa hormonal, de hipoperistaltismo ureteral também de causa hormonal e da pressão do útero em expansão sobre os ureteres. Bacteriúria assintomática ocorre em cerca de 15% das gestações e, algumas vezes, progride para cistite sintomática ou pielonefrite. Uma ITU franca em geral não é precedida por bacteriúria assintomática.

Bacteriúria assintomática, ITU e pielonefrite aumentam o risco de

Diagnóstico

  • Exame de urina e cultura de urina

Na avaliação inicial, exame de urina e urocultura são rotineiramente realizados em busca de ITU assintomática. O diagnóstico e o tratamento da ITU sintomática não são modificados pela gestação.

Tratamento

  • Fármacos antibacterianos, como cefalexina, nitrofurantoína ou trimetoprima/sulfa-metoxazol

  • Urocultura de controle e, por vezes, terapia supressora

O tratamento da ITU sintomática não é modificado pela gestação, exceto que os fármacos que causam dano fetal devem ser evitadas (ver tabela Fármacos com efeitos adversos durante a gestação). Bacteriúria assintomática pode levar à pielonefrite, que deve ser tratada, de modo semelhante a uma ITU aguda, com antibióticos.

A seleção dos fármacos antimicrobianos baseia-se na suscetibilidade individual e local, bem como nos padrões de resistência aos microrganismos, mas boas escolhas empíricas iniciais incluem:

  • Cefalexina

  • Nitrofurantoína

  • Sulfametoxazol/trimetoprima

Nitrofurantoína é contraindicada para gestantes a termo, durante o trabalho de parto e no parto, ou quando o início do trabalho de parto é iminente porque a anemia hemolítica no recém-nascido é possível. Gestantes com deficiência de G6PD (glicose-6-fosfato desidrogenase) não devem utilizar nitrofurantoína. A incidência de icterícia neonatal aumenta quando gestantes utilizam nitrofurantoína durante os últimos 30 dias de gestação. Nitrofurantoína só deve ser utilizada durante o 1º trimestre quando não houver alternativas disponíveis.

Sulfametoxazol/trimetoprima (SMX/TMP) pode causar malformações congênitas (p. ex., defeitos do tubo neural) e icterícia nuclear no neonato. A suplementação com ácido fólico pode diminuir o risco de algumas malformações congênitas. TMP/SMX só deve ser usado durante o 1º trimestre quando não houver alternativas disponíveis.

Após a terapia, é necessário urocultura de controle.

Mulheres que tiveram pielonefrite ou mais de um episódio de ITU podem exigir terapia supressora, em geral com sulfametoxazol/trimetoprima (antes da 34ª semana) ou nitrofurantoína pelo resto da gestação.

Em mulheres com bacteriúria assintomática com ou sem ITU ou pielonefrite, realizam-se uroculturas mensais.

Pontos-chave

  • A bacteriúria assintomática, ITU e pielonefrite aumentam o risco de trabalho de parto prematuro e ruptura prematura das membranas.

  • Inicialmente tratar com cefalexina, nitrofurantoína ou trimetoprima/sulfa-metoxazol.

  • Obter culturas de prova de cura depois do tratamento.

  • Em mulheres que tiveram pielonefrite ou mais de um episódio de ITU, considerar terapia supressora, em geral com sulfametoxazol/trimetoprima (antes da 34ª semana) ou nitrofurantoína.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS