honeypot link

Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Cânceres comuns em pacientes infectados pelo vírus HIV

Por

Edward R. Cachay

, MD, MAS, University of California, San Diego

Última modificação do conteúdo mar 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente

As neoplasias definidoras da aids em pacientes infectados pelo HIV são

Outros tipos de câncer cuja incidência ou gravidade parecem aumentar drasticamente são

Liomiossarcoma é uma complicação rara de infecção pelo HIV em crianças. Além disso, as taxas dos outros tumores comuns (p. ex., pulmão, cabeça e pescoço e carcinomas cervicais; hepatomas) são muitas vezes mais elevadas nos pacientes infectados pelo HIV do que na população em geral. Esse resultado pode refletir, pelo menos em parte, maior exposição aos vírus ou às toxinas que causam esses tipos de câncer: hepatite B e C para hepatoma, HPV para carcinoma cervical e anal e álcool e tabaco para os carcinomas do pulmão e da cabeça e pescoço.

Linfoma não Hodgkin

A incidência do linfoma não Hodgkin é 50 a 200 vezes mais alta em pacientes infectados pelo HIV. A maioria é constituída por linfomas de células B agressivos, de subtipo histológico de alto grau. Ao diagnóstico, locais extranodais estão geralmente envolvidos, como a medula óssea, o trato gastrintestinal (GI) e outros locais não comuns em linfoma não Hodgkin não associado ao HIV como sistema nervoso central e cavidades corporais (p. ex., pleura, pericárdio, peritônio).

Apresentações comuns incluem rápido aumento de linfonodos ou massas extranodais e sintomas sistêmicos (p. ex., perda ponderal, sudorese noturna, febres).

FAz-se o diagnóstico por biópsia com análise histopatológica e imunoquímica das células tumorais. Linfócitos anormais circulantes ou citopenias inesperadas sugerem envolvimento de medula óssea, demandando biópsias de medula. O estadiamento tumoral pode requerer exames de líquor e TC ou RM de tórax, abdome e outras áreas suspeitas de tumor.

Fatores de mau prognóstico são os seguintes:

  • Contagem de CD4 < 100/mcL

  • Idade > 35 anos

  • Estado funcional precário

  • Envolvimento de medula óssea

  • História de infecções oportunistas

  • Subtipo histológico de alto grau

O tratamento do linfoma não Hodgkin é com vários esquemas de quimioterapia sistêmica multifármaco contendo ciclofosfamida, doxorrubicina, vincristina, prednisona e etoposídeo. Esses fármacos são combinados com rituximabe IV e um anticorpo monoclonal anti-CD20 e suplementadas com terapia antirretroviral (TARV), antibióticos e antifúngicos profiláticos, e fatores de crescimento hematológicos. A terapêutica pode ser limitada por mielossupressão profunda, em particular quando se utiliza a combinação de fármacos mielossupressoros antitumorais ou antirretrovirais. Radioterapia pode diminuir tumores grandes e controlar dor e sangramento.

Linfoma primário do sistema nervoso central

A incidência do linfoma primário do sistema nervoso central aumenta acentuadamente em pacientes infectados pelo HIV com contagem de CD4 muito baixa.

Linfomas primários do sistema nervoso central consistem em células B malignas de grau intermediário ou alto, originárias no tecido do sistema nervoso central. Os linfomas não têm disseminação sistêmica, mas seu prognóstico é reservado; a taxa média de sobrevida é < 6 meses.

Os sintomas característicos incluem cefaleia, convulsões, alterações neurológicas (p. ex., paralisia de pares cranianos) e alteração do nível de consciência.

O tratamento agudo dos linfomas primários do sistema nervoso central requer controle do edema cerebral com uso de corticoides. Embora radioterapia de todo o cérebro e quimioterapia antitumoral com dose alta de metotrexato isolados ou combinados com outros fármacos ou rituximabe sejam comumente utilizados, nenhum desses esquemas foi rigorosamente avaliado. Em estudos observacionais da TARV e em um único ensaio clínico do rituximabe, a sobrevida pareceu melhorar.

Câncer cervical

Em mulheres infectadas pelo HIV a prevalência de infecções por papilomavírus humano (HPV) está aumentada, os subtipos oncogênicos (tipos 16, 18, 31, 33, 35 e 39) persistem e a incidência de displasia intraepitelial cervical (CIN) é de até 60%, mas o aumento das taxas de câncer cervical não está comprovado. Contudo, cânceres cervicais, se ocorrerem, são mais extensos, mais dificilmente curados e apresentam maiores taxas de recorrência após o tratamento.

Fatores de risco confirmados para câncer cervical em mulheres infectadas pelo HIV incluem:

  • Infecção por HPV subtipo 16 ou 18

  • Contagem de CD4 < 200/mcL

  • Idade > 34 anos

O tratamento da NIC ou câncer cervical não é alterado pela infecção por HIV. Esfregaços frequentes de Papanicolau são importantes para o acompanhamento da progressão. A TRA pode resultar no desaparecimento da infecção por HPV e regressão da CIN, mas não tem nenhum efeito claro sobre o câncer.

Câncer de células escamosas do ânus e da vulva

Câncer de células escamosas do ânus e câncer de células escamosas da vulva são causados pelos mesmos tipos oncogênicos do HPV que as neoplasias cervicais, e são mais frequentes nas pacientes com sorologia positiva para o HIV. A maior incidência da neoplasia intraepitelial anal e cânceres nesses pacientes parece ser causada tanto por comportamentos de alto risco (p. ex., intercurso anal receptivo) como imunossupressão pelo HIV; a TARV pode diminuir o risco de progressão.

A displasia anal é comum e os cânceres de células escamosas podem ser muito agressivos.

Os tratamentos incluem extirpação cirúrgica, radioterapia e quimioterapia combinada à mitomicina ou cisplatina e 5-fluoruracila.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS