Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

honeypot link

Infecções por Salmonella não tifoide

Por

Larry M. Bush

, MD, FACP, Charles E. Schmidt College of Medicine, Florida Atlantic University;


Maria T. Perez

, MD, Wellington Regional Medical Center, West Palm Beach

Última modificação do conteúdo abr 2018
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

Salmonella não tifoide são bactérias Gram-negativas que causam principalmente gastrenterite, bacteremia e infecção focal. Os sintomas podem ser diarreia, febre alta com prostração, ou sintomas de infecção focal. O diagnóstico é feito por culturas de sangue, fezes, ou espécimes do local. O tratamento, quando indicado, é feito com SMX-TMP, ciprofloxacino, azitromicina ou ceftriaxona com cirurgia nos casos de abscessos, lesões vasculares e infecções ósseas e articulares.

Infecções por Salmonella não tifoide são comuns e permanecem um problema de saúde pública significante nos EUA. Vários sorotipos da Salmonella receberam nomes especiais e foram citados informalmente como se fossem espécies diferentes, embora não sejam. A maioria das infecções por Salmonella não tifoide é causada por S. enterica subespécies enterica sorotipo Enteritidis, S. Typhimurium, S. Newport, S. Heidelberg e S. Javiana.

A doença humana ocorre por contato direto e indireto com numerosas espécies de animais infectados, com alimentos derivados deles e com suas excretas. Carne, aves, leite cru, ovos e produtos derivados de ovos e água contaminados são fontes comuns de Salmonella. Outras fontes notificadas incluem tartarugas e répteis de estimação infectados, corantes vermelho-carmim e maconha contaminada.

Fatores de risco

Gastrectomia subtotal, acloridria (ou ingestão de antiácidos), doenças hemolíticas (p. ex., anemia falciforme, febre de Oroya, malária), bartonelose, esplenectomia, febre recorrente transmitida por carrapato, cirrose, leucemia, linfoma e infecção pelo HIV são todos fatores de risco de infecção por Salmonella.

Doenças causadas por Salmonella sp.

Cada sorotipo de Salmonella pode produzir qualquer ou todas as síndromes clínicas descritas a seguir, embora determinados sorotipos tenham tendência a produzir síndromes específicas. Por exemplo, a febre entérica é provocada por S. Paratyphi tipos A, B e C.

Um estado de portador assintomático também pode ocorrer. Contudo, portadores são raros e não parecem ter um papel principal em grandes epidemias de gastrenterite não tifoide. Abrigo persistente de microrganismos nas fezes por 1 ano ocorre em somente 0,2 a 0,6% dos pacientes com infecções por Salmonella não tifoide.

Sinais e sintomas

A infecção por Salmonella pode se apresentar como

Gastrenterite geralmente se inicia 12 a 48 h após a ingestão de microrganismos, com náuseas e cólica abdominal seguidas por diarreia, febre e às vezes vômitos. Em geral, as fezes são aquosas, mas podem ser pastosas semissólidas. Raramente, muco ou sangue está presente. A doença é frequentemente discreta, durando 1 a 4 dias. Ocasionalmente, uma doença mais grave e prolongada ocorre. Cerca de 10 a 30% dos adultos desenvolvem artrite reativa semanas ou meses após o término da diarreia. Essa doença provoca dor e edema, geralmente coxofemoral, nos joelhos e no tendão de Aquiles.

Febre entérica é uma forma menos grave do que a febre tifoide; ela é caracterizada por febre, prostração e sepse.

Bacteremia é relativamente incomum em pacientes com gastrenterite, exceto em recém-nascidos e idosos. Entretanto, S. Choleraesuis, S. Typhimurium e S. Heidelberg, entre outros, podem causar uma síndrome bacterêmica contínua e frequentemente letal, com duração 1 semana, com febre prolongada, cefaleia, mal-estar e calafrios, mas raramente diarreia. Pacientes podem ter episódios recorrentes de bacteremia ou outras infecções invasivas (p. ex., artrite séptica) decorrentes de Salmonella. Episódios recorrentes ou múltiplos de Salmonella em um paciente sem outros fatores de risco devem sugerir sorologia para o HIV.

A infecção por Salmonella focal pode ocorrer com ou sem bacteremia contínua, apresentando dor em, ou proveniente de, órgãos envolvidos — trato GI (fígado, vesícula biliar e apêndice), superfícies endoteliais (placas ateroscleróticas, aneurisma ileofemoral ou aórtico, valvas cardíacas), pericárdio, meninge, pulmões, articulações, ossos, trato geniturinário, ou tecidos moles. Tumores sólidos preexistentes ocasionalmente podem ser desencadeados e desenvolverem abscessos que, em contrapartida, podem se tornar fontes de bacteremia de Salmonella. S. Choleraesuis e S. Typhimurium são as causas mais comuns de infecção focal.

Diagnóstico

  • Culturas

O diagnóstico das infecções por Salmonella não tifoide é feito por meio de isolamento do microrganismo das fezes ou de outro local infectado. Nas formas bacterêmicas e focais, as culturas de sangue são positivas, mas culturas de fezes são geralmente negativas.

Resistência aos antibióticos é mais comum com Salmonella não tifoide do que de S. typhi e testes de sensibilidade antimicrobiana são importantes.

Em pacientes com gastroenterite, as espécimes de fezes coradas com azul de metileno frequentemente mostram leucócitos, indicando colite inflamatória.

Tratamento

  • Cuidados de suporte

  • Ciprofloxacino, azitromicina, ceftriaxone ou sulfametoxazol-trimetoprima (SMX-TMP) somente em pacientes de alto risco e pacientes com infecção sistêmica ou focal

Trata-se gastrenterite não complicada causada por infecções por Salmonella não tifoide de forma sintomática com líquidos por via oral ou intravenosa ( Gastroenterite : Tratamento).

Antibióticos não aceleram a resolução da gastroenterite, podem prolongar a excreção do microrganismo e não são justificados nos casos não complicados. Mas idosos em casas de repouso, recém-nascidos e pacientes com hemoglobinopatias, infecção pelo HIV ou outras doenças imunocomprometedoras, taxas mais altas de mortalidade ditam o tratamento com antibióticos. Esquemas aceitáveis de antibióticos incluem:

  • Sulfametoxazol-trimetoprima (SMX-TMP), 5 mg/kg (do componente TMP) VO a cada 12 h, para crianças.

  • Ciprofloxacino 500 mg VO a cada 12 h para adultos

  • Azitromicina, 500 mg no dia 1, seguido de 250 mg VO uma vez ao dia por 4 dias para adultos

  • Ceftriaxona, 2 g, uma vez ao dia por 7 a 10 dias para adultos

Pacientes não imunocomprometidos devem ser tratados durante 3 a 5 dias; pacientes com aids podem necessitar de supressão prolongada para prevenir recaídas.

Doença sistêmica ou focal deve ser tratada com doses de antibióticos como para a febre tifoide. Bacteremia contínua geralmente é tratada por 4 a 6 semanas.

Os abscessos devem ser drenados cirurgicamente. Pelo menos 4 semanas de terapia antibiótica devem se seguir à cirurgia.

Aneurismas e valvas cardíacas infectados e infecções ósseas ou de articulações geralmente requerem intervenção cirúrgica e esquemas prolongados de antibióticos.

O prognóstico é geralmente bom, a menos que uma doença subjacente grave esteja presente.

Portadores

O portador assintomático é geralmente autolimitado e o tratamento com antibiótico é raramente necessário. Em casos incomuns (p. ex., em manipuladores de alimentos ou em trabalhadores da área da saúde), a erradicação pode ser tentada com ciprofloxacino, 500 mg VO a cada 12 h, durante 1 mês. Devem ser obtidas culturas de fezes nas semanas seguintes à administração de fármacos, a fim de documentar a eliminação de Salmonella.

Prevenção

É imprescindível prevenir a contaminação de gêneros alimentícios por animais infectados e seres humanos. Medidas preventivas para viajantes, discutidas anteriormente em Febre tifoide, também se aplicam à maioria das outras infecções entéricas.

Notificação do caso é essencial.

Pontos-chave

  • Infecções por Salmonella não tifoide são comuns e resultam de contato direto e indireto com numerosas espécies de animais infectados, os alimentos derivados deles e suas excretas.

  • As síndromes clínicas incluem gastroenterite, febre entérica e infecções focais; bacteremia ocorre ocasionalmente.

  • Diagnosticar por meio de culturas.

  • Para gastroenterite não complicada, antibióticos são desnecessários; eles não aceleram o desaparecimento da infecção e podem prolongar a excreção do organismo.

  • Tratar pacientes de alto risco (p. ex., idosos em casas de repouso, recém-nascidos, pacientes com hemoglobinopatias, infecção por HIV ou doenças imunocomprometedoras) com antibióticos como ciprofloxacino, azitromicina, ceftriaxona ou sulfametoxazol-trimetoprima (SMX-TMP).

  • Pode ocorrer estado de portador assintomático, mas os portadores não desempenham um papel importante nos surtos e o tratamento com antibióticos é raramente indicado.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS ANDROID iOS
PRINCIPAIS