Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Delírio de parasitose

Por

James G. H. Dinulos

, MD,

  • Clinical Associate Professor of Surgery (Dermatology Section)
  • Geisel School of Medicine at Dartmouth
  • Clinical Assistant Professor of Dermatology
  • University of Connecticut

Última modificação do conteúdo set 2018
Clique aqui para acessar Educação para o paciente

É a convicção do paciente de estar infestado por parasitos.

O paciente tem a forte convicção de estar infestado por insetos, vermes, ácaros, piolhos ou outros organismos. Geralmente, relatam vividamente como os organismos penetraram em sua pele e se movem em seu corpo; também trazem amostras de cabelo, pele e fragmentos, como crostas, pós e fibras em lâminas ou em recipientes (sinal da “caixa de fósforos”), para provar que a infestação é real. A doença é considerada um tipo somatoforme do transtorno delirante. Os pacientes podem ter outros transtornos psiquiátricos ou físicos (p. ex., distúrbios cerebrais estruturais, psicose tóxica).

Diagnóstico

  • Avaliação clínica

Suspeita-se do diagnóstico por história e exame clínico. A avaliação exige descartar infestações reais e outras doenças psicológicas por exame físico e testes criteriosos, como raspados de pele e outros testes como clinicamente indicado.

Tratamento

  • Apoio psicológico e possivelmente fármacos antipsicóticos

É importante estabelecer uma relação empática e encorajadora com o paciente. Embora frequentemente rejeitado, o tratamento é com fármacos antipsicóticos (ver tabela Antipsicóticos convencionais). Tipicamente, o paciente deseja a confirmação de que o fármaco trata a infestação, e qualquer sugestão cuja indicação não seja para o tratamento do agente infestante haverá resistência, rejeição ou ambos. Portanto, o tratamento eficaz requer diplomacia e um delicado equilíbrio entre a proposta e o desejo do paciente.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS