Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Sepse no recém-nascido

(Sepsis Neonatorum; Sepse neonatal)

Por

Brenda L. Tesini

, MD, University of Rochester School of Medicine and Dentistry

Última revisão/alteração completa nov 2018| Última modificação do conteúdo nov 2018
Clique aqui para a versão para profissionais
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais

Sepse é uma infecção no sangue.

  • Recém-nascidos com sepse apresentam aspecto de mau estado geral, ou seja, apresentam-se apáticos, não se alimentam bem, costumam ter uma coloração acinzentada e muitos apresentam febre ou temperatura corporal baixa.

  • O diagnóstico se baseia nos sintomas e na presença de bactérias, vírus ou um fungo no sangue.

  • O tratamento inclui antibióticos e tratamentos de suporte, como hidratação intravenosa, transfusões de sangue e plasma, assistência com a respiração (às vezes por meio de um ventilador mecânico) e medicamentos para dar assistência à pressão arterial.

  • A infecção na corrente sanguínea pode se disseminar até os tecidos que recobrem o cérebro e o próprio cérebro (meningite).

A sepse tem mais propensão de ocorrer em

Outros fatores de risco e causas de sepse variam dependendo de quando a sepse se desenvolve. O início é categorizado como

  • Sepse de início precoce: Antes de três dias de vida

  • Sepse de início tardio: Após três dias ou mais de vida

Determinadas infecções virais, como herpes simplex disseminado, enterovírus, adenovírus ou vírus sincicial respiratório, podem causar sepse de início precoce ou de início tardio.

Devido a seu sistema imunológico imaturo, os bebês prematuros correm um risco muito maior de apresentar tanto a sepse de início precoce como a de início tardio que os bebês nascidos a termo. O recém-nascido prematuro não tem determinados anticorpos para protegê-los contra bactérias específicas porque ele nasceu antes de tê-los recebido da mãe.

Sepse de início precoce

O recém-nascido pode ter sepse de início precoce se ele for exposto a determinados tipos de bactérias durante o nascimento.

Os fatores de risco para sepse de início precoce incluem:

O risco de sepse é maior se as membranas que contêm o líquido que circunda o feto se romperem mais de 18 horas antes do nascimento ou se a mãe tiver uma infecção (especialmente do trato urinário ou do revestimento do útero).

Os tipos mais comuns de bactérias que causam sepse no recém-nascido por volta da época do nascimento são Escherichia coli e GBS, que são de fato em geral adquiridas durante a passagem através do canal de parto. A sepse causada por GBS era a principal causa de sepse precoce até cerca de uma década atrás, quando a triagem de todas as gestantes para GBS se tornou parte rotineira dos cuidados pré-natais. Se os exames preventivos revelarem GBS ou se a mãe já tiver dado à luz a um recém-nascido com infecção por GBS, antibióticos são administrados à mãe quando esta entra em trabalho de parto. Embora possa ser necessário um monitoramento adicional do recém-nascido no hospital e, possivelmente, exames de sangue para verificar se há infecção, recém-nascidos só recebem antibióticos somente se tiverem sinais ou sintomas de infecção.

Sepse de início tardio

Recém-nascidos podem desenvolver ter sepse tardia se forem expostos a determinados tipos de bactérias durante no hospital.

Os fatores de risco importantes para sepse de início tardio incluem:

  • Uso prolongado de cateteres nas artérias, veias ou ambos

  • Uso de antibióticos no recém-nascido

  • Utilização de um tubo de ventilação inserido no nariz ou na boca do recém-nascido (tubo endotraqueal) e fixado a um aparelho que ajuda a soprar e a retirar o ar dos pulmões (ventilador) para dar assistência à respiração

  • Hospitalização prolongada

É mais provável que a sepse que ocorre mais tardiamente seja adquirida de organismos no ambiente do recém-nascido, incluindo através ou ao redor de cateteres e outros equipamentos médicos, em vez de organismos adquiridos do canal de parto. O uso de certos antibióticos pode permitir que certos organismos como o fungo Candida causem infecções no recém-nascido.

Sintomas

O recém-nascido com sepse tendem a ser letárgico, não se alimentar bem e frequentemente apresenta temperatura corporal baixa. Uma febre que dure mais de uma hora é incomum, mas, quando presente, normalmente indica que o recém-nascido tem uma infecção.

Outros sintomas podem incluir dificuldade para respirar (angústia respiratória), pausas na respiração (apneia), palidez e má circulação cutânea, extremidades frias, distensão abdominal, vômitos, diarreia, convulsões, tremores e icterícia. Uma infecção por estreptococos do grupo B pode causar pneumonia. Outros sintomas ocorrem dependendo de onde qual organismo está causando a infecção.

Complicações

Uma das mais graves complicações da septicemia é a infecção das membranas que envolvem o cérebro (meningite). Recém-nascidos com meningite podem apresentar lentidão (letargia) extrema, coma, convulsões ou abaulamento das partes moles entre os ossos do crânio (fontanelas) e frequentemente morrem se não forem imediatamente tratados.

Diagnóstico

  • Hemocultura e, às vezes, urocultura

  • Punção lombar com cultura do líquido cefalorraquidiano

O médico faz o diagnóstico de sepse tomando por base os sintomas do recém-nascido e os resultados dos exames. O médico faz vários exames, incluindo exames de sangue, para tentar determinar qual bactéria, vírus ou fungo específico está causando a infecção.

Uma cultura de sangue, às vezes uma cultura de urina e uma punção lombar também são realizadas. Para as culturas, os médicos colhem amostras de sangue, liquido cefalorraquidiano e urina e tentam fazer com que bactérias cresçam (cultura) nas amostras no laboratório, para depois identificar essas bactérias. Recém-nascidos com problemas respiratórios são submetidos à radiografia de tórax.

Prognóstico

A sepse é a causa principal de mortalidade nos recém-nascidos prematuros depois da primeira semana. Bebês com baixo peso ao nascimento têm maior risco de morte. Bebês com baixo peso extremo ao nascimento, apresentando sepse causada pelo fungo Candida ou por bactérias correm um risco muito maior de morte.

Recém-nascidos que se recuperam da sepse não costumam apresentar problemas de longo prazo. No entanto, recém-nascidos que sobrevivem à meningite podem ter retardo do desenvolvimento, paralisia cerebral, convulsões ou perda da audição.

Tratamento

  • Antibióticos administrados pela veia (via intravenosa)

  • Às vezes, um ventilador ou outros tratamentos

Enquanto aguarda os resultados da hemocultura, o médico administra antibióticos potentes por via intravenosa ao recém-nascido com suspeita de sepse. Depois de ter identificado o organismo específico, é possível que ele ajuste o tipo de antibiótico.

Além da terapia com antibióticos, podem ser necessários outros tratamentos, como a utilização de uma máquina que ajuda o ar a entrar e sair dos pulmões (ventilador), líquidos intravenosos, transfusões de sangue e plasma e medicamentos que dão suporte à pressão arterial e circulação.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Sarampo
Vídeo
Sarampo
O sarampo é uma doença altamente contagiosa causada pelo vírus do sarampo. O vírus do sarampo...
Modelos 3D
Visualizar tudo
Fibrose cística pulmonar
Modelo 3D
Fibrose cística pulmonar

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS