Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Resfriado comum

Por

Brenda L. Tesini

, MD, University of Rochester School of Medicine and Dentistry

Última revisão/alteração completa abr 2020| Última modificação do conteúdo abr 2020
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

O resfriado comum é uma infecção viral do revestimento interno do nariz, seios paranasais e garganta.

  • Muitos vírus diferentes causam resfriados.

  • Geralmente, os resfriados se propagam quando as mãos de uma pessoa entram em contato com as secreções nasais de uma pessoa infectada.

  • Os resfriados muitas vezes começam com garganta irritada ou inflamada ou desconforto no nariz, seguidos de espirros, corrimento nasal, tosse e sensação de mal-estar geral.

  • Os médicos baseiam o diagnóstico nos sintomas.

  • Uma boa higiene, inclusive lavagem frequente das mãos, é a melhor maneira de prevenir resfriados.

  • Descanso, descongestionantes, paracetamol e medicamentos anti-inflamatórios não esteroides (AINEs, como o ibuprofeno) podem ajudar a aliviar os sintomas.

Os resfriados comuns estão entre as doenças mais frequentes. Muitos vírus diferentes (rinovírus, adenovírus, coronavírus e metapneumovírus humano) causam resfriados, mas os rinovírus (dos quais há mais de 100 subtipos) causam a maioria deles. Os resfriados comuns provocados por rinovírus são mais frequentes na primavera e no outono. Outros vírus causam doenças assemelhadas ao resfriado comum em outras épocas do ano.

Os resfriados comuns propagam-se, sobretudo, quando as mãos das pessoas entram em contato com as secreções nasais de uma pessoa infectada. Essas secreções contêm o vírus do resfriado. Quando a pessoa toca sua própria boca, nariz ou olhos posteriormente, os vírus entram no seu organismo e causam um resfriado. Ainda que seja menos frequente, os resfriados também podem se propagar quando se respira ar que contém gotículas expulsas através da tosse ou dos espirros de uma pessoa infectada. Um resfriado comum é contagioso durante o primeiro ou segundo dia após o início dos sintomas.

A suscetibilidade a resfriados não aumenta em decorrência de nenhum dos seguintes fatores:

  • Exposição ao frio

  • Estado geral de saúde e hábitos alimentares

  • Ter uma anomalia do nariz ou da garganta (como amígdalas ou adenoides aumentadas)

Você sabia que...

  • A exposição ao frio não causa resfriados nem torna as pessoas mais propensas a contrair um resfriado.

Sintomas

Os sintomas do resfriado têm início entre o primeiro e o terceiro dia após a infecção. Geralmente, o primeiro sintoma consiste em garganta irritada ou inflamada ou mal-estar no nariz. Depois, as pessoas começam a espirrar, apresentam corrimento nasal e sentem um leve mal-estar. Febre não é comum, mas pode ocorrer febre leve no início do resfriado. Inicialmente, as secreções do nariz são aquosas e claras, podendo incomodar por serem abundantes; depois, tornam-se mais espessas, opacas, amarelo-esverdeadas e menos abundantes. Muitas pessoas também desenvolvem tosse leve. Os sintomas desaparecem habitualmente em quatro a dez dias, mas a tosse frequentemente persiste por até duas semanas.

As complicações podem prolongar a doença. Infecções por rinovírus frequentemente desencadeiam crises asmáticas em pessoas com asma. Algumas pessoas desenvolvem infecções bacterianas do ouvido médio (otite média) ou dos seios paranasais (sinusite). Essas infecções se desenvolvem porque a congestão nasal bloqueia a drenagem normal da região, provocando uma retenção de secreções que favorece o crescimento de bactérias.

Você sabia que...

  • Antibióticos são inúteis no tratamento de resfriados.

Diagnóstico

  • Avaliação médica

No geral, os médicos conseguem diagnosticar um resfriado comum com base nos sintomas típicos. Febre alta, dor de cabeça intensa, erupção cutânea, dificuldade respiratória ou dor no peito sugerem que a infecção não é um simples resfriado.

Geralmente não são necessários exames laboratoriais para diagnosticar um resfriado. Quando surgem complicações, o médico pode solicitar exames de sangue e radiografias.

Prevenção

Como são vários os vírus que causam os resfriados e cada vírus se altera ligeiramente com o passar do tempo, ainda não foi possível desenvolver uma vacina eficaz.

A melhor medida preventiva é a prática de uma boa higiene. Como muitos vírus do resfriado são transmitidos por contato com as secreções de uma pessoa infectada, as medidas a seguir podem ajudar:

  • Pessoas com sintomas de resfriado e pessoas em casa e no escritório devem lavar as mãos frequentemente.

  • Deve-se espirrar e tossir usando como proteção lenços de papel, que devem ser cuidadosamente descartados.

  • Quando possível, a pessoa com sintomas deve dormir sozinha.

  • As pessoas que têm tosse ou espirros decorrentes de um resfriado comum não devem ir trabalhar nem para escola, visto que podem infectar outras.

  • A limpeza cuidadosa de superfícies e objetos compartilhados com desinfetante ajuda também a reduzir a propagação dos vírus do resfriado comum.

Apesar da sua popularidade, equinácea e doses elevadas de vitamina C (até 2.000 mg por dia) não previnem resfriados, tampouco comer frutas cítricas.

Tratamento

  • Repouso em casa para prevenir a disseminação para outros

  • Bastante líquido e inalação de vapor

  • Se necessário, medicamentos de venda livre para aliviar os sintomas

As pessoas resfriadas devem permanecer aquecidas e confortáveis e devem descansar. Eles devem tentar evitar espalhar a infecção para outras permanecendo em casa. Beber líquidos e inalar vapor ou umidade de um vaporizador são medidas sugeridas há muito tempo como forma de ajudar a fluidificar as secreções e facilitar sua expulsão, mas elas provavelmente ajudam somente um pouco.

Os medicamentos antivirais atualmente disponíveis não são eficazes contra os resfriados. Os antibióticos não ajudam no combate ao resfriado, mesmo quando há produção de muco espesso ou com cor pelo nariz ou tosse.

Equinácea, produtos que contêm zinco e vitamina C têm sido sugeridos como tratamento. Alguns estudos pequenos mostraram que eles são eficazes. Outros mostraram que eles são ineficazes. Mas nenhum estudo clínico mais abrangente e bem desenhado confirmou sua eficácia. Mesmo quando os estudos mostraram um benefício, ele foi pequeno. Por exemplo, quando o zinco reduziu a duração dos sintomas de resfriado, essa redução foi inferior a um dia. Assim, a maioria dos especialistas não recomenda esses suplementos como tratamento.

Vários remédios populares vendidos sem prescrição médica (de venda livre) ajudam a aliviar os sintomas de resfriado. Como eles não curam a infecção, que normalmente se resolve em uma semana independente do tratamento tentado, os médicos consideram seu uso opcional, dependendo do mal-estar que a pessoa sinta. São usados vários tipos de medicamentos diferentes:

  • Descongestionantes, que ajudam a abrir as vias nasais obstruídas

  • Anti-histamínicos, que ajudam a secar o corrimento nasal

  • Medicamentos anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) ou acetaminofeno, que podem ajudar a aliviar dores e reduzir a febre.

  • Xaropes, que podem facilitar a tosse fluidificando as secreções e soltando o muco (expectorantes) ou que podem suprimir a tosse (supressores)

Esses medicamentos são muitas vezes vendidos em combinação, mas podem também ser obtidos individualmente.

Os descongestionantes inaláveis são melhores do que as formas tomadas por via oral para alívio da congestão nasal. Porém, usar produtos inaláveis durante mais de três a cinco dias e depois parar pode deixar congestão pior do que estava inicialmente. Ipratrópio, um aerossol nasal disponível somente com receita médica, ajuda a secar o corrimento nasal.

Os anti-histamínicos mais antigos, como a clorfeniramina, podem causar sonolência. Os anti-histamínicos mais recentes, como loratadina, têm menos probabilidade de causar sonolência, mas são ineficazes para tratar o resfriado comum.

Descongestionantes e anti-histamínicos não devem ser administrados a crianças com menos de quatro anos de idade.

AINEs, como aspirina, ibuprofeno e naproxeno, podem aliviar dores e reduzir a febre, assim como o paracetamol. A aspirina não costuma ser recomendada para crianças, pois nelas o medicamento aumenta o risco de síndrome de Reye, um distúrbio raro, mas que traz risco à vida.

Os antitussígenos não são recomendados de forma rotineira, uma vez que a tosse constitui uma boa forma de eliminar secreções e resíduos das vias respiratórias durante uma infecção viral. No entanto, uma tosse grave que afete o sono ou que cause um grande mal-estar pode ser tratada através de um supressor da tosse.

Tabela
icon

Remédios sem prescrição médica para resfriado comum

Ação

Medicamento

Alguns efeitos colaterais comuns

Analgésicos/antipiréticos

Aliviam dores e reduzem a febre

Paracetamol

Mínima

Aspirina

Irritação estomacal

Risco de síndrome de Reye em crianças

Ibuprofeno

Irritação estomacal

Naproxeno

Irritação estomacal

Anti-histamínicos*

Abrem as vias nasais e ajudam a aliviar os espirros

Difenidramina

Clorfeniramina

Sonolência, boca seca e, em pessoas mais idosas, visão embaçada, dificuldade na micção, constipação, tonturas ao levantar e confusão

Supressores da tosse

Podem ajudar a reduzir a tosse

Benzonatato

Confusão e desconforto estomacal

Codeína

Constipação, sonolência, dificuldade em urinar e desconforto estomacal

Dextrometorfano

Mínima, mas em altas doses, confusão, nervosismo e irritabilidade

Descongestionantes, vaporizadores nasais*

Abrem as vias nasais obstruídas

Nafazolina

Oximetazolina

Fenilefrina

Xilometazolina

Congestão reincidente (pior congestão quando o medicamento perde a eficácia) se o medicamento for usado durante mais de alguns dias

Descongestionantes orais*

Seca o corrimento nasal

Pseudoefedrina

Palpitações, hipertensão arterial, nervosismo e insônia

Fenilefrina

Ansiedade, tontura, nervosismo e insônia

Expectorante

Pode ajudar a soltar o muco

Guaifenesina

Mínimos, mas, em altas doses, dor de cabeça e desconforto estomacal

*Descongestionantes e anti-histamínicos (isoladamente ou combinados) não devem ser administrados a crianças com menos de quatro anos de idade.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Como lavar as mãos
Vídeo
Como lavar as mãos
Modelos 3D
Visualizar tudo
Tuberculose: Macrófago alveolar infectado
Modelo 3D
Tuberculose: Macrófago alveolar infectado

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS