Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

honeypot link

Colite induzida por Clostridioides (anteriormente Clostridium) difficile

(Antibiotic-Associated Colitis; Pseudomembranous Colitis; Clostridioides difficile–Induced Diarrhea; C. diff)

Por

Larry M. Bush

, MD, FACP, Charles E. Schmidt College of Medicine, Florida Atlantic University

Última revisão/alteração completa dez 2019| Última modificação do conteúdo dez 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos

A colite induzida por

Clostridioides difficile (C. difficile) é uma inflamação do intestino grosso (cólon) que resulta em diarreia. A inflamação é causada pela toxina produzida pela bactéria C. difficile e geralmente se desenvolve depois de as pessoas tomarem antibióticos que permitem que essas bactérias cresçam no intestino.

  • A colite induzida por C. difficile geralmente ocorre após a administração de antibióticos.

  • Os sintomas típicos vão de fezes levemente moles a diarreia com sangue, dor abdominal e febre.

  • Os médicos examinam as fezes e, às vezes, utilizam um tubo para visualização do intestino grosso das pessoas com sintomas de colite induzida por C. difficile.

  • A maior parte das pessoas com colite leve induzida por C. difficile melhora após interrupção do antibiótico que desencadeou a colite e administração de outro antibiótico.

Clostridioides difficile (C. difficile) não requer oxigênio para viver. Ou seja, são anaeróbios.

Did You Know...

  • Algumas pessoas saudáveis têm a bactéria C. difficile vivendo em seu intestino.

Causas

Na colite induzida por C. difficile, as bactérias produzem toxinas que causam inflamação do cólon (colite), habitualmente após se tomar antibióticos para tratar uma infecção. Muitos antibióticos alteram o equilíbrio entre os diferentes tipos e quantidade de bactérias que vivem no intestino. Assim, certas bactérias causadoras de doenças, tais como C. difficile, podem crescer demais e substituir as bactérias inofensivas que normalmente vivem no intestino. C. difficile é a causa mais comum de colite que se desenvolve após serem tomados antibióticos.

Quando as bactérias C. difficile crescem excessivamente, elas liberam toxinas que causam diarreia, colite e formação de membranas anormais (pseudomembranas) no intestino grosso.

Uma cepa mais letal de C. difficile foi identificada em alguns surtos hospitalares. Essa cepa produz substancialmente mais toxina, causa doença mais grave com maior chance de recidiva, é mais fácil de ser transmitida e não responde tão bem ao tratamento com antibióticos.

Praticamente qualquer antibiótico pode provocar esse distúrbio, mas a clindamicina, as penicilinas (como a ampicilina e a amoxicilina), as cefalosporinas (como a ceftriaxona) e as fluoroquinolonas (como o levofloxacino e ciprofloxacino) estão mais frequentemente envolvidas. A colite induzida por C. difficile pode ocorrer mesmo depois de ciclos muito breves de antibiótico. A colite induzida por C. difficile também pode ocorrer após o uso de certos medicamentos quimioterápicos contra câncer.

A infecção por C. difficile é muito comum quando o antibiótico é tomado por via oral, mas também ocorre quando os antibióticos são injetados em um músculo ou administrados por veia (via intravenosa).

O risco de desenvolver colite induzida por C. difficile e o risco de que será grave aumentam com a idade. Outros fatores de risco incluem:

  • Ter um ou mais distúrbios graves

  • Permanecer longo período no hospital

  • Viver em uma casa de repouso

  • Ter realizado cirurgia gastrointestinal

  • Ter um distúrbio ou tomar um medicamento que diminua a acidez gástrica

Medicamentos que reduzem a acidez gástrica incluem inibidores da bomba de prótons e bloqueadores de histamina 2 (H2) que são usados para tratar refluxo gastroesofágico e úlcera péptica.

Às vezes, a fonte de bactérias é o próprio aparelho digestivo da pessoa. C. difficile está comumente presente nos intestinos de recém-nascidos, adultos saudáveis e adultos que são hospitalizados. Nessas pessoas, a bactéria C. difficile normalmente não causa doença, a menos que seu número cresça excessivamente. No entanto, essas pessoas podem espalhar clostrídios para pessoas em risco. A contaminação de pessoa para pessoa pode ser prevenida com meticulosa lavagem das mãos.

As pessoas também podem adquirir as bactérias de animais de estimação ou do meio ambiente.

A colite causada por infecção por C. difficile ocorre raramente, a menos que as pessoas tenham usado antibióticos recentemente. No entanto, algumas situações de estresse físico, como uma cirurgia (normalmente envolvendo o estômago ou intestino), podem, provavelmente, conduzir ao mesmo tipo de desequilíbrio dos tipos e quantidade de bactérias no intestino ou podem interferir nos mecanismos intrínsecos de defesa do intestino, permitindo, por sua vez, o desenvolvimento de infecção por C. difficile e colite.

Sintomas

Os sintomas da infecção por C. difficile normalmente aparecem de cinco a dez dias após o início do tratamento com antibióticos, mas podem ocorrer no primeiro dia ou até dois meses depois.

Os sintomas variam de acordo com o grau de inflamação causada pelas bactérias, indo desde fezes levemente moles até diarreia com sangue, dor e cólicas abdominais e febre. Náusea e vômito são raros.

Nos casos de maior gravidade, pode ocorrer desidratação de risco à vida, pressão arterial baixa, megacólon tóxico e perfuração do intestino grosso.

Diagnóstico

  • Estudos das fezes

  • Às vezes, sigmoidoscopia ou colonoscopia

Os médicos suspeitam de colite induzida por C. difficile em qualquer pessoa que desenvolva diarreia em até dois meses após o uso de antibióticos ou em até 72 horas após ter sido hospitalizada.

O diagnóstico é confirmado por meio de vários tipos de exames de fezes. Os médicos realizam exames para detectar toxinas produzidas por C. difficile, bem como uma determinada enzima liberada pelas bactérias. Os médicos também fazem exames como a técnica de reação em cadeia da polimerase (polymerase chain reaction, PCR) para detectar a presença de material genético da bactéria (DNA).

Um médico também pode diagnosticar colite induzida por C. difficile ao inspecionar a parte inferior do intestino grosso inflamado (cólon sigmoide), geralmente por meio de um sigmoidoscópio (um tubo para visualização rígido ou flexível). Se ele observar um tipo específico de inflamação chamada colite pseudomembranosa, fica diagnosticada a colite induzida por C. difficile. Um colonoscópio (tubo para visualização flexível mais longo) é utilizado para examinar o intestino grosso por completo se a região intestinal afetada não estiver ao alcance do sigmoidoscópio. No entanto, esses procedimentos normalmente não são necessários.

Os médicos podem realizar exames de diagnóstico por imagem, como radiografias ou tomografia computadorizada (TC) abdominal, se suspeitarem de uma complicação grave, como perfuração do intestino grosso ou megacólon tóxico.

Tratamento

  • Interrupção do uso dos antibióticos causadores da colite

  • Administração de um antibiótico eficaz contra C. difficile

  • Em casos graves e recorrentes, transplante de fezes

Se uma pessoa com colite induzida por C. difficile tiver diarreia enquanto estiver tomando antibióticos, a administração dos medicamentos deve ser interrompida imediatamente, a menos que eles sejam essenciais. Após interrupção do antibiótico, os sintomas geralmente cessam dentro de dez a doze dias. Se os sintomas forem graves ou persistirem, as pessoas geralmente recebem um antibiótico que seja eficaz contra C. difficile.

Medicamentos (como a loperamida) que as pessoas às vezes tomam para desacelerar o movimento do intestino e tratar a diarreia são geralmente evitados. Esses medicamentos podem prolongar o distúrbio ao manter a toxina que causa a doença em contato com o intestino grosso.

A maioria dos casos de colite induzida por C. difficile é tratada com o antibiótico vancomicina, administrado por via oral. Um antibiótico relativamente novo, fidaxomicina, parece ser bastante eficaz e resulta em menos reincidências dos sintomas.

Os sintomas reaparecem em 15% a 20% das pessoas com esse distúrbio, normalmente dentro de algumas semanas de interrupção do tratamento. Na primeira vez em que a diarreia retorna, as pessoas recebem outro ciclo do mesmo antibiótico. Se a diarreia continuar a retornar, elas geralmente recebem vancomicina por várias semanas, às vezes seguida do antibiótico rifaximina. Fidaxomicina por catorze dias é uma alternativa.

Bezlotoxumabe é um anticorpo monoclonal que é administrado pela veia. Ela se liga a uma das toxinas produzidas pelo Clostridium difficile. A administração de bezlotoxumabe combinado com antibioticoterapia padrão pode reduzir as chances de recorrência da diarreia.

Um transplante fecal (de fezes) é uma opção para algumas pessoas que têm recorrências frequentes e graves. Nesse procedimento, um copo de fezes de um doador saudável é colocado no cólon da pessoa. As fezes de doadores são testadas antes quanto à presença de microrganismos que podem causar doença. O transplante fecal pode ser aplicado como um enema, através de um tubo inserido através do nariz até o trato digestivo, ou através de um colonoscópio. Os médicos acreditam que o material fecal de um doador restaura o equilíbrio normal de bactérias no intestino de uma pessoa com colite induzida por C. difficile. Após utilização desse tratamento, é menos provável que os sintomas reapareçam.

Ocasionalmente, a colite induzida por C. difficile é tão grave que a pessoa precisa ser hospitalizada para receber líquidos intravenosos, eletrólitos (como sódio, magnésio, cálcio e potássio) e transfusões de sangue.

Raramente, há necessidade de cirurgia. Por exemplo, a remoção cirúrgica do intestino grosso (colectomia) pode ser necessária em casos graves como uma medida para salvar vidas.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

PRINCIPAIS