Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Anorexia nervosa

Por

Evelyn Attia

, MD, Columbia University Medical Center, New York State Psychiatric Institute;


B. Timothy Walsh

, MD, College of Physicians and Surgeons, Columbia University

Última revisão/alteração completa jul 2018| Última modificação do conteúdo jul 2018
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
Recursos do assunto

A anorexia nervosa é um transtorno alimentar caracterizado por uma busca incessante pelo emagrecimento, uma imagem corporal distorcida, um medo extremo da obesidade e a restrição do consumo de alimentos, que resultam em um peso corporal significativamente baixo.

  • A anorexia nervosa começa geralmente na adolescência e é mais comum entre mulheres.

  • A pessoa com anorexia nervosa limita seu consumo de alimentos, mesmo que continue a perder peso, fica sempre pensando sobre alimentos e, possivelmente, nega que tem um problema.

  • A perda de peso grave ou rápida pode ter consequências de risco à vida.

  • O médico faz o diagnóstico tomando por base os sintomas e faz uma avaliação física e exames para detectar efeitos adversos da perda de peso excessiva.

  • Os tratamentos que dão ênfase ao retorno ao peso normal e aos comportamentos alimentares normais (por exemplo, psicoterapia individual e familiar) podem ajudar.

A anorexia nervosa costuma começar durante a adolescência ou no início da idade adulta e, raramente, começa antes da puberdade ou após os 40 anos de idade. Anualmente, aproximadamente uma em cada 200 mulheres jovens apresenta anorexia nervosa. A anorexia nervosa é menos frequente em pessoas do sexo masculino. No entanto, casos leves podem não ser identificados.

A anorexia nervosa é rara em regiões onde ocorre uma autêntica escassez de alimentos.

dois tipos de anorexia nervosa:

  • Tipo restritivo: A pessoa limita a ingestão de alimentos, mas não come compulsivamente nem pratica purgação de forma regular – por exemplo, induzindo próprio vômito (uma prática denominada vômito autoinduzido) ou tomando laxantes. Algumas pessoas praticam exercícios em excesso.

  • Tipo compulsão alimentar/purgativo: A pessoa limita sua ingestão de alimentos, mas também come compulsivamente e/ou pratica a purgação em intervalos regulares.

Você sabia que…

  • Entre um terço e metade das pessoas com anorexia nervosa apresenta episódios de compulsão alimentar e/ou purgativos.

Causas

A causa da anorexia nervosa é desconhecida. Poucos fatores de risco para esse transtorno, além do fato de ser do sexo feminino, foram identificados.

Fatores genéticos e ambientais (sociais) desempenham um papel importante no surgimento da anorexia nervosa. O desejo de ser magro prevalece na sociedade ocidental e muitas pessoas consideram a obesidade pouco atraente. Mesmo antes da adolescência, as crianças estão conscientes dessas atitudes e mais da metade de todas as mulheres adolescentes segue uma dieta ou adota outras medidas para controlar o peso. No entanto, apenas uma porcentagem muito reduzida dessas jovens apresenta anorexia nervosa.

Outros fatores, como a susceptibilidade psicológica, predispõem certas pessoas a apresentarem anorexia nervosa. Muitas pessoas que apresentam a doença pertencem a um nível socioeconômico médio ou alto, são meticulosas e compulsivas e são exigentes quanto ao que consideram uma conquista ou um sucesso.

Sintomas

A anorexia nervosa pode ser leve e transitória ou grave e persistente.

Um primeiro indicador da iminência do transtorno pode ser uma preocupação sutilmente crescente com dietas e peso corporal. Esse tipo de preocupação parece sem propósito, porque a maioria das pessoas que apresenta anorexia já não tem excesso de peso na época em que o transtorno tem início. A preocupação e a ansiedade intensificam-se à medida que a pessoa se torna mais magra. Mesmo após atingir um estado de emaciação, é possível que a pessoa continue a afirmar que está gorda, negue que há algo errado, não se queixe sobre a perda de peso e, geralmente, resista a receber tratamento. Ela continua tentando perder peso, mesmo quando amigos e familiares a tranquilizam dizendo que ela é magra ou avisam que ela está ficando muito magra. A pessoa com anorexia nervosa considera todo ganho de peso uma falha inaceitável do autocontrole.

O termo anorexia significa literalmente falta de apetite, mas a pessoa com anorexia, na verdade, tem fome. Muitas dessas pessoas não perdem o apetite até estarem muito emaciadas.

Além disso, a pessoa com esse distúrbio está sempre preocupada com comida. Por exemplo, é possível que ela:

  • Em vez de comer, estude dietas e conte calorias.

  • Acumule, esconda ou descarte alimentos.

  • Colecione receitas.

  • Prepare refeições rebuscadas para outras pessoas.

Entre 30% e 50% das pessoas com anorexia nervosa apresenta episódios de compulsão alimentar e/ou purgativos por vômito autoinduzindo ou ingestão de laxantes. A outra metade simplesmente restringe a quantidade de alimentos que ingere. É frequente que a pessoa minta sobre quanta comida ela consumiu e oculte o fato de que vomitou e seus hábitos dietéticos peculiares. Algumas pessoas também tomam diuréticos (medicamentos que aumentam a excreção de água dos rins) para reduzir o inchaço aparente e como uma tentativa de perder peso.

Muitas mulheres com anorexia nervosa deixam de ter períodos menstruais, às vezes antes de terem perdido muito peso. Tanto homens como mulheres com anorexia nervosa podem perder o interesse sexual.

Normalmente, a pessoa com anorexia nervosa apresenta frequência cardíaca lenta, pressão arterial baixa, temperatura corporal baixa e pode apresentar cabelo fino e ralo ou excesso de pelo facial e corporal. Os tecidos incham devido ao acúmulo de líquidos (edema). Geralmente, a pessoa se queixa de inchaço, desconforto abdominal e constipação.

Os vômitos autoinduzidos podem provocar erosão no esmalte dentário, aumentar as glândulas salivares nas bochechas (glândulas parótidas) e fazer com que o esôfago fique inflamado.

A depressão ocorre com frequência.

Mesmo quando a pessoa já está muito magra, ela tende a se manter ativa, muitas vezes exercitando-se em excesso para controlar o peso. Essas pessoas apresentam poucos sintomas de deficiências nutricionais até chegarem a um estado de emaciação.

As alterações hormonais provocadas pela anorexia nervosa incluem valores pronunciadamente reduzidos de estrogênio (em mulheres), testosterona (em homens) e de hormônio da tireoide e níveis altos de cortisol.

Se a pessoa ficar gravemente desnutrida, é provável que isso afete os principais sistemas orgânicos do corpo. A densidade óssea pode diminuir, aumentando o risco de osteoporose.

Reconhecendo a anorexia nervosa

Geralmente, a pessoa com anorexia nervosa nega que tem um problema e tenta ocultar seus hábitos alimentares incomuns, em vez de procurar ajuda. Uma vez que muitas pessoas com anorexia nervosa são meticulosas, compulsivas e inteligentes e são exigentes quanto ao que consideram uma conquista ou um sucesso, elas normalmente conseguem ocultar o transtorno. Por isso, os membros da família e amigos em geral desconhecem o transtorno, até que ele tenha se tornado grave.

Uma vez que a anorexia nervosa apresenta complicações graves que às vezes podem ser fatais, os membros da família e os amigos de pessoas que estão sempre de regime ou excessivamente preocupadas com o peso precisam aprender a reconhecer esse transtorno.

Geralmente, a pessoa com anorexia nervosa:

  • Reclama que é gorda, embora seja muito magra

  • Nega que é magra

  • Pensar em comida o tempo todo

  • Pesa os alimentos consumidos

  • Acumula, esconde ou descarta alimentos

  • Prepara refeições rebuscadas para outras pessoas

  • Pular refeições

  • Finge que come ou mente sobre o quanto comeu

  • Pratica exercícios compulsivamente

  • Veste-se com roupas folgadas ou com várias camadas

  • Pesa-se várias vezes por dia

  • Avalia sua autoestima com base no seu nível de magreza

Perdas de peso rápidas ou acentuadas causam problemas que podem ser fatais. Os problemas de coração, hidratação e eletrólitos (por exemplo, sódio, potássio e cloro) são os mais perigosos:

  • O coração torna-se debilitado e bombeia menos sangue pelo corpo:

  • O ritmo cardíaco fica alterado.

  • A pessoa pode ficar desidratada e ter tendência a desmaiar.

  • O sangue pode se tornar alcalino (um quadro clínico denominado alcalose metabólica).

  • É possível que ocorra uma redução nos níveis de potássio e de sódio no sangue.

Vomitar e tomar laxantes e diuréticos pode agravar a situação. É possível que ocorra morte súbita, provavelmente causada pela presença de arritmias cardíacas.

Diagnóstico

  • Avaliação de um médico

  • Exames para verificar a presença de problemas decorrentes da anorexia nervosa

Uma vez que a pessoa acredita que ela não tem um problema, ela resiste a receber avaliação e tratamento. Normalmente, elas são levadas ao consultório médico por membros da família ou devido a outros transtornos.

O médico mede a altura e o peso e usa os resultados para calcular o índice de massa corporal (IMC). O médico também pergunta como a pessoa se sente em relação ao corpo e ao peso e se ela tem outros sintomas. É possível que o médico use questionários criados para detectar transtornos alimentares.

Além disso, o médico verifica se há outros distúrbios que podem causar perda de peso ou relutância em comer, como esquizofrenia, depressão, distúrbios que interferem na absorção dos alimentos (má absorção), abuso de anfetaminas e câncer.

É provável que a pessoa tenha anorexia nervosa se ela atender aos seguintes critérios:

  • Restrição da alimentação que resulta em baixo peso corporal, normalmente com um IMC inferior a 17 (ou, no caso de crianças, um IMC inferior ao quinto percentil para aquela idade ou inferior ao esperado com base no crescimento anterior; consulte as Tabelas de crescimento dos CDC)

  • Medo de obesidade

  • Ter uma imagem corporal distorcida e/ou negar que tem um transtorno grave

A anorexia nervosa pode ser diagnosticada em crianças e adolescentes que não perderam peso, mas não cresceram como esperado, porque limitaram sua ingestão de alimentos.

O médico também faz uma avaliação física e exames de sangue e de urina para detectar efeitos da perda de peso e da subnutrição. É possível que seja realizado um exame de densitometria óssea para verificar se houve perda de densidade óssea. É possível que um eletrocardiograma (ECG) seja realizado para detectar arritmias cardíacas.

Você sabia que…

  • Sem tratamento, aproximadamente 10% das pessoas com anorexia nervosa grave morrem.

Prognóstico

Sem tratamento, aproximadamente 10% das pessoas com anorexia grave morrem. Quando os sintomas são leves e passam despercebidos, a pessoa raramente morre.

O tratamento da anorexia nervosa pode ter os seguintes resultados:

  • Aproximadamente metade das pessoas recupera a maior parte ou todo o peso perdido e os problemas hormonais e outros problemas físicos resultantes do transtorno desaparecem.

  • Aproximadamente 25% das pessoas apresentam alguma melhora e recuperam um pouco de peso, mas é possível que elas voltem periodicamente a praticar seus hábitos alimentares antigos (recaída).

  • Os outros 25% das pessoas têm recaídas frequentes e continuam a apresentar problemas físicos e mentais devido ao transtorno.

Crianças e adolescentes tratados devido à anorexia nervosa apresentam melhores resultados do que adultos.

Tratamento

  • Medidas para garantir que a pessoa consuma uma quantidade suficiente de calorias e nutrientes

  • Psicoterapia

  • Para adolescentes, terapia familiar

  • Avaliações regulares

Normalizar rapidamente o peso corporal é essencial quando algum dos eventos a seguir tenha ocorrido:

  • a perda de peso foi rápida ou significativa;

  • o peso caiu abaixo de aproximadamente 75% do peso corporal recomendado.

É possível que a pessoa com anorexia nervosa precise ser internada no hospital para garantir que ela consumirá uma quantidade suficiente de calorias e nutrientes. Comer alimentos sólidos é o melhor tratamento, mas às vezes, também são administrados suplementos líquidos. Em casos raros, a pessoa com desnutrição grave ou que resiste alimentar-se precisa ser alimentada por meio de uma sonda que é inserida pelo nariz, atravessa a garganta e chega ao estômago (sonda nasogástrica).

O médico também trata eventuais problemas causados pela anorexia nervosa. Por exemplo, se houve perda de densidade óssea, a pessoa recebe suplementos de cálcio e vitamina D.

Durante a hospitalização, providencia-se acompanhamento psiquiátrico e nutricional. A internação hospitalar também ajuda a pessoa a se afastar das suas circunstâncias normais e a interromper seus hábitos e comportamentos alimentares disfuncionais. Consequentemente, ela pode ter uma recaída que faz com que ela venha a piorar. No entanto, a maioria das pessoas não é internada.

Com frequência, é utilizada a psicoterapia que dá ênfase a estabelecer hábitos alimentares normais e alcançar um peso normal. Essa terapia inclui psicoterapia individual e familiar, como terapia cognitivo-comportamental. Normalmente, a terapia continua por mais um ano completo depois de a pessoa ter recuperado o peso perdido. Ela pode durar até dois anos.

A terapia familiar é útil para adolescentes. Essa terapia pode melhorar as interações entre os membros da família, e ensinar os pais a ajudar o adolescente afetado a recuperar o peso perdido.

A psicoterapia é mais eficaz em adolescentes que vêm sofrendo do transtorno por menos de seis meses.

A psicoterapia é especialmente importante, porque muitas pessoas com anorexia nervosa sentem um pouco de relutância em serem tratadas ou recuperar o peso.

O tratamento também inclui consultas médicas em intervalos regulares para avaliação geral. O tratamento costuma envolver uma equipe de profissionais de saúde, incluindo um nutricionista, que pode oferecer refeições específicas planejadas ou informações sobre as calorias necessárias para que o peso volte ao nível normal.

Não há nenhum medicamento específico para tratar a anorexia nervosa. Porém, medicamentos antipsicóticos mais recentes, como a olanzapina, podem ajudar a pessoa a ganhar peso e melhorar a ansiedade.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS