Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Encefalite

Por

John E. Greenlee

, MD, University of Utah School of Medicine

Última revisão/alteração completa mar 2019| Última modificação do conteúdo mar 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

A encefalite é a inflamação do cérebro que ocorre quando um vírus infecta diretamente o cérebro ou quando um vírus, uma vacina ou outra coisa ativa a inflamação. A medula espinhal também pode ser envolvida, resultando num quadro chamado encefalomielite.

  • As pessoas podem ter febre, cefaleia ou convulsões e podem ficar sonolentas, sentir-se dormentes ou confusas.

  • Geralmente, é realizada a imagem por ressonância magnética da cabeça e a punção lombar.

  • O tratamento envolve aliviar os sintomas e, às vezes, o uso de medicamentos antivirais.

A encefalite é mais comumente causada por vírus, tais como herpes simples, herpes zoster, citomegalovírus ou vírus do Nilo Ocidental. Pode ocorrer das seguintes maneiras:

  • um vírus infecta diretamente o cérebro.

  • um vírus que causou uma infecção anteriormente é reativado e danifica diretamente o cérebro.

  • um vírus ou uma vacina dispara uma reação que faz o sistema imunológico atacar o tecido do cérebro (reação autoimune).

Às vezes, as bactérias causam encefalite, geralmente como parte de uma meningite bacteriana (chamada meningoencefalite).

Protozoários, como amebas, que causam a toxoplasmose (em pessoas com AIDS), e aqueles que causam malária, também podem infectar o cérebro e causar encefalite.

Às vezes, uma infecção no cérebro, uma vacina, câncer ou outro distúrbio desencadeia uma reação imune enganosa, fazendo o sistema imunológico atacar células normais no cérebro (uma reação autoimune). Em consequência, o cérebro fica inflamado. Se desencadeado por uma infecção, o distúrbio é chamado encefalite pós-infecciosa. Por vezes, desenvolvem-se infecções cerebrais devido a uma reação autoimune em pessoas que têm câncer — um distúrbio chamado encefalite paraneoplásica.

Tipos de encefalite

As infecções que podem levar diretamente à encefalite podem ocorrer em epidemias ou ocasionalmente, como casos isolados (esporadicamente).

Encefalite epidêmica.

Nos Estados Unidos, os tipos mais comuns de encefalite epidêmica são causados por um dos seguintes:

Os quais são transmitidos às pessoas por meio de picadas de artrópodes, principalmente mosquito, pulga ou carrapatos. (Arbovírus é a abreviação de “vírus transmitidos por artrópodes”, do inglês arthropod-borne.) Os vírus são transmitidos por artrópodes, quando estes mordem animais ou pessoas infectadas. Muitas espécies de animais domésticos e aves têm esses vírus.

As epidemias apresentam-se periodicamente apenas nos humanos - quando aumenta a população de mosquitos ou animais infectados. A epidemia tende a ocorrer quando os artrópodes mordem - mosquitos e carrapatos, geralmente durante tempo quente. A infecção propaga-se dos artrópodes para as pessoas e não de pessoa para pessoa.

Numerosos arbovírus podem causar encefalite. No geral, os diferentes tipos de encefalite são denominados de acordo com o local onde foi descoberto o vírus ou a espécie do animal que o transmite de forma característica.

Nos Estados Unidos, os mosquitos propagam vários tipos de encefalite, incluindo:

  • A encefalite La Crosse é causada pelo vírus La Crosse (também chamado de vírus Califórnia). É mais comum no meio-oeste, mas pode ocorrer em qualquer parte do país. Esta encefalite é responsável pela maioria dos casos em crianças. Muitas são moderadas e não diagnosticadas. Menos de 1% das pessoas infectadas com ela morre.

  • A encefalite equina oriental ocorre predominantemente no leste dos Estados Unidos. Alguns casos ocorreram na região dos Grandes Lagos. A encefalite equina oriental afeta, principalmente, crianças pequenas e pessoas com mais de 55 anos. Em crianças com menos de um ano, é possível causar sintomas graves e danos permanentes ao cérebro e aos nervos. Mais da metade das pessoas infectadas morre.

  • A encefalite do Nilo Ocidental, antes presente apenas na Europa e na África, apareceu pela primeira vez na área metropolitana de Nova York em 1999. Espalhou-se pelos Estados Unidos. Diversas espécies de pássaros podem ser infectadas com o vírus quando são picadas por um mosquito infectado. Esta encefalite afeta principalmente os mais velhos. Esse vírus causa uma leve infecção chamada febre do Nilo Ocidental, que é muito mais comum. A encefalite do Nilo Ocidental se desenvolve em menos de 1% das pessoas que desenvolve a febre do Nilo Ocidental. Cerca de 9% das pessoas com encefalite do Nilo Ocidental morrem. No entanto, aquelas que apresentam apenas febre do Nilo Ocidental geralmente se recuperam totalmente.

  • A encefalite de St. Louis ocorre principalmente em áreas dos estados centrais e do sudeste dos Estados Unidos, mas também em estados ocidentais. A infecção é mais comum no verão e tem mais probabilidade de afetar o cérebro de pessoas idosas. A epidemia ocorreu uma vez a cada 10 anos, mas agora é rara.

  • A encefalite equina ocidental pode ocorrer nos Estados Unidos, mas, por razões desconhecidas, desapareceu desde 1988. Ela pode afetar todas as faixas etárias, mas é mais grave e tem mais probabilidade de afetar o cérebro de crianças com menos de 1 ano.

Há alguns tipos de encefalite disseminados por carrapatos. Eles incluem

  • A encefalite transmitida por carrapato ocorre no norte da Ásia, na Rússia e na Europa. Esta infecção costuma causar uma doença parecida com uma gripe leve que sara em alguns dias, mas algumas pessoas desenvolvem sintomas mais graves. Como muitos casos ocorrem na Europa e na Rússia, lá existe uma vacina disponível.

  • A infecção pelo vírus Powassan ocorre principalmente no Canadá e na região dos Grandes Lagos e no nordeste dos Estados Unidos. O vírus Powassan também tem sido associado a casos de encefalite na Rússia. O vírus é semelhante ao que causa encefalite transmitida por carrapato na Europa. A infecção pelo vírus Powassan geralmente causa sintomas leves ou nenhum sintoma. No entanto, a infecção também pode causar encefalite grave com dor de cabeça, vômito, convulsões, perda de coordenação, problemas da fala ou coma. Até 15% das pessoas com encefalite grave morrem. O vírus Powassan é disseminado pelo carrapato de veado, que também transmite a doença de Lyme. Na doença de Lyme, o carrapato precisa permanecer preso ao corpo durante 24 a 48 horas para disseminar a doença. Por outro lado, a infecção pelo vírus Powassan pode ser transmitida se um carrapato infectado permanecer preso ao corpo por apenas 15 minutos. A vacina que é eficaz contra a encefalite transmitida por carrapato na Europa e na Rússia não é eficaz contra o vírus Powassan.

  • A febre do carrapato do Colorado ocorre em regiões do oeste dos Estados Unidos e no Canadá situadas entre 1.200 e 3.000 metros acima do nível do mar. A febre do carrapato do Colorado causa uma doença semelhante à gripe. Ocasionalmente, pessoas com febre do carrapato do Colorado desenvolvem meningite ou encefalite. Raramente ela é transmitida por transfusão de sangue.

Antigamente, a presença de diversos vírus causadores de encefalite restringia-se a poucas regiões do mundo, porém, hoje em dia, estão se espalhando, muito provavelmente porque o número de viagens aumentou. Esses vírus incluem

  • Vírus Chikungunya

  • Vírus da encefalite japonesa

  • Encefalite equina venezuelana

Todos são transmitidos por mosquitos.

O vírus Chikungunya foi identificado pela primeira vez na África, mas espalhou-se para o sudeste da Ásia, para a Índia, China, para algumas partes da Europa, o Caribe e as Américas Central, do Sul e do Norte. A maioria das pessoas com doença de Chikungunya se sente melhor dentro de uma semana. No entanto, a doença de Chikungunya pode resultar em encefalite grave e até mesmo morte, sobretudo em bebês e em pessoas acima de 65 anos de idade.

O vírus da encefalite japonesa é uma causa comum de encefalite na Ásia e no Pacífico ocidental. Nos Estados Unidos, a encefalite japonesa ocorre apenas em viajantes que contraíram o vírus em áreas do mundo onde o vírus é comum.

A encefalite equina venezuelana ocorre principalmente em áreas das Américas do Sul e Central. O vírus da encefalite equina venezuelana causou uma epidemia de encefalite no Texas em 1971, mas hoje em dia, ele raramente causa encefalite nos Estados Unidos. Ele ocorre principalmente em viajantes que retornam de áreas onde o vírus é comum.

O vírus Zika foi identificado pela primeira vez na floresta de Zika, em Uganda; depois espalhou-se para as Ilhas do Sul do Pacífico e, mais tarde, para a América do Sul, América Central, Caribe, México e estado da Flórida. A infecção por Zika pode causar febre, dores nas articulações e nos músculos, dores de cabeça e uma erupção avermelhada e saliente. Contrair uma infecção por vírus Zika durante a gravidez pode causar microcefalia e lesão cerebral grave no bebê.

Encefalite esporádica

Nos Estados Unidos, a causa mais comum de encefalite viral esporádica é o vírus do herpes simples tipo 1, o mesmo vírus que causa herpes labial. Esta encefalite ocorre em qualquer época do ano e é fatal, se não for tratada.

A raiva é uma causa significativa de encefalite nos países em desenvolvimento e ainda causa alguns casos de encefalite nos Estados Unidos.

O vírus da imunodeficiência humana (HIV) provoca uma infecção de desenvolvimento lento, decorrente da encefalopatia relacionada ao HIV (também chamada de demência da AIDS ou relacionada ao HIV).

Reativação de uma infecção anterior

A encefalite pode ser resultante da reativação de um vírus, incluindo

  • Vírus do herpes simples tipo 1

  • Vírus varicela-zóster (que causa catapora)

  • Vírus JC (que causa uma doença geralmente fatal chamada leucoencefalopatia multifocal progressiva – comum entre pessoas portadoras de AIDS ou outros quadros clínicos que enfraquecem o sistema imunológico)

  • Vírus que causa o sarampo (que, se for reativado, leva a uma doença geralmente fatal chamada panencefalite esclerosante subaguda anos depois de ter o sarampo).

A reativação pode ocorrer bastante tempo depois de a pessoa ser infectada. A infecção reativada pode danificar gravemente o cérebro.

Encefalite autoimune

Depois que as pessoas contraem certas infecções virais ou tomam certas vacinas, às vezes, o sistema imunológico do corpo ataca as camadas de tecido que envolvem as fibras nervosas (chamadas de bainha da mielina) no cérebro e na medula espinhal. O ataque ocorre porque as proteínas na mielina se parecem àquelas no vírus. Como resultado, a transmissão nervosa se torna bem lenta. A doença resultante, chamada encefalomielite disseminada aguda, lembra a esclerose múltipla, exceto pelo fato de que os sintomas não vêm e vão. Os vírus envolvidos com mais frequência incluem os enterovírus, o vírus de Epstein-Barr, o vírus da hepatite A ou hepatite B, o vírus da imunodeficiência humana (HIV) e os vírus da gripe. Antes que a imunização de crianças se tornasse amplamente disseminada, os vírus causadores de sarampo, rubéola, catapora e caxumba costumavam ser causas comuns de encefalomielite disseminada aguda.

Uma encefalite autoimune também pode se desenvolver se o sistema imunológico produzir anticorpos que atacam as proteínas na superfície das células nervosas chamadas receptores N-metil-d-aspartato (NMDA). A encefalite resultante é chamada encefalite por anticorpos anti-receptor do NMDA. Algumas evidências sugerem que a encefalite por anticorpos anti-receptor do NMDA é um tipo mais comum de encefalite do que se pensava anteriormente. Ela se desenvolve ocasionalmente depois da encefalite decorrente do vírus herpes simples, mesmo depois que aquela encefalite tiver sido tratada com sucesso.

Sintomas

Antes do início dos sintomas de encefalite, as pessoas podem ter sintomas digestivos, como náusea, vômito, diarreia ou dores abdominais. Ou podem sentir como se estivessem pegando um resfriado ou gripe e têm tosse, febre, dor de garganta, nariz escorrendo, linfonodos inchados e dores musculares.

Os sintomas da encefalite incluem:

  • Febre

  • Cefaleia

  • Mudanças de personalidade ou confusão

  • Convulsões

  • Paralisia ou falta de sensação

  • Sonolência, que pode progredir ao coma ou à morte

As pessoas podem vomitar e ter um pescoço rígido, mas esses sintomas tendem a ser menos comum e menos grave que quando causados pela meningite.

A encefalite pelo vírus herpes simples causa cefaleia, febre e sintomas semelhantes aos da gripe no começo. As pessoas também têm convulsões, às vezes acompanhadas por odores estranhos (como de ovos podres), flashbacks vívidos ou emoções intensas e repentinas. Conforme a encefalopatia se desenvolve, as pessoas ficam confusas, têm dificuldade para falar e lembrar de algo, têm várias convulsões, até entrar em coma.

A encefalopatia associada ao HIV pode causar mudanças graduais de personalidade, problemas de coordenação e demência.

Se a medula espinhal for afetada, partes do corpo podem ficar dormentes e fracas. As partes afetadas dependem das partes afetadas na medula espinhal (consulte a figura Onde está a medula espinhal lesionada?). Se a infecção for grave, as pessoas podem perder a sensação, ficar paralisadas e perder o controle da bexiga e do intestino.

A recuperação da encefalite viral pode demorar um longo tempo. Algumas pessoas não se recuperam por completo. A probabilidade de morrer depende da causa e da rapidez com que a infecção for tratada.

Você sabia que...

  • Muito depois de um caso de sarampo ou varicela, o vírus pode ser reativado e causar a inflamação no cérebro.

Diagnóstico

  • Imagem por ressonância magnética

  • Punção lombar

Os médicos suspeitam da existência de uma encefalite em função dos sintomas, sobretudo no decurso de uma epidemia. Geralmente, é realizado um exame de imagem por ressonância magnética (RM) e punção lombar.

A RM pode detectar anomalias típicas no cérebro, confirmando a encefalite. Se não houver RM disponível, é possível fazer a tomografia computadorizada (TC). Ela pode ajudar os médicos a excluir doenças que podem causar sintomas semelhantes (como acidente vascular cerebral e tumor no cérebro) e verificar os problemas que podem tornar uma punção lombar perigosa.

É realizada uma punção lombar para obter uma amostra do líquido cefalorraquidiano, que passa pelos tecidos (meninges) que cobrem o cérebro e a medula espinhal. Normalmente, o líquido cefalorraquidiano contém muito poucos glóbulos brancos. Mas quando o cérebro e as meninges estão inflamados, aumenta o número de glóbulos brancos no líquido cefalorraquidiano.

Para identificar o vírus que causa a encefalite, os médicos retiram amostras de sangue e líquido cefalorraquidiano e fazem testes com anticorpos para o vírus, quando a pessoa está doente e, posteriormente, quando está se recuperando. Às vezes, são usadas técnicas para aumentar os vírus (cultura) no líquido cefalorraquidiano para que possam ser identificados com mais facilidade. Alguns enterovírus (como os que podem causar doenças do tipo poliomielite) podem ser cultivados, mas a maioria dos outros vírus não pode.

É utilizada a técnica de reação em cadeia de polimerase (PCR) para identificar muitos dos vírus que podem causar a encefalite. A PCR, que produz muitas cópias de um gene, é usada para detectar o material genético desses vírus em uma amostra do líquido cefalorraquidiano. A identificação imediata do vírus do herpes simples por PCR é difícil; portanto, se houver suspeita de que o herpes simples possa ser a causa, o tratamento geralmente começa imediatamente. O tratamento imediato é fundamental, pois a encefalite que ele causa é destrutiva e, se não for tratada, geralmente é fatal. O tratamento imediato pode ajudar a reduzir a gravidade dos sintomas e evitar a morte.

Raramente, uma amostra do tecido do cérebro é removida e examinada no microscópio (biópsia) para determinar se o vírus herpes simples ou outro organismo é a causa.

Às vezes, mesmo depois de um longo teste, nenhum vírus, bactéria ou outra causa de infecção é identificada. Nesses casos, a causa pode ser encefalite paraneoplásica ou autoimune, pois os testes nem sempre conseguem confirmar esses distúrbios.

Tratamento

  • Dependendo das possíveis causas, um medicamento antiviral, um antibiótico, corticosteroides e/ou outros fármacos

  • Medidas para aliviar os sintomas e, se necessário, fornecer suporte de vida

Se o vírus herpes simples e varicela-zóster não puderem ser excluídos, é administrado o aciclovir antiviral. O aciclovir é eficaz contra os vírus herpes simples e herpes zóster. A encefalite por citomegalovírus pode ser tratada com o medicamento antiviral ganciclovir. Uma alternativa é o foscarnete, que pode ser usado isoladamente ou com ganciclovir. Às vezes, também são administrados vários antibióticos, se a causa for bactéria.

Para encefalopatia associada a HIV, é usada uma combinação de medicamentos para tratar a infecção por HIV (medicamentos antirretrovirais) que ajuda o sistema imunológico a funcionar melhor e retardar a progressão da infecção e suas complicações, incluindo demência.

Encefalite autoimune é geralmente tratada com os seguintes:

  • Corticosteroides (prednisona ou metilprednisolona)

  • Plasmaférese, que remove os anticorpos anormais do sangue, ou imunoglobulina (anticorpos obtidos do sangue de pessoas com um sistema imunológico normal), que é dada por via intravenosa.

Para outros vírus e a maioria das outras causas, não há nenhum tratamento específico disponível. O tratamento costuma basear-se no alívio dos sintomas (como convulsões e febre) e, quando é necessário, nos cuidados de suporte de vida (por exemplo, com um tubo de respiração) até a remissão da infecção - aproximadamente no espaço de 1 ou 2 semanas.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Considerações gerais sobre o sistema nervoso
Vídeo
Considerações gerais sobre o sistema nervoso
Modelos 3D
Visualizar tudo
Angioplastia com implantação de stent
Modelo 3D
Angioplastia com implantação de stent

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS