Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Hiperêmese gravídica

Por

Antonette T. Dulay

, MD, Main Line Health System

Última revisão/alteração completa ago 2019| Última modificação do conteúdo ago 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais

A hiperêmese gravídica é uma náusea extremamente forte e vômitos excessivos durante a gestação.

  • A mulher com hiperêmese gravídica, diferentemente daquelas com enjoo matinal normal, perde peso e fica desidratada.

  • O médico diagnostica a hiperêmese gravídica com base nos sintomas e em exames para verificar a presença de desidratação e outras possíveis causas dos vômitos.

  • O tratamento inclui, inicialmente, jejum e depois líquidos contendo eletrólitos e vitaminas administrados pela veia e medicamentos para aliviar a náusea.

Complicações da gravidez, como a hiperêmese gravídica, são problemas que ocorrem apenas durante a gestação. Elas podem afetar a mulher, o feto ou ambos e surgir várias vezes durante a gestação. No entanto, a maioria das complicações da gravidez pode ser tratada.

A gravidez frequentemente causa náuseas e vômitos. Isso normalmente ocorre pela manhã (por isso é chamada de enjoo matinal), embora possa ocorrer em qualquer horário do dia.

A hiperêmese gravídica difere de um enjoo matinal comum. Caso a mulher vomite com frequência e apresente náuseas a ponto de gerar perda de peso e causar desidratação, isso significa que ela está com hiperêmese gravídica. Se a mulher vomitar ocasionalmente, mas ganhar peso e não apresentar desidratação, isso significa que ela não está com hiperêmese gravídica.

A causa da hiperêmese gravídica é desconhecida.

Sintomas

É possível que a mulher com hiperêmese gravídica não consuma uma quantidade de alimentos suficiente para fornecer energia ao corpo. Então, o corpo quebra as gorduras, resultando em um acúmulo de resíduos de produtos (cetonas) chamado cetose. A cetose pode causar fadiga, mau hálito, tontura e outros sintomas.

Mulheres com hiperêmese gravídica muitas vezes ficam tão desidratadas que o equilíbrio eletrolítico necessário para manter o funcionamento normal do organismo fica prejudicado.

A hiperêmese gravídica pode fazer com que a tireoide fique leve e temporariamente hiperativa (um quadro clínico denominado hipertireoidismo).

Raramente, a hiperêmese gravídica continua após as 16 a 18 semanas de gestação. Se isso acontecer, ela pode causar danos graves ao fígado, causando icterícia e a degeneração do tecido hepático. Se a hiperêmese gravídica causar danos graves ao fígado ou provocar desidratação grave, é possível que a mulher fique confusa.

Diagnóstico

  • Avaliação de um médico

  • Exames de sangue e urina

O médico pergunta à mulher sobre o vômito:

  • Quando começou

  • Quanto tempo dura

  • Quantas vezes por dia ocorre

  • Algo alivia o vômito ou o torna pior

  • Com que o vômito parece

  • A quantidade de vômito

Se o médico suspeitar da presença de hiperêmese gravídica com base nos sintomas, ele faz exames de sangue e de urina para determinar se há desidratação e para verificar se existem distúrbios eletrolíticos, que podem ser causados pela desidratação.

Uma ultrassonografia é normalmente feita para determinar se a mulher tem uma mola hidatiforme (um distúrbio que inicialmente se assemelha à gravidez) ou mais que um feto (multípara). Ambos os quadros clínicos podem aumentar a chance de ter vômitos. Outros exames podem ser feitos para descartar outras possíveis causas de vômitos.

Tratamento

  • A princípio, jejum

  • Líquidos administrados por via intravenosa

  • Medicamentos para aliviar a náusea

Se a hiperêmese gravídica for confirmada, a princípio, não é administrado nada por via oral para a mulher. Ao invés disso, ela recebe líquidos por via intravenosa. Os líquidos normalmente contêm açúcar (glicose), e incluem eletrólitos e vitaminas, conforme a necessidade. Se os vômitos forem graves e persistirem, a mulher será internada no hospital e continua a receber líquidos contendo todo tipo de suplementos necessários. Ela também recebe medicamentos para aliviar a náusea (antieméticos) por via oral, injeção ou supositório.

Após a mulher ser reidratada e os vômitos tiverem diminuído, ela recebe líquidos para beber. Se ela puder tolerar os líquidos, ela pode começar a comer frequentemente pequenas porções de alimentos leves. O tamanho das porções é aumentado à medida que ela puder suportar mais alimentos.

Se os sintomas forem recorrentes, o tratamento é repetido.

Raramente, caso a perda ponderal continue e os sintomas persistam apesar do tratamento, é possível que sejam utilizados corticosteroides (como metilprednisolona) por um curto prazo. Contudo, eles são raramente utilizados durante o primeiro trimestre porque podem causar defeitos congênitos.

Em casos muito graves, é possível que a alimentação da mulher venha a ser feita por via intravenosa ou por meio de uma sonda que é inserida pelo nariz, passa pela garganta e chega ao intestino delgado pelo tempo necessário; porém, esse tipo de tratamento é evitado tanto quanto possível.

Se o vômito continuar apesar do tratamento e provocar perda ponderal contínua, icterícia e arritmias cardíacas na mãe, a mãe pode correr risco de morte. Nesses casos, interromper a gravidez talvez seja uma opção. A mulher pode discutir essa opção com o médico.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Visão geral do sistema reprodutor feminino
Vídeo
Visão geral do sistema reprodutor feminino
Modelos 3D
Visualizar tudo
Síndrome do Ovário Policístico
Modelo 3D
Síndrome do Ovário Policístico

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS