Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

honeypot link
Doença

Depressão

Por

William Coryell

, MD, University of Iowa Carver College of Medicine

Avaliado clinicamente ago 2021
VISUALIZAR A VERSÃO PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE
Fatos rápidos
Recursos do assunto

A depressão é um sentimento de tristeza e/ou diminuição do interesse ou prazer em realizar atividades que se torna um transtorno quando for suficientemente intenso a ponto de afetar o desempenho de funções. É possível que ele surja depois de uma perda recente ou de outro acontecimento triste, mas é desproporcional em relação ao acontecimento e se prolonga por mais tempo do que seria normal.

  • Fatores hereditários, efeitos colaterais de medicamentos, eventos emocionalmente angustiantes, alterações dos níveis de hormônios ou outras substâncias no corpo e outros fatores podem contribuir para a depressão.

  • A depressão pode fazer com que a pessoa fique triste e sem energia e/ou que perca todo o interesse e prazer em atividades de que costumava gostar.

  • Os médicos baseiam o diagnóstico nos sintomas.

  • Antidepressivos, psicoterapia e, às vezes, eletroconvulsoterapia podem ajudar.

O termo depressão costuma ser usado para descrever o humor triste ou desencorajado que resulta de eventos emocionalmente estressantes, como um desastre natural, uma doença séria ou a morte de um ente querido. É possível também que a pessoa diga que se sente deprimida em determinados momentos, como nas festas de fim de ano (tristeza de fim de ano) ou no aniversário da morte de um ente querido. No entanto, esses sentimentos normalmente não representam um transtorno. Normalmente, esses sentimentos são temporários e duram dias, não semanas ou meses, e ocorrem em ondas que tendem a estar relacionadas a pensamentos ou lembranças do evento perturbador. Além disso, esses sentimentos não interferem substancialmente com a funcionalidade durante qualquer período de tempo.

Depois da ansiedade Considerações gerais sobre transtornos de ansiedade A ansiedade é uma sensação de nervosismo, preocupação ou desconforto, sendo uma experiência humana normal. Ela também está presente em uma ampla gama de transtornos psiquiátricos, incluindo... leia mais , a depressão é o transtorno de saúde mental que ocorre com mais frequência. Aproximadamente 30% das pessoas que consultam um clínico geral têm sintomas de depressão, porém, menos de 10% dessas pessoas apresentam depressão grave.

A depressão normalmente surge em meados da adolescência ou ao redor dos 20 ou 30 anos; no entanto, a depressão pode começar praticamente em qualquer idade, incluindo durante a infância.

Um episódio de depressão não tratado costuma durar cerca de seis meses, mas, às vezes, prolonga-se por dois anos ou mais. Os episódios tendem a se repetir diversas vezes ao longo da vida.

Destaque para Idosos: Depressão

A depressão afeta aproximadamente um em cada seis idosos. Alguns idosos já tiveram depressão. Outras a desenvolveram pela primeira vez depois de idosas.

Causas da depressão em idosos

Algumas causas de depressão podem ser mais comuns em idosos. Por exemplo, os idosos possivelmente têm mais propensão a vivenciarem eventos emocionalmente angustiantes que envolvem uma perda, como a morte da pessoa amada ou a perda de uma vizinhança familiar, como na mudança para outro local. Outras fontes de estresse, como a redução da renda, piora de uma doença crônica, perda gradativa da independência ou isolamento social, também podem contribuir para a doença.

Doenças que podem levar à depressão são comuns em idosos. Essas doenças incluem câncer Sintomas de câncer No início, o câncer, como uma massa diminuta de células, não provoca nenhum sintoma (consulte também Considerações gerais sobre o câncer). À medida que o câncer cresce, sua presença física pode... leia mais , ataque cardíaco Síndromes coronarianas agudas (ataque cardíaco; infarto do miocárdio; angina instável) Síndromes coronarianas agudas são o resultado de um bloqueio repentino em uma artéria coronariana. Esse bloqueio provoca angina instável ou um ataque cardíaco (infarto do miocárdio) dependendo... leia mais Síndromes coronarianas agudas (ataque cardíaco; infarto do miocárdio; angina instável) , insuficiência cardíaca Insuficiência cardíaca (IC) Insuficiência cardíaca é um distúrbio em que o coração não consegue suprir as necessidades do corpo, causando redução do fluxo sanguíneo, refluxo (congestão) de sangue nas veias e nos pulmões... leia mais Insuficiência cardíaca (IC) , doenças da tireoide Considerações gerais sobre a tireoide A tireoide é uma pequena glândula que mede cerca de 5 centímetros de diâmetro, localizada no pescoço, sob a pele, por baixo do pomo-de-adão. As duas metades (lobos) da tireoide estão ligadas... leia mais , acidente vascular cerebral Acidente vascular cerebral isquêmico Um acidente vascular cerebral isquêmico consiste na morte do tecido do cérebro (infarto cerebral), decorrente de um fornecimento inadequado de sangue e oxigênio a ele em razão de uma obstrução... leia mais Acidente vascular cerebral isquêmico , demência Demência A demência é uma diminuição, lenta e progressiva, da função mental, que afeta a memória, o pensamento, o juízo e a capacidade para aprender. Normalmente, os sintomas incluem perda de memória... leia mais e doença de Parkinson Doença de Parkinson (DP) A doença de Parkinson é uma doença degenerativa e lentamente progressiva de áreas específicas do cérebro. É caracterizada pelo tremor quando os músculos estão em repouso (tremor de repouso)... leia mais .

Depressão versus demência

A depressão em idosos pode causar sintomas que se assemelham aos da demência: pensamento mais lento, diminuição da concentração, confusão e problemas de memória em vez de a tristeza que as pessoas costumam associar com a depressão. No entanto, o médico consegue diferenciar entre depressão de demência, porque quando a depressão é tratada, a pessoa com depressão recupera sua função mental. Isso não ocorre em pessoas com demência. Além disso, a pessoa com depressão pode se queixar amargamente sobre a sua perda de memória, mas raramente esquece importantes acontecimentos atuais ou assuntos pessoais. Pelo contrário, as pessoas com demência geralmente negam perda de memória.

Diagnóstico da depressão em idosos

A depressão é muitas vezes difícil de ser diagnosticada em idosos devido a vários fatores:

  • É possível que os sintomas sejam menos perceptíveis, porque o idoso possivelmente não trabalha ou tem uma quantidade menor de interações sociais.

  • Algumas pessoas acreditam que a depressão é uma fraqueza e relutam em contar a outras pessoas que elas estão sentindo tristeza ou outros sintomas.

  • A ausência de emoção pode ser interpretada como indiferença em vez de depressão.

  • É possível que a família e amigos considerem os sintomas de uma pessoa deprimida simplesmente como algo esperado conforme a pessoa envelhece.

  • Os sintomas podem ser atribuídos a outro transtorno, como a demência.

Como pode ser difícil identificar a depressão, muitos médicos rotineiramente fazem perguntas aos idosos sobre seu humor. As pessoas da família devem ficar atentas a mudanças de personalidade sutis, especialmente perda de entusiasmo e espontaneidade, perda do senso de humor e esquecimento de fatos recentes.

Tratamento da depressão em idosos

Inibidores seletivos de recaptação da serotonina (ISRSs) são os antidepressivos mais frequentemente usados em idosos que estão deprimidos, porque os ISRSs são menos propensos a causarem efeitos colaterais. Citalopram e escitalopram são especialmente úteis.

Causas de depressão

A causa exata da depressão não está clara, mas uma série de fatores podem tornar a depressão mais provável. Os fatores de risco incluem

  • Uma tendência familiar (hereditariedade)

  • Eventos emocionalmente angustiantes, especialmente os que envolvem uma perda

  • Ser do sexo feminino, possivelmente envolvendo alterações dos níveis hormonais

  • Certas doenças físicas

  • Efeitos colaterais de certos medicamentos

A depressão não significa uma fraqueza de caráter e pode não refletir um transtorno de personalidade, um trauma de infância ou falta de atenção dos pais. A classe social, a origem étnica e fatores culturais aparentemente não exercem influência sobre a possibilidade de uma pessoa ter depressão ao longo da vida.

Fatores genéticos contribuem para a depressão em aproximadamente metade das pessoas que a têm. Por exemplo, a depressão é mais comum em parentes de primeiro grau (especialmente em um gêmeo idêntico) de pessoas com depressão. Os fatores genéticos podem afetar o funcionamento de substâncias que ajudam as células nervosas a se comunicarem (neurotransmissores). Serotonina, dopamina e noradrenalina são neurotransmissores que podem estar envolvidos na depressão.

As mulheres são mais propensas a apresentarem depressão que os homens, embora as explicações para esse fato não sejam claras. Entre os fatores físicos, os hormônios são os mais associados à depressão. Alterações nos níveis hormonais podem causar alterações no humor um pouco antes da menstruação (como parte da síndrome pré-menstrual Tensão pré-menstrual (TPM) A tensão pré-menstrual (TPM) é um conjunto de sintomas físicos e psicológicos que surgem vários dias antes e geralmente acabam algumas horas após o início da menstruação. O transtorno disfórico... leia mais ), durante a gravidez e depois do parto. Algumas mulheres ficam deprimidas durante a gravidez ou durante as quatro primeiras semanas após o parto (melancolia pós-parto ou, se a depressão for mais séria, depressão pós-parto Depressão pós-parto A depressão pós-parto é uma sensação de extrema tristeza e perda do interesse em atividades comuns durante as primeiras semanas ou meses depois do parto. A mulher que já teve depressão está... leia mais ). A função anormal da tireoide, que ocorre com bastante frequência em mulheres, pode ser outro fator.

A depressão pode se manifestar em conjunto com um determinado número de doenças físicas e fatores ou ser causada por eles. Doenças físicas podem ser a causa direta de uma depressão (como quando uma doença da tireoide Considerações gerais sobre a tireoide A tireoide é uma pequena glândula que mede cerca de 5 centímetros de diâmetro, localizada no pescoço, sob a pele, por baixo do pomo-de-adão. As duas metades (lobos) da tireoide estão ligadas... leia mais afeta os níveis hormonais), ou sua causa indireta (como quando a artrite reumatoide Artrite reumatoide (AR) A artrite reumatoide é uma artrite inflamatória em que as articulações, geralmente incluindo as das mãos e pés, ficam inflamadas, resultando em inchaço, dor e, geralmente, destruição das articulações... leia mais Artrite reumatoide (AR) provoca dor e incapacidade). A depressão resultante de uma doença física tem, frequentemente, causas diretas e indiretas. Por exemplo, a AIDS Síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS) A infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV) é uma infecção viral que destrói progressivamente certos glóbulos brancos do sangue e pode provocar a síndrome da imunodeficiência adquirida... leia mais Síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS) pode causar uma depressão direta, se o vírus da imunodeficiência humana (HIV), que causa a AIDS, lesionar o cérebro. A AIDS pode causar uma depressão indireta devido a um efeito geral negativo na vida da pessoa.

Muitas pessoas afirmam que se sentem mais tristes no final do outono e no inverno e atribuem essa tendência à diminuição das horas de luz natural e às temperaturas mais baixas. No entanto, em algumas pessoas, essa tristeza é grave o bastante para ser considerada um tipo de depressão (chamada de transtorno afetivo sazonal).

O uso de alguns medicamentos com receita médica, como alguns betabloqueadores (usados para tratar hipertensão arterial), pode causar depressão. Por razões desconhecidas, os corticosteroides provocam depressão com frequência quando o corpo os produz em grandes quantidades no contexto de um transtorno (como na síndrome de Cushing Síndrome de Cushing Na síndrome de Cushing, a concentração dos corticosteroides está excessiva, geralmente devido ao uso de medicamentos corticosteroides ou a uma superprodução pelas glândulas adrenais. A síndrome... leia mais Síndrome de Cushing ), mas quando administrados como um medicamento, eles tendem a causar hipomania Hipomania No transtorno bipolar (chamado anteriormente de doença maníaco-depressiva), os episódios de depressão se alternam com episódios de mania, ou uma forma menos grave de mania chamada hipomania... leia mais (uma forma menos grave de mania) ou, raramente, mania Mania No transtorno bipolar (chamado anteriormente de doença maníaco-depressiva), os episódios de depressão se alternam com episódios de mania, ou uma forma menos grave de mania chamada hipomania... leia mais . Algumas vezes, interromper a administração do medicamento pode causar depressão temporária.

Eventos emocionalmente angustiantes, como a perda de um ente querido, às vezes podem desencadear depressão, mas geralmente apenas em pessoas que são predispostas à depressão, como as que têm pessoas na família com depressão. Contudo, a depressão pode surgir ou piorar sem nenhum motivo aparente ou significativo.

Tabela

Sintomas da depressão

Os sintomas da depressão em geral se desenvolvem gradativamente ao longo de dias ou semanas e podem variar muito. Por exemplo, uma pessoa que esteja se tornando depressiva pode ter um comportamento apático e triste ou irritável e ansioso.

Muitas pessoas com depressão não conseguem sentir emoções – incluindo luto, alegria e prazer – de forma normal. O mundo parece ter menos cores e menos vida. A pessoa perde o interesse ou o prazer em atividades de que costumava gostar.

É possível que a pessoa deprimida esteja preocupada com intensos sentimentos de culpa e autodestrutivos e talvez não consiga se concentrar. Ela pode ter sentimentos de desespero, solidão e inutilidade. Essas pessoas costumam ser indecisas e retraídas, sentem-se desamparadas sem esperança e pensam em morte e em suicídio Comportamento suicida O suicídio é a morte causada por um ato intencional de autoagressão, que é concebido para ser letal. O comportamento suicida inclui o suicídio consumado, a tentativa de suicídio e a ideação... leia mais .

A maior parte das pessoas deprimidas tem dificuldade para adormecer e despertam repetidas vezes, principalmente de manhã. Algumas pessoas com depressão dormem mais que o habitual.

A falta de apetite e a perda de peso podem causar emaciação e, no caso das mulheres, é possível que a menstruação pare de vir. No entanto, a alimentação excessiva e o aumento de peso são comuns em pessoas com depressão leve.

Algumas pessoas deprimidas negligenciam a higiene pessoal ou mesmo seus filhos, outros entes queridos ou animais de estimação. Algumas pessoas se queixam de ter uma doença física, com vários sofrimentos e dores.

O termo depressão é utilizado para descrever vários transtornos relacionados:

  • Transtorno depressivo maior

  • Transtorno depressivo persistente

  • Transtorno disfórico pré-menstrual

Transtorno depressivo maior

A pessoa com transtorno depressivo grave fica deprimida na maior parte do dia por, no mínimo, duas semanas. Ela pode dar a impressão de estar se sentindo muito infeliz. Os olhos podem ficar cheios de lágrimas, as sobrancelhas podem estar franzidas e os cantos da boca podem estar voltados para baixo. É possível que ela se sinta desanimada e evite contato ocular. É possível que ela praticamente não se mova, mostre pouca expressão facial e converse de forma monotônica.

Você sabia que...

  • A depressão envolve mais coisas do que ficar triste o tempo todo: A pessoa pode se sentir inútil e culpada, perder o interesse nos seus prazeres habituais, ter distúrbios do sono, perder ou ganhar peso.

Transtorno depressivo persistente

Uma pessoa com transtorno depressivo persistente fica deprimida a maior parte do tempo por dois anos ou mais.

Os sintomas começam de modo gradativo, frequentemente durante a adolescência, e podem durar anos ou décadas. A quantidade de sintomas presentes concomitantemente varia e, às vezes, os sintomas são mais leves que os da depressão grave.

A pessoa com esse transtorno pode estar triste, pessimista, descrente, sem senso de humor e incapaz de se divertir. Algumas são passivas, sem energia e introvertidas. Ela reclama constantemente e é rápida em criticar os outros e censurar a si mesma. Ela se preocupa com a inadequação, o fracasso e com acontecimentos negativos, ao ponto de chegar a desfrutar morbidamente dos seus próprios fracassos.

Transtorno disfórico pré-menstrual

Sintomas graves ocorrem antes da maioria dos períodos menstruais e desaparecem quando terminam. Os sintomas causam angústia substancial e/ou interferem bastante no desempenho de funções. Os sintomas são semelhantes aos da síndrome pré-menstrual Tensão pré-menstrual (TPM) A tensão pré-menstrual (TPM) é um conjunto de sintomas físicos e psicológicos que surgem vários dias antes e geralmente acabam algumas horas após o início da menstruação. O transtorno disfórico... leia mais , mas são mais graves, causando grande angústia e interferindo com o desempenho de funções no trabalho e interações sociais.

O transtorno disfórico pré-menstrual pode surgir inicialmente em qualquer momento depois que as meninas começam a menstruar. Ele pode piorar conforme as mulheres se aproximam da menopausa, mas termina após a menopausa. Ele ocorre em cerca de 2% a 6% das mulheres que estão menstruando.

As mulheres com transtorno disfórico pré-menstrual apresentam alterações de humor e ficam tristes e chorosas subitamente. Elas ficam irritáveis e se zangam com facilidade. Elas ficam bastante deprimidas, sem esperança, ansiosas e se sentem no limite. Elas podem se sentir sobrecarregadas ou sem controle. Elas costumam se colocar para baixo.

Assim como com outros tipos de depressão, mulheres com esse transtorno podem perder o interesse em suas atividades normais, ter dificuldade para se concentrar e se sentir cansadas e sem energia. Elas podem comer em excesso ou ter compulsão por certos alimentos. Elas podem dormir pouco ou muito.

Como muitas mulheres cuja menstruação está prestes a começar, essas mulheres podem sentir suas mamas sensíveis e edemaciadas e/ou dores em músculos e articulações. Elas podem se sentir inchadas e ganhar peso.

Transtorno do luto persistente

O luto persistente é quando ocorre uma tristeza persistente após a perda de um ente querido. Ele difere da depressão quanto ao fato de que a tristeza se refere especificamente à perda, em vez de os sentimentos generalizados de tristeza e falência associados à depressão.

O luto persistente é considerado presente quando o luto (demonstrado por uma saudade e/ou preocupação com o falecido persistentes) é de longa duração (no mínimo 12 meses), é sentido o tempo todo e é mais profundo que aquele considerado típico pela cultura da pessoa. Ele também deve ser acompanhado por três ou mais dos quesitos a seguir, durante no mínimo um mês, a ponto de ser angustiante ou incapacitante:

  • Descrença

  • Dor emocional intensa

  • Sensação de confusão de identidade

  • Evitar lembretes da perda

  • Sensação de amortecimento

  • Solidão intensa

  • Sensação de que nada faz sentido

  • Dificuldade em participar da vida em andamento

Especificadores

Os médicos usam certos termos para descrever sintomas específicos que podem ocorrer em pessoas com depressão. Esses termos incluem

  • Angústia ansiosa: A pessoa se sente tensa e, normalmente, inquieta. É possível que ela tenha dificuldade para se concentrar, porque se preocupa ou teme que algo terrível pode acontecer ou que pode perder controle de si própria.

  • Mista: A pessoa também apresenta três ou mais sintomas de mania Mania No transtorno bipolar (chamado anteriormente de doença maníaco-depressiva), os episódios de depressão se alternam com episódios de mania, ou uma forma menos grave de mania chamada hipomania... leia mais . Estes sintomas incluem sentimentos de exuberância e/ou extrema autoconfiança, falar mais que o normal, dormir pouco e pensamentos acelerados. Essas pessoas não têm todos os sintomas exigidos para serem diagnosticadas com transtorno bipolar Transtorno bipolar No transtorno bipolar (chamado anteriormente de doença maníaco-depressiva), os episódios de depressão se alternam com episódios de mania, ou uma forma menos grave de mania chamada hipomania... leia mais , mas elas correm o risco de eventualmente apresentá-lo.

  • Melancólica: A pessoa não sente mais prazer em nenhuma das atividades de que costumava gostar. Ela parece letárgica, triste e desanimada. Ela fala pouco, para de comer e perde peso. Ela pode se sentir excessivamente ou indevidamente culpada. Ela geralmente acorda cedo na manhã e não consegue voltar a dormir.

  • Atípica: É possível que a pessoa se anime temporariamente quando algo bom acontece, como uma visita de seus filhos. Ela tem aumento do apetite, que resulta em ganho de peso. É possível que ela durma por longos períodos. Ela é excessivamente sensível à crítica ou rejeição percebida. Ela pode se sentir oprimida, como se mal conseguisse mover as pernas.

  • Psicótica: A pessoa tem crenças falsas (delírios), geralmente de ter cometido pecados ou crimes imperdoáveis, de sofrer de doenças incuráveis ou constrangedoras ou de estar sendo observada ou perseguida. É possível que a pessoa tenha alucinações, geralmente vozes acusando-a de vários delitos ou condenando-a à morte.

  • Catatônica: A pessoa fica muito isolada. A realização de ações comuns, como pensar e falar, pode se tornar mais lenta, ao ponto de todas as ações voluntárias serem reprimidas. Algumas pessoas imitam a fala (ecolalia) ou os movimentos (ecopraxia) de outras.

  • Sazonal: Episódios de depressão ocorrem todos os anos em um período particular do ano, normalmente com início no outono ou inverno e término na primavera. Esses episódios são mais comuns nas latitudes extremas do norte e do sul, onde o inverno é, em geral, mais longo e rigoroso. A pessoa fica letárgica. Ela perde o interesse nas atividades cotidianas e desiste delas. Ela também pode dormir e a comer em excesso.

Suicídio

Pensamentos de morte são um dos sintomas mais graves de depressão. Muitas pessoas deprimidas querem morrer ou sentem que, por valerem pouco, merecem morrer. Aproximadamente 15% das pessoas deprimidas não tratadas terminam a sua vida se suicidando Comportamento suicida O suicídio é a morte causada por um ato intencional de autoagressão, que é concebido para ser letal. O comportamento suicida inclui o suicídio consumado, a tentativa de suicídio e a ideação... leia mais .

Uma ameaça de suicídio é uma emergência. Quando a pessoa ameaça se matar, é possível que o médico a interne para que ela possa ser supervisionada até o tratamento reduzir o risco de suicídio. O risco é especialmente alto nas seguintes situações:

Uso de substâncias

Outros efeitos da depressão

A depressão pode diminuir a capacidade de o sistema imunológico responder a corpos estranhos ou nocivos, como micro-organismos ou células cancerosas. Assim, a pessoa com depressão pode ser mais propensa a desenvolver infecções.

A depressão aumenta o risco de apresentar distúrbios do coração e dos vasos sanguíneos (como ataques cardíacos) e AVC. O motivo pode ser que a depressão causa algumas alterações físicas que aumentam este risco. Por exemplo, o corpo produz uma quantidade maior de substâncias que causam a coagulação do sangue (fatores de coagulação) e ocorre a diminuição da capacidade do coração de mudar a frequência de seus batimentos em resposta a diferentes situações.

O diagnóstico da depressão

  • Avaliação médica

  • Exames para identificar doenças que podem causar a depressão

Em geral, é possível que o médico diagnostique uma depressão a partir dos sintomas. Os médicos utilizam listas específicas de sintomas (critérios) para diagnosticar os diferentes tipos de transtornos depressivos. Para ajudar a diferenciar entre a depressão e alterações comuns no humor, o médico determina se os sintomas estão causando angústia significativa ou prejudicando a capacidade de a pessoa desempenhar suas atividades. Antecedentes de depressão ou histórico familiar de depressão ajudam a dar respaldo ao diagnóstico.

Em idosos, pode ser difícil detectar a depressão, sobretudo em pessoas que não trabalham ou que têm pouca interação social. Além disso, a depressão pode ser confundida com demência Demência A demência é uma diminuição, lenta e progressiva, da função mental, que afeta a memória, o pensamento, o juízo e a capacidade para aprender. Normalmente, os sintomas incluem perda de memória... leia mais , porque pode causar sintomas semelhantes, como confusão e dificuldade de concentração e de pensar claramente. No entanto, quando esses sintomas são causados por depressão, eles desaparecem quando a depressão é tratada. Quando a demência é a causa, eles não desaparecem.

Questionários padronizados são usados para ajudar a identificar a depressão e determinar a sua gravidade, mas não podem ser usados isoladamente para diagnosticar a depressão. Dois exemplos desses questionários são a Escala de Avaliação da Depressão de Hamilton, em que um entrevistador faz as questões em voz alta, e o Inventário da Depressão de Beck, que consiste em um questionário autoadministrado. Por sua vez, o questionário da Escala de Depressão Geriátrica é aplicado aos idosos. O médico também pergunta à pessoa se ela tem qualquer pensamento ou plano de causar lesões a si mesma. Esses pensamentos indicam que a depressão é grave.

Exames

Não existe nenhum exame que consiga confirmar a depressão. Entretanto, exames laboratoriais podem ajudar o médico a determinar se a depressão é causada por uma doença hormonal ou outro distúrbio físico. Por exemplo, geralmente são feitos exames de sangue para detectar uma doença de tireoide Considerações gerais sobre a tireoide A tireoide é uma pequena glândula que mede cerca de 5 centímetros de diâmetro, localizada no pescoço, sob a pele, por baixo do pomo-de-adão. As duas metades (lobos) da tireoide estão ligadas... leia mais ou deficiência de vitaminas Considerações gerais sobre vitaminas As vitaminas são uma parte vital de uma dieta saudável. Foi determinada a ingestão diária recomendada (IDR) para a maioria das vitaminas, ou seja, a quantidade diária que a maioria das pessoas... leia mais . É possível que sejam feitos exames para detectar o uso de drogas no caso de pessoas mais jovens.

Tratamento da depressão

A maioria das pessoas com depressão não precisa de hospitalização. No entanto, às vezes, a pessoa deve ser hospitalizada, sobretudo se ela já considerou ou tentou cometer suicídio, se estiver demasiado fraca pela perda de peso ou se houver risco de problemas cardíacos devido à agitação grave.

O tratamento depende da gravidade e do tipo de depressão:

  • Depressão leve: Terapia de suporte (incluindo visitas frequentes ao médico e educação) e psicoterapia

  • Depressão moderada a grave: Medicamentos, psicoterapia ou ambos e, às vezes, eletroconvulsoterapia

  • Depressão sazonal: Fototerapia

  • Transtorno do luto persistente: Psicoterapia adaptada para esse transtorno

A depressão em geral pode ser tratada com sucesso. Se a causa (como um medicamento ou outra doença) puder ser identificada, ela é corrigida primeiro, mas também poderão ser necessários medicamentos para tratar a depressão.

Apoio

É possível que o médico agende visitas ou contatos telefônicos semanalmente ou em semanas alternadas para pessoas com depressão. O médico explica à pessoa e à sua família que a depressão tem causas físicas e necessita de tratamento específico, que normalmente é eficaz. O médico a tranquiliza dizendo que a depressão não reflete uma falha de caráter, como fraqueza. É importante que as pessoas da família entendam o transtorno, estejam envolvidas no tratamento e prestem apoio.

Compreender a depressão pode ajudar a pessoa a entender e a lidar com o transtorno. Por exemplo, a pessoa entende que o caminho para a recuperação geralmente é complicado e que episódios de tristeza e pensamentos obscuros podem ocorrer novamente, mas que têm fim. Portanto, a pessoa pode repensar a questão dos retrocessos e é mais propensa a continuar seu tratamento e não desistir.

Tornar-se mais ativo, caminhando e exercitando-se regularmente, pode ajudar, assim como interagir mais com outras pessoas.

Grupos de apoio (como a Aliança de Apoio a Pacientes com Depressão e Transtorno Bipolar [Depression and Bipolar Support Alliance] – DBSA ) podem ajudar oferecendo um fórum para compartilhar experiências e sentimentos comuns.

Psicoterapia

A psicoterapia em si pode ser tão eficaz quanto a farmacoterapia no caso de depressão leve. Quando usada em conjunto com medicamentos, ela pode ser útil para a depressão grave.

A psicoterapia individual ou de grupo pode ajudar a pessoa depressiva a retomar de modo gradual suas antigas responsabilidades e a adaptar-se às pressões normais da vida. A terapia interpessoal se concentra nos papéis sociais passados e presentes da pessoa, identifica problemas com o modo como a pessoa interage com outras pessoas e oferece orientação conforme a pessoa se ajusta às alterações nos papéis da vida. A terapia cognitivo-comportamental pode ajudar a eliminar o desespero e os pensamentos negativos.

Farmacoterapia para depressão

Psicoestimulantes, Farmacoterapia O transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (TDAH) consiste em uma capacidade de concentração ruim e/ou excesso de atividade e impulsividade impróprias para a idade da criança que... leia mais como a dextroanfetamina e o metilfenidato, entre outros medicamentos, são frequentemente empregados em combinação com antidepressivos. Os psicoestimulantes são usados para aumentar o estado de alerta mental e a conscientização.

A erva-de-são-joão Erva-de-são-joão A substância avermelhada nas flores da erva-de-são-joão contém vários compostos biologicamente ativos, incluindo a hipericina e a hiperforina (consulte também Considerações gerais sobre suplementos... leia mais , um suplemento dietético herbáceo, é usada às vezes para aliviar uma depressão leve, embora a sua eficácia não esteja comprovada. Contudo, devido a interações potencialmente nocivas entre a erva-de-são-joão e muitos medicamentos com receita médica, as pessoas interessadas em tomar esse suplemento fitoterápico deverão discutir as possíveis interações medicamentosas com o seu médico.

Eletroconvulsoterapia

A eletroconvulsoterapia (antigamente chamada de terapia de choque) é usada às vezes no tratamento de pessoas com depressão grave, sobretudo quando elas estão psicóticas, ameaçam suicídio ou se recusam a comer. Ela também é usada para tratar a depressão durante a gravidez quando os medicamentos não são eficazes.

Esse tipo de terapia costuma ser muito eficaz e pode aliviar a depressão rapidamente, ao contrário da maior parte dos antidepressivos que podem demorar várias semanas até surtirem efeito. A velocidade com que faz efeito pode salvar vidas. Após a interrupção da eletroconvulsoterapia, episódios de depressão podem voltar a ocorrer. Para evitá-los, o médico geralmente receita antidepressivos.

Na eletroconvulsoterapia, são colocados eletrodos na cabeça do paciente e é aplicada uma corrente elétrica para induzir uma convulsão no cérebro. Por razões desconhecidas, as crises convulsivas aliviam a depressão. Geralmente, são realizados no mínimo entre cinco e sete sessões de tratamento (em dias alternados).

Como a corrente elétrica pode provocar contrações musculares e dor, é aplicada anestesia geral durante os tratamentos. É possível que a eletroconvulsoterapia provoque alguma perda de memória temporária, mas raramente permanente.

Fototerapia

A fototerapia que usa banhos de luz é o tratamento mais eficaz contra a depressão sazonal, mas também pode ser útil para outros tipos de transtornos depressivos.

A fototerapia envolve sentar-se a uma distância específica de uma caixa de luz que emite luz com a intensidade necessária. A pessoa é orientada a não olhar diretamente para a luz e a permanecer em frente da luz por 30 a 60 minutos por dia. A fototerapia pode ser realizada em casa.

Se a pessoa dorme e acorda tarde, a fototerapia é mais eficaz pela manhã. Se a pessoa dorme e acorda cedo, a fototerapia é mais eficaz no período entre o final da tarde e o começo da noite.

Outras terapias

É possível tentar outras terapias que estimulam o cérebro quando outros tratamentos forem ineficazes. Incluem

  • Estimulação magnética transcraniana repetitiva

  • Estimulação do nervo vago

Espera-se que as células estimuladas liberem mensageiros químicos (neurotransmissores), que ajudam a controlar o humor e assim aliviar sintomas de depressão. Estas terapias podem ajudar as pessoas com depressão grave que não apresentam resposta a medicamentos ou psicoterapia.

Na estimulação magnética transcraniana repetitiva, uma bobina eletromagnética é colocada sobre a testa próxima a uma área do cérebro que se considera estar envolvida com a regulação do humor. O eletroímã gera pulsos magnéticos não dolorosos que, de acordo com os médicos, estimulam as células nervosas na área alvo do cérebro. Os efeitos colaterais mais comuns são dor de cabeça e desconforto próximo à área onde a bobina foi colocada.

Para a estimulação do nervo vago, implanta-se um dispositivo semelhante a um marca-passo cardíaco (estimulador do nervo vago) sob a clavícula esquerda e liga-se ao nervo vago no pescoço com um cabo sob a pele (o par de nervos vagos sai do tronco encefálico, localizado na base do crânio, passa pelo pescoço e nas laterais do tórax e abdômen até chegar a órgãos, como o coração e os pulmões). O aparelho é programado para estimular periodicamente o nervo vago por meio de um sinal elétrico indolor. Este tratamento pode ser útil para depressão quando outros tratamentos forem ineficazes, mas geralmente leva entre três e seis meses para começar a fazer efeito. As reações adversas da estimulação do nervo vago incluem rouquidão, tosse e mudanças no tom de voz quando o nervo é estimulado.

Mais informações

Seguem alguns recursos em inglês que podem ser úteis. Vale ressaltar que O MANUAL não é responsável pelo conteúdo desses recursos.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: VISUALIZAR A VERSÃO PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE
VISUALIZAR A VERSÃO PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE
quiz link

Test your knowledge

Take a Quiz! 
ANDROID iOS
ANDROID iOS
ANDROID iOS
PRINCIPAIS