Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Considerações gerais sobre tumores cerebrais

Por

Steven A. Goldman

, MD, PhD, University of Rochester Medical Center;


Nimish A. Mohile

, MD, University of Rochester Medical Center

Última revisão/alteração completa set 2018| Última modificação do conteúdo set 2018
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

Um tumor do cérebro é um crescimento no cérebro não canceroso (benigno) ou canceroso (maligno). Ele pode ter origem no cérebro ou ter se espalhado (metástase) para o cérebro a partir de uma outra parte do corpo.

  • Os sintomas podem incluir cefaleias, alterações de personalidade (como, de repente, ficar deprimido, ansioso ou desinibido), perda de equilíbrio, dificuldade de concentração, convulsões e falta de coordenação.

  • Os exames de imagem muitas vezes podem detectar tumores cerebrais, mas é necessária, por vezes, uma biópsia do tumor.

  • O tratamento pode envolver cirurgia, radioterapia, quimioterapia ou uma combinação deles.

Os tumores cerebrais são ligeiramente mais comuns entre os homens do que entre as mulheres. Somente meningiomas, que são não cancerosos, são mais comuns entre as mulheres. Os tumores cerebrais geralmente se desenvolvem durante o início ou no meio da vida adulta, mas podem ocorrer em qualquer idade. Eles estão se tornando mais comum entre pessoas idosas.

Tumores cerebrais, cancerosos ou não, podem causar sérios problemas, uma vez que o crânio é rígido e não proporciona espaço para o tumor se expandir. Além disso, se os tumores se desenvolverem em regiões próximas ao cérebro que controlam as funções vitais, eles podem causar problemas, tais como fraqueza, dificuldade para andar, perda de equilíbrio, perda parcial ou completa da visão, dificuldade em compreender ou usar a linguagem e problemas com a memória.

Tumores cerebrais podem causar problemas nas seguintes formas:

  • Invadindo diretamente e destruindo o tecido cerebral

  • Exercendo pressão direta sobre o tecido próximo

  • Aumentando a pressão no interior do crânio (pressão intracraniana) porque o tumor ocupa espaço e o crânio não consegue se expandir para acomodá-lo

  • Provocando o acúmulo de líquidos no cérebro

  • Bloqueando a circulação normal do líquido cefalorraquidiano através dos espaços no interior do cérebro

  • Provocando sangramento

Classificação dos tumores cerebrais

Existem dois tipos principais de tumores cerebrais:

  • Primária: Os tumores primários têm origem nas células localizadas dentro do cérebro ou próximas dele. Podem ser cancerosos ou não cancerosos.

  • Secundária: Esses tumores são metástases. Isto é, eles são originários de outra parte do corpo e se espalharam para o cérebro. Desta forma, são sempre cancerosos.

Tumores primários

Os tumores primários incluem

Gliomas são responsáveis por 65% de todos os tumores cerebrais primários.

Você sabia que...

  • Os tumores que se espalham (formam metástases) para o cérebro a partir de outras partes do corpo são cerca de dez vezes mais comuns do que os tumores que começam no cérebro.

Os tumores não cancerosos recebem o seu nome conforme as células ou tecidos específicos onde têm origem. Por exemplo, os hemangioblastomas têm origem nos vasos sanguíneos (“hema” refere-se aos vasos sanguíneos e “hemangioblastos” são células que formam os tecidos dos vasos sanguíneos). Alguns tumores cancerosos têm origem em células do embrião (células embrionárias), no início do desenvolvimento do feto. Tais tumores podem estar presentes no momento do nascimento.

Tumores secundários

Metástases cerebrais são cerca de 10 vezes mais comuns do que os tumores primários. Mais de 80% das pessoas com metástases cerebrais têm mais de uma metástase.

As metástases a partir de outras partes do corpo podem crescer em uma única parte do cérebro ou em várias partes diferentes. Muitos tipos de câncer podem se espalhar para o cérebro. Incluem

Os linfomas cerebrais estão se tornando cada vez mais frequentes em pessoas com o sistema imunológico debilitado (como as que sofrem de síndrome da imunodeficiência adquirida [acquired immunodeficiency syndrome, AIDS]), entre pessoas idosas e, por razões desconhecidas, entre pessoas com o sistema imunológico normal.

Tabela
icon

Alguns tumores que têm origem no cérebro ou na sua proximidade*

Tipo de tumor

Origem

Estado do câncer

Percentagem de todos os tumores primários do cérebro

Pessoas afetadas

Astrocitoma (um tipo de glioma)

Células do tecido que sustentam as células nervosas (células gliais)

Canceroso ou não canceroso (alguns astrocitomas inicialmente não cancerosos se tornam cancerosos)

(Ver observação.)

Crianças e adultos

Cordoma

Células de embrião (células embrionárias) que se desenvolvem na medula espinhal

Não canceroso, mas invasivo

Menos de 1%

Crianças e adultos

Pode estar presente no momento do nascimento

Craniofaringioma

Células embrionárias a partir da hipófise

Principalmente não cancerosos

Menos de 1%

Crianças e adultos

Pode estar presente no momento do nascimento

Cistos dermoides e tumores epidermoides

Células embrionárias da pele

Não canceroso

Menos de 1%

Crianças e adultos

Cistos dermoides: Pode estar presente no momento do nascimento

Ependimoma

Células do tecido que reveste as cavidades no interior do cérebro (ventrículos)

Principalmente não cancerosos

Cerca de 2-3% (quase 10% dos tumores cerebrais em crianças)

Crianças

Incomum em adultos

Tumores de células germinativas (incluindo germinomas)

Células embrionárias perto da glândula pineal

Cancerosos ou não cancerosos

1%

Crianças

Germinomas: Pode estar presente no momento do nascimento

Glioblastoma (um tipo de glioma)

Células gliais imaturas (chamadas células progenitoras)

Cancerosos

Cerca de 15%

Adultos

Hemangioblastoma

Células embrionárias que se desenvolvem em vasos sanguíneos

Não canceroso

1 a 2%

Crianças e adultos

Meduloblastoma

Células embrionárias do cerebelo

Cancerosos

Quase 20% dos tumores cerebrais infantis

Crianças e, raramente, adultos

Meningioma

Células das camadas de tecido que envolvem o cérebro (meninges)

Não canceroso, mas pode apresentar recorrência

Cerca de 35%

Adultos

Oligodendroglioma (um tipo de glioma)

Células (chamadas oligodendrócitos) que envolvem as fibras nervosas no cérebro, formando a bainha de mielina e as células das quais se originam

Canceroso, mas de crescimento lento (em última análise, muitas vezes tornando-se um oligodendroglioma anaplásico)

2–10%

Crianças e adultos

Tumores da glândula pineal

Células da glândula pineal ou tecidos próximos

Não cancerosos ou cancerosos

Menos de 1%

Crianças

Adenoma hipofisário

Células da hipófise

Não canceroso

10%

Crianças e adultos

Tumor neuroectodérmico primitivo

Células imaturas que revestem os espaços dentro do cérebro (ventrículos)

Normalmente não canceroso, mas às vezes se torna canceroso

Menos de 1%

Crianças e adolescentes

Neurocitoma

Células imaturas que revestem os espaços dentro do cérebro

Normalmente não canceroso, mas às vezes se torna canceroso

Menos de 1%

Crianças e adolescentes

A porcentagem de todos os tumores cerebrais primários é dada, salvo indicação em contrário.

†‡Astrocitomas, ependimomas, glioblastoma multiforme, meduloblastoma e oligodendrogliomas são gliomas que representam 65% de todos os tumores cerebrais primários.

Sintomas

Os sintomas apresentam-se tanto nos tumores cerebrais não cancerosos como nos cancerosos. Tumores não cancerosos crescem lentamente e podem crescer excessivamente antes de causar sintomas.

Um tumor cerebral pode causar muitos sintomas diferentes, que podem aparecer de forma súbita ou podem evoluir gradualmente. Os primeiros sintomas e a sua evolução dependem do tamanho do tumor, da velocidade de crescimento e da sua localização. Em algumas partes do cérebro, mesmo um tumor pequeno pode ter resultados catastróficos. Em outras partes, os tumores podem alcançar um tamanho relativamente grande antes de surgirem os sintomas. À medida que o tumor cresce, ele empurra e alonga, mas normalmente não destrói o tecido nervoso, o que pode compensar bem essas mudanças. Assim, os sintomas podem não se desenvolver à primeira vista.

Muitos sintomas são decorrentes do aumento da pressão dentro do crânio:

  • Cefaleia

  • Piora na função mental

  • Problemas devido à pressão sobre as estruturas específicas do cérebro ou próximas dele, tais como o nervo para o olho (nervo óptico)

Cefaleia é o sintoma mais comum e muitas vezes o primeiro a ser observado. No entanto, algumas pessoas com tumores cerebrais não sentem dores de cabeça, e a maioria das cefaleias não é causada por tumores cerebrais. Uma cefaleia devido a um tumor cerebral pode ocorrer cada vez com mais frequência, à medida que o tempo vai passando. Muitas vezes, é pior quando as pessoas se deitam. A cefaleia pode ser mais intensa quando as pessoas acordam, depois diminuem com o passar do dia. Se uma pessoa, que não tinha cefaleia anteriormente, começar a sentir uma cefaleia com essas características, a causa pode ser um tumor cerebral.

Muitas vezes, o aumento da pressão dentro do crânio também provoca a deterioração da função mental e piora do humor. A personalidade pode mudar. Por exemplo, a pessoa pode ficar distraída, temperamental e, com frequência, ineficiente no trabalho. Pode ainda sentir-se sonolenta, confusa e incapaz de pensar. Esses sintomas são, geralmente, mais evidentes para os seus familiares e colegas de trabalho do que para a própria pessoa. A depressão e a ansiedade, em especial quando surgem de forma súbita, podem ser um sintoma inicial de um tumor cerebral. As pessoas podem se comportar de modo estranho. Elas podem tornar-se desinibidas ou se comportar de modo como nunca fizeram. Nos idosos, alguns tumores do cérebro causam sintomas que podem ser confundidos com os de demência.

Mais tarde, à medida que a pressão dentro do crânio aumenta, podem surgir náuseas, vômitos, letargia, sonolência, febre intermitente ou mesmo coma. A visão pode borrar de repente, quando a pessoa muda de posição.

Dependendo de qual área do cérebro for afetada (consulte a página Disfunção por localização), um tumor pode provocar o seguinte:

  • Provocar fraqueza ou paralisação de um braço, uma perna ou de um lado do corpo

  • Prejudicar a capacidade de sentir calor, frio, pressão, um leve toque ou objetos cortantes

  • Tornar as pessoas incapazes de se expressar ou entender a linguagem

  • Aumentar ou diminuir a pulsação e respiração se o tumor comprimir o tronco cerebral

  • Reduzir o estado de alerta

  • Prejudicar a capacidade de ouvir, cheirar ou ver (causando sintomas como visão dupla e perda de visão)

Por exemplo, um tumor hipofisário pode pressionar os nervos ópticos próximos (2.º par de nervos cranianos) que estão relacionados com a visão e, desse modo, afetar a visão periférica. Qualquer um desses sintomas sugere uma doença grave e requer assistência médica imediata.

Outros sintomas frequentes de um tumor cerebral são vertigem, falta de equilíbrio e falta de coordenação. Alguns tumores cerebrais, geralmente os tumores primários, causam convulsões.

Se um tumor obstruir o fluxo do líquido cefalorraquidiano através das cavidades localizadas dentro do cérebro (ventrículos), pode ocorrer acúmulo de líquido, fazendo com que os ventrículos se dilatem (um quadro clínico denominado hidrocefalia). Como resultado, aumenta a pressão dentro do crânio. Além de outros sintomas de pressão elevada, a hidrocefalia causa dificuldade em mover os olhos para cima. Nos bebês, aumenta o tamanho da cabeça.

Se a pressão dentro do crânio aumentar consideravelmente, o cérebro pode ser empurrado para baixo, uma vez que o crânio não pode se expandir. Pode ocorrer herniação do cérebro. Dois tipos comuns são

  • Herniação transtentorial: A parte superior do cérebro (telencéfalo) é empurrada através de um orifício estreito (incisura tentorial) pelo tecido relativamente rígido que separa o telencéfalo das demais partes inferiores (cerebelo e tronco cerebral). Nas pessoas com esse tipo de herniação, a consciência é reduzida. Além disso, o lado do corpo oposto ao tumor pode ficar paralisado.

  • Herniação das amígdalas: Devido a um tumor com origem na parte inferior do cérebro, a zona mais baixa do cérebro (as amígdalas cerebelares) é empurrada pelo orifício situado na base do crânio (o foramen magnum). Consequentemente, o tronco cerebral, que controla a respiração, o ritmo cardíaco e a pressão arterial, fica comprimido e funciona inadequadamente. Se não diagnosticada e tratada imediatamente, uma herniação das amígdalas pode causar um estado de coma e a morte.

Pessoas com metástases para o cérebro também podem ter sintomas relacionados com o câncer de origem. Por exemplo, se o câncer se originou nos pulmões, as pessoas podem tossir muco com sangue. Com metástases, perda de peso é comum.

Os sintomas pioram com o tempo a menos que o tumor seja tratado. Com o tratamento, em particular para os tumores benignos, algumas pessoas se recuperam completamente. Para outros, a expectativa de vida é reduzida, às vezes em grande parte. O resultado depende do tipo do tumor e da sua localização.

Visualização do cérebro

Visualização do cérebro

Diagnóstico

  • Imagem por ressonância magnética ou tomografia computadorizada

  • Às vezes, punção lombar

  • Algumas vezes, biópsia

O médico considera a possibilidade de um tumor cerebral nas pessoas que sofreram uma convulsão pela primeira vez, ou que apresentam os sintomas característicos. Apesar de o médico conseguir detectar com frequência uma disfunção do cérebro mediante a realização de um exame físico, são necessários outros procedimentos para diagnosticar um tumor cerebral.

A imagem por ressonância magnética (RM) é o melhor teste para identificação de tumores cerebrais. A tomografia computadorizada (TC) é uma boa alternativa. É possível identificar a maioria dos tumores cerebrais. Antes desses testes, é injetada em uma veia uma substância que facilita a visualização do tumor (um agente de contraste para RM ou um agente de contraste radiopaco para TC). Esses exames indicam o tamanho do tumor e a sua localização exata e mais detalhes. Uma vez detectado um tumor cerebral, são realizados outros procedimentos diagnósticos para determinar o seu tipo específico.

Às vezes é realizada uma punção lombar para coletar líquido cefalorraquidiano para exame microscópico. Este procedimento é feito quando os médicos suspeitam que o tumor invadiu as camadas de tecido que reveste o cérebro (meninges). Tais tumores podem bloquear a absorção de líquido cefalorraquidiano. Uma punção lombar também pode ajudar quando não é possível esclarecer o diagnóstico ou o tipo de tumor. O líquido cefalorraquidiano pode conter células cancerosas. No entanto, nas pessoas que têm um tumor grande que aumenta a pressão dentro do crânio não é possível realizar uma punção lombar. Nessas pessoas, a extração de líquido cefalorraquidiano durante uma punção lombar pode fazer com que o tumor se desloque, tendo como resultado a herniação do cérebro.

Exames especializados às vezes podem ajudar no diagnóstico. Por exemplo, sangue e líquido cefalorraquidiano também podem ser testados para verificar a existência de substâncias segregadas por tumores (chamadas marcadores de tumor) e por anomalias genéticas que são características de determinados tumores. Identificar certas anomalias genéticas pode ajudar a prever quais tratamentos serão mais eficazes.

Às vezes, é necessária uma biópsia do tumor (extração de uma amostra do tumor para ser examinada ao microscópio) para identificar o tipo de tumor e confirmar se é canceroso. A biópsia deve ser realizada durante uma intervenção cirúrgica, na qual se extrai todo o tumor ou parte dele. Se um tumor é difícil de ser alcançado, uma biópsia estereotáxica pode ser feita. Para este procedimento, uma estrutura é ligada ao crânio. A estrutura fornece pontos de referência que podem ser identificados em uma imagem por ressonância magnética ou uma tomografia computadorizada. Esses pontos de referência permitem que os médicos guiem a agulha da biópsia precisamente até o tumor.

Tratamento

  • Cirurgia, radioterapia, quimioterapia ou uma combinação delas

  • Às vezes, medicamentos para reduzir a pressão no interior do crânio

O tratamento de um tumor cerebral depende da sua localização e do tipo de tumor.

Tratamentos específicos para tumores cerebrais

Os tratamentos para tumores cerebrais incluem:

  • Craniotomia (cirurgia cerebral)

  • Radiocirurgia

  • Implantes

  • Shunts

  • Técnicas de estereotaxia

Quando possível, é feita a craniotomia (remoção cirúrgica do tumor). Esse procedimento envolve a abertura do crânio. Alguns tumores cerebrais podem ser extraídos sem danos ou com danos mínimos ao cérebro. No entanto, muitos crescem em zonas onde a extração é muito difícil ou impossível sem destruir estruturas vitais.

Para esse procedimento, parte do couro cabeludo é raspada. Em seguida, uma incisão é feita através da pele. Utiliza-se uma broca de alta velocidade e uma serra especial para extrair um pequeno fragmento do osso situado acima do tumor. O tumor é localizado e removido usando um dos seguintes procedimentos:

  • Um bisturi pode ser usado para cortar o tumor.

  • Um laser pode ser utilizado para vaporizar o tumor.

  • Um dispositivo que emite ondas de ultrassom pode ser utilizado para despedaçar o tumor de modo que as partes possam ser removidas (aspiradas).

O laser e os dispositivos de ultrassom são utilizados para eliminar os tumores que são difíceis de extrair. Em geral, volta-se a colocar o osso no seu local e sutura-se a incisão.

A cirurgia tradicional causa, por vezes, lesões cerebrais que podem conduzir a uma paralisia parcial, a alterações na sensibilidade, fraqueza e deterioração intelectual. No entanto, é indispensável extrair um tumor, seja canceroso ou não, se o seu crescimento comprometer estruturas cerebrais importantes. Mesmo quando a cura é impossível, a cirurgia pode ser útil para reduzir o tamanho do tumor, aliviar os sintomas e permitir ao médico determinar se a realização de outro tipo de tratamento é justificada, como radioterapia ou quimioterapia.

A radiocirurgia não é, de fato, uma intervenção cirúrgica, visto que não requer nenhuma incisão. Para destruir um tumor emprega-se a radiação concentrada. Várias máquinas, incluindo um aparelho de raios gama e um acelerador linear, podem produzir este tipo de radiação.

  • Quando se utiliza um aparelho de raios gama, coloca-se uma moldura para imagens no crânio da pessoa. Esta permanece deitada numa cama rolante e coloca-se sobre a moldura um capacete com orifícios. Em seguida, desliza-se a cabeceira da cama até ao interior de uma esfera que contém cobalto radioativo. A radiação passa através dos buracos do capacete e é dirigida com precisão até o tumor.

  • O acelerador linear roda em torno da cabeça da pessoa, que está deitada sobre uma cama rolante. O acelerador linear gira em torno da pessoa e direciona precisamente a radiação no tumor a partir de diferentes ângulos.

Ocasionalmente, são inseridos implantes no cérebro.

Um tipo de implante consiste em placas embebidas num medicamento quimioterápico, após a extração do tumor e antes de fechar o crânio e suturar a incisão. Essas placas podem ser colocadas no espaço em que se encontrava o tumor. À medida que as placas vão se dissolvendo gradualmente, liberam o medicamento para destruir qualquer célula cancerígena que tenha permanecido.

O outro tipo é radioativo. Implantes radioativos são colocados diretamente no tumor através de um tubo fino (cateter) inserido por uma incisão. Os implantes podem ser retirados alguns dias ou meses depois ou podem ser deixados no local. Ao contrário das pessoas que aplicaram externamente a radioterapia, as pessoas que têm implantes radioativos se tornam radioativas por um tempo (ou seja, elas emitem radiação). Assim, eles precisam tomar precauções conforme recomendação médica. Após esse procedimento, pode ser necessária uma cirurgia para extrair as células cancerígenas mortas.

Shunts podem ser colocados através de uma intervenção cirúrgica se um tumor causar aumento da pressão dentro do crânio. Um shunt consiste num segmento fino de uma cânula que se introduz numa das cavidades do cérebro (ventrículos) ou, por vezes, dentro do espaço localizado ao redor da coluna vertebral, que contém o líquido cefalorraquidiano (espaço subaracnoideo). A outra extremidade da cânula é dirigida sob a pele, normalmente desde a cabeça até a cavidade abdominal. O excesso de líquido cefalorraquidiano é drenado do cérebro para o abdômen, onde é absorvido. O shunt inclui uma válvula de uma só via, que se abre quando há muito líquido no cérebro. Os shunts podem ser temporários (até a extração do tumor) ou permanentes.

As técnicas de estereotaxia são maneiras para localizar tumores com muita precisão. São usados computadores para produzir uma imagem tridimensional. A imagem tridimensional pode ser obtida colocando no crânio da pessoa uma moldura de metal leve para imagens com uma série de varetas. A anestesia local é dada para adormecer a área e os pinos são ligados ao crânio, perfurando a pele. As varetas aparecem como pontos numa tomografia computadorizada (TC), proporcionando pontos de referência que permitem localizar o tumor. Em um procedimento semelhante, utiliza-se um suporte de plástico, bem como ressonância magnética (RM) para indicar a localização do tumor.

Técnicas que não envolvem a fixação de um suporte podem ser usadas como alternativa. Por exemplo, marcadores especiais podem ser fixados ao crânio para indicar pontos de referência. A localização desses marcadores é inserida em um computador que contém imagens do tumor cerebral.

As técnicas de estereotaxia podem ser usadas para

  • Localizar um local para biópsia

  • Localizar tumores durante a cirurgia

  • Determinar onde inserir implantes ou um laser para destruir as células tumorais

As técnicas estereotáxicas também podem ser usadas para ajudar no diagnóstico.

Tumores não cancerosos

A remoção cirúrgica é normalmente segura e cura a pessoa. No entanto, nas pessoas mais velhas, os tumores muito pequenos devem ser deixados no local, se não causarem sintomas. Em alguns casos, providencia-se radioterapia para destruir qualquer célula tumoral que tenha ficado após a intervenção cirúrgica.

A radiocirurgia é eficaz no tratamento de tumores não cancerosos, como meningiomas e neuromas acústicos. Portanto, a radiocirurgia é frequentemente usada em substituição à cirurgia tradicional para estes tumores. A radiocirurgia direciona feixes de radiação altamente focalizados precisamente no tumor. Não envolve uma incisão. Para focar a radiação de forma mais precisa, os médicos muitas vezes utilizam técnicas de estereotaxia que, por vezes, envolvem o uso de uma estrutura na cabeça para fornecer pontos de referência.

Tumores cerebrais cancerosos

Geralmente, é utilizada uma combinação da cirurgia, radioterapia e quimioterapia. Retira-se a maior parte possível do tumor, desde que seja feito sem perigo, e inicia-se, em seguida, a radioterapia. A radioterapia é dada ao longo de várias semanas. Radiocirurgia é utilizada quando a cirurgia tradicional não pode ser realizada, em especial para o tratamento de metástases.

Para tumores muito agressivos, a quimioterapia é administrada com radioterapia. A radioterapia mais quimioterapia raramente leva à cura, mas pode reduzir o tumor o suficiente para o manter controlado durante vários meses ou até anos.

Após radioterapia, quimioterapia progressiva é usada para tratar alguns tipos de tumores cerebrais cancerosos. A quimioterapia parece ser particularmente eficaz para tratar o oligodendroglioma anaplásico.

Aumento da pressão dentro do crânio

Este quadro clínico extremamente grave requer atenção médica imediata. Quando as pessoas estão em coma ou têm dificuldade para respirar, pode estar surgindo uma herniação. Para ajudar essas pessoas a respirar, os médicos inserem um tubo de plástico através do nariz ou da boca até a traqueia e este é ligado a um ventilador (um procedimento chamado de intubação endotraqueal). Este procedimento também ajuda a reduzir a pressão no interior do crânio até que outros tratamentos possam ser administrados. Habitualmente, administram-se medicamentos como o manitol e os corticosteroides injetados para reduzir a pressão e prevenir a herniação. Reduzem o inchaço ao redor do tumor. Dentro de dias, ou às vezes horas, os corticosteroides podem frequentemente restaurar funções perdidas em razão do tumor e podem aliviar a cefaleia, mesmo se o tumor for grande.

Caso o tumor esteja obstruindo o fluxo de líquido cefalorraquidiano através dos espaços dentro do cérebro, pode ser utilizado um dispositivo para drenar o líquido e, deste modo, diminuir o risco de herniação. O dispositivo consiste num pequeno tubo (cateter) ligado a um manômetro, que mede a pressão dentro do crânio. O tubo é introduzido por um orifício minúsculo provocado no crânio. Pode ser usado um anestésico local (normalmente junto com um sedativo) ou uma anestesia geral. Ao fim de alguns dias, retira-se o tubo ou converte-se este numa drenagem permanente (shunt). Durante esse tempo, o médico retira cirurgicamente todo o tumor, ou parte deste, ou utiliza a radiocirurgia ou a radioterapia para reduzir o tamanho do tumor e diminuir, assim, a obstrução.

Metástases

O tratamento depende, em grande parte, da região onde se originou o câncer. Muitas vezes, realiza-se radioterapia dirigida às metástases cerebrais. A extração cirúrgica antes da radioterapia pode ter efeitos positivos nas pessoas que têm uma única metástase. Às vezes, a radiocirurgia é usada.

Assuntos relacionados ao final da vida

As pessoas com tumores cerebrais cancerosos têm uma expectativa de vida limitada e tendem a tornar-se incapazes de tomar decisões sobre cuidados médicos. Consequentemente, é aconselhável estabelecer instruções prévias. As instruções prévias ajudam o médico a determinar o tipo de assistência médica que o paciente deseja receber, no caso de não se encontrar em condições de tomar tais decisões. Pode ser mais apropriado um tratamento que foque o alívio dos sintomas da melhor forma possível (cuidado paliativo), em vez de curar a pessoa.

Muitos centros de oncologia, especialmente aqueles com instalações para asilo, proporcionam aconselhamento e serviços de assistência médica domiciliar.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Anatomia da coluna cervical
Vídeo
Anatomia da coluna cervical
A coluna cervical consiste nos primeiros sete ossos da coluna vertebral e se estende da base...
Modelos 3D
Visualizar tudo
Impulso nervoso
Modelo 3D
Impulso nervoso

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS