Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

honeypot link

Chá verde

Por

Laura Shane-McWhorter

, PharmD, University of Utah College of Pharmacy

Última modificação do conteúdo out 2018
Clique aqui para acessar Educação para o paciente

O chá verde é feito de folhas secas da mesma planta (Camellia sinensis) do chá tradicional, um arbusto sempre verde nativo da Ásia. Entretanto as folhas do chá tradicional são fermentadas e as folhas do chá verde são fervidas, mas não fermentadas. O chá verde pode ser bebido ou ingerido em um comprimido extraído ou na forma de cápsula. Tem múltiplos componentes que se acredita possuírem atividade antioxidante e anticâncer. O chá verde contém polifenóis e catequinas, assim como cafeína, mas é conhecido por ter menores quantidades de cafeína que o café, e vários extratos são descafeinados.

Alegações

Alega-se que o chá verde proporciona múltiplos benefícios para a saúde, alguns dos quais são respaldados por fortes evidências científicas. Ele é usado no tratamento de verrugas genitais, aumenta a atenção mental (em virtude de sua cafeína), prevenção do câncer, perda ponderal, redução dos lipídios séricos, prevenção de doença coronariana, melhora da memória, alívio da dor na osteartrite, tratamento dos sintomas da menopausa e aumento da longevidade.

Evidências

O chá verde, bebida e extrato, é um dos suplementos mais estudados no mercado; mas há poucas evidências clínicas dos benefícios com a bebida. Recentemente, alguns princípios ativos encontrados no chá verde (sinecatequinas, nomes comerciais Veregen e Polyphenon E) foram aprovados para o tratamento de verrugas genitais decorrente de infecção pelo papilomavírus humano. Um ensaio clínico controlado randomizado indicou que o extrato definido (55% galato de epigalocatequina) é eficaz e seguro para tratar as verrugas genitais e perianais (1). Uma revisão sistemática de 2011 e uma metanálise de 3 estudos (1.247 participantes) do Polyphenon E a 10% e 15% verificou a eficácia para o tratamento de verrugas anogenitais externas (2). Outro estudo indicou que o tratamento com extrato de chá verde tem um custo mais baixo em comparação aos tratamentos farmacológicos tradicionais (3).

Várias metanálises com os ensaios clínicos disponíveis indicam que o consumo moderado e regular do chá verde é seguro. Além disso, há poucos benefícios, na maioria das vezes não significativos, em termos de perda ponderal e prevenção de doença cardiovascular, e as evidências são insuficientes e muitas vezes conflitantes quanto a qualquer benefício do consumo de chá verde para a prevenção do câncer (4-7). São necessários ensaios clínicos em grande escala projetados com mais rigor antes dessas alegações poderem ser confirmadas. Possivelmente evidências desconcertantes em estudos populacionais são que nos países onde o chá verde é consumido regularmente, outros fatores culturais, comportamentais ou genéticos podem contribuir para a boa saúde.

Efeitos adversos

Mais comumente, os efeitos adversos estão relacionados com a cafeína. Incluem insônia, ansiedade, taquicardia e tremor leve. As gestantes devem evitar o excesso de cafeína.

Há raros relatos de casos sobre hepatotoxicidade. Uma revisão feita em 2016 de ensaios clínicos randomizados que avaliaram a hepatotoxicidade descobriu eventos hepáticos adversos em algumas pessoas nos grupos de intervenção tomando chá verde, principalmente elevações autolimitadas das enzimas hepáticas (8).

Interações medicamentosas

A vitamina K presente no chá verde pode antagonizar com o efeito anticoagulante da varfarina.

Referências sobre chá verde

  • Stockfleth E, Beti H, Orasan R, et al: Topical Polyphenon E in the treatment of external genital and perianal warts: a randomized controlled trial. Br J Dermatol 158(6):1329-1338, 2008. doi: 10.1111/j.1365-2133.2008.08520.x.

  • Tzellos TG, Sardeli C, Lallas A, et al: Efficacy, safety and tolerability of green tea catechins in the treatment of external anogenital warts: a systematic review and meta-analysis. J Eur Acad Dermatol Venereol 25(3):345-353, 2011. doi: 10.1111/j.1468-3083.2010.03796.x.

  • Langley PC: A cost-effectiveness analysis of sinecatechins in the treatment of external genital warts.J Med Econ 13(1):1-7, 2010. doi: 10.3111/13696990903451461.

  • Boehm K, Borrelli F, Ernst E, et al: Green tea (Camellia sinensis) for the prevention of cancer. Cochrane Database Syst Rev 8 (3): CD005004 de 2009. doi: 10.1002/14651858.CD005004.pub2.

  • Sturgeon JL, Williams M, van Servellen G: Efficacy of green tea in the prevention of cancers. Nurs Health Sci 11(4):436-446, 2009. doi: 10.1111/j.1442-2018.2009.00476.x.

  • Jurgens TM, Whelan AM, Killian L, et al: Green tea for weight loss and weight maintenance in overweight or obese adults. Cochrane Database Syst Rev. 12: CD008650, 2012. doi: 10.1002/14651858.CD008650.pub2.

  • Hartley L, Flowers N, Holmes J, et al: Green and black tea for the primary prevention of cardiovascular disease. Cochrane Database Syst Rev 6:CD009934, 2013. doi: 10.1002/14651858.CD009934.pub2.

  • Isomura T, Suzuki S, Origasa H, et al: Liver-related safety assessment of green tea extracts in humans: a systematic review of randomized controlled trials. Eur J Clin Nutr 70(11):1221-1229, 2016. doi: 10.1038/ejcn.2016.78.

Informações adicionais

  • NIH National Center for Complementary and Integrative Health: Green tea

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS