Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Mordida de jacaré, crocodilo, iguana e lagartos venenosos

Por

Robert A. Barish

, MD, MBA, University of Illinois at Chicago;


Thomas Arnold

, MD, Department of Emergency Medicine, LSU Health Sciences Center Shreveport

Última modificação do conteúdo ago 2018
Clique aqui para acessar Educação para o paciente

Lagartos venenosos, jacarés e crocodilos são outros répteis que podem causar problemas clinicamente significativos por suas mordidas. Deve-se administrar profilaxia antitetânica (ver tabela Profilaxia antitetânica no tratamento de rotina de ferimentos).

Lagartos venenosos

Esses lagartos incluem:

  • Monstro-de-Gila (Heloderma suspectum), encontrado no sudoeste dos EUA e no México

  • Lagarto-de-contas (H. horridum) do México

Seus complexos venenos contêm serotonina, esterase de arginina, hialuronidase, fosfolipase A2 e ≥ 1 calicreínas salivares, mas faltam componentes neurotóxicos ou enzimas coagulopáticas. As mordidas raramente são fatais. Varanídeos [p. ex., dragão de Komodo (Varanus komodoensis), lagarto monitor crocodilo (Varanus salvadorii)] também são venenosos e representam pouco risco para os seres humanos. Quando mordem, os lagartos venenosos apertam firmemente e ruminam o veneno na vítima.

Os sinais e sintomas são dor de forte intensidade, edema, equimose, linfangite e linfadenopatia. Manifestações sistêmicas, incluindo fraqueza, sudorese, cefaleia, sede e zumbido, podem se desenvolver em casos moderados ou graves. O colapso cardiovascular ocorre raramente. O curso clínico é semelhante àquele de um envenenamento mínimo a moderado por espécies maiores de cascavéis ( Picadas de cobra : Sinais e sintomas).

O tratamento no campo consiste em retirar a mandíbula do lagarto com alicate, aplicar uma chama em sua mandíbula ou imergindo o animal inteiramente dentro da água. No hospital, o tratamento é de suporte e semelhante ao do envenenamento por cobras de buraco; não há disponibilidade de soro antiofídico. A ferida deve ser examinada com pequena agulha, a fim de procurar dentes quebrados ou soltos, e depois limpa. Se a ferida for profunda, uma radiografia pode ser feita para descartar um corpo estranho retido ou fratura óssea. Antibióticos profiláticos não são usualmente recomendados.

Iguanas

As mordidas e unhadas estão se tornando mais frequentes na medida em que as iguanas são mantidas como animais de estimação. As feridas são superficiais e o tratamento é local. Não é comum a infecção dos tecidos moles, mas a Salmonella é o patógeno de destaque quando há infecção, a qual é tratada com fluoroquinolona. Uma preocupação secundária, porém crescente, é infecção por Serratia marcescens, que normalmente é sensível ao sulfametoxazol-trimetoprima.

Jacarés e crocodilos

As mordidas geralmente resultam de sua manipulação; no entanto, encontros nativos raramente ocorrerem. As mordidas não são venenosas; são notáveis pela alta frequência de infecções dos tecidos moles por Aeromonas sp (usualmente Aeromonas hydrophila); e são geralmente tratadas como trauma maior.

As feridas devem ser irrigadas e debridadas; depois, pode-se permitir o fechamento primário ou deixá-las cicatrizar por segunda intenção. A cobertura antibiótica ideal deve ser feita com sulfametoxazol-trimetoprima, uma fluoroquinolona, uma cefalosporina de 3ª geração, um aminoglicosídeo isolados ou em combinação. Além disso, os pacientes podem ser tratados preventivamente com clindamicina e sulfametoxazol/trimetoprima (primeira escolha) ou tetraciclina.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Alteração unilateral no teste de Thompson
Vídeo
Alteração unilateral no teste de Thompson
Modelos 3D
Visualizar tudo
Tecido conjuntivo musculoesquelético
Modelo 3D
Tecido conjuntivo musculoesquelético

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS