Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Fratura por estresse

Por

Paul L. Liebert

, MD, Tomah Memorial Hospital, Tomah, WI

Última modificação do conteúdo mar 2018
Clique aqui para acessar Educação para o paciente

As fraturas por estresse são pequenas fraturas incompletas que frequentemente envolvem os eixos dos metatarsos. Elas são causadas por estresse repetitivo de carga.

As fraturas de estresse não resultam de lesões discretas (p. ex., queda, golpe), mas ocorrem após estresse repetitivo e uso excessivo que excede a habilidade do músculo de apoio para absorver o estresse. As fraturas de estresse podem envolver o fêmur proximal, pelve ou extremidade inferior. Acima de 50%, envolvem o membro inferior e, em particular, os eixos dos metatarsos do pé. As fraturas de estresse metatársico (fraturas de marcha) ocorrem normalmente em

  • Corredores que mudam muito rápido a intensidade ou duração dos exercícios ou ambos

  • Pacientes mal condicionados que andam longas distâncias carregando peso (p. ex., novos soldados recrutas)

Elas ocorrem com mais frequência no 2º metatársico. Outros fatores de risco incluem:

  • Pé cavo (arco alto)

  • Calçados de qualidade inadequada de absorção de impacto

  • Osteoporose

Fraturas por estresse também podem ser sinal de tríade na atleta feminina (amenorreia, distúrbio alimentar e osteoporose).

Sinais e sintomas

A dor na parte anterior do pé, que ocorre após ginástica longa ou intensa e, então, desaparece por período curto após cessar o exercício, consiste na manifestação inicial típica de uma fratura de estresse metatársico. Com exercício subsequente, o começo da dor é progressivamente precoce, e a dor pode se tornar tão forte que proíbe o exercício e persiste mesmo quando o paciente não está levantando peso.

Pacientes com dor na virilha ao levantar peso devem ser avaliados para fratura por estresse do fêmur proximal. Os pacientes com essas fraturas devem ser encaminhados a um especialista.

Diagnóstico

  • Radiografia ou cintilografia óssea

Radiografia padrão é recomendada, mas pode não diagnosticar nada até que um calo se forme de 2 a 3 semanas após a lesão. Cintilografia óssea com difosfonatos marcados com tecnécio é, frequentemente, necessária para o diagnóstico precoce. Mulheres com fraturas por estresse podem ter osteoporose e devem se submeter à absorciometria por raios-X de dupla energia.

Tratamento

  • Restrição de atividade com carga

O tratamento inclui redução de carga no pé envolvido (em caso pacientes tenham uma fratura de estresse metatársico) e uso de muletas. Embora, às vezes, gesso seja usado, um sapato de madeira ou outros tipos comercialmente disponíveis de sapatos ou botas são preferíveis ao gesso para evitar atrofia do músculo. A cicatrização leva, normalmente, de 6 a 12 semanas.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Alteração unilateral no teste de Thompson
Vídeo
Alteração unilateral no teste de Thompson
Modelos 3D
Visualizar tudo
Tecido conjuntivo musculoesquelético
Modelo 3D
Tecido conjuntivo musculoesquelético

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS