Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

honeypot link

Esferocitose hereditária e eliptocitose hereditária

Por

Evan M. Braunstein

, MD, PhD, Johns Hopkins School of Medicine

Última modificação do conteúdo mar 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

Esferocitose e eliptocitose hereditárias são doenças congênitas das membranas dos eritrócitos que causam anemia hemolítica leve. Os sintomas, normalmente mais leves na eliptocitose hereditária, incluem graus variáveis de anemia, icterícia e esplenomegalia. O diagnóstico requer a demonstração do aumento da fragilidade osmótica dos eritrócitos e teste de antiglobulina direto negativo. Raramente, os pacientes com < 45 anos de idade com doença sintomática requerem esplenectomia.

A esferocitose hereditária (icterícia familiar crônica; icterícia hemolítica congênita; esferocitose familiar; anemia esferocítica) é uma doença autossômica dominante com penetrância variável de genes. Cerca de 25% dos casos são esporádicos. Caracteriza-se a esferocitose hereditária por hemólise dos eritrócitos esferoidais e anemia.

A eliptocitose hereditária (ovalocitose) é um distúrbio autossômico dominante raro em que os eritrócitos são ovais ou elípticos. A hemólise normalmente não existe ou é bem suave, com pouca ou nenhuma anemia.

Fisiopatologia

As alterações nas proteínas da membrana causam anormalidades eritrocitárias em ambos os distúrbios.

  • Na esferocitose hereditária, a área da superfície da membrana da célula é diminuída desproporcionalmente ao conteúdo intracelular por causa da perda de proteínas associadas à membrana das células. A diminuição da área de superfície das células dificulta a flexibilidade necessária para a célula atravessar a microcirculação do baço, causando hemólise intraesplênica.

  • Na eliptocitose hereditária, mutações genéticas resultam em fraqueza do citoesqueleto da célula, acarretando deformação. Os eritrócitos com formatos anormais são absorvidos e destruídos pelo baço.

Sinais e sintomas

Na esferocitose hereditária, os sinais e sintomas costumam ser leves. A anemia pode estar tão bem compensada que não é reconhecida até que alguma virose intercorrente, como infecção por parvovírus, diminua transitoriamente a produção de eritrócitos, causando uma crise aplásica. Esses episódios podem ser autolimitados, desaparecendo com a resolução da infecção, enquanto outros exigem tratamento urgente. Há icterícia moderada e sintomas de anemia nos casos graves. A esplenomegalia é quase sempre invariável, mas raramente causa apenas desconforto abdominal. Pode haver hepatomegalia. A colelitíase (cálculos pigmentares) é comum e pode ser o sintoma de apresentação. Anormalidades esqueléticas congênitas (p. ex., crânio em forma de torre, polidactilismo) acontecem ocasionalmente. Embora, em geral, um ou mais membros da família tenham sintomas, muitas gerações podem ser poupadas em razão das variações do grau de penetração dos genes.

Na eliptocitose hereditária, as características clínicas são semelhantes às da esferocitose hereditária, mas tendem a ser mais leves; esplenomegalia costuma ocorrer.

Diagnóstico

  • Exame direto do sangue periférico, teste de fragilidade eritrocitária, teste de auto-hemólise eritrocitária e teste direto da antiglobulina (Coombs)

Suspeitar de esferocitose hereditária ou eliptocitose hereditária nos pacientes com hemólise inexplicada (como sugerido pela presença de anemia e reticulocitose), especialmente se houver esplenomegalia, história familiar de manifestações similares ou índices eritrocitários sugestivos.

Na esferocitose hereditária, como os eritrócitos são esferoidais e o volume corpuscular médio é normal, o diâmetro corpuscular médio encontra-se abaixo do normal, e os eritrócitos se assemelham a microesferócitos. A concentração de hemoglobina corpuscular média (CHGM) é maior. Reticulose de 15 a 30% e leucocitose são comuns.

Na eliptocitose hereditária, os eritrócitos são tipicamente elípticos ou em forma de charuto; no entanto, o quadro clínico é variável. O diagnóstico geralmente é feito pela presença de pelo menos 60% eliptócitos no exame direto do sangue periférico e história familiar de doenças semelhantes.

Em caso de suspeita de algum desses distúrbios, fazer os seguintes exames:

A fragilidade dos eritrócitos é caracteristicamente maior, mas, nos casos leves das duas doenças pode ser normal, a menos que o sangue estéril desfibrinado seja primeiro incubado a 37° C por 24 horas. A auto-hemólise dos eritrócitos é elevada e pode ser corrigida com o acréscimo de glicose. Os resultados do teste de antiglobulina direto são negativos.

Tratamento

  • Esplenectomia, se necessário

A esplenectomia, após a vacinação indicada, é o único tratamento específico da esferocitose hereditária ou eliptocitose hereditária, mas raramente se faz necessária. Há indicação para os pacientes com hemólise ou complicações sintomáticas como cólica biliar ou crise aplásica persistente. Se houver cálculos biliares ou outra evidência de colestase, devem ser removidos durante a esplenectomia. Embora a esferocitose persiste após a esplenectomia, as células sobrevivem mais tempo na circulação. Normalmente, os sintomas são resolvidos e anemia e reticulose diminuem. No entanto, a fragilidade dos eritrócitos permanece alta.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS ANDROID iOS
PRINCIPAIS