Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Adesão ao esquema terapêutico

Por

Shalini S. Lynch

, PharmD, University of California San Francisco School of Pharmacy

Última modificação do conteúdo nov 2016
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Recursos do assunto

A adesão (confomidade) é o grau em que o paciente segue o esquema terapêutico. Para os fármacos, a adesão requer a obtenção imediata da prescrição e a tomada do fármaco como prescrito em termos da dose, intervalo de administração e duração do tratamento, bem como quaisquer outras instruções especiais (p. ex., tomar o fármaco sem alimentos) Os pacientes devem ser orientados a comunicar o médico no caso de interrupção ou alteração da forma de tomar o fármaco, porém raramente o fazem.

Apenas metade dos pacientes que deixam o consultório do médico com uma prescrição toma o fármaco conforme indicado. As razões mais comuns para a falta de adesão são

  • Dosagem frequente

  • Negação da doença

  • Baixa compreensão dos benefícios de tomar o fármaco

  • Custo

Muitas outras razões contribuem para a falta de adesão ao tratamento ( Causas da falta de adesão).

Tabela
icon

Causas da falta de adesão

Fonte

Causa

Paciente

Apatia

Preocupações quanto ao uso de fármacos (p. ex., efeitos adversos e dependência)

Negação da doença ou de seu significado

Preocupações financeiras

Esquecimento

Interpretação errônea das orientações da prescrição

Desconfiança quanto à eficácia do fármaco

Dificuldades físicas (p. ex., com deglutição de comprimidos ou cápsulas, abertura de frascos ou aviamento de prescrições)

Redução, flutuação ou desaparecimento de sintomas

Fármaco

Efeitos adversos (reais ou imaginários)

Esquemas complexos (p. ex., doses frequentes ou muitos fármacos)

Precauções inconvenientes ou restritivas (p. ex., evitar álcool ou queijos)

Fármacos de aspecto semelhante

Sabor ou odor desagradável

As crianças têm menor probabilidade que os adultos de seguirem o esquema terapêutico. A adesão é pior na vigência de doenças crônicas, que exigem tratamentos complexos e de longa duração (p. ex., diabetes juvenil e asma). Os pais podem não entender de modo claro as instruções da prescrição e, em um período de 15 min, esquecem cerca da metade das informações fornecidas pelo médico.

Os idosos seguem os esquemas terapêuticos tão bem quanto outros adultos. Porém, fatores que diminuem a adesão (p. ex., finanças inadequadas, uso de múltiplos fármacos ou fármacos que devem ser tomados várias vezes ao dia) são mais comuns entre os idosos ( Problemas relacionados a medicamentos em idosos). O comprometimento cognitivo pode diminuir ainda mais a adesão ao tratamento. Às vezes, o médico deve ser criativo, selecionando um fármaco mais fácil de ser utilizado, mesmo que não seja o de primeira escolha. Por exemplo, no caso de pacientes que não aderem a esquema terapêutico de dose oral de clonidina, seria preferível a utilização de um adesivo desse fármaco, substituído semanalmente por um enfermeiro ou membro da família.

O resultado mais óbvio da falta de adesão é que a doença pode não ser aliviada ou curada. Estima-se que a falta de adesão resulte em 125.000 mortes decorrentes de doenças cardiovasculares a cada ano nos EUA. Se os pacientes ingerirem seus fármacos de acordo com a orientação, é possível evitar até 23% das internações em asilos, 10% das internações hospitalares, várias consultas médicas, muitos exames diagnósticos e diversos tratamentos desnecessários. Em alguns casos, a falta de adesão ao tratamento pode levar ao agravamento da doença. Por exemplo, a interrupção precoce ou a falta de uma dose do tratamento com antibióticos ou antivirais pode levar à resistência dos microrganismos.

Farmacêuticos e enfermeiros podem detectar e auxiliar a resolver problemas de adesão. Por exemplo, um farmacêutico pode observar que um paciente não solicita reposição ou que a prescrição é reposta muito precocemente. Ao revisar as orientações da prescrição com o paciente, o farmacêutico ou o enfermeiro pode descobrir a interpretação errônea ou os temores do paciente e aliviá-los. Os médicos podem alterar dosagens complicadas ou frequentes ou substituir fármacos seguros e efetivos, mas menos dispendiosos. É importante a comunicação entre todos os profissionais da saúde que propiciam atendimento ao paciente.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS