Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

honeypot link

Micetoma

(Maduromicose, Pé de Madura)

Por

Sanjay G. Revankar

, MD, Wayne State University School of Medicine

Última modificação do conteúdo jul 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

Micetoma é uma infecção crônica, progressiva e localizada, causada por fungos ou bactérias, que envolve os pés, os membros superiores ou as costas. Sintomas incluem tumefação e formação de fístulas. O diagnóstico é clínico, confirmado por exame de microscopia de exsudatos e cultura. O tratamento é feito com antimicrobianos, desbridamento cirúrgico e, algumas vezes, amputação.

Bactérias, principalmente Nocardia spp e outros actinomicetos, causam mais da metade dos casos. O restante é provocado por aproximadamente 20 espécies de fungos diferentes. Quando causadas por fungos, as lesões, algumas vezes, são chamadas de eumicetoma.

Micetoma ocorre principalmente em áreas tropicais ou subtropicais, inclusive no sul dos EUA, e é adquirido pela entrada de microrganismos nos locais de trauma na pele exposta dos pés, como também nas extremidades ou no dorso de trabalhadores que transportam vegetação ou outros objetos contaminados. Homens com idade entre 20 e 40 anos são afetados com mais frequência, presumivelmente em decorrência de trauma adquirido em trabalho ao ar livre.

As infecções se disseminam por áreas subcutâneas contíguas, resultando em edema e formação de múltiplas fístulas que drenam “grãos” característicos de microrganismos agrupados. Reações teciduais, vistas ao microscópio, podem ser principalmente supurativas ou granulomatosas, dependendo do agente causal específico. À medida que a infecção progride, podem ocorrer infecções bacterianas secundárias.

Sinais e sintomas

Manifestações de micetoma

A lesão inicial do micetoma pode ser uma pápula, um nódulo subcutâneo fixo, uma vesícula com uma base endurada ou um abscesso subcutâneo que se rompe para formar uma fístula na superfície da pele. Fibrose é comum dentro e ao redor das lesões iniciais. Na ausência de infecção secundária bacteriana supurativa aguda, não há qualquer sensibilidade ou esta é discreta.

A infecção progride lentamente em meses ou anos, com gradual e progressiva extensão a — e destruição de — músculos, tendões, fáscia e ossos contíguos. Não ocorrem disseminação sistêmica ou sinais e sintomas sugerindo infecção generalizada. Eventualmente, desgaste muscular, deformidade e destruição de tecidos dificultam o uso dos membros afetados. Em infecções avançadas, as extremidades envolvidas tornam-se grotescamente edemaciadas, formando uma massa claviforme contendo áreas císticas. Fístulas e múltiplos tratos sinusais que drenam e se intercomunicam nessas áreas secretam exsudatos espessos ou serossanguinolentos contendo grãos característicos, que podem ser brancos ou pretos.

Diagnóstico

  • Exame e cultura de exsudatos

Agentes causais podem ser identificados presuntivamente por exame a olho nu e microscópico dos grãos de exsudatos, cujos grânulos de 0,5 a 2 mm possuem formas irregulares e cor variável. A compressão e o cultivo desses grânulos permitem a identificação definitiva. Os espécimes podem demonstrar múltiplas bactérias e fungos, alguns dos quais são causas potenciais de superinfecções.

Tratamento

  • Antifúngicos ou antibacterianos

  • Algumas vezes, cirurgia

(Ver também Antifúngicos.)

O tratamento do micetoma pode exigir > 10 anos. Óbito pode ocorrer em casos negligenciados como consequência de infecção secundária bacteriana e sepsia.

Em infecções causadas por Nocardia, usam-se sulfonamidas e outros antibacterianas, algumas vezes em combinação.

Entre as infecções causadas por fungos, alguns potenciais agentes etiológicos podem ser parcialmente sensíveis a anfotericina B, itraconazol ou cetoconazol (não disponível nos EUA), mas alguns são resistentes a todos os antifúngicos. Recaídas ocorrem após terapia antifúngica na maioria dos casos e muitos não melhoram ou mesmo pioram durante o tratamento, indicando a natureza frequentemente refratária da infecção.

Desbridamento cirúrgico é necessário, assim como possível amputação de membro, para prevenir infecções bacterianas secundárias graves potencialmente fatais.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS ANDROID iOS
PRINCIPAIS