honeypot link

Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Abscessos

Por

Larry M. Bush

, MD, FACP, Charles E. Schmidt College of Medicine, Florida Atlantic University

Última modificação do conteúdo out 2018
Clique aqui para acessar Educação para o paciente

Abscessos são coleções de pus em espaços teciduais confinados, geralmente causados por infecção bacteriana. Os sintomas incluem dor local, sensibilidade, calor e edema (se próximos da pele) ou sintomas constitucionais (se profundos). Exames de imagem podem ser necessários para diagnosticar abscessos profundos. O tratamento é feito por meio de drenagem cirúrgica e, muitas vezes, pela administração de antibióticos.

Etiologia

Inúmeros microrganismos podem causar abscessos, mas o mais comum é

  • Staphylococcus aureus

Os microrganismos podem penetrar no tecido por

  • Implantação direta (p. ex., trauma perfurante com objetos contaminados)

  • Disseminação de uma infecção estabelecida e contígua

  • Disseminação por via linfática ou hematogênica de um foco distante

  • Migração de um local em que existe uma flora residente para uma área adjacente, normalmente estéril, em razão de ruptura de barreiras naturais (p. ex., perfuração de uma víscera abdominal causando um abscesso intra-abdominal)

Os abscessos podem começar em uma área da celulite ou no tecido comprometido em que há acúmulo de leucócitos. A dissecção progressiva pelo pus ou a necrose de células circundantes expandem o abscesso. O tecido conectivo altamente vascularizado pode, então, ser circundado por tecido necrótico, leucócitos e debris da parede externa ao abscesso, limitando a disseminação posterior.

Os fatores predisponentes à formação de abcessos incluem:

  • Comprometimento dos mecanismos de defesa do hospedeiro (p. ex., comprometimento das defesas por meio dos leucócitos)

  • Presença de corpos estranhos

  • Obstrução da drenagem normal (p. ex., nos tratos urinário, biliar ou respiratório)

  • Isquemia ou necrose tecidual

  • Hematoma ou acúmulo excessivo de líquidos nos tecidos

  • Trauma

Sinais e sintomas

Os sinais e sintomas de abscessos cutâneos e subcutâneos são dor, calor, edema, sensibilidade e hiperemia.

Se os abscessos superficiais estiverem prontos para ruptura espontânea (flutuantes), a pele sobre o centro do abscesso pode se tornar fina, algumas vezes com aparência branca ou amarela por causa do pus subjacente (denominado apontador). Pode ocorrer febre, em especial com celulite ao redor.

Em abscessos profundos, dor, sensibilidade local e sintomas sistêmicos, em particular febre, assim como anorexia, perda ponderal e fadiga são típicos.

A manifestação predominante de alguns abscessos é a disfunção de determinados órgãos (p. ex., hemiplegia com abscesso cerebral).

Complicações dos abcessos incluem

  • Propagação bacteriêmica

  • Ruptura para o tecido adjacente

  • Sangramento de vasos erodidos pela inflamação

  • Comprometimento da função de um órgão vital

  • Inanição devido à anorexia e aumento das necessidades metabólicas

Diagnóstico

  • Avaliação clínica

  • Às vezes, ultrassonografia, tomografia ou RM

O diagnóstico de abscessos cutâneos e subcutâneos é feito pelo exame físico.

O diagnóstico de abscessos profundos requer, com frequência, exames de imagem. A ultrassonografia não é invasiva e detecta muitos abscessos de tecidos moles; a TC é acurada na maioria dos casos, embora a RM seja, em geral, mais sensível.

Tratamento

  • Drenagem cirúrgica

  • Às vezes, antibióticos

Abscessos superficiais podem ser resolvidos com calor e antibióticos orais. Contudo, a cura normalmente requer drenagem.

Abscessos cutâneos menores necessitam apenas de incisão e drenagem. Toda a secreção purulenta, o tecido necrótico e os debris devem ser removidos. Para abscessos maiores (> 5 cm), pode ser necessária a eliminação do espaço aberto (morto) fechando-o com gaze ou com a colocação de drenos para prevenir sua recidiva. Condições predisponentes, como obstrução da drenagem natural ou presença de corpos estranhos, requerem correção.

Abscessos profundos algumas vezes podem ser drenados adequadamente com aspiração percutânea por agulha (normalmente orientada por ultrassonografia ou TC); esse método na maioria das vezes evita a necessidade de drenagem cirúrgica aberta.

A ruptura e a drenagem espontâneas podem ocorrer, algumas vezes levando à formação de sinusites crônicas. Sem drenagem, um abscesso ocasionalmente se resolve, de maneira lenta, após a digestão proteolítica do pus produzir um líquido fino, estéril, que é reabsorvido pelo sangue. A reabsorção incompleta pode provocar loculação cística nas paredes fibrosas, as quais podem se tornar calcificadas.

Antimicrobianos sistêmicos são indicados como terapia adjuvante como a seguir:

  • Se o abcesso for profundo (p. ex., intra-abdominal)

  • Se houver múltiplos abscessos

  • Se houver celulite significativa circundante

  • Talvez se o tamanho for > 2 cm

Antimicrobianos geralmente são ineficazes sem drenagem. A terapia antimicrobiana empírica baseia-se na localização e no provável patógeno infectante. Resultados de coloração de Gram, cultura e sensibilidade auxiliam a guiar a terapia antimicrobiana.

Pontos-chave

  • O diagnóstico dos abscessos cutâneos e subcutâneos é clínico; os abcessos mais profundos muitas vezes exigem imagiologia.

  • Normalmente, drenagem do abscesso por incisão ou, às vezes, por aspiração com agulha.

  • Usar antibióticos quando os abscessos são grandes, profundos ou circundados por celulite significativa.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS