honeypot link

Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Ceratite ulcerativa periférica

(Ceratólise marginal, ulceração reumatoide periférica)

Por

Melvin I. Roat

, MD, FACS, Sidney Kimmel Medical College at Thomas Jefferson University

Última modificação do conteúdo ago 2018
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

Ceratite ulcerativa periférica é a inflamação e ulceração da córnea presente em doenças crônicas do tecido conjuntivo. O resultado é irritação e visão diminuída.

A ceratite ulcerativa periférica é uma ulceração grave da córnea; ocorre frequentemente nas doenças autoimunes do tecido conjuntivo em atividade e são de longa duração como artrite reumatoide, granulomatose com poliangiite (anteriormente chamada granulomatose de Wegener) e policondrite recidivante.

Frequentemente, os pacientes se queixam de diminuição da acuidade visual, fotofobia e sensação de corpo estranho. Área crescente de opacificação na periferia da córnea por causa do infiltrado leucocitário. A ulceração, que se cora com fluoresceína, evolui logo após a opacificação. Isso é o oposto da úlcera infecciosa habitual que começa com um defeito epitelial e mais tarde evolui com opacificação. Causas infecciosas, como bactérias, fungos e herpes-vírus simples, devem ser excluídas por meio de cultura de raspado da úlcera e das margens palpebrais.

Entre os pacientes com doenças autoimunes do tecido conjuntivo e ceratite ulcerativa periférica, a taxa de mortalidade em 10 anos é cerca de 40% (geralmente devido a IM) sem tratamento e cerca de 8% com terapia citotóxica sistêmica.

O paciente com este tipo de úlcera deve ser prontamente encaminhado a um oftalmologista. Ciclofosfamida sistêmica, outros imunossupressores ou imunobiológicos como o rituximabe tratam a ceratite, a vasculite potencialmente fatal e a doença autoimune subjacente. O tratamento também abrange estratégias para o controle local da inflamação (p. ex., adesivo tecidual oftálmico e lentes de contato terapêuticas) e o reparo das lesões (p. ex., enxertos). Outros fármacos que podem auxiliar no quadro são inibidores do colágeno, como tetraciclina ou colírio de n-acetilcisteína a 20%.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS