Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

honeypot link

Hepatite A

Por

Sonal Kumar

, MD, MPH, Weill Cornell Medical College

Última modificação do conteúdo dez 2020
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

Hepatite A é causada por um vírus de RNA transmitido entericamente que, em crianças mais velhas e adultos, provoca sintomas típicos da hepatite viral, incluindo anorexia, mal-estar e icterícia. Crianças pequenas podem ser assintomáticas. Hepatite fulminante e morte são raras nos países desenvolvidos. Hepatite crônica não ocorre. O diagnóstico é por teste para anticorpos. O tratamento é de suporte. Vacinação e infecção prévia são protetores.

O vírus da hepatite A é um picornavírus de cadeia única de ácido ribonucleico (RNA). É a causa mais comum de hepatite viral aguda, particularmente comum em crianças e adultos jovens.

Em alguns países, > 75% da população adulta já foi exposta ao vírus da hepatite A. Nos EUA, em 2018, foram notificados 12.474 casos e ocorreram cerca de 24.900 casos [muitos deles não foram reconhecidos ou não foram notificados (1 Referências gerais Hepatite A é causada por um vírus de RNA transmitido entericamente que, em crianças mais velhas e adultos, provoca sintomas típicos da hepatite viral, incluindo anorexia... leia mais )]. Em todo o mundo, estima-se que a cada ano ocorram 1,4 milhão de casos de hepatite A (2 Referências gerais Hepatite A é causada por um vírus de RNA transmitido entericamente que, em crianças mais velhas e adultos, provoca sintomas típicos da hepatite viral, incluindo anorexia... leia mais ).

O HAV é transmitido principalmente por via fecal-oral e, portanto, ocorre de forma mais frequente em áreas com pouca higiene. Ocorrem epidemias por contaminação alimentar e por água, principalmente em países subdesenvolvidos. A ingestão de mariscos crus contaminados pode ser uma forma de transmissão. Casos esporádicos também são comuns, geralmente por contato entre pessoas.

A disseminação fecal do vírus ocorre antes do aparecimento dos sintomas e geralmente acaba poucos dias depois do início da sintomatologia; portanto, a infecciosidade comumente já cessou quando a hepatite se torna clinicamente evidente.

Referências gerais

Sinais e sintomas da hepatite A

Em crianças < 6 anos, 70% das infecções por hepatite A são assintomáticas e, em crianças com sintomas, icterícia é rara. Por outro lado, a maioria das crianças mais velhas e adultos tem manifestações típicas de hepatite viral Sinais e sintomas É a inflamação hepática difusa causada por vírus específicos hepatotrópicos que apresentam diversos modos de transmissão e epidemiologia. Um pródromo... leia mais , incluindo anorexia, mal-estar, febre, náuseas e vômitos; icterícia ocorre em mais de 70%.

Manifestações tipicamente desaparecem depois de cerca de 2 meses, mas, em alguns pacientes, os sintomas persistem, ou recorrem por até 6 meses. Alguns pacientes têm colestase prolongada (hepatite colestática) decorrente de hepatite A; a hepatite colestática é caracterizada por icterícia acentuada com prurido, febre contínua, perda ponderal, diarreia e mal-estar.

Diagnóstico da hepatite A

  • Exames sorológicos

Se há suspeita de hepatite viral aguda, os seguintes testes são realizados para triagem das hepatites virais A, B e C:

  • Anticorpo IgM para HAV (IgM anti-HAV)

  • Antígeno de superfície da hepatite B (HBsAg)

  • Anticorpo central da hepatite B (IgM anti-HBc)

  • Anticorpo contra o vírus da hepatite C (anti-VHC) e RNA da hepatite C (HCV-RNA)

Se o teste IgM anti-HAV é positivo, a hepatite A é diagnosticada. Realiza-se o teste de anticorpo IgG para HAV (anti-HAV IgG) (ver tabela Sorologia para hepatite A Diagnóstico ) a fim de ajudar a distinguir infecção aguda de prévia. Um teste anti-HAV IgG positivo sugere infecção por HAV prévia ou imunidade adquirida. Não há outros testes para hepatite A.

O HAV está presente no sangue apenas durante a infecção aguda e não pode ser detectável clinicamente com os testes disponíveis.

O anticorpo IgM tipicamente aparece em fases precoces da infecção e atinge seu pico em 1 a 2 semanas após o aparecimento da icterícia. Diminui após algumas semanas, seguido pelo aparecimento de IgG protetor (IgG anti-HAV), que geralmente persiste por toda a vida. Dessa forma, o anticorpo IgM é um marcador de infecção aguda, ao passo que o IgG anti-HAV indica apenas exposição prévia ao HAV e imunidade contra infecções recorrentes.

Tabela
icon

Outros testes

Testes hepáticos são necessários se ainda não tiverem sido feitos; incluem níveis séricos de alanina aminotransferase (ALT), aspartato aminotransferase (AST) e fosfatase alcalina.

Deve-se realizar outros testes para avaliar a função hepática; estes incluem níveis séricos de albumina, bilirrubina, e tempo de protrombina (TP)/ quociente internacional normatizado (INR).

Tratamento da hepatite A

  • Cuidados de suporte

Nenhum tratamento atenua a hepatite viral aguda, incluindo hepatite A. Deve-se evitar a ingestão de álcool, pois pode haver piora da lesão hepática. Não existem evidências científicas que apoiem o uso de restrições dietéticas ou de atividades, incluindo o repouso no leito habitualmente prescrito.

Para a hepatite colestática, o uso de colestiramina, 8 g por via oral uma ou duas vezes ao dia, pode melhorar o prurido.

Deve-se relatar a ocorrência de hepatite viral às autoridades de saúde locais.

Prevenção da hepatite A

Bons hábitos de higiene pessoal ajudam a prevenir a transmissão fecal-oral da hepatite A. Recomenda-se barreiras de contato, mas o isolamento dos pacientes tem pouca efetividade para prevenir a propagação do HAV.

Quedas de líquidos e superfícies contaminadas na casa dos pacientes podem ser limpas com água sanitária diluída.

Vacinação

Pré-exposição à vacina contra HAV (ver Cronograma de imunização de adultos) deve ser fornecida para adultos com maior risco, incluindo

  • Viajantes Vacinas para viagens internacionais*,† Vacinas para viagens internacionais*,† para os países com incidência alta ou intermediária de HAV

  • Funcionários de laboratórios de diagnóstico

  • Homens que fazem sexo com homens

  • Pessoas que usam drogas ilícitas injetáveis ou não injetáveis

  • Pessoas com doenças hepáticas crônicas (incluindo hepatite C crónica) porque têm maior risco de desenvolver hepatite fulminante por HAV

  • Pessoas que antecipam contato próximo com um adotado internacional durante os primeiros 60 dias após a chegada de um país com endemicidade alta ou intermediária de HAV

  • Pessoas que não têm moradia estável ou que são sem-teto

Profilaxia pré-exposição para o vírus da hepatite A deve ser considerada para funcionários de creches e militares.

Anteriormente, viajantes eram aconselhados a se vacinarem contra hepatite A ≥ 2 semanas antes da viagem; aqueles partindo em < 2 semanas também devem receber imunoglobulina padrão. Evidências atuais sugerem que imunoglobulina é necessária apenas para viajantes mais velhos e aqueles com doença hepática crônica ou outra doença crônica.

Profilaxia pós-exposição

Profilaxia pós-exposição deve ser dada aos familiares e contatos próximos dos pacientes com hepatite A.

Para pacientes não vacinados saudáveis com 1 a 40 anos, uma dose única da vacina contra hepatite A é dada.

Para outros pacientes, particularmente aqueles > 75 anos, aqueles com doença hepática crônica e pacientes imunocomprometidos, imunoglobulina padrão (anteriormente, imunoglobulina sérica) previne ou diminui a gravidade da hepatite A. A dose recomendada é 0,02 mL/kg, IM mas alguns especialistas aconselham 0,06 mL/kg (3 a 5 mL para adultos). Pode ser administrada até 2 semanas depois da exposição, mas, quanto antes, melhor.

Pontos-chave

  • O vírus da hepatite A é a causa mais comum de hepatite viral aguda, transmitida por via fecal-oral.

  • Crianças < 6 anos podem ser assintomáticas; crianças mais velhas e adultos têm anorexia, mal-estar e icterícia.

  • Hepatite fulminante é rara, e hepatite crônica, cirrose e câncer não ocorrem.

  • Tratamento de suporte.

  • Vacinação de rotina a partir do 1º de idade é recomendada para todos.

  • Vacinar as pessoas em risco (p. ex., viajantes para áreas endêmicas, trabalhadores de laboratório) e fornecer profilaxia pós-exposição com imunoglobulina padrão ou, para alguns, vacinação.

Informações adicionais

  • Centers for Disease Control and Prevention (CDC): hepatite A, perguntas e respostas para profissionais de saúde: esse site web fornece uma visão geral da hepatite A (incluindo diagnóstico, estatísticas, transmissão, fatores de risco, sintomas e vacina contra hepatite), bem como informações sobre o uso de imunoglobulinas e hepatite e viagens internacionais. Acessado em 29/11/20.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
PRINCIPAIS