Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Avaliação do punho

Por

Alexandra Villa-Forte

, MD, MPH,

  • Clinical Assistant Professor
  • Cleveland Clinic

Última modificação do conteúdo dez 2017
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

Exame do punho

Inspecionar o punho observando deformidades macroscópicas, eritema e edema (como edema localizado de algum gânglio cístico), e palpá-lo suavemente para sentir o calor e detectar pequenos edemas. Os achados podem ser comparados com o lado não comprometido.

A palpação examina os ossos, a articulação e os tecidos moles em busca de dor ao toque. A dor ao toque na tabaqueira anatômica (indentação entre o extensor longo do polegar no lado ulnar e o abdutor longo do polegar e o extensor curto do polegar no lado radial) sugere lesão do escafoide. A tabaqueira é bem evidenciada ao pedir que o paciente estenda o polegar como alguém pedindo carona.

Tentar a amplitude completa do movimento, inclusive a extensão e a flexão e o desvio radial e ulnar. A extensão e a flexão podem ser comparadas bilateralmente pedindo que o paciente levante os cotovelos, primeiro com as palmas unidas e a seguir com o dorso das mãos juntos.

Se os sintomas do paciente o permitirem, pode-se fazer testes provocativos de tendinopatia e frouxidão ligamentar. O teste de Finkelstein é feito para procurar a Síndrome de De Quervain, que é a tenossinovite do 1º compartimento extensor. Para esse teste, o paciente cerra o punho com o polegar sob os outros dedos, e a seguir aplica-se um pequeno desvio ulnar passivo; o teste é positivo se houver dor. Para avaliar a estabilidade da articulação radial-ulnar distal, o examinador segura a parte distal da ulna com os dedos de uma mão e o segmento distal do rádio com a outra, puxando-as para cima e para baixo em oposição uma à outra.

Artrocentese do punho

A inserção da agulha é feita distal ao tubérculo de Lister e ulnar ao tendão extensor longo do polegar, com tração axial de 20 a 30° de flexão, e desvio ulnar aplicado à mão para facilitar a penetração no espaço articular. O tendão extensor longo do polegar pode ser identificado mais facilmente se o paciente estender ativamente o punho e o polegar. Utilizar uma agulha de calibre 25 para fazer um botão anestésico no local de inserção da agulha. Usar uma agulha de calibre 22 de 2,5 cm para aspirar a articulação. Inserir a agulha perpendicularmente à pele e avançar na direção do face volar do punho, com contrapressão no êmbolo da seringa durante a progressão. O líquido sinovial entrará na seringa no momento em que a agulha penetrar na articulação.

Artrocentese do punho

O líquido sinovial é retirado da articulação radiocarpal. Para ajudar a identificar o tendão do extensor longo do polegar, o paciente deve estender ativamente o punho e o polegar. Para puncionar a articulação, o punho é flexionado e desviado em direção ulnar em cerca de 20 a 30°. Aplicar tração manual. A inserção da agulha ocorre um pouco distal ao tubérculo de Lister, ulnar ao tendão extensor longo do polegar.

Artrocentese do punho
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS